Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.

Outras exposições actuais:

CATARINA LOPES VICENTE

DESENHOS


Teatro da Politécnica - Artistas Unidos, Lisboa
CATARINA REAL

COLECTIVA

AFRICAN PASSIONS


Palácio Cadaval, Évora
MARIA LUÍSA FERRÃO

EDUARDO FONSECA E SILVA E FRANCISCA VALADOR

SUBTERRÂNEO


Museu Geológico - LNEG , Lisboa
CATARINA REAL

COLECTIVA

A TALE OF INGESTION


Monitor, Lisboa
BRUNO CARACOL

ANISH KAPOOR

ANISH KAPOOR: OBRAS, PENSAMENTOS, EXPERIÊNCIAS


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

FERNÃO CRUZ

Long Story Short


Balcony, Lisboa
CATARINA REAL

JOÃO MARÇAL

INNER 8000er


Museu da Cidade - Pavilhão Branco, Lisboa
CATARINA REAL

PEDRO TUDELA E MIGUEL CARVALHAIS

ANOTAÇÕES SONORAS: ESPAÇO, PAUSA, REPETIÇÃO


FBAUP - Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto
LUÍS RIBEIRO

THIAGO MARTINS DE MELO

BÁRBARA BALACLAVA


Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

LUGARES DO DELÍRIO


Sesc Pompeia, São Paulo
JULIA FLAMINGO

ARQUIVO:


MICHAEL BIBERSTEIN

MICHAEL BIBERSTEIN: X, UMA RETROSPETIVA




CULTURGEST
Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos, Rua Arco do Cego
1000-300 Lisboa

19 MAI - 09 SET 2018


 

 

O espaço não é o ambiente (real ou lógico) em que as coisas se dispõem, mas o meio pelo qual a posição das coisas se torna possível.
Merleau-Ponty (1999: 328)

 


Forma, linha e branco.

Abstração. Desconstrução. Espaço.

Percecionamos os processos abstratos que compõe uma "linguagem conceptual herdeira da filosofia analítica", tal como a descreveu Delfim Sardo, curador da exposição (cf. texto da Culturgest).

Numa articulação de uma linguagem conceptual, Michael Biberstein produz nos seus primeiros trabalhos, dos anos 1970 e 1980, um cruzamento erudito entre a forma e o espaço, numa tautologia da perceção expositiva, refletindo, em que certa medida, um sistema de repetição, cuja linguagem estabelece um contraponto com da linguagem musical.

Trata-se de decompor o pensamento abstrato numa abordagem dos procedimentos fenomenológicos da perceção do espaço. Desta forma, o artista remete-nos para a simplicidade da forma e para uma desconstrução do "sistema", enquanto repetição até à exaustão.

O espaço é entendido na perceção, mas também no entendimento. A experiência estética é fruída pelo espectador nesse "puro sistema" composto, pela simplicidade das estruturas da forma, pela justaposição das linhas, entre diagonais e verticais ou horizontais. E, a cor é expressa em pequenos detalhes que colocam em contraste com o branco da tela e da parede.

O espectador perceciona o espaço, enquanto forma, ritmo e movimento, criando deste modo, a repetição em contraponto com a representação da estrutura da imagem abstrata. A escala e a representação experimental do sistema são redesenhadas como composições expositivo-espaciais, incorporam, assim, o limiar da própria linguagem matemática, como se projetasse uma harmonia e equilíbrio. O espaço é delineado pela simplicidade geométrica fazendo convergir o pensamento abstrato com a complexa reconfiguração dos padrões minimais.

 

 

A escala intensifica-se na perceção fenomenológica. A linguagem muda, mas o espaço continua a fazer parte da sua concepção estética.

Surgem, noutras salas, enormes telas com "elementos negros monocromáticos". Contemplamos a obra que fruímos em grande escala, a paisagem enquanto uma nova sensação da experiência do sublime, como nas obras Sem Título, 1991, ou Double Landscape with Praedella, 1990. O artista entrelaça a tradição romântica com o pensamento oriental. A paisagem emerge do ambíguo e, por isso, a sua perceção estética fica no limiar do assombro, no incógnito ou mesmo no mistério, como se, de súbito, surgisse da névoa uma enorme escuridão, como na obra Dark Glider, 1993-1994.

Prevalece a grandeza da escala. Enquanto espectadores, somos subjugados pela amplitude de uma alusão de paisagem, que se dilui em negros sobre o linho escuro, como na obra Jumping Jack Flash, 1998. Tanto nos proporciona um sentimento romântico desconcertante, induzido pela grandiosidade da escala, onde o fluxo se movimenta através dos negros monocromáticos, como nos apela para uma experiência contemplativa oriental, sentindo a unidade do todo através da alusão da natureza.

Porventura, evoca o espectador à experiência meditativa. Deixamo-nos ir ao encontro de uma espécie de aniquilação espaçotemporal, entre o ser e a natureza, na obra Very Large Attractor, 1991. Pela sua simplicidade e fluidez, sentimos a infinitude e a intemporalidade, cuja dimensão estética já não se encontra situada apenas no presente, mas se projeta no presente, passado e futuro. O observador sente semelhante experiência de um poeta de haiku, cujo sentimento se funde com a natureza, num todo, tal como "os elementos negros monocromáticos" e o espectador. Recordamos, então, a poesia de Bashô:

acima do voo da cotovia
deito-me no céu
desta passagem de montanha

 

 



JOANA CONSIGLIERI