Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição African Passions. Fotografia: Filipe Branquinho


Vista da exposição African Passions: Cheri Samba. Fotografia: Filipe Branquinho


Vista da exposição African Passions: Série de desenhos de Frédéric Bruly Bouabré, 2004 e 2010. Fotografia: Filipe Branquinho


Vista da exposição African Passions: Mauro Pinto. Fotografia: Filipe Branquinho


Vista da exposição African Passions: Amadou Sanogo. Fotografia: Filipe Branquinho


Pintura mural de 4,70m x 4,80m (2018), de Esther Mahlangu. Palácio de Cadaval.


Aminata (2013), de Omar Victor Diop.

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

NO SILÊNCIO SEM ME FAZER OUVIR


Galeria Nuno Centeno, Porto
CONSTANÇA BABO

DAVID HAMMONS

TED JOANS: EXQUISITE CORPSE


Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa
DASHA BIRUKOVA

COLECTIVA

SIGNAL - THE HISTORY OF (POST)CONCEPTUAL ART IN SLOVAKIA


Ludwig Múzeum, Budapeste
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TRABALHO CAPITAL - ENSAIO SOBRE GESTOS E FRAGMENTOS


Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira
LUÍS RIBEIRO

FRANCISCO TROPA

O PIRGO DE CHAVES


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JULIA FLAMINGO

CAROLINE MESQUITA

ASTRAY


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

ERIKA VERZUTTI

ERIKA VERZUTTI


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

HORÁCIO FRUTUOSO

CLUBE DE POESIA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

CARLOS BUNGA

THE ARCHITECTURE OF LIFE. ENVIRONMENTS, SCULPTURES, PAINTINGS AND FILMS


MAAT, Lisboa
MIGUEL PINTO

JORGE MOLDER

JEU DE 54 CARTES


Carpintaria de São Lázaro, Lisboa
MARC LENOT

ARQUIVO:


COLECTIVA

AFRICAN PASSIONS




PALÁCIO CADAVAL
Rua Augusto Filipe Simões
7000-845 Évora

25 MAI - 30 SET 2018


O ambiente é quente, os movimentos leves e sente-se liberdade na criação. O “joie de vivre” africano é o mote da exposição African Passions, integrada no festival Évora África que acontece pela primeira vez em Portugal, no Palácio de Cadaval, edificado no século XV.

Mesmo junto ao Templo Romano, a mostra reúne as obras de 16 artistas vindos de sete países da África subsariana que ainda hoje vivem no continente Mãe. A recepção é feita pela pintura mural de Esther Mahlangu, de 83 anos, membro da tribo Ndebele, da África do Sul, que, em maio passado, inscreveu a sua marca nas paredes do Palácio utilizando acrílico para criar geometrias de forma livre e directa que, de relance, parecem abstractas, mas olhadas com cuidado, denunciam um conjunto de símbolos e signos que constituem a linguagem ancestral da sua tribo. 

Já na Igreja dos Lois, onde jazem os túmulos da família Cadaval, mesmo no centro junto ao altar, cruzamo-nos com o paramento de Romuald Hazoumè do Benim. Trata-se de uma escultura com cerca de 4 metros de altura, um tributo aos trajes dos sacerdotes. Feita em plástico, simboliza um deus animista a ser seguido pelo seu povo, representado através de bidões pretos, que são actualmente utilizados pelo povo do Benim trocar petróleo por comida, num contexto de tráfico ilegal com a Nigéria.

Ao subirmos as escadas de granito que ligam a Igreja ao Palácio, entramos nas salas amplas, agora transformadas em galerias, onde a fotografia a preto e branco cruza com a pintura numa sustentável leveza onde a diversidade visual salta à vista. Começa-se com a objectiva de Malick Sidibé, do Mali, que capta a noite, a festa e a diversão, algures nas margens do rio Níger, enquanto Chéri Samba e JP Mika, ambos do Congo, trazem à mostra uma linguagem nova que apela à ilustração e toca na banda desenhada. Da Costa do Marfim, Frédéric Bruly Bouabré artista e pensador, traz um alfabeto como forma de preservar e transmitir o conhecimento do povo Bété e Marcel Miracle, do Madagáscar, está presente através das colagens que foi reunindo ao longo da vida criando também uma linguagem individual. Filipe Branquinho, de Moçambique, expõe o retrato de grande formato e Omar Victor Diop, do Senegal, retrata uma geração urbana próspera e criativa.

 

La belle Ambiance (2016), de JP Mika.

 

Está aqui uma África moderna, dinâmica e gentil. Com curadoria de André Magnin e de Philippe Boutté, Alexandra de Cadaval, organizadora do Festival Évora África, confessa que a selecção das obras consistiu num balanço de grandes nomes da cultura africana com artistas que estão agora a emergir. “A nossa intenção é mostrar uma África positiva, criativa e contemporânea”, diz a responsável pelo festival revelando que a adesão do público tem sido muito boa. Após ter vivido entre Moçambique e o Burkina Faso, nos últimos anos, apaixonou-se por África e quis partilhar o que sentiu e viveu. “Os artistas são os mestres deles próprios e a inspiração vem-lhes das suas histórias familiares e das tradições ancestrais que vão passando entre gerações”, confessa Alexandra de Cadaval que vai tentar tudo para continuar a concretizar o Festival Évora África em formato bienal.

 

 

Maria Luísa Ferrão
Nasceu em 1981 e é jornalista freelancer e agricultora, na Herdade do Pocinho, desde 2008. Escreve para três revistas especializadas na área agrícola e tem uma pós-graduação em Comunicação e Gestão Cultural na Universidade Católica de Lisboa. Após ter passado por Madrid e Antuérpia escolheu Évora para viver, cidade de onde é natural. Vê na agricultura e na cultura dois mundos que, por vezes, se tocam na medida em que ambos são expressões de fertilidade e de expressão da condição humana.

 



MARIA LUÍSA FERRÃO