Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Claudia Andujar_Rua Direita, 1970


Igor Vidor - Operação Camanducaia


Jardim da Piscina. Fotografia: Marina Burity


Piscina. Fotografia: Marina Burity


Rodrigo Bueno, Sofa Mata a Dentro. Fotografia: Marina Burity


SP não é uma cidade. Fotografia: Marina Burity


Vanderlei Lopes, Catedral. Fotografia Resolução - Galeria Marília Razuk

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

NSK DEL KAPITAL AL CAPITAL. NEUE SLOWENISCHE KUNST. UN HITO DE LA DÉCADA FINAL DE YUGOSLAVIA


Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid
ALBERTO MORENO

MARIANA SILVA

OLHO ZOOMÓRFICO/CAMERA TRAP


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
BRUNO CARACOL

PEDRO VALDEZ CARDOSO

HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA


Galeria 111 (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ANA HATHERLY

ANA HATHERLY. TERRITÓRIO ANAGRAMÁTICO


Fundação Carmona e Costa, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ANA HATHERLY

ANA HATHERLY E O BARROCO. NUM JARDIM FEITO DE TINTA


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

HUGO CANTEGREL

ONE DAY IT WILL ALL MAKE SENSE


FOCO, Lisboa
Catarina Real

BILL VIOLA

A RETROSPECTIVE


Museo Guggenheim Bilbao, Bilbao
ALEXANDRA JOÃO MARTINS, LUÍS LIMA

GILBERT & GEORGE

THE BEARD PICTURES


Lehmann Maupin, Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

TIAGO MADALENO

NOVO BANCO REVELAÇÃO 2017


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

JOËL ANDRIANOMEARISOA

AUSÊNCIA


UMA LULIK__ Contemporary Art, Lisboa
MARC LENOT

ARQUIVO:

share |

COLECTIVA

SÃO PAULO NÃO É UMA CIDADE - INVENÇÕES DO CENTRO




SESC 24 DE MAIO
Rua 24 de Maio, 109
São Paulo - SP, 01041-001, Brasil

19 AGO - 28 JAN 2018

POLIFONIA DA METRÓPOLE

Numa megalópole de 21 milhões de habitantes como São Paulo, realidades pessoais são construídas com tamanha distância geográfica, social, cultural e financeira, que não é incomum a impressão de que um paulistano de outro bairro parece mais ter vindo de outro país. São principalmente em regiões como o centro da cidade onde se encontram moradores dos seus quatro cantos: por suas ruas borbulhantes passam diariamente milhares de pessoas das mais divergentes realidades, proporcionando que diferentes narrativas se encontrem e convivam.

Foi nesse cenário, entre as ruas 24 de Maio e Dom José de Barros, que o Sesc ergueu, em agosto, sua 21a unidade paulistana. Num projeto assinado pelo ganhador do prêmio Pritzker Paulo Mendes da Rocha, o prédio vinha sendo reformado há oito anos com o intuito de transformar o edifício de 1941, que abrigou uma loja de departamentos até os anos 1990, num espaço democrático de lazer. Para além de uma piscina na cobertura com vista privilegiada da cidade e rampas feitas de concreto que ligam seus treze andares, a ênfase do projeto está nas fachadas envidraçadas: no lugar de isolar, elas aproximam quem passeia pelo edifício do cenário heterogêneo do seu exterior.

Para a mostra de abertura, um título emblemático: São Paulo não é uma cidade. A afirmação sustenta a tese de outro Paulo, o Herkenhoff, e do também curador Leno Veras, que se inspiraram no pensamento de Vilém Flusser. Este filósofo nascido em Praga viveu na capital paulistana durante mais de trinta anos e dizia que São Paulo é um conglomerado monstruoso que há tempos abandonou sua unificação e centralidade. O título da exposição também confere outra interpretação sugestiva: a de que São Paulo não é apenas uma - mas várias - cidades. “Quisemos abandonar o pensamento de uni(cidade) e adotar a ideia de multipli(cidade)”, conta Veras brincando com o jogo de palavras. Numa curadoria elegante e bastante trabalhosa, ele e Herkenhoff selecionaram 400 peças assinadas por 150 nomes e as dividiram entre aproximadamente trinta núcleos que abordam temáticas como raízes afro-brasileiras, os indígenas, a prostituição, os moradores de rua, a imigração, a identidade de gênero e as drogas. Numa narrativa sem hierarquias entre diferentes tipologias de objetos - documentos, fotografias, mapas, cartas, obras de arte, utensílios, entre outros, são apresentadas com a mesma força – a mostra constrói uma enciclopédia visual de São Paulo.

É desta maneira que sem início, meio ou fim pré-estabelecidos, os núcleos focam-se principalmente na microhistória - aquela contada a partir da visão de qualquer indivíduo – seja ele um pintor, performer, pesquisador ou habitante. “Passei seis meses acompanhando o processo de finalização do edifício. Morei no centro e convivi com seus habitantes para entender quais as principais questões sociais e politicas que não poderiam ficar de fora da exposição”, conta Leno Veras, que se mudou temporariamente do Rio de Janeiro para a imersão. Foi daí, por exemplo, que nasceu a ideia de construir ambientações sonoras a partir da polifonia de sons captados nas ruas. “A visualidade da cidade já estava presente na mostra por conta da arquitetura do prédio. Quisemos, também, que a paisagem sonora estivesse contaminada e o visitante fosse estimulado por todos os lados, como realmente acontece em São Paulo”, acrescenta o curador.

Capítulos históricos emblemáticos como o Foto Cine Clube Bandeirante conferem um tom didático à mostra. As fotografias tiradas por nomes como Thomas Farkas, Gaspar Gasparian e Geraldo de Barros, por exemplo, quebraram os paradigmas da estética fotográfica no Brasil, principalmente nas décadas de 1940 e 1950. Modernistas como Lasar Segall, Candido Portinari, Brecheret ou o escritor Mário de Andrade, que repensaram a pintura e literatura brasileiras, também não poderiam ficar de fora. Os imigrantes são representados em obras como os desenhos de Mira Schendel feitos com pastel e folhas de ouro e prata. O nome da artista está internacionalmente ligado à arte brasileira, mas ela nasceu na Suíça: o que seria de São Paulo sem seus imigrantes e, atualmente, sem seus refugiados?

No que concerne a arte contemporânea os trabalhos mais destacados são, sem dúvidas, aqueles feitos especialmente para a exposição. Jaime Lauriano criou um mapa que é alimentado durante todo o período da mostra e reconstrói memórias afro-brasileiras a partir de locais desta cultura que foram destruídos no passado. São Paulo imperial: escravidão, cativeiros, monumentos e apagamentos históricos relembra, por exemplo, que onde é hoje um parque nipônico, no bairro da Liberdade, já foi um pelourinho. Já Igor Vidor vem conversando com pessoas em situação de rua e coletando pedaços de tecidos de roupas para representar a Operação Camanducaia, que dá título à obra. Ela foi uma ação da polícia que tentou se livrar de 93 crianças e jovens no ano de 1974, durante a Ditadura Militar. Eles foram forçadamente transportados para outro estado, onde foram torturados e suas roupas e documentos queimados - 55 deles nunca mais foram vistos. Ainda na leva de trabalhos de denúncia, Giselle Beiguelman apresenta a videoarte Odiolândia, que reúne comentários de ódio feitos por internautas na página do prefeito João Doria depois de sua primeira intervenção na cracolândia (área de grande concentração de usuários e traficantes de crack). Sem qualquer imagem - apenas frases de letras brancas que aparecem sobre um fundo preto - a artista enfatiza o conservadorismo e preconceito de indivíduos que, maioritariamente, apoiam o uso da força e de armas de fogo contra os dependentes. Em tempos em que a comunicação entre grupos diferentes está cada vez mais ruidosa e intolerante, a mostra relembra a importância de perceber o outro como ponto de partida para uma nova ocupação da cidade.

 

Julia Flamingo
Nascida em São Paulo, Brasil, é formada em Jornalismo e História. Colabora como repórter de artes visuais para veículos nacionais e estrangeiros. Trabalhou como repórter e crítica de arte da revista Veja São Paulo entre os anos de 2015 e 2017, foi assistente de comunicação do Instituto de Cultura Contemporânea e assessora de eventos como SP-Arte e Bienal de São Paulo.

 

 

 



JULIA FLAMINGO