Links

O ESTADO DA ARTE




Outros artigos:

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 
share |

ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA

MANUEL BORJA-VILLEL

2012-11-12




Não nos enganemos. A crise terá consequências irreversíveis para o sistema de arte espanhol. Os parâmetros pelos quais nos regemos até agora deixaram de ser válidos, mas nem a resignação perante um presente que nos ultrapassa, nem o lamento por um passado melhor, que não volta, são a solução. Entender que a cultura é um direito é essencial; portanto há que conceber a oportunidade de novos modelos de gestão e financiamento, e contemplar outras formas possíveis de institucionalidade que garantam esse direito.

É certo que nas três últimas décadas se cometeram erros de planeamento e política cultural. Não raras vezes, concebeu-se a cultura como um meio para a promoção urbana, como um pretexto para gerar fluxos de turistas; ou ela esteve diretamente vinculada à especulação. O resultado dessas políticas foi uma série de equipamentos de desigual resultado cuja gestão é, em geral, inviável. Mas seria irresponsável diabolizar precisamente os que foram vítimas desses erros, a cultura e os seus agentes. Também não é justo nem razoável argumentar que, para fazer frente à crise, temos de satisfazer as necessidades mais urgentes, deixando de fora os aspectos que têm que ver com a cultura. Na sociedade atual são elementos inseparáveis e pretender o contrário é uma falácia, produto da ignorância ou da mesquinhez. É portanto imprescindível que qualquer medida de austeridade seja sensível ao cuidado do tecido cultural e ao seu não desmantelamento. A sua proteção é vital para a saúde de toda a comunidade.

Estamos perante uma mudança de paradigma cujo âmbito é global e não apenas local. Nas últimas décadas fomos testemunhas do paulatino enfraquecimento das instituições públicas a favor das privadas, assim como da imparável ascensão do mercado. Um mercado que agora é, sem dúvida, hegemónico e supranacional, e que não entende de processos ou antagonismos, mas de mercadorias e engenharias de consenso. Para além disso, também observamos a potência de uma massa social ativadora de uma intensa vida cultural que transborda as separações tradicionais entre o privado e o público.

Uma coleção não é uma mera acumulação de objetos ou documentos, mas uma forma de conhecer e entender o mundo. A coleção de um museu constitui a memória coletiva de um país; não pode formar-se exclusivamente à base de um livro de cheques. Duvido muito que as coleções assim criadas se adequem à visão que Walter Benjamin tinha do colecionismo como uma forma de narrar e recuperar a história. Agora bem, as peças que não se incorporem hoje ao nosso património, dificilmente serão integradas amanhã. Os buracos numa coleção constituem uma espécie de vazio na nossa história, tanto no que respeita à nova produção como no que se refere à arte do passado imediato. Se os museus são repositórios da memória, o nosso país corre o risco de amnésia. Não vale portanto dizer que já construiremos as coleções quando a situação económica melhore, porque as obras adquirem-se quando surgem as oportunidades. Estas, tristemente, costumam aparecer em momentos de crise como a atual.

Os museus e centros de arte contemporânea são geradores de conhecimento e promovem a criação de forma direta ou indireta. Se a sua atividade diminui de maneira drástica, corre-se o risco de que o tecido cultural composto por autores, críticos e galerias se debilite até à extenuação. Sabemos que aquelas cidades que ocuparam um lugar importante na história da arte sempre gozaram de uma ampla e produtiva comunidade de artistas. Paris foi a capital da arte no princípio do século XX, não pelos seus monumentos, mas porque Brancusi, Giacometti, Picasso, Miró e tantos outros decidiram fazer desta cidade o seu centro de atividades. O mesmo ocorreu em Nova Iorque nos anos quarenta com a diáspora europeia e em Düsseldorf nos anos setenta, para dar apenas alguns exemplos. Uma sociedade que alberga uma comunidade frágil de artistas não favorece o saber ou a inovação. Tende, pelo contrário, à entropia e à estagnação.

Que fazer? É evidente que, pelo menos no que se refere aos museus, as estruturas novecentistas, baseadas na acumulação de património, são limitadas e limitativas. É primordial passar de uma organização estática a outra dinâmica, na qual se favoreça o fluxo e intercâmbio de obras e ideias. Neste modelo quem recebe é mais rico, mas aquele que dá também se enriquece porque não se trata de construir uma visão única e monocórdica da história, mas múltipla e diversa. Criar redes plurinacionais, negociar um espaço em comum, procurar formas instituintes e dar agência ao público são os desafios para uma nova época na qual o lamento pela nostalgia dos velhos tempos já não serve. Se o valor monetário de uma obra é proporcional à sua escassez e raridade, o trabalho em rede propõe a soma de saberes como pauta para sair da crise. É preciso procurar alternativas, interpelar velhos padrões e exigir que se garantam os nossos direitos. Hoje, mais do que nunca, estamos perante uma época que demanda a assunção de responsabilidades ao mesmo tempo que obriga a manter uma dimensão ética. Sem ela, corremos o risco de eternizar a miséria do presente e impedir a possibilidade de um futuro.


Manuel Borja-Villel
Diretor do Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía (MNCARS), Madrid.


NOTA
* Texto originalmente publicado no jornal El País, a 19 de outubro de 2012