Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Snapshots da performance Como se uma camada de escamas bem fechada, ©DR.


Snapshots da performance Como se uma camada de escamas bem fechada, ©DR.


Snapshots da performance Como se uma camada de escamas bem fechada, ©DR.


Snapshots da performance Como se uma camada de escamas bem fechada, ©DR.


Snapshots da performance Como se uma camada de escamas bem fechada, ©DR.


Tânia Carvalho ©Rui Palma.


Pintura a óleo ©João Costa.

Outras exposições actuais:

FRANCISCO VIDAL

OFICINA TROPICAL


Zet Gallery, Braga
FRANCISCA CORREIA

MIGUEL CHETA

TODOS NÓS NASCEMOS ORIGINAIS E MORREMOS CÓPIA


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ÁLVARO LAPA

LENDO RESOLVE-SE: ÁLVARO LAPA E A LITERATURA


Culturgest, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

JOANA ESCOVAL

MUTAÇÕES. THE LAST POET


Museu Coleção Berardo, Lisboa
FRANCISCA CORREIA

SALVADOR DALÍ

VISITA VIRTUAL


Teatro-Museu Dalí, Figueres
NUNO LOURENÇO

BÁRBARA WAGNER & BENJAMIN DE BURCA 

ESTÁS VENDO COISAS


Galeria Boavista, Lisboa
FRANCISCA CORREIA

ANDREAS H. BITESNICH

DEEPER SHADES: LISBOA E OUTRAS CIDADES


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

MANON DE BOER

DOWNTIME / TEMPO DE RESPIRAÇÃO


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
MARC LENOT

CLAUDIA ANDUJAR

LA LUTTE YANOMAMI


Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris
MARC LENOT

ORLANDO FRANCO

THE EYES ARE NOT HERE


Galeria TREM, Faro
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


TÂNIA CARVALHO

COMO SE UMA CAMADA DE ESCAMAS BEM FECHADA




PLATAFORMAS ONLINE



02 MAI - 30 JUN 2020


 

 

A performance “Como se uma camada de escamas bem fechada” (2020) de Tânia Carvalho foi transmitida em directo via live streaming no canal do youtube da BoCa Bienal no dia 2 de Maio de 2020, seguida de uma conversa com John Romão, e encontra-se ainda disponível para visualização. A programação de performances comissionadas pela BoCa, a decorrer até pelo menos 30 de Junho de 2020, são, como podemos ler no site, “pensadas através do dispositivo relacional corpo-câmara-casa. Propõe-se uma relação em torno do nosso estado atual de confinamento e as linguagens artísticas mediadas pela câmera.”.

No editorial do BoCa Online - que contempla para além dos live streaming de performances iniciativas que passam por conversas online ou trabalhos de casa (na secção Homework) propostos por vários artistas para que o público possa realizar, ou activar, em casa - podemos ler, nas palavras de John Romão, que o tempo que vivemos “pode servir a oportunidade para descolonizar o nosso imaginário e repensar modelos de comunicação, de produção e de apresentação performativa que, nascidos das urgências específicas deste contexto crítico, possam ser consequentes e se possam prolongar no futuro.” Apresenta-se assim o BoCa Online não como uma adaptação de uma programação anterior ao espaço virtual mas como uma resposta de reflexão sobre o mundo e os seus estados, dando centralidade ao corpo, à casa e à câmara.

O editorial cujas intenções aqui se encurtam pode ser lido na íntegra aqui: www.bocabienal.org.

Creio que não será possível, ou possível ainda, equacionar-se nem as perdas nem os possíveis ganhos que a nossa experiência, face a objectos artísticos que nos encontram via ecrãs, tem (ou terá) face às possibilidades. Isto porque, se é verdade que nem a disponibilidade daquele que se disponibiliza a ver, no caso, esta performance, conseguiria em hipótese ser a mesma caso se tivesse deslocado a um local para vê-la e para estar em presença quando ela acontece, é também verdade que a atenção que pode ser prestada a, no caso, esta performance, se amplifica com a possibilidade de voltar a vê-la, e vê-la sempre na sua actualidade de “vivo”, de tempo real que é passado, mas que continua com a mesma realidade de ser presente. Claro que esta problematização não é nova, mas é nova também, quando se torna recursivamente banal ou estrategicamente consensual. Em estados de excepção talvez o que tenha de mudar, para que mantenhamos a nossa funcionalidade produtiva, seja precisamente a dinâmica entre a atenção e a desatenção. Parece-me determinantemente relevante que o editorial do BoCa Online aponte a consequência e o prolongamento pelo futuro de práticas ou desvios padrão de abordagens que poderão ser neste tempo iniciadas, mas que virão a dar-nos esse re-pensamento. O live streaming já era uma ferramenta (seria uma técnica?) mas estamos a voltar a pensá-la quando a ela recorremos como padrão. E o que nos poderá dizer este aproveitamento de formatos quando outros, também padrão, não podem ser mantidos, abertos, executados? Este pequeno apontamento - e tantas ideias e tanto silenciamento quanto ao que dentro do mundo de Tânia se poderia referir - sobre a performance “Como se uma camada de escamas bem fechada” carrega essa ainda dificuldade de pensar as perdas e os ganhos face à forçosa alteração de estratégia de uma artista que prima pela perfeição técnica aparente; em que tudo se articula de um modo não-caseiro mas profissional, mesmo quando tudo é também aparentemente simples.

Para nos falar do título, em conversa com John, Tânia diz que procurou perceber como era a estrutura do cabelo, que é feita por escamas, o elemento central desta performance. É também este cabelo, a sua performatividade e a sua articulação com a música, da autoria de Tânia, que me lembra um outro cabelo com uma forte presença, o de Marta, da dupla Von Calhau!. Diz Tânia que a performance se foi desenvolvendo naturalmente, com o foco no que ia ser mostrado, música e movimento: esta imagem a que tinha também ela acesso por via do seu ecrã. Tudo se relaciona com o susto e com a compreensão de que afinal nunca estamos sozinhos, mas sempre acompanhados. Começa com uma espera vermelha: “A performance iniciará em breve”. A cortina cai e abre-se uma imagem: uma esquina, uma música que nos dá uma certa tensão emocional, um suspense leve. Há uma sombra que se mexe muito próximo do que poderemos supor que seja o alvo do foco de luz numa das paredes. A imagem é fria, há um filtro que a faz ter uma variação do azul ao amarelo, com uma certa subtileza - a possível em streamings - na gradação da cor. O chão é de madeira, não podemos dizê-lo pela cor, mas pelo padrão, também ele escamoso, em certa medida. Na forma da sombra, primeiro incompreensível, surgem leituras; cabelo?, sim. Cabelo. E depois mãos, numa espécie de luta invisível com a mancha de luz. Luta ou carícia, um limbo entre ambos. Há momentos de ternura, mas muitos de convulsão, onde também entram esses cabelos, e pelo delay, não se torna claro se a sombra do corpo não poderá ser a de um monstro antropomórfico e não de um humano. A sombra do movimento tem as suas quebras, e os meus olhos não compreendem ainda se elas resultam do dispositivo. Confusão, mão, confusão, mão. O som altera-se, cai um véu sobre a câmara. Parece um nevoeiro instalado, mas num só plano. Há um corpo-sombra, negro, que se mexe por detrás deste véu cinza. Levanta-se o nevoeiro, uma massa de cabelo defronta-nos e também as mãos. Torna-se corpo, corpo mesmo, e já não sombra. Entrelaçam-se as mãos nesse cabelo, e tocam-no. Uns braços, um corpo, o cabelo já com um corpo. O corpo de joelhos perante a câmera, cortando a linha que nos faz compreender o espaço como um canto. Os braços e mãos fora do enquadramento, mas ainda como sombra, mexem-se. Agitados. Há algo na ligação entre o som e o movimento das mãos, dos dedos em suspenso, que evoca o terror. O imaginário do terror. As mãos, assim como o corpo, vestido da cor do cabelo comprido, preto, vão entrando e saindo do plano, ligando-se às sombras e a esse terror. Não há uma face. Toda ela coberta de um plano de cabelo. O corpo aproxima-se da câmara, voltamos a ver o canto. Voltam a ter maior importância as sombras e o círculo de luz que as permite. As mãos são o único elemento de pele a que nos é dado acesso. Lembro-me de uma fotografia da Helena Almeida, das mãos caídas sobre um portão. Um cotovelo eleva o corpo, que se vai libertando do adormecimento do terror ou do terror que o leva a certo estado de movimento, o corpo liberta-se e usa as mãos com uma cadência natural: sacode os cabelos da face que ainda não havíamos visto. Uns olhos fechados abrem-se e parecem habituar-se à luz. Descobrem a câmara num seguimento de movimento curioso, quase animal, quase uma sequência de imagens do filme REC. A mão tenta tocar-nos. A virtualidade não permite. O corpo, que agora já é uma pessoa - com a sua cara, sentimentos e movimentos humanos - senta-se a um canto. Volta, dançante-gatinhante, à câmara, mãos confusas, imagens misturadas. Cai um filtro. Um tecido recortado com um losango imperfeito. Vemos-lhe a textura, que na imagem se torna uma série de pequenos pontos com intensidades de brilho dissemelhantes. Passamos a ver o quarto - a esquina, digo - apenas por uma linha que se alinha quase, quase, com o vértice superior deste quadrângulo de enquadramento. A pessoa vai passando, vamos apanhando os vislumbres dessa passagem, impedidos de acompanhar todo o movimento que é feito. Espreita. Um olho, um dedo. Tudo Escuro. Novamente a névoa. A imagem final tem uma gradação do verde ao rosa. Acaba o som.

“A conversa iniciará em breve...” sobre um fundo azul. E no meio dela: “Este isolamento está nos a mostrar que estamos todos juntos, que somos só uma coisa”, diz Tânia.



CATARINA REAL