Links

ARQUITETURA E DESIGN




Auspício, 2023 © Madalena Folgado


Pensão Fim do Mundo, Grândola, 2023 © Madalena Folgado


Vale Pereiro II, Avenida Jorge de Vasconcelos Nunes, 2012 © Madalena Folgado


Alentejo. Fonte: books.openedition.org


Vale Pereiro II, Avenida Jorge de Vasconcelos Nunes, 2023 © Madalena Folgado


Lote tipo visitado — localização no conjunto e marcação a cheio da área construída — a partir de Vale Pereiro, Implantação por José Bandeirinha


Da esquerda para a direita: Planta do piso térreo, planta do 1º piso/T3 e planta 1º piso T4 (em situação de evolutivo construída) © Madalena Folgado


Cozinha, síntese formal a partir de Santiago do Cacém, Alvalade e Alentejo. Fonte: books.openedition.org


Acesso a dois fogos; entradas laterais para cozinha e entrada principal e logradouro em frente, 2012 © Madalena Folgado


Vista do interior a partir da sala de estar, 2012 © Madalena Folgado


Vista do interior a partir da escada, 2012 © Madalena Folgado


Cozinha, duas vistas, 2012 © Madalena Folgado


Vista do quarto e degrau de entrada, 2012 © Madalena Folgado


Vale Pereiro II, praça, 2012 © Madalena Folgado


Vale Pereiro II, equipamento, parque infantil, 2012 © Madalena Folgado


Vale Pereiro II, vista da volumetria dos quartos a partir do logradouro; tipologia evolutiva T3 para T4, 2012 © Madalena Folgado


Vale Pereiro II, vista das vedações a partir do espaço público, 2023 © Madalena Folgado


Vale Pereiro II, vista para o logradouro a partir do espaço público, 2023 © Madalena Folgado

Outros artigos:

2024-04-13


PÁDUA RAMOS: DA ARQUITETURA AO DESIGN


2024-02-26


NO LUGAR DE UMA JANELA, NASCEU UMA PORTA


2024-01-21


TERCEIRO ANDAR DE LUCIANA FINA OU DESTINAÇÃO (EST)ÉTICA


2023-11-02


A PROPÓSITO DE ONDE VAMOS MORAR? — CICLO DE CINEMA POR ANDY RECTOR


2023-09-11


CARTOGRAFIA DO HORIZONTE: DO TERRITÓRIO AOS LUGARES


2023-08-05


O ESTALEIRO, O LABORATÓRIO, A SUA CAIXA E O CAVALETE DELA


2023-06-01


UMA CIDADE CONSTRUÍDA PARA O CONSUMO: DA LÓGICA DO MERCADO À DISNEYFICAÇÃO DA CIDADE


2023-04-03


NOTAS SOBRE UM ARQUITECTO ARTIFICIALMENTE INTELIGENTE


2023-02-24


MUSEU DA PAISAGEM. AS POSSIBILIDADES INFINITAS DE LER E REINTERPRETAR O TERRITÓRIO


2023-01-30


A DIVERSIDADE NA HABITAÇÃO DAS CLASSES LABORIOSAS, OS HIGIENISTAS E O CASO DA GRAÇA


2022-12-29


HABITAR: UM MANIFESTO SECRETO


2022-11-23


JONAS AND THE WHOLE


2022-10-16


CASA PAISAGEM OU UM PRESÉPIO ABERTO


2022-09-08


ENTREVISTA A ANA CATARINA COSTA, FRANCISCO ASCENSÃO, JOÃO PAUPÉRIO E MARIA REBELO


2022-08-11


ENTREVISTA A JOSÉ VELOSO, ARQUITETO DA OPERAÇÃO SAAL DA MEIA-PRAIA


2022-07-11


TERRA, TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA 2022. ENTREVISTA A CRISTINA VERÍSSIMO E DIOGO BURNAY


2022-05-31


OH, AS CASAS, AS CASAS, AS CASAS...


2022-04-23


A VIAGEM ARQUITETÓNICA COMO ENCONTRO: DA (RE)DESCOBERTA À (DES)COBERTA DAS ORIGENS


2022-03-29


PODERÁ O PATRIMÓNIO SER EMANCIPATÓRIO?


2022-02-22


EM VÃO: FECHA-SE UMA PORTA PARA QUE UMA JANELA FENOMENOLÓGICA SE ABRA


2022-01-27


SOBRE A 'ESTÉTICA DO CONHECIMENTO': UMA LEITURA DA PEDAGOGIA DE BAUKUNST


2021-12-29


CALL FOR ARCHITECTS


2021-11-27


DE QUE ME SERVE SER ARQUITECTA?


2021-10-26


'OS CAMINHOS DA ÁGUA'


2021-09-30


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI


2021-08-22


CERAMISTAS E ILUSTRADORES: UMA RESIDÊNCIA EM VIANA DO ALENTEJO


2021-07-27


COMPREENSÃO DA CIDADE DO PORTO ATÉ AO SÉCULO XX


2021-06-20


O ANTECEDENTE CULTURAL DO PORTO NA TRANSIÇÃO PARA O SÉCULO XXI


2021-05-12


JOÃO NISA E AS 'PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA PAISAGEM'


2021-02-16


A ORDEM INVISÍVEL DA ARQUITECTURA


2021-01-10


SURENDER, SURENDER


2020-11-30


AS MULHERES NO PRIVATE PRESS MOVEMENT: ESCRITAS, LETRAS DE METAL E CHEIRO DE TINTA


2020-10-30


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO


2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-08-07


FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



ESCUTAR, UMA VEZ MAIS, GRÂNDOLA — OPERAÇÃO SAAL DE VALE PEREIRO

MADALENA FOLGADO


 

 

 

Ouve-se Grândola, Vila Morena, canção de Zeca Afonso tornada hino da Revolução, um pouco por todo o lado…Bem a sabemos. Por esta altura do ano, torna-se, também, o jingle de eleição para publicitar as mais variadas mercadorias — entenda-se, a reificação da Revolução, tantas vezes sob a forma de glorificação narcísica do próprio espírito revolucionário; i.e., não a experiência e compromisso social em si mesmos e as suas consequências, mas imagens e mais imagens de revolucionários emergentes. Ou até, porque o que interessa é o suplemento de validação obtido no grande palco para todos cada vez mais acessível, imagens do revolucionário emergente na polaridade oposta do fraterno — Todos justiceiros indignados, pela imagem criados. Viajei até Grândola no recém-passado dia 28 de Abril, passados 11 anos sobre a minha última visita a esta pequena vila alentejana. Por uma coincidência significativa, neste mesmo dia é anunciada a criação do Prémio Nuno Portas, cuja atribuição se destina a estudos e projetos académicos que tenham por tema central a habitação e o habitat. O anúncio foi feito pela Secretária de Estado da Habitação, Maria Fernanda Rodrigues, no encerramento do seminário Mais do que casas, organizado e com lugar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. 

Chego a Grândola, de combóio, horas antes da merecida homenagem sob a forma de criação de Prémio ao arquiteto e urbanista Nuno Portas, que na qualidade de Secretário de Estado da Habitação do 1º Governo Provisório do Pós 25 de Abril levou a cabo uma iniciativa denominada por SAAL — Serviço de Apoio Ambulatório Local. Pode ler-se o seguinte no Manifesto de Mais do que casas:

 

Há 50 anos o programa SAAL trouxe à superfície, com a participação dos futuros habitantes, um movimento de direito à cidade e à habitação, que assim reivindicaram o seu lugar na cidade que lhe estava vedado pela pobreza extrema a que estavam votados. A investigação tipológica e urbana resultante, assim como o seu processo e modelos financeiros, continuam a constituir uma referência disciplinar e internacional. 

 

E porque viajo até Grândola? Para escutar, uma vez mais; para re-me-morar. O propósito já não é mais um projeto de investigação académico [1], nem tampouco um Prémio; antes, o flagelo da alienação e com ele o esquecimento…E com o esquecimento, a crise habitacional, cujo sentido no presente ensaio tratarei de modo mais vasto; i. e.,  interessam-me possibilidades de ação e portanto, que o ‘princípio seja o verbo’ — habitar — enquanto sinónimo de Ser, e deste modo, dar a ver os modos pelos quais a vida dá a si própria forma, se rasga na sua dimensão poética. Porque, também, na sequência da citação anterior, e ainda no Manifesto de Mais do que casas, também se lê: “Tragicamente, e de acordo com os programas de habitação hoje no terreno, [o SAAL] parece nunca ter existido”. Mas existiu. Talvez tenhamos de estar mais atentos a uma tal estratégia de apagamento, ministrada em doses pequenas mas letais, ao longo do período de alternância política dos últimos 50 anos. Lê-se no Livro Branco do SAAL: 

 

A 6 de Agosto de 1976 é criado por despacho, o Serviço de Apoio Ambulatório Local, com objectivos bem definidos: fornecer apoio fundiário, técnico e financeiro a populações organizadas para participarem na transformação dos seus bairros, aproveitando os recursos dessa população – autoconstrução e autofinanciamento – sob o controlo urbanístico das câmaras municipais. Mais do que um programa de intervenção do Estado no sector da habitação é assim criado um conjunto de disponibilidades técnicas e financeiras que, posto por definição ao serviço das populações mal alojadas, é por estas adoptado como uma possibilidade a utilizar, corrigida, na concretização do «direito à habitação» sob seu controlo. [2]

 

É ainda hoje incrível que o SAAL tenha existido, independentemente das suas inúmeras falhas. Tratou-se de um programa que entendeu algo particularmente importante:  

 

a necessidade de algo que no domínio da habitação equivalesse ao Serviço Nacional de Saúde e permitisse cumprir, através da organização e resposta colectivas, aquela que é uma das mais importantes conquistas e heranças de Revolução de Abril: o direito a uma habitação digna, para todas e para todos. [...] É tristemente irónico que não só não estejamos próximos da criação desse Serviço como, pelo contrário, esteja em curso uma delapidação planeada do Sistema Nacional de Saúde.[3]

 

Ainda que apenas durante pouco mais de um par de anos, foi possível imaginar, acreditar e agir sobre uma visão construída coletivamente, a cada sessão de trabalho, como está documentado, por exemplo, em Continuar a viver ou os Índios da Meia Praia e em As Operações SAAL, respectivamente, por António da Cunha Telles e João Dias. Neste período — longo se considerarmos a velocidade da cultura de cancelamento — exercitou-se a musculatura da negociação; experienciou-se a frustração, a necessária des-ilusão, cuja gestão individual e coletiva resulta no processo de maturidade e portanto de avanço. Tal transição, a não acontecer, é sempre terreno fértil para o populismo e/ou todas as formas de oportuna infantilização mascaradas; da corrupção da liberdade em-cada-um-de-nós, construtora do projeto participado, onde sempre se encontra a Beleza, porque o ‘gosto’ é deixado para a conversa em torno do menu da tasca, ou das redes-sociais e os seus menus especiais, exclusivos e não inclusivos, porque a cargo da IA. 

Muito naturalmente, a questão da participação, que o Conselho Nacional do SAAL reforça a negrito, é no momento histórico, face ao novo enquadramento de liberdade política, particularmente expressiva e intensa. À sombra destas circunstâncias surge também um clima de conflito de base essencialmente partidária que afetou o prossecução das Operações. [4] O técnico que integrou a brigada da Operação SAAL de Vale Pereiro, e autor dos seus dois núcleos, foi o arquitecto Manuel Tainha, Doutor honoris Causa e, entre outros, Prémio Valmor e Jean Tschumi. Pouco ou nada se sabe dele em Grândola. É também sua a autoria do Bairro de Canal Caveira, que partilha da mesma opção tipológica de Vale Pereiro. Ambos os bairros não foram projetados em contexto urbano, constituindo assim uma excepção entre as demais Operações. [5]. Actualmente, contudo, Vale Pereiro está perfeitamente integrado na malha urbana de Grândola. E, é particularmente favorecido pelo serviço Intercidades da CP, com destino ao Algarve, já que a Estação é ali mesmo ao lado, inserindo-o numa rede maior de destinos turísticos e/ou de empregabilidade no sector. 

Ao sair da Estação no sentido da Avenida Jorge de Vasconcelos Nunes, limite de um dos núcleos do Bairro SAAL, deparo-me com um enorme estaleiro de obras. Olho para o céu, não tanto por contemplação, como quem procura um auspício, a saber, por observação do movimento dos pássaros, como nos rituais inaugurais da Grécia e Roma antigas; antes, por instinto primário de sobrevivência. Embora num dia de muito calor, o céu está encoberto, particularmente tenso. Uma cegonha atravessa-o naquele instante. De imediato, ainda no Largo da Estação, deparo-me com a Pensão Fim do Mundo. Lembro-me de Mark Fisher e da ‘sua’ questão, a propósito do Realismo Capitalista: É mais fácil imaginar o fim do mundo que o fim do capitalismo? — Diante da impossibilidade de imaginar alto, parece-me auspicioso que o Fim do Mundo esteja em obras. 

A frente do Bairro contígua à Avenida mantém-se praticamente igual ao que encontrei em 2012, ainda que, como de um modo geral no interior de todo o núcleo de Vale Pereiro II, onde foquei a minha atenção, tenham continuado a ocorrer alterações nas fachadas das habitações, por parte dos seus — entretanto — novos proprietários, vendo-se assim paulatinamente descaracterizada a relação de conjunto das habitações. O rosto do Bairro vai perdendo a genética de outrora; o plano contínuo de casas modelado pela volumetria expressiva das chaminés alentejanas, desenhado pela luz solar intensa do Alentejo e sua sombra vai sendo substituído pela forma do ‘gosto’ individual — querem ser pequenas moradias…Porém menos fraternas, quando rememoramos o impacto ético da integridade das construções populares, quer se tratem de aldeias de granito, xisto ou taipa. 

E, a fraternidade não se resolve com as tonalidades de azul e amarelo Alentejo do catálogo RAL da marca de tintas. É coletivamente decisivo, em momentos como o atual, ‘não se estar nas tintas’. Talvez por isso Manuel Tainha nos tenha falado antes de: “Uma esfera de responsabilidade integral que se exprime por um vínculo de SOLIDARIEDADE, por um sentimento de pertença unindo o presente e o passado.” [6]  — Na “Terra da Fraternidade”, as árvores da Avenida foram arrancados pela raíz. Esperemos que tal não aconteça às pessoas que, a não se esquecerem, também tem as suas raízes. 

Pagamos ainda hoje um preço alto, quer na arte, quer na arquitetura, por não termos coragem para remeter a questão do ‘gosto’ para fora do que é percebido e decidido em-comum; quer se trate de uma escultura no espaço público ou de um novo edifício público — A discussão do ‘gosto’ e do ‘mau gosto’, onde a maturidade não se faz presente, sempre se torna uma arma de humilhação e com ela o aproveitamento da dor e reatividade defensiva das feridas narcísicas em-cada-um-de-nós e sempre para fins tão distantes do Bem-Comum. Nunca se discute o modo como as coisas nos acon-tecem — O seu aconte-Ser, e nele, o seu glorioso inacabado. 

Originalmente os moradores deste Bairro eram trabalhadores rurais dos montes das proximidades da Vila, e, como em qualquer outra Operação, o resultado foi discutido; afinal, o que estava em causa era a sua participação, para o bem e para o mal: “Grandes discussões! Queriam um casão, um alpendre. Por fim ficaram contentes. As casas T3 fazem o aproveitamento do sótão, que tem um quarto e uma casa de banho. O casão foi uma conquista dos moradores. Tem quintal". A maioria das pessoas decidiu em favor de uma única tipologia T3, com a possibilidade de evolução para T4 [7]. Em 2012 tive a oportunidade de visitar um dos 83 fogos; um T3, que em 2023 ainda não chegou a ser T4, mas que segundo o projeto original pode a qualquer momento sê-lo, fogo esse assinalado a vermelho na planta de implantação. Por essa ocasião, éramos cativos da Troika que demandava austeridade, porém, mesmo informado pelo propósito não comercial da minha visita, um agente imobiliário permitiu que gentilmente visitasse o fogo em questão, então para venda — talvez não tivesse tido a mesma sorte em 2023, uma vez que pelo que me fora transmitido numa conversa num café local, as imobiliárias não têm tido descanso face à procura por parte de investidores estrangeiros. Por sorte, o interior da habitação estava praticamente incólume por relação ao projeto original. 

Alguns dos acabamentos que vemos, no entanto, terão sido escolha dos proprietários e/ou empreiteiro. As obras foram iniciadas depois de Outubro de 1976, a sua construção fora morosa e atribulada, e ocorrera já depois da extinção do SAAL. [8] As casas foram apenas habitadas em 1983 e os equipamentos concluídos no início da década de 90; houve que continuar a angariar fundos para a conclusão das obras e gerir o incumprimento por parte dos empreiteiros a seu cargo. [9] É — apesar de tudo — impressionante a espacialidade no interior da habitação, por relação à reduzida dimensão da área de construção. Tal inteligência decorre de uma acurada reinterpretação do espaço público; o terreiro de outrora, no exterior, tem agora lugar no interior da casa. De certo modo é o novo espaço da casa: Eis uma sala de estar, uma novidade programática para aquela população, até então inexistente por falta de sentido nas casas tradicionais alentejanas, que se desenvolviam linearmente, numa sucessão de espaços, a partir do primeiro, a cozinha, e na mesma, a sua enorme chaminé.

Na proposta de Manuel Tainha, ao se autonomizar do resto da casa, o que anteriormente não acontecia, a cozinha toma as proporções da chaminé tradicional, modelando igualmente a fachada em continnum urbano, como já foi referido. Manteve, no entanto, como se pode ver em planta, um acesso independente e diferente do principal com acesso à sala de estar. Assim como, lateralmente, no exterior, criou um acesso contínuo até ao logradouro, perpendicular à rua, não havendo necessidade de devassar a casa, fazendo com que de ambos os lados o logradouro não perca a relação com o espaço público. Esse corredor — ou rua semi-pública — tem vindo a ser compartimentado, i.e., amarquizado. Diferentemente da possibilidade evolutiva do número de quartos, que correspondia ao número de filhos previsto, esta alteração não fora prevista. 

O arquiteto desenhou o ‘vínculo de solidariedade entre o passado e presente’ de modo participado. O terreiro tradicional alentejano foi em termos de espaço público substituído pela rua, a pequena praça onde encontramos o pequeno equipamento, que com sucesso se entreteceu com a malha urbana da Vila. Mas também — e ainda — podemos rememorar a azinhaga, i.e, o caminho estreito desenhado entre os campos de cultivo de outrora, surge, desta feita, pontualmente entre os logradouros — ou os desejados quintais reivindicados pelos primeiros moradores. Porém, os muros originais que limitam o perímetro do lote e que permitiam ter uma visão conjunta das hortas, subiram. A horta compra-se cada vez mais nos hipermercados. Há então espaço para uma considerável piscina insuflável por cada fogo, e segundo imagens de satélite, não só insuflável, o que faz todo o sentido de acordo com o relato que se segue. Mas desde já se adianta que o verbo vedar, ou o que outrora foi "vedado pela pobreza extrema", encontra variações e diferentes agentes de vedação. 

Chegada a Grândola, antes ainda de revistar o Bairro, fui tomar uma água fresca ao café mais próximo da Estação. Comentavam-se o estaleiro de obras, as árvores derrubadas, o preço das casas, o praticamente inexistente mercado de arrendamento na zona; e, ao que parece, o acesso às praias mais próximas vedado, por conta do engenhoso desenho urbano dos empreendimentos turísticos em crescimento na Costa Alentejana. Em alguns casos é pedido, literalmente, um código de acesso para aceder ao areal e ir a banhos. Na Terra da Fraternidade, foi-me permitido partilhar da conversa, explicitar o que ali fazia, e conhecer um morador do Bairro Vale Pereiro, que terá adquirido a sua habitação por ocasião da minha primeira visita. Como referiu, hoje, não teria como comprá-la, devido à subida de preços, e escassez de alternativas para habitação própria ou por arrendamento. Surpreendeu-se com o facto da sua casa ter sido desenhada por um arquiteto distinguido, e mostrou-se entusiasmado para chegar a casa e partilhar com a sua esposa que afinal ambos já teriam com quem reclamar sobre os degraus dos quartos…

Na impossibilidade do Manuel Tainha lhe responder, uma vez que faleceu nesse mesmo ano em que visitei Grândola, tentei defender a hipótese de esta ser uma solução que permitia rentabilizar a altura dos quartos, para que o aproveitamento do sótão pudesse ser feito, atendendo à austeridade do Programa. Um amigo, com o qual perdi o contacto, porém com raízes alentejanas, que me deu a conhecer uma casa tradicional alentejana, onde inclusive pernoitei em tempos, costumava reclamar em tom de parodia, quando tropeçava nos degraus de uma escada, sempre que eu — então estudante do curso de arquitectura — estava por perto: “Mania dos arquitetos meterem os degraus no meio da escada!”. Pode ter acontecido um erro de projeto ou até de leitura por parte do empreiteiro, já que não houve possibilidade de acompanhamento da obra devido à extinção do SAAL. Certo é que o degrau é uma grande armadilha, hoje impraticável sob a luz do Regulamento das Acessibilidades, principalmente, em tempos em que andamos tão alienados do que nos rodeia…

A rememoração do SAAL — e mesmo que em alguns casos possa ter contornos de uma certa fantasia — permite-nos restabelecer um vínculo com um momento da nossa história em que vigorou uma portentosa energia coletiva de ação; confrontámo-nos com o que somos realmente capazes. Por algum tempo saímos da apatia; melhor: Ensaiámos o futuro — Agora. Por-ventura, hoje, a par de Grândola, Vila Morena de Zeca Afonso, cantaremos também Labuta dos Criatura com o Coro dos Anjos. Habitemos de modo sólido — solidariamente —  uma visão para, então, ser capaz de construir — E não o contrário. Os milagres, que não são apenas da jurisdição do religioso, tem lugar nesse espaço sagrado em-cada-um-de-nós. Teremos, por-ventura, também, de lidar com as nossas feridas narcísicas, de virar o disco para não tocar dentro de nós o mesmo — a canção da descrença. Labutar no sentido de prolongar não só o tempo linear da ação mas que este seja uma consequência do aconte-Ser de uma temporalidade afetiva e efetiva em-cada-um-de-nós, i.e., “dar sentido e amor à luta” [10] . Agora, porque só o agora tem a semente do e-terno. (E não me refiro ao tantas vezes banalizado sempre).

 

 

 

Notas: 

[1] A Operação SAAL do Bairro Vale Pereira constituiu um estudo de caso da dissertação de mestrado integrado em Arquitectura Limite e Identidade em Manuel Tainha.  

[2] Conselho Nacional do SAAL, Livro branco do SAAL 1974-1976. Porto, Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, 1976, p. 439. 

[3] An Archeology of Utopia, in An Archeology of Utopia, Madalena Folgado, “Entrevista a Ana Catarina Costa, Francisco Ascensão, João Paupério e Maria Rebelo”, in ArteCapital, 2022.  

[4] Nuno Teotónio Pereira e José Manuel Sobral, "Epopeia do Entusiamo", in Jaime Pinho, Fartas de viver na lama, Lisboa, Colibri, p. 7-12. 

[5] Eduardo Fernandes, A escolha do Porto: contributos para a actualização de uma ideia de escola. Escola de Arquitectura da Universidade do Minho. Tese de Doutoramento em Arquitectura, Área do Conhecimento de Teoria e Projecto, 2010, p. 496. 

[6] Manuel Tainha, Manuel Tainha, textos de Arquitectura. Casal de Cambra, Caleidoscópio, 2006, p. 11.

[7] Jaime Pinho, Fartas de viver na lama, Lisboa, Colibri, 2002, p. 185. 

[8] José António Bandeirinha, O Processo SAAL e a Arquitectrua no 25 de Abril de 1974, Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2007, p. 353. 

[9] Op. cit., Jaime Pinho, 2002, p. 186, 187.

[10] Verso do refrão da canção Labuta dos Criatura com o Coro dos Anjos.

 

:::

 

Madalena Folgado

É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Artes da Universidade Lusíada de Lisboa e investigadora do Centro de Investigação em Território, Arquitetura e Design; e do Laboratório de Investigação em Design e Artes, entre outras coisas.