Links

ARQUITETURA E DESIGN




Ana Jotta, Mesa de Luz, 1981. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Marcius Galan, Isolante, 2007. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Paulo Nozolino, Obs.3, 2008-09. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


António Barros, Escravos, 1977. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Bruce Nauman, Amazing Fountain (Portuguese), 1998 e António Barros, Autista, 1985. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Fernando José Pereira, Interior, 2003. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Richard Long, Earth Circle, 2001. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Miguel Palma, Engenho, 1993 e Pedro Tudela, Rastos, 1997-98. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Miguel Palma, Engenho, 1993 e Pedro Tudela, Rastos, 1997-98. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Vista geral da exposição, Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.


Runa Islam, Parallel, 2001. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.

Outros artigos:

2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES

CONSTANÇA BABO


 

 
O Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões torna-se, até ao dia 17 de setembro do presente ano, o habitat de trinta e três obras de arte contemporânea. Esta magnífica iniciativa é possibilitada por uma triparceria entre a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves e a Câmara Municipal de Matosinhos.

 

O recente edifício do Terminal de Cruzeiros foi inaugurado no dia 23 de julho de 2015, mediante uma cerimónia oficial de importância equivalente à do próprio espaço, o "maior projeto de sempre de abertura do porto à cidade" segundo afirmou a APDL à agência Lusa. Localizada em Matosinhos, a infra-estrutura acompanha o cais construído em 2011, ambos determinando o início e o término da atracagem dos cruzeiros, facilitando o fluxo destes e, sobretudo, dos seus passageiros. Acrescente-se que o edifício do terminal acolhe o Parque de Ciência e Tecnologia do Mar da Universidade do Porto e outras unidades de investigação.

 

Da autoria do arquiteto Luís Pedro Silva, constatamos tratar-se de uma construção complexa e singular. Apresenta-se como um espaço amplo, despojado e, como se observa noutros projetos do mesmo arquiteto, parte de uma concepção e geometria contemporâneas que criam uma relação de proximidade e harmonia com o ambiente natural em redor. Neste caso, é particularmente interessante que parte das paredes da estrutura sejam cobertas por uma textura de azulejos brancos em escamas à semelhança dos peixes. Assim, o terminal constitui, para o público, um desafio de o percorrer e contemplar, algo que se intensifica exponencialmente perante a perspetiva da concretização de uma exposição de arte. Os predominantes tons de branco e cinza compõem também uma tela convidativa ao artista que for capaz de lhes responder e aí intervir. Ora, Miguel von Hafe Pérez está, sem dúvida, apto para tal exercício, com uma visão curatorial tão surpreendente e atual quanto as obras de arte mais contemporâneas.

 

É assim que a escolha do comissário a partir da coleção do Museu de Serralves resulta numa seleção de peças assinadas por 26 artistas, nacionais e estrangeiros. Com um espaço temporal entre os anos 60 e a atualidade, procurou criar um diálogo entre obras portuguesas e internacionais, numa tentativa de revisitar peças que não tenham sido expostas nos últimos anos.

 

A iniciar a exposição, ainda antes de entrar no edifício, apresenta-se A casa dos murmúrios (1990), de Pedro Cabrita Reis, que joga com a questão da escala e provoca, como o curador diz, "uma ressonância muito particular". Relacionando-se com o espaço, a estrutura evoca a água, o seu percurso, fluxo e armazenamento, em diálogo com o mar que se anuncia em frente e com o carácter orgânico e industrial do edifício.

 

Também as duas obras, dos anos 90, que ocupam o hall de entrada do terminal, manifestam-se inesperadas e, simultaneamente, bem enquadradas. Do lado esquerdo, um carro, objeto de trânsito e passagens, de Miguel Palma, com o título Engenho (1993) e, à direita, uma grande instalação de Pedro Tudela. Esta última, Rastos (1997-98), foi prontamente imaginada pelo curador para ser instalada nessa parede do edifício. Para tal, propôs ao artista que a repensasse e recriasse, alterando a sua posição horizontal para vertical. Como Tudela explica, a peça tanto engole como projeta, representando, assim, um movimento, um outro trânsito, neste caso, visual e sonoro.

 

No primeiro andar, onde se encontra o corredor de passagem para a doca do porto, há uma clara noção das milhares de pessoas que percorrem este espaço. Deste modo, as obras que aí foram colocadas apelam a todo o indivíduo social, principalmente o europeu. Podendo ser reativadas e suscitando um novo entendimento sobre si mesmas, estas formas não se relacionam somente com o contexto em que foram concebidas. Como Georges Didi-Huberman sublinhou, é possível resgatarmos os objetos do passado para os recebermos com novas interpretações. Ora, nesta exposição revemos e relemos os trabalhos de Bruce Nauman, Ignasi Aballí ou Paulo Nozolino, entre outros. E, perante a atual circunstância política e social que vivemos, como europeus, podemos gritar como Cristina Mateus, em 1997, no vídeo Grito, ou construir uma arte radical, fundamentalmente de cor preta, como anunciou Theodor W. Adorno e Avelino Sá reproduziu em Negro (1992).

 

João Tabarra, Barricadas improvisées, 2001. Serralves 2017, Passagens, Terminal Leixões. Fotografia: Pedro Figueiredo.

 

Como Miguel von Hafe Pérez afirma, a arte pode servir para ver as coisas de uma nova perspetiva. Na obra de Denis Oppenheim, Posto de visionamento (1967), com efeito, encontramos uma estrutura através da qual podemos observar a paisagem exterior, sendo esta uma das obras que, em conjunto com o edifício, nos oferece uma maior experiência física, visual e perceptiva. Nessa mesma medida anuncia-se a obra de Richard Long, Earth Circle (2001), a única disposta no terraço do terminal. Composta por um elemento natural, o granito, aproxima-se do ambiente que a circunda e oferece uma nova óptica sobre a arte e, claro, o azul do céu, da água e da praia de Matosinhos. A paisagem, já por si só magnífica, ganha com este elemento que com ela entra em diálogo, uma nova vida e dinâmica.

 

Sendo Passagens a primeira exposição realizada no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, Fernando Rocha, Vereador da Cultura de Matosinhos, observou que a "arte é uma forma de democratizar este edifício", considerando que o espaço da Cultura não são só as galerias, mas também o nosso território e o que o compõe. O Presidente da APDL Eng.º Brògueira Dias, , considerou a ocasião enriquecedora e identificou o desafio que esta contém, tanto pelo edifício como pelas próprias particularidades de cada obra. Miguel von Hafe Pérez acrescenta ainda que o público é desafiante, sendo, nesta exposição, mais diversificado do que nos usuais contextos expositivos e também, possivelmente, menos habituado a interagir com produções artísticas.

 

Para todos os outros espetadores que procurarem visitar a exposição, esta encontra-se aberta todos os domingos, das 9h30 às 13h00, estando a tentar-se prolongar a sua abertura ao resto desse dia da semana.

 

O Museu de Arte Contemporânea de Serralves comprova, uma vez mais, a sua imensa vontade e determinação em expandir-se e levar a arte a espaços exteriores a si mesmo. Como a Presidente Ana Pinho referiu na inauguração, trata-se da possibilidade de pensar a produção artística para um contexto muito menos formal e institucional. Sendo este um dos grandes objetivos de 2017 e que determina a exposição Passagens, constrói-se uma programação plural, heterogénea e dinâmica. Ora, quando esta ação é realizada por Miguel von Hafe Pérez, antevê-se uma acentuada experiência estética e um resultado de sucesso verdadeiramente brilhante.

 

 

Constança Babo

 

Online viagra uk citrate sildenafil india online purchase http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra when to take buy sildenafil paypal http://www.saludos.com/award.htm best ed pills, viagra how to buy uk soft 100mg tabs sildenafil citrate.
Levitra cheapest 1mg propecia tablets mg tabs 20 soft tadalafil is viagra available over the counter in canada, buy gel viagra uk online buy at walmart cialis.
100mg india tablets citrate sildenafil viagra reviews generic user levitra mg propecia buy, where buy to in viagra store discount india generic cialis.
Australia online buy cialis prices levitra uk viagra to uk in over the buy where counter indian suhagra sildenafil citrate, online cialis paypal cheap levitra.
Viagra buy generic online soft tadalafil 20 mg tabs http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra daily use online sildenafil 50mg http://www.saludos.com/award.htm best pills for erectile dysfunction, propecia tablets buy finasteride citrate sildenafil uk.
Viagra canada generic cost levitra buy 10mg generic online pharmacy canada buy propecia http://www.socgeografialisboa.pt/sildenafil-citrate-uk/ cheapest sildenafil uk, walmart at sale viagra for citrate buy 100mg sildenafil tablets.
Buy soft viagra tabs levitra costco price levitra india 20 mg in price 20mg cialis cost, tadalafil citrate dosage levitra.
Free trial viagra viagra canada sample free viagra vs cialis vs levitra cialis vs viagra vs levitra doses with viagra online paypal purchase ed pills order ed pills, viagra sildenafil difference viagra viagra super vs active.
Levitra vardenafil 10 mg drugs ed cialis vs viagra vs levitra cost cialis vs viagra india cialis vs viagra price erectile dysfunction pills ed meds, perscription online viagra prescription uk cialis.