Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Costa Vece, "Revolucion Patriotismo". Vista da instalação na Galeria Filomena Soares. Fotografia: Lúcia Conceição


Costa Vece, "Revolucion Patriotismo". Vista da instalação na Galeria Filomena Soares. Fotografia: Lúcia Conceição


Costa Vece, "Revolucion Patriotismo". Vista da instalação na Galeria Filomena Soares. Fotografia: Lúcia Conceição

Outras exposições actuais:

ARTUR LOUREIRO, ANDRÉ GOMES E PEDRO CALAPEZ

SEJA DIA OU SEJA NOITE POUCO IMPORTA


Museu Nacional Soares dos Reis, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

COLECTIVA

THIS IS A BAR… OU PRAIA DE BANHOS – JOAQUIM BRAVO, TURISMO E O ALGARVE


Galerias Municipais - Pavilhão Branco, Lisboa
MIGUEL PINTO

INEZ TEIXEIRA

DEGELO


Fundação Carmona e Costa, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

MICHAEL RAKOWITZ

RÉAPPARITIONS


Frac Lorraine, Metz
MARC LENOT

LEONOR PARDA

MEIA PENSÃO (PARTE 2)


Galeria do Sol / Rua do Sol, Porto
SUSANA CHIOCCA

CAMPOS COSTA ARQUITETOS E JOÃO GALANTE

SOUND IT. RÁDIO ANTECÂMARA


Garagem Sul /CCB, Lisboa
MADALENA FOLGADO

ÂNGELO DE SOUSA

ÁRVORES


Culturgest (Porto), Porto
CONSTANÇA BABO

TONY CONRAD

TONY CONRAD


Culturgest, Lisboa
MIGUEL PINTO

VALTER VENTURA

LUNÁRIO


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

JOSÉ OLIVEIRA

MEIA PENSÃO


Galeria do Sol / Rua do Sol, Porto
SUSANA CHIOCCA

ARQUIVO:


COSTA VECE

Revolucion-Patriotismo




GALERIA FILOMENA SOARES
Rua da Manutenção, 80
1900-321 Lisboa

21 SET - 06 NOV 2006


Na Cidade do México, um cruzamento divide duas artérias de nomes sonantes: numa das direcções seguimos pela Calle Revolucion e pela outra rumamos à Patriotismo. Foi com esta alusão geográfica que Costa Vece, artista suiço (Herisau, 1969) de origem greco-italiana explicou sucintamente o título “Revolucion-Patriotismo” da sua mostra patente na Galeria Filomena Soares. Curiosa associação de coordenadas: por vezes antagónicas, por vezes irmãs na mesma causa, elas são uma constante referência – e apelo – na forte e engajada imagética que Costa Vece desenvolve.

Ao entrarmos na Galeria Filomena Soares entramos no território polémico e ambivalente da arte política.
Poderá a arte, como afirma Joseph Beuys (citado por Paulo Reis, o comissário desta exposição), desconstruir os efeitos repressivos de um sistema social senil? Costa Vece parece acreditar que sim, conseguindo, de facto, transformar o espaço imaculado e minimalista de uma das galerias com maior área de Lisboa num local onde se sente a tensão, o desconforto, a latência de algo invisível mas presente. Nesta transformação do espaço, o artista foi particularmente hábil ao individualizar dois espaços não comunicantes: grande parte da área da galeria foi vedada por arame farpado. No interior desta zona, acessível apenas visualmente, estão uma carrinha pickup, inúmeros cartazes e bandeiras. No exterior, um estreito corredor foi deixado livre - entre as cordas metálicas e a parede – permitindo ao público percorrer a mostra sem ficar com a roupa presa numa das pontas aguçadas do arame farpado que ameaça practicamente todo espaço. Parece então que a dita descontrução dos efeitos repressivos passa, ela também, pela repressão. Ou pelo menos pela sua ameaça.

Para além do forte efeito visual criado pela instalação – e esta é, de facto, uma das exposições que melhor soube tirar partido do espaço da galeria Filomena Soares – uma dúvida persiste: somos nós, público, os que isolámos ou os que fomos isolados? Somos assistência de um desolador teatro humano que se desenvolve através de vestígios à nossa frente ou, em vez disso, estamos protegidos de uma área de conflito ao ser-nos vedado o seu acesso? Permanece esta perplexidade: entre o – free-land– apregoado no interior e a impossibilidade violenta que nos retira qualquer vontade de aceder a esse território, em que a verdadeira validez reside no artifício, tornando-se quase anedota de si mesmo. Por isso mesmo funciona tão bem visualmente!
Bandeiras penduradas aparentemente ao acaso decoram o interior desta zona de guerrilha. São as “Flags”, que Costa Vece realiza a partir de roupas encontradas, unidas precariamente com alfinetes de dama. A capacidade crítica é inversamente proporcional à eficácia visual e estética. Impactantes, ostensivas, criam os estendartes das ex-colónias: Angola, São Tomé, Moçambique… o rol é longo. Mantas de retalhos, metáforas de nacionalidades feitas de gente e não de utopias nacionalistas, um tema caro a alguém que, nascido na Suiça, viaja com um passaporte grego ou um italiano e que expressa bem claramente as suas “reasons why I’m not to be proud to be italian/Swiss” (2002). As “Flags” produzem um impacto visual forte. São impossíveis de ignorar, sublinham a retórica crítica do artista. Mas movem-se totalmente no plano da estética e não da ética. Por isso mesmo não creio que alguém se sinta verdadeiramente incomodado com o seu passado colonialista e como o seu presente comunitário em luta com a emigração.

O apelo à constestação, à revolta, ao questionar o estabelecido procura ser forte. Mas forte é também a nossa posição, confortavelmente instalados dentro de um espaço teatral, bem encenado mas inócuo, com a camisola que arriscava ser rasgada intacta, o cartão multibanco no bolso e o carro estacionado à porta. Melhor modo para abortar uma revolução?

Revolucion-Patriotismo é uma boa exposição porque funciona como um teatro, como uma farsa, valendo verdadeiramente a pena enquanto tal. Sem ilusões utópicas de mudar seja o que for. E parece-nos observar a consciência lúcida do artista a movimentar-se entre os arranjos cuidadamente blasées que criou…



Filipa Ramos