Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia cortesia do artista.


Vista da exposição. Fotografia cortesia do artista.


Vista da exposição. Fotografia cortesia do artista.


Vista da exposição. Fotografia cortesia do artista.


Vista da exposição. Fotografia cortesia do artista.


Vista da exposição. Fotografia cortesia do artista.


Vista da exposição. Fotografia cortesia do artista.

Outras exposições actuais:

BÁRBARA WAGNER & BENJAMIN DE BURCA 

ESTÁS VENDO COISAS


Galeria Boavista, Lisboa
FRANCISCA CORREIA

ANDREAS H. BITESNICH

DEEPER SHADES: LISBOA E OUTRAS CIDADES


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

MANON DE BOER

DOWNTIME / TEMPO DE RESPIRAÇÃO


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
MARC LENOT

CLAUDIA ANDUJAR

LA LUTTE YANOMAMI


Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

A LINHA EM CHAMAS


Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada
CARLA CARBONE

ISABEL MADUREIRA ANDRADE E PAULO BRIGHENTI

OUTRAS VOZES


O Armário, Lisboa
ANDREIA CÉSAR

MARIA PIA OLIVEIRA

O PONTO PERFEITO


Fundação Portuguesa das Comunicações,
JOANA CONSIGLIERI

BRIDGET RILEY

BRIDGET RILEY


Hayward Gallery, Londres
JULIA FLAMINGO

COLECTIVA

DELLA MATERIA SPIRITUALE DELL’ARTE


MAXXI – Museo delle Arti del XXI Secolo, Roma
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TAXIDERMIA DO FUTURO


Museu Nacional de História Natural de Angola, Luanda
ADRIANO MIXINGE

ARQUIVO:


ORLANDO FRANCO

THE EYES ARE NOT HERE




GALERIA TREM
Rua do Trem 5
8000-304 Faro

06 FEV - 28 MAR 2020


 

 

 

Between the conception
And the creation
Between the emotion
And the response
Falls the Shadow

Life is very long
T. S. Elliot

 

 

Fecha os olhos e vê, diz Joyce na abertura do seu épico romance Ulisses. Georges Didi- Huberman traz-nos Joyce, e suas inquietações modernistas, quando reflete sobre o paradoxo da visão, ou daquilo que é visível: vemos o que nos olha. Movimento duplo em que “o ato de ver só se manifesta em dois” [1]. Ao lutar com as palavras, e ao reinventá-las, Joyce começa por falar da inelutável modalidade do visível: o olhar não é apenas um gesto, o resultado de sinapses na fisiologia humana, muito menos, o simples reconhecimento de formas apre(e)endidas, é um ato físico que precisa superar a volumetria do real, daquilo que se dá a ver, que se põe diante dos nossos olhos. A visão, e o visível, são matérias caras ao universo da arte, afinal não é a criação artística fruto da luta humana contra o esquecimento? Que podemos também chamar, de forma mais apropriada, desvanecimento? Convocar Joyce para falar de uma exposição de artes visuais não é apenas um exercício de retórica. Orlando Franco, o artista, convoca-o na sua obra porque comunga com ele a mesma preocupação – como vencer a inelutável modalidade do visível? Como atravessar as superfícies e realmente VER?

Esta exposição faz parte de um conjunto de trabalhos que aparecem, pela primeira vez, em Burnout (2013), exposição realizada na Plataforma Revólver e continua no trabalho de curadoria artística que realiza em 2019 com a exposição Wait (Museu Coleção Berardo). Segundo o artista, o que estes projetos têm em comum é “o facto serem planeados e montados/instalados de uma forma potencialmente cénica e cinemática.” O potencial cénico e cinemático das obras está presente no romance modernista de James Joyce e na poesia de T.S. Elliot, a quem Orlando Franco pede emprestado o título desta exposição The eyes are not here, verso do poema The Hollow Man. A visão apocalíptica do poeta, cuja fortuna crítica, de tão vasta não merece a pena ser aqui repetida, deixa marcas profundas num século que presenciou duas Grandes Guerras e tantas outras mais. Não é por acaso que a personagem de Marlon Brando, no filme Apocalipse Now, de Francis Ford Coppola, repete os versos que encerram o poema de T.S. Elliot: This is the way the world ends. Da mesma forma que o poeta nos questiona sobre o que fica depois, quando deixarmos de ver, ou seja, quando morrermos, Orlando Franco põe em causa a nossa capacidade de ver para além do visível, de enxergar com nossos olhos que possuem uma fisiologia própria, que veem para dentro – pois não são os olhos que veem, é o cérebro, mas sem eles não alcançamos o que está diante de nós. O princípio do funcionamento do nosso aparato, ou dispositivo, visual, é semelhante ao do cinema. As imagens cinemáticas organizam-se e seguem a lógica das imagens que são impressas, por segundos, na nossa retina e que permitem assim dar sentido ao mundo, ao visível. E a ambivalência do ver e ser visto na arte é uma preocupação constante deste artista.

No seu projeto curatorial, Wait, recorre uma vez mais à literatura, neste caso de Samuel Becktt, que pre-viu, com seus textos, o vazio que reinou no pós-II Grande Guerra. Um vazio que gerou pessoas vazias: hollow people. E pessoas vazias não veem, porque o olhar tem corpo, tem volume, tem de atravessar algumas grades para chegar cá fora, como escreve Joyce. E o que Orlando Franco nos oferece é uma imersão num dispositivo cinemático que exige de nós a predisposição de fechar os olhos para finalmente ver. Deixarmo-nos afetar pela atmosfera criada e enxergar as peças – vídeos, gravuras, imagens em diversos registos que põem em causa o estatuto mesmo do visível, ou da visibilidade. É preciso que os nossos olhos sejam vistos pelas obras que, contemporâneas, se ligam indelevelmente ao modernismo – ao momento da História da Arte e da Cultura em que se reconheceu a fratura do humano e que produziu objetos que falam sobre a impossibilidade da criação, que refletem a perda, que se concentram no vazio.

Esta exposição tenta, de alguma maneira, dar resposta às inquietações de Didi-Huberman “O que é um volume portador, mostrador de vazio? Como mostrar um vazio? E como fazer desse ato uma forma – uma forma que nos olha?” [2]

 

 

:::

 

 

Notas

[1] Georges Didi-Huberman (1998). O que vemos, o que nos olha. São Paulo, Ed. 34, p. 29.
[2] Didi-Hubernman, p. 35.

 



MIRIAN TAVARES