Links

ARQUITETURA E DESIGN




Capa do livro "R2", Colecção D, Imprensa Nacional Casa da Moeda


Páginas 36-37 do livro "R2"


Capa do livro "Victor Palla", Colecção D, Imprensa Nacional Casa da Moeda


Páginas 120-121 do livro "Victor Palla"


Capa do livro "Pedro Falcão", Colecção D, Imprensa Nacional Casa da Moeda


Páginas 110-111 de livro "Pedro Falcão"


Capa do livro "Barbara Says", colecção Design&Designer, Pyramyd Éditions


Capa do livro "Frank Tallon", colecção Design&Designer, Pyramyd Éditions


Capa do livro "Ich&Kar", colecção Design&Designer, Pyramyd Éditions

Outros artigos:

2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN

MÁRIO MOURA


Quando fala da "Colecção D" Jorge Silva costuma lamentar com ironia que com estes livros está a fazer publicidade à concorrência, promovendo colegas, vivos ou mortos, construindo os seus portfolios e apresentando-os a um público, dando a entender que com isso se dedica mais ao trabalho deles do que ao seu próprio. É uma boca, claro, porque esta colecção tem muito do toque do próprio Silva. É significativo, por exemplo, que nas capas não haja reproduções do trabalho de cada um dos designers apresentados mas ilustrações tipográficas dos seus nomes, dando uma unidade, um estilo, à colecção que seria difícil de conseguir de outro modo. Mesmo a selecção e apresentação das obras ficam a dever muito à prática de Silva como director de arte, embora aqui não se trate apenas de gerir ilustradores, designers e editores [1] mas a obra já feita, por vezes encerrada pela morte, de outros designers. Se a direcção de arte exige muita estratégia e jogo de cintura, lidando por um lado com ilustradores, designers, e, por outro, com editores, escritores ou jornalistas, para quem o lado visual dos conteúdos não é assim tão importante, podendo mesmo ser sacrificado a outras prioridades, a história do design apresenta também os seus perigos, os seus egos e as suas negociações.

Recolher a obra de certo designer, por exemplo, parece uma tarefa simples, o esforço de ir encontrando tudo o que assinou ao longo dos anos. Porém, esse trabalho foi concebido ao serviço de clientes como resposta a necessidades específicas. Em muitos casos, foi feito para criar a identidade de pessoas, empresas, instituições ou até de eventos, através de um sistema de símbolos a que habitualmente se chama identidade gráfica. Reunir numa antologia os trabalhos de um designer equivale a dizer que essas identidades não pertencem apenas a quem as pagou e as usa, mas que foram de algum modo emprestadas a prazo por quem as fez, pelo próprio designer. Ou seja: que ele não serviu inteiramente os interesses do cliente mas os seus próprios.

Talvez por isso ainda seja comum acusar-se os livros que certos designers fazem sobre si próprios de auto-promoção mais ou menos descarada. Mas (claro está) o sacudir reprovador de cabecinhas não impede uma autêntica avalanche destas publicações, sejam elas produzidas de maneira mais ou menos disfarçada pelos próprios designers, sejam catálogos de exposições retrospectivas, sejam incluídas dentro de uma série.

Se a Colecção D fica a ganhar em relação a outras iniciativas do género é precisamente na unidade e elegância do seu tratamento gráfico e no modo discreto como apresenta estes designers e o seu trabalho, num formato modesto, portátil e relativamente barato, que encaixa bem dentro de um dos modelos mais típicos da publicação sobre design, a monografia, onde se apresenta uma sucessão de imagens da obra atribuída a um designer ou colectivo de designers, comentada através de legendas e de uma introdução mais ou menos breve.

O seu modelo assumido é a colecção francesa Designer&Design, editada pela Pyramid e contando já com algumas dezenas de títulos, incluindo um sobre o estúdio português Barbara Says [2], mas há diferenças subtis entre as duas colecções, em particular no modo como representam os designers. Na colecção francesa, a capa mostra habitualmente um exemplo do trabalho do designer e uma imagem fotográfica dos seus olhos dividida por uma banda colorida com o seu nome. Na primeira badana, surge uma fotografia mais completa do designer acompanhando uma curta nota biográfica. Na colecção D, como já se referiu, a capa é ocupada por uma ilustração tipográfica do seu nome e a fotografia do autor aparece apenas na última página do livro, como se só através da sua obra fosse possível finalmente ter acesso à identidade do seu designer. Comparando as duas abordagens percebe-se que, no caso português, se tenta evitar o “culto do herói”, subordinando cada um dos designers a uma linguagem de série.

Com três livros publicados no espaço de um ano, sobre o estúdio R2, sobre Vítor Palla e sobre Pedro Falcão, estando previstos para breve volumes sobre Fred Kradolfer ou Paulo Guilherme, já é possível observar certos padrões editoriais. Em primeiro lugar a ideia que é possível usar o nome de um designer ou de um estúdio como uma certa unidade para explicar a coerência de uma obra que foi – como já se viu – feita ao serviço de terceiros, por vezes à custa de muita negociação. Seriam possíveis, como é óbvio, outras unidades como a década, a escola, o estilo, o formato, etc. E, no caso de nomes mais clássicos, mesmo chamar-lhes “designers” pode ser arriscado, tendo em conta que os seus livros, revistas, logótipos, cartazes ou embalagens eram muitas vezes apenas uma pequena porção do que faziam enquanto arquitectos, decoradores, escritores, cineastas. Basta ver como Vítor Palla, arquitecto de formação, tão depressa fazia a capa ou o arranjo gráfico de um livro, como o projecto e decoração de um snack-bar. Decidir o que é ou não é a sua obra enquanto designer é uma decisão crítica em larga medida retroactiva, que pode cair facilmente no anacronismo de ver design e designers quando ainda não os havia, um erro comum que é encorajado pela vontade de legitimar a disciplina atribuindo-lhe um passado longo, dizendo que sempre existiu, etc. Só um trabalho cuidado, não apenas de recolha, mas também de interpretação pode evitar estas tentações.

Um outro padrão editorial, mais evidente, é a alternância entre nomes históricos, consagrados, e designers mais recentes, também eles não exactamente desconhecidos. Entre uns e outros, é possível confirmar que o reconhecimento, dentro do design português, cumpre quase sempre certos requisitos, que não se limitam apenas à qualidade formal, mas também aos temas e clientes, que se centram quase sempre na esfera cultural, o que é plenamente visível nos designers mais recentes, tanto os R2 como Pedro Falcão, mas também na selecção da obra de Vítor Palla, que se limita sobretudo às suas capas de livro, com poucas excepções – os já mencionados Snack-Bars e uma embalagens solitária de adesivos. Haverá sem dúvida quem se queixe desta tendência, perguntando se não valerá também a pena mostrar a obra de designers que trabalham mais frequentemente para o comércio ou para a indústria, mas para o responder será necessária uma discussão sobre os mecanismos que inscrevem a obra de um determinado designer na história enquanto condenam a de outros ao esquecimento – no fundo, uma reflexão sobre o cânone do design português e as suas características.

Se esta discussão existe, tem-se limitado em larga medida aos circuitos de investigação académica em torno do design gráfico – comunicações, teses e encontros – que pecam pelo seu pouco alcance, mesmo entre a própria comunidade académica. Pouco se sabe sobre o que foi ou está a ser feito sobre determinado assunto ou designer. Em alguns casos, a obra de um designer mais ou menos desconhecido é patrulhada implacavelmente por um grupo reduzido, que a vê como sendo sua, limitando o acesso aos não-iniciados. Assim, se há muita coisa a ser investigada e escrita sobre alguém relativamente consagrado – como Vítor Palla, por exemplo –, seria difícil para o comum dos mortais ter uma ideia de com que se parece a sua obra se não fossem iniciativas laicas e despretensiosas como a Colecção D, que compilam de um modo atraente e democrático a obra de designers, trazendo-a finalmente a público.


NOTAS

[1] A Colecção é um trabalho colectivo do atelier Silvadesigners, com a colaboração de escritores, críticos e investigadores académicos, entre os quais eu mesmo (declaração de interesses).

[2] Nova declaração de interesses: prefaciei esse livro.