Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia: Carlos Azevedo


Vista da exposição. Fotografia: Carlos Azevedo


Still do filme I gave my love a cherry that had no stone (2016).

Outras exposições actuais:

ESCHER

ESCHER


Museu de Arte Popular, Lisboa
MARC LENOT

ÁLVARO LAPA

ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

MARISA MERZ

THE SKY IS A GREAT SPACE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

AMELIA TOLEDO

LEMBREI QUE ESQUECI


Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo, São Paulo
JULIA FLAMINGO

IRENE KOPELMAN

INDEXING WATER


Kunsthalle Lissabon, Lisboa
BRUNO CARACOL

COLECTIVA

FROM ONE LOUVRE TO ANOTHER


Louvre Abu Dhabi, Abu Dhabi
SARAH FRANCES DIAS

COLECTIVA

NSK DEL KAPITAL AL CAPITAL. NEUE SLOWENISCHE KUNST. UN HITO DE LA DÉCADA FINAL DE YUGOSLAVIA


Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid
ALBERTO MORENO

MARIANA SILVA

OLHO ZOOMÓRFICO/CAMERA TRAP


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
BRUNO CARACOL

PEDRO VALDEZ CARDOSO

HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA


Galeria 111 (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ANA HATHERLY

ANA HATHERLY. TERRITÓRIO ANAGRAMÁTICO


Fundação Carmona e Costa, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ARQUIVO:

share |

EMILY WARDILL

MATT BLACK AND RAT




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 Lisboa

02 JUN - 28 AGO 2017


 

 

Matt Black and Rat, de Emily Wardill, coloca-nos numa posição difícil, enquanto espectadores. A tragédia, o horror e o desespero materializam as condições para a construção de uma instalação de obras plásticas, que, por sua vez, nos remete para outras duas novas obras cinematográficas – Trace of Accelerator (2017) e I gave my love a cherry that had no stone (2016).

Em Trace of Accelerator (2017), obra realizada para esta exposição, numa parceria entre a Bergen Kunsthall, Noruega, e o Museu Calouste Gulbenkian, Portugal, ecoa um «misterioso incidente» ocorrido numa pequena cidade francesa, Moirans-en-Montagne, nos meados dos anos 1990. Uma série de incêndios espontâneos, cuja proveniência permaneceu inexplicável durante algum tempo.

Em torno da tragédia, o trauma da comunidade deflagrou em superstições, o que levou à curiosidade científica e consequente um “estudo de caso” por parte de Marc Poumadère e Claire Mays, no Institut Symlog, em França.

O trauma psicológico modela a improvisação das «entidades» na obra artística, que desconstrói o enredo dos actores e dos objectos. As personagens tornam-se arquétipos físicos e psíquicos do mundo real e imaginário, do terror e da tragédia.

Entre a palavra e a imagem, a ficção e a veracidade, a artista Emily Wardill encena um ambiente paranóico, caótico e imprevisível, de modo a lançar o observador para o trauma, para a tragédia, para o desespero e para o medo. A percepção sensorial instiga as emoções ao limiar da condição humana. O comportamento, o gesto e a palavra produzem ecos energéticos como se fossem peças desconcertantes: máquina e homem, mulher e homem. Os três actores/corpos desfragmentam-se e deslizam como impressões trágicas, que se dissipam no fumo.

A morte.

Em Wardill, o fogo é catalisador. As personagens descentram o “texto-narração”, abolindo-o. O corpo e a mente fundem-se e desmembram-se. As personagens passam a ser o terror. Do terror para o terror, desmembram-se no espaço, desvanece a matéria. Passando para o espectador. Vivencia o processo, numa espécie de transformação. Relembra-nos, em certo modo, o que Erika Fischer-Lichte (2004: 332) constatou em Samuel Beckett:

«His modus of time is a time of end, his modus vivendi, increasing fragmentation, reduction and dismemberment with no possibility of an end – the pre-condition of rebirth. The modus of his perception and reception, however, is neither prescribed nor fixed; it is handed over to the spectators themselves.»

Soa a palavra em imagem e a imagem em palavra. Projecta-as para dentro do espectador, deixando de existir apenas no seu interior. O drama e o terror.

Em Matt Black and Rat, revela semelhante desconforto de incomunicabilidade entre imagens e objectos numa estética de terror e de mal-estar, que se transmuta no fogo. As obras escultóricas, «camisas a sair das paredes», e «fotogramas feitos de luz» aparecem-nos como se fossem peças de «origami e semifantasmas», tal como diz a própria artista na entrevista para a Gulbenkian. Em contraponto, temos as palavras. Criando, assim, um movimento e um fluxo entre elas, a imagem e a palavra. O gesto e o som. Num todo.

Na obra I gave my love a cherry that had no stone (2016), filmada no interior do Museu Calouste Gulbenkian, em Lisboa, revela uma dicotomia cinematográfica, entre o “movimento-imagem” e a performance, que desconstrói o corpo. Desta forma, Emily Wardill cria uma «eventstructure». Assim, relembramos a artista: «O filme debruça-se sobre a relação entre uma câmara e uma pessoa que se assemelham – a câmara tem um carácter humano e a pessoa tem a tecnologia da máquina».

O movimento corporal criado pelo bailarino David Marques assume, então, uma outra relação com a camisa branca de homem, concebida por uma experiência da impossibilidade de se materializar. A obra corporaliza-se no espaço. Numa “anticorporalidade”, o corpo passa a ser outro, irreal. Um anticorpo. Salientamos as suas palavras: «na ideia de uma coisa querer ser outra coisa (…), é sobre um homem que não quer ser real.»

 




JOANA CONSIGLIERI