Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela

Outras exposições actuais:

VASCO ARAÚJO

LA MORTE DEL DESIDERIO


Galeria Francisco Fino, Lisboa
WILSON LEDO

HENRIQUE VIEIRA RIBEIRO

NO PRINCÍPIO


quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes
MARC LENOT

TITO MOURAZ

FLUVIAL


Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA

GERMINAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

WILLIAM EGGLESTON

WILLIAM EGGLESTON: LOS ALAMOS


The Metropolitan Museum of Art (Fifth Avenue), Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

ARLINDO SILVA E SÓNIA NEVES

ALEGORIA


Espaço MIRA, Porto
LAURA CASTRO

SUSAN MEISELAS

MÉDIATIONS


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

NO PLACE LIKE HOME


Museu Coleção Berardo, Lisboa
CONSTANÇA BABO

JOÃO MIGUEL BARROS

PHOTO-METRAGENS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MARC LENOT

ESCHER

ESCHER


Museu de Arte Popular, Lisboa
MARC LENOT

ARQUIVO:

share |

MARIANA CALÓ E FRANCISCO QUEIMADELA

A TRAMA E O CÍRCULO




MUSEU DA IMAGEM DE BRAGA
Campo das Hortas, 35-37
Braga

21 JAN - 25 FEV 2017


 

Numa torre medieval, que outrora delimitava a cidade de Braga, a dupla Mariana Caló e Francisco Queimadela apresenta “A Trama e o Círculo”, título da exposição e do filme homónimo, ocupando três pisos do edifício.

 

Tal qual num círculo, o espectador vê-se obrigado a percorrer toda a exposição duas vezes, em sentidos opostos, primeiro num movimento ascendente e posteriormente descendente, numa hipotética analogia entre os dispositivos arquitectónico e discursivo. Ao longo da exposição, Caló e Queimadela exploram sobretudo o dualismo entre material e imaterial, sensível e inteligível, mão e pensamento, luz e sombra.

 

A aproximação a essa ideia, que será central na obra dos artistas, acontece logo no piso térreo com a presença de um molde de um sino defronte à projecção desse mesmo molde, ainda a fumegar. O objecto e a projecção da sua representação, numa lógica quase entrópica que se adensa num segundo momento com o aparecimento de projecções de reproduções (serigrafias) de projecções (sombras), acentuando o carácter metamórfico das imagens.

 

Aí, Caló e Queimadela apresentam três projecções justapostas ontologicamente diferentes: uma imagem estática, uma sequência de imagens estáticas (slides) e, ao centro, um vídeo. Longe do ecrã uno, que surgirá, por exemplo, na última sala, e da lógica sequencial das imagens no tempo, os artistas propõem a coexistência destes planos. Nesta instalação, a fixidez do dedo em riste, que aponta à tela central, e a concentricidade do movimento que desenha o círculo desencadeiam um efeito quase-hipnótico. Apenas será interrompido pelo som concomitante da passagem dos diapositivos que formam a terceira projecção, -um teatro de sombras coreografado com mãos-, despontando uma tensão.

 

No terceiro piso, um pequeno altar compõe a sala que antecede a projecção do filme-ensaio “A Trama e o Círculo”: o mesmo caderno de apontamentos que dá voz ao filme, um conjunto de esculturas “inacabadas e um faqueiro disposto sobre um painel de luz branca. Neste último, o efeito contra-luz apenas deixa ver uma silhueta dos talheres corroídos, potenciando a forma das peças em detrimento da função.

 

Ainda que o filme-ensaio reúna em si as peças que integram a exposição, não há nele qualquer característica denotadora ou final. As mãos, o labor, os corpos, a fábrica. A repetição e corte abrupto suspendem o tempo e alertam para a presença do cinema enquanto construção. Havendo uma organização não-determinista das imagens, o espectador é convidado -senão mesmo obrigado- a criar as suas próprias referências produzindo formas alternativas de ver o mundo.

“A mão é o cérebro e o cérebro é a mão”, ouve-se. Através da prática artística, Caló e Queimadela pensam a própria matéria num acto reflexivo, como se se tratasse de uma relação inextricável entre acto e pensamento.



ALEXANDRA JOÃO