Links

O ESTADO DA ARTE


© Frédérique Aït-Touati, Alexandra Arènes, Axelle Grégoire, ZKM | Karlsruhe


© ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert


© ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert


© ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert


© ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert


© ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert


© ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert


Sarah Sze, Flash Point (Timekeeper), 2018 © Sarah Sze, © ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert


Claudia González Godoy, Hidroscopia Loa, 2018 © Claudia González Godoy, © ZKM | Karlsruhe. Fotografia: Elias Siebert

Outros artigos:

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS

CONSTANÇA BABO

2020-10-27




 


"You too are part of the natural cycle of atmosphere... you do not only live in the Earth, but from the Earth, and by doing so you are changing the Earth..."
(texto de parede)

 


O ZKM - Zentrum für Kunst und Media Karlsruhe, um dos pioneiros e mais importantes centros de exposição e investigação de arte dos novos média, apresenta agora uma importante mostra, onde cruza as suas duas principais áreas de ação, a artística e a tecnológica, com uma terceira, a científica. A exposição, inaugurada no passado dia 23 de maio de 2020 e passível de ser visitada até ao dia 28 de fevereiro de 2021, afirma a sua relevância com uma temática de máxima atualidade, a crise ecológica, à qual dá voz por meio das linguagens da arte e da técnica.

Intitulada Critical Zones – Observatories for Earthly Politics, e encontrando-se integrada num projeto de escala internacional, tem como principal preocupação o impacto da ação do homem na Terra, no que se tem vindo a apelidar de pegada ecológica, ininterrupta e velozmente crescente. A exposição reconhece e apela à necessidade de ações de sustentabilidade do planeta, para tal sugerindo a união entre disciplinas, competências, conhecimentos e culturas, algo que ilustra, representa e expõe de forma excepcionalmente bem conseguida.

Esta mais recente exposição no ZKM resulta, em grande parte, das pesquisas desenvolvidas no âmbito do projeto internacional e interdisciplinar de investigação CZO - Critical Zone Observatories, iniciado em 2007 e atualmente desenvolvido por nove instituições, cujo propósito é analisar os vários processos químicos, físicos e biológicos que compõem a superfície terrestre e nela suportam toda a forma de vida. Na medida em que se tratam de inúmeros e distintos domínios, um grupo de cientistas criou o conceito Critical Zone para nele reunir os vários campos das ciências da Terra e os respetivos elementos desta, ar, água, solo, flora, fauna, etc. Por outras palavras, a Zona Crítica é toda aquela que determina a qualidade e a subsistência do ecossistema terrestre e que, presentemente, se encontra em estado crítico.

A este complexo e extenso objeto correspondeu, inevitavelmente, uma igualmente intrincada concepção expositiva. Tamanha tarefa, apesar de largamente ambiciosa e desafiante é, contudo, concretizada com distinção pelos dois nomes que a ela se propuseram, Bruno Latour e Peter Weibel. Sendo o último o atual diretor do ZKM e considerando que ambos são incontornáveis referências nos campos da arte e da filosofia, a colaboração de ambos já tem sido objeto de admiração e apreço, principalmente na concepção e realização de três exposições anteriores neste mesmo Centro, Iconoclash (2002), Making Things Public (2005) e Reset Modernity! (2016).

Em relação ao mais recente projeto, revela-se, uma vez mais, quanto ambos os curadores dominam profundamente as áreas teórica, artística e tecnológica, bem como detêm perspetivas e visões tão conscientes do presente, assim como tão à frente do seu tempo. Por conseguinte, o resultado é um dos exercícios expositivos e curatoriais mais surpreendente e de destaque dentro desse contexto. Esta parceria contou também com a participação de Martin Guinard-Terrin, jovem curador residente, e Bettina Korintenberg, especialista em estudos culturais. Acrescenta-se a contribuição dos participantes do Critical Zone! Study Group da Universidade de Arte e Design de Karlsruhe que, durante os últimos dois anos, dedicaram-se à materialização da exposição. Por fim, é ainda importante reconhecer a fundamental colaboração do Strengbach Observatory, observatório em Aubure, a 150 km de Karlsruhe, cuja escala de oito hectares e o seu avançado equipamento permitem recolher inúmeros dados ao nível do solo, do ar, da floresta e das águas. Deste modo, o projeto reflete a importância quer do trabalho em equipa quer da ação em comunidade, princípios imprescindíveis e aplicáveis no âmbito do combate à crise ambiental.

Bruno Latour propõe um "Novo Regime Climático" (New Climatic Regime), apelando à percepção de que a actual situação ambiental afeta todas as coisas vivas e interfere não só com a esfera da ciência, mas também com as da política, cultura, ética e história. Porém, infelizmente, como se refere no texto que acompanha a exposição, "cuidar da Terra é muito difícil: não temos qualquer sensibilidade por aquilo de que ela é feita ou de como ela reage às nossas ações". Com efeito, "estabelece-se um feedback entre o que fazemos ao solo no qual vivemos e como ele reage à nossa ação colectiva" e, apesar das repercussões da maioria das atividades humanas não serem observáveis à escala planetária, como por exemplo em imagens capturadas via satélite, não são por isso menos disruptivas. É, aliás, essa invisibilidade que dificulta a consciencialização da crise ecológica e que contribui para o seu agravamento.

Reconhecendo este obstáculo, Critical Zones - Observatories for Earthly Politics procura transpor os problemas ecológicos para o universo imagético, material e objectual da criação artística, dos novos média e da experiência estética. Com efeito, apesar da natureza destes fenómenos ser material, visível e tangível, tratam-se de híper-objectos que, como Timothy Morton (The Ecological Thought, 2010) explana, são híbridos, mutáveis e massivamente distribuídos no tempo e no espaço, tornando-os difíceis de apreender e percepcionar. A arte é, por certo, uma potência capaz de dar imagem e voz às mais várias questões, de as ilustrar, esclarecer e conceder ao espectador. A isto se acrescenta que, quando a criação artística é aliada às mais inovadoras possibilidades técnicas, nas quais o ZKM é um lugar de excelência, permite-se um ponto de vista com pormenor e alcance científicos.

Paralelamente, como facilmente se compreende, a ampla variedade e pluralidade de problemáticas e de elementos naturais somente são passíveis de representar por via de uma equivalente multiplicidade de práticas artísticas e média. Por isso, a exposição é composta por uma heterogeneidade de objetos, desde os mais científicos, caso de modelos e amostras de matérias físicas resultantes de observações em campo, documentação imagética e textual, fotografias, mas também pinturas, litografias e ilustrações, até aos elementos mais criativos, tanto visuais como escultórios, instalações, vídeos, filmes, produções sonoras ou modelos 3D. Acrescente-se, ainda, que a maioria dos objetos expostos se reportam a questões espácio-temporais, dimensões determinantes tanto na esfera da ecologia como da estética.

Ora, relativamente à última, é importante destacar que a experiência estética que se desenvolve ao longo da exposição é pautada por densidade e singularidade aos mais vários níveis. Encontrando-se o ZKM, espaço amplo e estrutura industrial, ocupado por inúmeros estímulos visuais, sonoros e físicos, materiais, digitais e virtuais, artísticos, científicos e tecnológicos, interativos e imersivos, instala-se um percurso profundamente experiencial e sensorial e, ao mesmo tempo, intelectual, sugestivo de pensamento e reflexão, devido ao tema que carrega e aos textos que o traduzem. Ainda, finda a visita, verifica-se, por um lado, que a tecnologia proporciona inéditas e revolucionárias formas de aproximação entre o homem e o mundo, e, por outro lado, que independentemente dos mais variados temas e contextos, o universo da estética subsiste, sendo que, como Gilbert Simondon refere, o objeto estético é "um prolongamento do mundo natural e do mundo humano" (Simondon, Du mode d'existance des objets techniques, 1989: 187).

Por certo, o cruzamento entre arte, tecnologia e ciência tende a aumentar e instituições como o ZKM são lugares privilegiados para desenvolver projetos deste caráter. Paralelamente, encontrando-se as globais questões ecológicas em contínuo agravamento, sobressai a urgência em propor novas políticas ambientais, as Earthly Politics, como anuncia o título da exposição. Este é também um apelo à mudança e às mobilizações sociais, havendo, entre as obras de arte e os textos que compõem a mostra, secções relativas a intervenções, propondo, precisamente, agir e intervir. A estrutura expositiva é também determinada por uma divisão em seis áreas, sugerindo a primeira, enquanto ponto de partida, Starting to observe! - começar a observar, no âmbito de, como se aclama no último momento expositivo, Becoming terrestrial, ou tornarmo-nos terrestres.

Por último, a presente exposição sobre a crise ambiental coincidiu com a crise pandémica viral e, apesar de não ser imediatamente perceptível a sua relação, ambas convocam questões centrais: refletem o desequilíbrio do presente, das condições de vida e requerem novas políticas ecológicas, territoriais e sociais. É, pois, necessário repensar a existência do planeta e a intervenção do homem e abandonar o pensamento narcísico e antropocêntrico, tão característico da contemporaneidade, pois, para a Terra não há "individual", somente "colectivo" e “global”.

 

 

 

Constança Babo
Doutoranda em Arte dos Média na Universidade Lusófona do Porto e bolseira FCT, tendo como área de investigação o objeto artístico dos novos média e os seus modelos expositivos. É mestre em Estudos Artísticos - Teoria e Crítica de Arte pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e licenciada em Artes Visuais - Fotografia pela Escola Superior Artística do Porto. Tem publicado artigos científicos e textos críticos.