Links

share |

MÚSICA


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS

RUI MIGUEL ABREU

2012-10-19



Num contexto pop, e pense-se no debate gerado desde o início pelos Kraftwerk, a discussão em torno da música eletrónica passou muito pela definição dos limites do humano e do maquinal. Mas nos domínios eruditos essa definição nunca deixou de existir de forma muito clara. Tristram Cary, um dos pioneiros da eletrónica em Inglaterra, distinto membro do Radiophonic Workshop e enquanto tal visionário criador de uma paisagem sonora para os Daleks, formulou desde cedo uma distinção clara para as suas práticas laboratoriais escrevendo que a música concreta lhe oferecia a possibilidade de “realizar música como uma gravação em vez de como uma performance”.

 

 

O Radiophonic Workshop operou num cenário muito específico – a BBC – aplicando os ensinamentos da música concreta em bandas sonoras para teatro radiofónico, primeiro, e para televisão, depois, influenciando o subconsciente de várias gerações. Mas a primeira exposição do público britânico às novas realidades musicais eletrónicas aconteceu com a transmissão de Symphonie Pour Un Homme Seul de Pierre Schaeffer.

Schaeffer fundou o Groupe de Recherche de Musique Concrète (GRMC) em 1951, uma das primeiras células criativas criadas para investigar as possibilidades encerradas por uma tecnologia desenvolvida pela Alemanha Nazi: a fita magnética. Schaeffer abandonou o GRMC em 1953 e reformou o coletivo cinco anos mais tarde como Groupe de Recherche Musicale, o famoso GRM. Luc Ferrari, Iannis Xenakis, Bernard Parmegiani ou François-Bernard Mache são alguns dos compositores com quem Schaeffer trabalhou em profundas investigações conceptuais em torno de sonoridades concretas, eletrónicas e eletrocústicas tornando muito mais claras as divisões entre o que era do domínio da criação laboratorial e o que pertencia à mais física dimensão da performance.

 

 

A Editions Mego de Peter Rehberg inaugurou já em 2012 o selo Recollection GRM dedicado a reeditar obras do vasto arquivo da GRM. Os dois primeiros lançamentos foram Le Trièdre Fertile (1975-76) de Pierre Schaeffer e Granulations-Sillages / Franges du Signe (1974-76) de Guy Reibel. Seguiram-se L’Oeil écoute / Dedans-Dehors (1970 – 77) de Bernard Parmegiani e a compilação de obras de vários compositores Traces One (que abarca um período entre 1960 e 1970). Sempre em vinil: “A ideia já gravitava na minha cabeça há algum tempo”, explicou Peter Rehberg à Fact, “mas começámos a discuti-la no fim de 2011. Limitei-me a perguntar porque não estavam estas obras disponíveis em vinil”.

 

 

Na estratégia de diversificação da Editions Mego, esta abertura de um selo dedicado à memória da GRM faz todo o sentido, sobretudo tendo em conta a criação igualmente recente (2011) da Spectrum Spools, outra etiqueta apostada na investigação da música eletrónica, mas de um ângulo mais contemporâneo – o catálogo da Spectrum Spools que já leva duas dezenas de lançamentos é curado por John Elliot dos Emeralds e apesar de incluir sobretudo obras contemporâneas de nomes como Bee Mask ou Motion Sickness of Time Travel, também já alargou o raio de ação de forma a integrar algumas reedições, casos de discos assinados por Robert Turman ou Franco Falsini.

Investigação em torno de três pilares da medição acústica – frequência, duração, intensidade – que Schaeffer contornou durante boa parte da sua obra –, Le Trièdre Fertile é uma obra que se distingue no conjunto das criações deste compositor por ser o seu único trabalho puramente eletrónico, realizado com o apoio técnico de Bernard Dürr (e lançado originalmente como um título da notável coleção Prospective 21 Siècle da Philips). Com um som incrivelmente vibrante (as transferências digitais e os cortes de acetato foram realizados com extremo cuidado e envolvem o estúdio de referência Dubplates & Mastering, de Berlim), este trabalho tardio de Pierre Schaeffer tem a particularidade de soar tão cerebral como emotivo, com o mestre a ceder a um “arrependimento tardio” ao apoiar esta peça nas tais medições fundamentais do som.

 

 

O álbum de Guy Reibel segue num outro sentido, mais cerebral e matemático, e trata de investigar os limites, nomeadamente os da perceção humana. Reibel era um quarto de século mais novo do que Schaeffer e este foi o seu primeiro trabalho de monta, lançado originalmente como parte da Collection INA-GRM. Adotando os princípios da acusmática, mediante os quais a origem dos sons é invisível e só o som puro importa – esta é música composta a pensar em execução através de colunas, e não em performance, e assim regressamos ao princípio enunciado por Tristram Cary –, Guy Reibel realizou aqui um trabalho intrigante que parece sugerir a banda sonora para uma viagem pelo interior dos chips na memória de um computador.

A terceira entrada no catálogo da Recollection GRM foi reservada para L’Oeil écoute / Deadans-Dehors de Bernard Parmegiani, um trabalho onde a definição de Tristram Cary da música como “som organizado” encontra perfeito eco. A imersão no universo deste compositor que iniciou carreira como técnico de som da televisão francesa é completa e L’Oeilécoutesoa exatamente como um filme sem imagens, com comboios, insetos e o que soam como disparos de raios laser a combinarem-se num universo tão estranho quanto exótico. Dedans-Dehors soa ainda mais incrível, impressionante exercício de edição, em que a fita magnética se torna ao mesmo tempo espaço de performance e partitura de imaginação.

 

 

Finalmente, a mais recente edição da Recollection GRM da Editions Mego é uma compilação de título Traces One que reúne material que se estende entre 1960 e 1970 e que tem a assinatura de compositores como Beatriz Ferreyra, Philippe Carson, Edgardo Canton, Francis Régnier e Mireille Chamass-Kyrou, nomes menos celebrados da escola concreta, mas que, atentando aos trabalhos aqui incluídos, merecem igualmente atenção e certamente justificam mais este lançamento: dronmes acusmáticos, colagens abstratas, ritmos erguidos pela repetição de foundsounds, mergulhos no caos aparente do ruído de onde emergem sempre nítidas paisagens acústicas.

 

 

No próximo mês de dezembro serão editados os quinto e sexto volumes nesta série de reedições com selo Recollection GRM: Presque Rien de Luc Ferrari e Triola ou Symphonie por moi-même de Ivo Malec. Tendo em conta a agitação profunda em torno da eletrónica mais experimental nos últimos anos – agitação essa ecoada nas edições da Spectrum Spools, mas muito mais ampla – reedições como a deste material dos arquivos da GRM são importantes pois oferecem contexto histórico a um diálogo – o dos homens e o das máquinas – que não dá sinais de esmorecer e que continua a gerar alguma da mais desafiante música do presente.

 

http://editionsmego.com/releases/recollection-grm/




Outros artigos:

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS