Links

O ESTADO DA ARTE


Museu Hermitage, São Petersburgo


Museu Guggenheim, Nova Iorque


Museu Guggenheim, Bilbao


Interior do Guggenheim Hermitage Museum. Venetian Resort-Hotel-Casino, Las Vegas


Jean Nouvel: Louvre Abu Dhabi


Frank Gehry: Guggenheim Abu Dhabi


Zaha Hadid: Performing Arts Centre, Abu Dhabi

Outros artigos:

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 
share |

O NEGÓCIO DO HERMITAGE

AUGUSTO M. SEABRA

2007-12-17




O que é um museu? Dir-se-ia que a pergunta é quase descabida, de tão óbvia é a resposta, correspondendo a um modelo patrimonial e expositivo consagrado há mais de dois séculos. Contudo, esta concepção tradicional da instituição-museu, concepção mesmo “sacralizada” (no sentido em que falavam, em 1969, Pierre Bourdieu e Alain Darbel em “L’Amour de l’art – les musées d’art européens et leur public”), albergando inclusive os museus de arte moderna e contemporânea, está sujeita a fortes mutações e a não menores polémicas e riscos.

São variados os museus, assim denominados e institucionalmente reconhecidos, que optam preferencialmente, em termos de actividade pública, pela função de centro de exposições, independentemente de terem ou não colecções próprias, como é exemplo o caso de Serralves. Há mutações por novas valias simbólicas, económicas, sociológicas e urbanas de museus, de que a mais “espectacular” afirmação foi o Guggenheim de Bilbao – “A ideia de museu como espaço de recolhimento dedicado à contemplação de obras de arte perdeu o seu fundamento na realidade. Os museus constroem-se agora para regenerar o espaço urbano, promover a indústria turística e conseguir créditos políticos e de imagem com a operação”, nos termos da análise de “El efecto Guggenheim” por Iñaki Esteban (Anagrama, 2006).

Ulterior confirmação desta lógica, de algum modo ainda mais estrondosa, verificou-se com o projecto das “mil e uma noites” em Abu Dhabi, Saadyat, “A Ilha da Felicidade”, que juntará uma extensão do Louvre, outra do Guggengheim, um museu marítimo e um centro de artes, com projectos respectivamente de Jean Nouvel, Frank Gehry, Tadao Ando e Zahah Hadid – e foi considerável a polémica em torno do “Louvre de Abu Dhabi”, sendo que o protocolo final, que teve de ser sujeito a ratificação da Assembleia Nacional francesa, implica o pagamento pelo Emirato da astronómica soma de mil milhões de euros!
A questão é mesmo esta, e trata-se uma mutação profundíssima para com a concepção tradicional e “sacralizada”: agora os museus também vendem e vendem-se – essa é, digamos, uma outra e ineludível perspectiva dos “Museus para o Século XXI”, para retomar os termos de uma exposição patente na Culturgest, no prisma arquitectónico. E vendem e vendem-se segundo novas lógicas globais e ciclos económicos, incluindo os do mercado da arte.

Há casos pontuais de venda por dificuldades económicas – aconteceu há uns meses em Buffalo, no Estado de Nova Iorque, zona industrial em crise, factor que não terá sido alheio à controversa decisão (ou à falta de suficientes donativos privados), quando a Albright Knox Gallery teve de vender algumas obras antigas, tidas como um luxo que um museu vocacionado para a arte moderna e contemporânea, e fazendo face a preços inflacionados, não podia continuar a suportar.
Mas houve um anterior exemplo que, olhado retrospectivamente, foi mais saliente: em 1990, Thomas Krens, então director do Museu Guggengheim, o de Nova Iorque, vendeu três quadros, de Kandinsky, Chagall e Modigliani, para comprar a colecção de arte minimalista. No início de 2005, Krens tornou-se presidente da Fundação Guggengheim, afastando Peter B. Lewis – enquanto este defendia a concentração de investimentos no museu nova-iorquino, Krens tinha desenvolvido todo o novo e ambicioso programas de parcerias – e é ele também o “master mind” do plano geral para Abu Dhabi. Há uma nova forma de economia e de governação dos museus, uma lógica em consonância com o novo espírito do capitalismo global, que foram em primeiro lugar desenhados por Thomas Krens e o Guggenheim.
Mas há outro participante de particular relevo nestes negócios de museus: o Hermitage. Que de resto tem com o Guggenheim não só programas comuns, como mesmo uma “joint-venture”, o “Hermitage Guggenheim Museum” no “Venetian Resort Hotel-Casino” de Las Vegas!

É de toda a conveniência então saber o ponto da situação dos diversos projectos de pólos externos do museu de São Petersburgo. Em primeiro lugar, saber que contam nomeadamente com a possibilidade de apoio de “friends of the Hermitage”, organizados ou não enquanto tal, nas cidades de acolhimento, e/ou de laços históricos. Foram os laços entre as duas cidades, estabelecidos por Pedro, O Grande, que levaram à constituição do Hermitage de Amesterdão. Por outro lado, nos negócios há riscos de vicissitudes políticas: assim, o projecto de instalação permanente de um pólo londrino, na sequência das exposições que têm ocorrido nos Somerset Rooms, parece abandonado, devido ao facto de um dos principais financiadores, o magnata petrolífero Mikhail Khodorkovsky, ter sido preso e enviado para a Sibéria pelo governo de Putin. Quanto ao novo pólo italiano, em Ferrara, sendo também expositivo, é sobretudo um centro de estudo e de formação destinado “à preparação de pessoal técnico e científico, russo e italiano, nos domínios da restauração, conservação, gestão e valorização das obras de arte, incluindo as conservadas no Museu Hermitage e em instituições italianas”. O custo previsto de funcionamento anual do pólo, compartilhada pela Itália e pela Rússia, é de 500.000 euros.

São todos estes dados importantes para se perceber quão megalómano e gravoso é o disparate de que o acto I está agora exposto na Ajuda. O Hermitage alugou e o Estado Português, através da ministra da Cultura, pagou do orçamento público e do mecenato que para aí canalizou, 1, 5 milhões de euros! Isto quando, para além de serem outras as evidentes prioridades das políticas culturais públicas, das políticas para as artes e para os museus, não existem laços, “know-how” ou fundos privados possíveis que fundamentem a viabilidade e interesse de um pólo local do Hermitage.
Quando se parte para tão extravagante projecto no desconhecimento de que a outra parte é um dos mais agressivos actores deste novo “capitalismo global” dos museus, o desastre anuncia-se. Ainda assim, as piores expectativas foram ultrapassadas: “Arte e Cultura do Império Russo nas Colecções do Hermitage: de Pedro, O Grande, a Nicolau II” é uma mostra sem valor pictórico algum, constituída por reservas sem qualquer relevo, apenas com algumas valias decorativas. É uma exposição que afinal comprova os conceitos mais absolutamente retrógrados de “arte e cultura”, e já que dela não serão feitas deduções sobre as lógicas de museus, é esse carácter absolutamente retrógrado o seu triste valor paradigmático.