Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição Bridget Riley: From Here, 1994. Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley: Movement in Squares, 1961. Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Bridget Riley, estudo para Turn, 1964 © Bridget Riley 2019.


Vista da exposição Bridget Riley, Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley, Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley, Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley, Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley: Composition with Circles 4, 2004. Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley: Quiver 3, 2014. Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley: Rajasthan, 2012. Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.


Vista da exposição Bridget Riley: Untitled (Measure for Measure Wall Painting), 2017. Hayward Gallery 2019 © Bridget Riley 2019. Fotografia: Stephen White & Co.

Outras exposições actuais:

BÁRBARA WAGNER & BENJAMIN DE BURCA 

ESTÁS VENDO COISAS


Galeria Boavista, Lisboa
FRANCISCA CORREIA

ANDREAS H. BITESNICH

DEEPER SHADES: LISBOA E OUTRAS CIDADES


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

MANON DE BOER

DOWNTIME / TEMPO DE RESPIRAÇÃO


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
MARC LENOT

CLAUDIA ANDUJAR

LA LUTTE YANOMAMI


Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris
MARC LENOT

ORLANDO FRANCO

THE EYES ARE NOT HERE


Galeria TREM, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A LINHA EM CHAMAS


Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada
CARLA CARBONE

ISABEL MADUREIRA ANDRADE E PAULO BRIGHENTI

OUTRAS VOZES


O Armário, Lisboa
ANDREIA CÉSAR

MARIA PIA OLIVEIRA

O PONTO PERFEITO


Fundação Portuguesa das Comunicações,
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA

DELLA MATERIA SPIRITUALE DELL’ARTE


MAXXI – Museo delle Arti del XXI Secolo, Roma
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TAXIDERMIA DO FUTURO


Museu Nacional de História Natural de Angola, Luanda
ADRIANO MIXINGE

ARQUIVO:


BRIDGET RILEY

BRIDGET RILEY




HAYWARD GALLERY
South Bank Centre Belvedere Road
London SE1 8XZ

23 OUT - 26 JAN 2020


 


“Antes de aprender a desenhar, eu aprendi a olhar”, conta a graciosa Bridget Riley numa entrevista em vídeo a Sir John Leighton, diretor geral da National Galleries Scotland, por ocasião da retrospectiva que reúne obras realizadas durante mais de 70 anos de trabalho. A artista é um marco da Op Art e, aos 88 anos, ela pode dizer que também nos ensinou todos a ver. A exposição que esteve em cartaz até setembro em Edimburgo viajou para a Hayward Gallery, em Londres, onde segue até 26 de janeiro de 2020 e tem sido aplaudida pelos críticos e pelos media britânicos que elegem Riley como o principal ícone vivo do Reino Unido quando o assunto é pintura.

Talvez por conta desta forte ligação com a cultura local ou mesmo por ter me passado despercebido, foi essa a primeira em vez que vi o trabalho de Bridget Riley e atentei como as suas contribuições foram marcos para a história da arte. Uma discussão hoje tanto em voga sobre a percepção – meu repertório, conhecimento, idade, corpo e até sinapses nervosas determinam a maneira como eu percebo uma obra de arte que é totalmente diferente da sua experiência com ela – foi grandemente nutrida por Bridget Riley e seus estudos sobre a visão e a “percepção em ação”. Composta por pinturas em tela e outras pinturas feitas diretamente nas paredes da Hayward Gallery, a exposição não é pulsante e nem apaixonante como dizem os mesmos críticos britânicos. Ela é sóbria e racional e tem o objetivo atingido de reiterar a importância da artista para essa discussão sobre o olhar.

 

Bridget Riley, Cataract 3, 1967 © Bridget Riley 2019.

 

A primeira coisa que se deve ter em mente é que as pinturas de Riley são mesmo pinturas feitas à mão, e não composições digitais, adesivos ou serigrafias. As formas são tão perfeitas, as cores tão homogéneas e a superfície das pinturas tão lisas que esquecemos que aquilo não foi feito num programa de computador. O interesse maior de Riley é jogar com linhas retas e curvas e as mais diversas cores para incitar o nosso sistema nervoso de maneiras diferentes e, consequentemente, brincar com a percepção do que vemos como espectadores. O trabalho disciplinado e rigoroso faz com que muitas das pinturas se mexam perante os nossos olhos, por conta do ritmo que ela cria nas suas telas. É uma velocidade visual: os olhos não conseguem parar nas bolinhas ou nas linhas e ficam sendo estimulados a mexer o tempo todo, dando a sensação de que a pintura está em movimento. “É vendo que a pintura começa a viver”, disse lindamente a artista a Sir John Leighton.

 

Bridget Riley, Pause, 1964. © Bridget Riley 2019.

 

Uma das primeiras salas da exposição mostra as composições em preto e branco que ela começou a fazer nos anos 1960 e que se focavam na forma e no ritmo para deixar mais evidente a capacidade da pintura “se mexer”. Em “Kiss”, ela usa dois opostos – branco e preto, curva e reta – para romantizar as formas. Elas se tocam levemente, como se estivessem dando um beijinho. Em 1967, ela começou a usar cores já que também queria entender como enxergamos uma cor ou como vemos a luz como matéria. O que esta e aquela cor, colocadas lado-a-lado, nos fazem enxergar, ou como esta e aquela cores provocam um ritmo para o olhar. Essas composições estão espalhadas por diversas salas da exposição, pintadas sobre tela ou diretamente na parede, e feitas grande parte por assistentes com quem ela vem trabalhando desde os anos 1960. Num trabalho com quê de Sol Lewitt – que com as suas “Instruções” possibilita qualquer pessoa a pintar suas obras na parede – Riley mostra o distanciamento que tem com seu próprio trabalho, num estudo frio de forma, estrutura, cor, tom, tempo e escala.

 

Bridget Riley, Pink Landscape, 1960 © Bridget Riley 2019.

 

Ao mesmo tempo, também é interessante perceber num segundo momento da exposição, que algumas das suas experimentações mais antigas partem de pinturas de mestres como Georges Seurat e suas naturezas e paisagens pontilhadas. As referências da jovem artista não eram, então, estéticas do construtivismo russo como se poderia pensar, mas o uso da cor em paisagens impressionistas. Comedida e equilibrada, a exposição não traz grandes surpresas – seria adorável poder ver o seu processo de trabalho, por exemplo – mas presenteia Riley com uma merecida retrospectiva.

 



JULIA FLAMINGO