Links

O ESTADO DA ARTE


A fonte (1917). Fotografia: Alfred Steiglitz

Outros artigos:

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 
share |

QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL

SAM THORNE

2014-04-17




“É tempo de voltar a pôr o urinol de Duchamp outra vez na casa de banho!” Este cativante grito de guerra pertence a Tania Bruguera. Há alguns anos atrás, o Museu de Arte de Queens tomou a artista cubana à letra, convidando-a a instalar uma réplica da Fonte (1917) em instituições de Nova Iorque. Esta era uma ideia graciosa: uma representação simbólica do sentimento, familiar neste momento, de que as representações simbólicas podem já não ser suficientes. No entanto, um dia depois a assinatura ‘R. Mutt’ de Duchamp tinha desaparecido, limpa pelo pessoal da manutenção. Talvez este apagamento acidental tenha sido apropriado. Mesmo num museu, a arte torna-se difícil de discernir quando é posta a uso.

O recentemente expandido Museu de Queens tem sido um importante aliado na busca de Bruguera por uma arte útil. Esta frase, dependendo do humor do momento, soa tautológica ou oximorónica - além de ter um sentido de ferramenta ou dispositivo difícil de traduzir. Nos últimos doze anos, Bruguera tem vindo a refinar e a complicar esta ideia através de alguns projectos importantes: uma academia de arte na sua casa em Havana (2002-09), Immigrant Movement International em Queens (2011 – até ao presente) e, mais recentemente, a exposição ‘Museum of Arte Útil’ no Van Abbemuseum, Eindhoven (2013-14). Apesar de ter laços apertados com organizações convencionais, todas estas iniciativas funcionam como acutilantes contra-instituições ou proposições alternativas. Para parafrasear outra das máximas de Bruguera, ela não quer uma arte que aponte para a coisa, ela quer uma arte que seja a coisa.

Nisto, não está sozinha. Tem sido um ano de alto nível para a arte útil, mesmo que haja apenas um pequeno consenso sobre como a designar (os actuais termos que vão à frente são prática social ou arte socialmente comprometida). No ano passado, a notável iniciativa de ‘arte legislativa’ de Laurie Jo Reynolds, Tamms Year Ten (2008-13), conseguiu encerrar a famosa prisão de máxima segurança Tamms, no Illinois. Como notou a artista, ‘Fora do confinamento solitário veio a solidariedade’. Em reconhecimento, Reynolds – uma participante no ‘Museum of Arte Útil’ – foi galardoada com o Prémio Leonore Annenberg para a Arte e a Mudança Social na Creative Time Summit 2013: o muito popular e ligeiramente evangélico evento anual que celebra a confluência entre arte e justiça social. A arte útil tem também recebido um nível de exposição mediático: no ano passado, o New York Times publicou um artigo intitulado ‘Outside the Citadel, Social Practice Art Is Intended to Nurture’, em que se citava Bruguera, enquanto que em Janeiro o The New Yorker fazia um perfil alargado de Theaster Gates. A última peça era intitulada ‘The Real-Estate Artist’ – sintomático dos entusiasmados relatos sobre arte útil, enquadrando a prática social como pouco mais do que um activismo empreendedor. Onde os governos falham, os artistas mostram o caminho!

Os aplausos têm sido pontuados por discretos e insistentes criticismos. Num penetrante ensaio intitulado ‘A Critique of Social Practice Art’, publicado em Julho passado no International Socialist Review, o crítico de Nova Iorque Ben Davis questionou o que acontece quando esses projectos na realidade desviam a atenção da verdadeira extensão do mal estar social mais amplo. O seu caso de estudo foi o Project Row Houses (1993- até ao presente) de Rick Lowe, no districto Third Ward de Houston. Tomando em consideração a renovação de seis blocos de shotgun housing [1], este é, acertadamente, um dos mais louvados exemplos de prática social. Mas a crise habitacional na cidade não melhorou nas últimas duas décadas. Antes, ficou drasticamente pior: o número de pessoas a viver em bairros de rendas reduzidas duplicou só na última década. E o que acontece quando a arte é útil para as ‘pessoas erradas’, uma frente de promotores imobiliários ou Câmaras ambiciosas? Alegações persistentes de uma cumplicidade gentrificadora nunca estão longe. O próprio Lowe está consciente disto. No Creative Time Summit do ano passado, perguntou se a arte comunitária não está a ser ela própria gentrificada pelos praticantes sociais em ascensão.

Como Bruguera sabe, o termo “arte útil” não é novo. Em 1969, o artista argentino Eduardo Costa escreveu o ‘Manifesto de Arte Útil’, descrevendo o primeiro daqueles a que chamou ‘Objectos de Arte Úteis”. Estes incluíam comprar substitutos para os sinais de trânsito em falta no centro de Manhattan e pintar uma estação de metro na 5ª Avenida. O impulso até pode ser encontrado mais atrás: nos EUA, no argumento de John Dewey no seu livro Art as Experience (1934), de que nada é mais útil que a arte; ou no Reino Unido, a John Ruskin, que advertiu celebremente em The Stones of Venice (1853) que ‘as coisas mais bonitas no mundo são as mais inúteis’. Hoje, Ruskin é qualquer coisa como um espírito guia para o Grizedale Arts, em Lake District. As suas abordagens reformistas influenciam as suas enérgicas actividades, como a loja de solidariedade e a biblioteca desenhada por Liam Gillick que instalaram no seu Instituto Coniston local, que o próprio Ruskin ajudou a reconstruir em 1878. Grizedale foi um dos diversos parceiros do ‘Museum of Arte Útil’, que temporariamente transfigurou o velho edifício Van Abbe no que foi descrito como uma ‘fábrica social’.

Desenvolvido em conversa com Bruguera, este projecto despoletou um número de questões prementes, incluindo como é que ‘usamos’ um museu? E, se o museu público se mantém essencialmente uma instituição de finais do século XVIII, como é que o tornamos relevante hoje? Numa entrevista projectada numa das galerias, o director do Van Abbe, Charles Esche, pediu nada menos do que a ‘abolição do museu como ele existe actualmente’. Num ensaio comissionado para o ‘Museum of Arte Útil’, o teórico Stephen Wright afirmou que as décadas recentes viram uma ‘viragem usológica’. Se esta frase tão pouco atractiva vai vingar ou não (eu voto não), um aspecto importante deste projecto provocativo é uma mudança de termos. ‘Espectadores’ tornam-se ‘utilizadores’; os trabalhos são ‘iniciados por’ e não ‘da autoria de’, e foram ordenados de acordo com categorias – embora, deva dizer-se, soando ligeiramente a anos 1990 – actualizadas: ‘A-Legal’, ‘Space Hack’, ‘Open Access’. Isto não era tanto um novo museu, mas uma paródia às classificações autoritárias de outrora. Com a própria galeria de Bruguera presente no ‘Museum of Arte Útil’, intitulada ‘Quarto da Propaganda, Legitimação e Crença’, o projecto era na maior parte um gozo – o zelo ficou em intermitência messiânica. Era o som, nem sempre agradável, do museu a pensar acerca de si mesmo e sobre o que pode significar utilidade. [versão portuguesa do original inglês]



Sam Thorne
Director artístico da Tate St Ives, Reino Unido, e director fundador da Open School East.


>>>>>>

Notas

[1] Shotgun houses são vivendas rectangulares muito estreitas, com as divisões a sucederem-se umas às outras e uma porta em cada ponta da casa. Eram muito populares no sul dos Estados Unidos.


>>>>>>


Este artigo foi originalmente publicado na revista Frieze, volume 162.