Links

ARQUITETURA E DESIGN




Fotografia de Michael Wolf, Revista AV Monographs 109-110, 2004


Clip do filme The Fifth Element , de Luc Besson


Clip do filme Blade Runner , de Ridley Scott


Escritórios Jiushi, Xangai, Foster and Partners


Pavilhão polidesportivo Wukensong, Pequim, Buckhardt & Partner


Subúrbios de Xangai


A cidade de “Amsterdão” no Fisherman’s Wharf em Macau


Casino Sands, Macau


Inauguração do Casino Sands, Macau

Outros artigos:

2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS

SÉRGIO SPENCER



Promovida pelos média e pelas múltiplas publicações de arquitectura, a nova paisagem das cidades asiáticas tem motivado o interesse do público em geral por essa região do mundo. Aqui materializa-se a ficção, a visão da cidade do futuro – uma megacidade superpovoada, o espaço da congestão e da condição urbana claustrofóbica – com a estética própria da densidade.

Nestas representações da cidade, exacerbadas pelo olhar Ocidental, o aparente exotismo das paisagens e populações participa na promoção da “diferença”. Sobre uma estrutura urbana moderna e homogeneizada, apresenta-se uma identidade cultural “estranha e diferente” num ambiente pleno de dualidade, onde a existência local participa do espaço global.

Esta visão de uma cidade complexa e dual, faz parte do processo de globalização de “outras” culturas, o hipotético espaço do futuro. Explorando a condição dos aglomerados urbanos ultra-compactos, a imagem destas cidades tem servido de inspiração para a cenografia de múltiplos filmes de ficção (1). Aqui, populações e costumes locais reinventados dão corpo a uma cidade onde se multiplicam as altas tecnologias. De forma questionável, toda a cultura asiática é representada como se de uma única identidade fosse composta, numa amálgama de sítios, gentes e culturas, reduzidos até à escala de uma cidade.

Estas representações deturpadas e redutoras da cidade asiática, constituem uma forma de justificação da presença continuada do Ocidente no Oriente, uma nova forma de orientalismo (2). Os impérios coloniais tradicionais, convertidos nos novos parceiros económicos, estabeleceram-se de uma forma invisível num território sem fronteiras, dissipando a sua presença física e os seus valores morais. Este foi um processo favorecido pelos mecanismos de modernização introduzidos nos séculos XIX e XX, criando comunidades orientadas para uma cultura de consumo, ao serviço de uma nova ordem mundial baseada mais nos interesses económicos globais do que nas políticas locais.

Rem Koolhaas, no seu estudo “Project on the City” (3), recorre a estas representações das cidades asiáticas para efectuara uma crítica às ideologias estabelecidas sobre a cidade tradicional e opor-se aos valores “burgueses” da continuidade histórica. Também aqui as cidades asiáticas, em particular as novas urbanizações na China, servem para ilustrar uma visão da cidade do futuro, onde os centros comerciais, os centros de fast-food e os interfaces de transportes se vão multiplicar. Nestas cidades, o espaço público tradicional será substituído pelas infra-estruturas viárias, os hotéis substituem os espaços residenciais e os espaços comerciais substituem os espaços culturais.

Questionamos se a nova estrutura territorial do “espaço dos fluxos” e o processo de globalização conduzirão ao desaparecimento das identidades locais. Na realidade, estas visões urbanas exercem um enorme fascínio sobre as novas gerações de arquitectos, que passam a ver as suas cidades numa nova perspectiva. Até onde é que o poder destas imagens nos direcciona no sentido do hiper-real, o espaço da ficção?


A questão da identidade

A expansão de uma cultura global tem sido frequentemente apontada como uma das causas para a crescente homogeneização urbana. No entanto, algumas cidades perduram como artefactos urbanos e culturais únicos, diferindo pela forma como adaptam, modificam e rejeitam a cultura globalizada (4). Este é um modo de definir a sua capacidade para atrair, ou rejeitar, os fluxos de investimentos estratégicos da nova geografia mundial.

Na relação complexa entre local e global, o espaço “encurta”, o “tempo” tem uma possibilidade infinita de uso e a noção de identidade regional evolui de um espaço tradicionalmente confinado para um espaço global.

Em territórios onde a tradição reeditada ocupa o espaço da identidade legítima, é assim difícil encontrar pontos de referência para o estabelecimento de uma cultura urbana genuína pois “ à medida que cada vez mais o passado dos povos se torna parte dos museus, exposições e colecções, parte do espectáculo nacional e internacional, a cultura torna-se cada vez menos (...) um hábito e mais uma arena para escolhas conscientes, justificações e representações, frequentemente dirigidas para audiências geograficamente deslocadas” (5).

A transformação dos ambientes urbanos ao nível da sua substância original, reduz o espaço do real substituindo-o por um urbanismo hiper-real, onde a ideia de identidade local se torna frequentemente uma caricatura do seu passado. A imagem da cidade participa de forma cúmplice no jogo de atracção de investimentos financeiros. A promoção intencional de elementos particulares de passados históricos consideravelmente complexos, sobrepõe-se à verdade das culturas originais. Isto é o que se pode chamar “ a culinária e ornamentalismo paisagístico através do qual o turista – o novo espectador – se deslumbra, celebrando o consumo do espaço e da arquitectura ” (6).

A arquitectura é muitas vezes refém deste processo, despida do seu uso original e transformada num produto mais comercial, ao gosto de um mercado unificado. A “sociedade do espectáculo” domina e passamos a viver num enorme parque temático, asséptico e seleccionado, onde o desejo e “imagem” têm mais sex appeal do que a própria realidade.

Embora a cultura regional possa ser local, a sua associação a um “sítio” não corresponde mais a um espaço confinado. A Cultura integra um mercado globalizado onde a identidade não é mais uma condição ligada à geografia, mas um espaço de conflitos e um espaço de diálogos. Encontramo-nos assim perante um universo de identidades miscigenadas, oposto ás sociedades bem definidas do passado recente.

A noção de identidade regional como uma condição natural de um território, apenas mutável pela acção do tempo e da história, terminou. Qualquer esforço para promover uma cultura local tem que ter em conta a rede do “espaço dos fluxos”, procurando a autenticidade não num sistema de valores tradicionalmente estabelecido, mas na leitura cuidadosa dos novos significados introduzidos pelo fenómeno do intercâmbio cultural.


Notas finais:
(1) Ver o filme Blade Runner (1982) de Ridley Scott, ou o The Fifth Element (1998) de Luc Besson.
(2) Edward W. Said, Orientalismo. Versão espanhola, Ed. Libertarias, 1990.
(3) Rem Koolhaas, Project on the city. Ed. Taschen, 2001.
(4) Podemos referir aqui o exemplo da cidade de Macau.
(5) Arjun Appadurai, “Disjuncture and difference in the Global Cultural Economy” in Colonial discourse and post-colonial theory. Ed. P. Williams and L. Chrisman.
(6) Christine Boyer, “Cities for sale” in Variations on a theme Park: the New American City and the end of Public Space. Ed. Michael Sorkin.




Sérgio Spencer, arquitecto
Mestre pela UPC/ETSAB - Barcelona, 1999
Doutorando pela Universidade de Valladolid