Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS



Vista da exposição.


Vista da exposição.


Vista da exposição.


Vista da exposição.

Outras exposições actuais:

VASCO ARAÚJO

LA MORTE DEL DESIDERIO


Galeria Francisco Fino, Lisboa
WILSON LEDO

HENRIQUE VIEIRA RIBEIRO

NO PRINCÍPIO


quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes
MARC LENOT

TITO MOURAZ

FLUVIAL


Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA

GERMINAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

WILLIAM EGGLESTON

WILLIAM EGGLESTON: LOS ALAMOS


The Metropolitan Museum of Art (Fifth Avenue), Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

ARLINDO SILVA E SÓNIA NEVES

ALEGORIA


Espaço MIRA, Porto
LAURA CASTRO

SUSAN MEISELAS

MÉDIATIONS


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

NO PLACE LIKE HOME


Museu Coleção Berardo, Lisboa
CONSTANÇA BABO

JOÃO MIGUEL BARROS

PHOTO-METRAGENS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MARC LENOT

ESCHER

ESCHER


Museu de Arte Popular, Lisboa
MARC LENOT

ARQUIVO:

share |

PEDRO CABRAL SANTO

UNFORESEEABLE




RUÍNAS DE MILREU
Estoi


17 FEV - 19 MAI 2017


 

 

O tempo foi uma das grandes questões filosóficas que Santo Agostinho debateu nas suas Confissões, para quem o tempo quotidiano não apresentava problemas, no entanto quando se debruçava sobre a questão de forma conceptual perguntava-se: “Mas se o presente, para ser tempo, tem necessariamente de passar para o pretérito, como podemos afirmar que ele existe, se a causa da sua existência é a mesma pela qual deixará de existir? Para que digamos que o tempo verdadeiramente existe, porque tende a não ser?” Falar do tempo, de forma conceptual, é absolutamente necessário para que possamos perceber a obra de Pedro Cabral Santo, sobretudo no seu tríptico, cuja última peça é exibida agora nessa exposição.

Unforesseable fala-nos de um tempo imprevisível, mas, simultaneamente previsto por todos aqueles, filósofos ou artistas, que anteciparam com suas inquietações o que vivemos neste preciso instante. Se o tempo não é abarcável nas suas 3 dimensões, passado, presente e futuro, é porque ele é cíclico e funciona em camadas que se sobrepõem: ora aparecem umas, ora aparecem outras. E as obras de Pedro Cabral Santo dizem-nos aquilo que Santo Agostinho não conseguiu traduzir em palavras, ou seja que o tempo não é traduzível, mas sim uma entidade enganadora que parece avançar, mas que permanece. Ideia muito bem traduzida no relógio de parede que marca uma hora exata de um tempo preciso e que já não se move. O tempo, marcado pelo relógio, é o da revolução. E o tempo que a obra do artista se propõe mostrar é o da revolução permanente que a arte deve buscar como única forma de se servir a si mesma e ao seu próprio tempo.

Um tríptico, originalmente, é um quadro composto de 3 pinturas que tratam um só tema, como se de apenas um quadro se tratasse. As 3 exposições que fecham agora o seu ciclo, de formas diferentes, falam do mesmo, porque a obra do artista é coerente nos seus múltiplos formatos e dispositivos. Toda ela é feita para refletir sobre o seu tempo, que também é história. Pois como afirmou Joseph Beuys, a propósito de se ser artista na contemporaneidade, “A arte deixa de pertencer a um indivíduo e passa a ser parte da humanidade como um todo.” E é sobre a humanidade, e os seus atos, dentro de um tempo específico, mas que sofre da doença do eterno retorno, que as obras desta exposição se debruçam.



MIRIAN TAVARES