Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição Alegoria, 2018. Instalação com projeção de dispositivo, pintura, escultura e placa mdf. Fotografia: Cortesia Espaço Mira.


Vista da exposição Alegoria, 2018. Instalação com projeção de dispositivo, pintura, escultura e placa mdf. Fotografia: Cortesia Espaço Mira.


Vista da exposição Alegoria, 2018. Instalação com projeção de dispositivo, pintura, escultura e placa mdf. Fotografia: Cortesia Espaço Mira.


Pormenor de Verónica e Valentina, A crescer a olhos vistos, 2010. Escultura em madeira pintada e desenho. Fotografia: Cortesia Espaço Mira.


Inauguração da exposição Alegoria, 2018. Instalação com projeção de dispositivo, pintura, escultura e placa mdf. Fotografia: Cortesia Espaço Mira.


Inauguração da exposição Alegoria, 2018. Instalação com projeção de dispositivo, pintura, escultura e placa mdf. Fotografia: Cortesia Espaço Mira.

Outras exposições actuais:

SARA BICHÃO

ENCONTRA-ME, MATO-TE


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
MARC LENOT

VASCO ARAÚJO

LA MORTE DEL DESIDERIO


Galeria Francisco Fino, Lisboa
WILSON LEDO

HENRIQUE VIEIRA RIBEIRO

NO PRINCÍPIO


quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes
MARC LENOT

TITO MOURAZ

FLUVIAL


Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA

GERMINAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

WILLIAM EGGLESTON

WILLIAM EGGLESTON: LOS ALAMOS


The Metropolitan Museum of Art (Fifth Avenue), Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

SUSAN MEISELAS

MÉDIATIONS


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

NO PLACE LIKE HOME


Museu Coleção Berardo, Lisboa
CONSTANÇA BABO

JOÃO MIGUEL BARROS

PHOTO-METRAGENS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MARC LENOT

ESCHER

ESCHER


Museu de Arte Popular, Lisboa
MARC LENOT

ARQUIVO:

share |

ARLINDO SILVA E SÓNIA NEVES

ALEGORIA




ESPAÇO MIRA
Rua de Miraflor n.º 159
4300-334, Campanhã, Porto

17 MAR - 21 ABR 2018

DO LADO DE DENTRO

 

 

“Dizer que a obra de arte faz parte da cultura é uma coisa um pouco escolar e artificial. A obra de arte faz parte do real e é destino, realização, salvação e vida”.

Esta frase é dita por Sophia de Mello Breyner Andresen, no filme com o seu nome, realizado em 1969 por João de César Santos [Monteiro], assistido por Jorge Silva Melo. É uma definição do documentário e poderia constituir uma declaração programática do realizador. Ocorreu-me quando estava na exposição Alegoria, de Arlindo Silva e de Sónia Neves, no Espaço Mira, na cidade do Porto. E uma outra: “Eu não acredito na biografia que é a vida contada pelos outros”.

Se não cremos na biografia, por ser uma visão exterior à vida, poderemos confiar na auto-biografia? Ou seja, na vida contada pela obra própria? Também não. Na verdade, apenas poderíamos acreditar numa obra que não conta a vida, antes lhe é consubstancial.

O que nos espera, naquele espaço da zona de Campanhã, é uma proposta artística que coincide com a vida, que a incorpora como parte integrante e irredutível, dizendo-nos que a arte não é sobre ou a partir da vida, mas que se faz com, em, dentro da vida. A relação é umbilical, o que nos leva ao tema desta Alegoria.

É necessário descrever a instalação: há três presenças na galeria, uma presença feminina no diapositivo projectado, auto-retrato de Sónia Neves, intitulado Mar/Mãe; uma presença masculina no auto-retrato pintado, de Arlindo Silva, intitulado Grisalha; uma presença infantil nos registos gráficos de duas crianças, Verónica e Valentina, as filhas de Sónia e Arlindo, intitulada A crescer a olhos vistos.

A exposição decorre num espaço escurecido, reservado, voltado para o interior. O painel que sustém a pintura separa-o do exterior, quebrando a luz e barrando o acesso directo a partir da rua. É preciso contorná-lo para observar, do lado de dentro, o auto-retrato. Logo a seguir, no meio, está a figura feminina, projectada nas duas faces de um suporte suspenso do tecto, o que lhe permite estar simultaneamente orientada para as outras duas presenças. É ela que relaciona os termos desta tríade e é a ela que o nosso olhar se dirige em primeiro lugar, uma vez que é dessa imagem que parece emanar a única luz deste espaço. Finalmente, o terceiro elemento é um plinto com desenhos, rabiscos, à maneira de doodles.

Embora os dispositivos estejam sequencialmente colocados, o sentimento deste lugar não é da ordem do linear, a sua experiência remete para um núcleo. Este é um lugar uterino e é a sua configuração que relaciona as presenças identificadas. A instalação ignora as paredes em redor, abandona os limites do espaço, converge para um centro, que é, portanto, alegoria do lugar íntimo que aqui se celebra.

A presença da mãe é recorrente na obra de Arlindo Silva e o estado íntimo é recorrente na pesquisa de Sónia Neves. Mas, nesta proposta, esses tópicos ampliam-se, ganham contornos integrais e estendem-se ao núcleo familiar, fundamento e fonte, também da arte. Por isso, a pintura remete-nos para a condição do artista e o diapositivo devolve-nos um estado de maternidade (ou vice-versa?).

Da leitura simbólica da instalação deve, finalmente, sublinhar-se a sua autoria partilhada porque, no limite, só dessa cumplicidade poderia nascer o registo de intimidade, transparência e nudez que testemunhamos.

Procurei acentuar a ideia de um trabalho como respiração e sopro de vida, tal é a naturalidade que o atravessa. Omiti deliberadamente a construção das imagens expostas e a contemporaneidade emblemática desta obra, evidentes em questões como a presença do corpo, a figuração, a representação ou o género. Omiti, ainda, a ambiguidade de valores, entre o delicado e o áspero, e as relações complexas entre alegoria e realismo que a proposta desperta.



LAURA CASTRO