Links

share |

MÚSICA


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE

Ricardo Escarduça

2014-09-30




Mothxr, pronunciado Mother, nasce no caldeirão efervescente de criatividade de Brooklyn, NY no final de 2013. A sua musicalidade espontânea e intuitiva, leve e etérea, cria ambientes fáceis e simples, descontraídos, deixando-nos rendidos à aura envolvente que emana. Em pouco tempo, Mothxr passou pelos vários canais on-line em que foi lançado, chegando sem esforço aos fãs de pop-rock, de R&B e de synth-pop.

 

 

Lançado no início de 2014, “Easy” é o single de apresentação da banda de quatro membros. É atrevido e insinuante. É cool e sexy.
Deve-o ao desempenho vocal suave e macio do frontman Penn Badgley. As batidas das drum machines e da secção rítmica e de percussão são ousadas e incisivas como uma típica faixa de rock, aqui e ali temperada com inesperadas variações que nos surpreendem ao alterar a secção da música que se lhes segue face ao esperado. Sustentada nessa base, a guitarra eléctrica deambula entre palhetadas insinuantes, riffs sedosos e personalizados e solos ao jeito da década de 80. Mantendo o ambiente de intimidade e leveza que caracteriza esta faixa, os samples de ritmos de piano electrónico e as sonoridades robustas de sintetizadores trazem-nos algumas imagens de dramas inevitáveis. A melodia, a sonoridade e a letra sedutoras de “Easy” conquistam-nos instantaneamente e deixam-nos expectantes no rasto de Mothxr.

 

 

“Victim”, segunda faixa apresentada por Mothxr pouco tempo depois de “Easy”, é uma balada intensa, densamente impregnada de tonalidades mornas, desaceleradas e liquefeitas. Mais do que em “Easy”, sem dúvida sob a batuta dos componentes da banda, somos transportados num ritmo lento para um cenário trágico de intimidade ameaçada e de fatalidade romântica a que os amantes dos ambientes pop dos anos 80 certamente não serão indiferentes.
O desempenho vocal é contido e calmo, oscila ao longo da música sem grandes alterações de registo e dissolve-se languidamente no instrumental que se destaca dele. O piano electrónico e os ritmos da percussão fundem-se e trazem-nos uma faixa onde se distingue o carácter synth-pop. Mas é o solo intenso, arrastado e melancólico do saxofone que marca a personalidade de “Victim”.

 

 

“Centerfold” é a terceira música de Mothxr disponibilizada até à data. Ao mesmo tempo profunda e ligeira, encontramos nela a mesma identidade algo pop, algo eletrónica, algo indie das faixas anteriores. E, tal como com as anteriores, damos o nosso tempo por bem empregue.

Mothxr dificilmente passaria despercebida, pois qualquer um dos acompanhantes de Penn Badgley está associado a outros projectos, todos eles merecedores de atenção. Jimmy Giannopoulos é programador no projecto nova-iorquino Lolawolf. O baixista Darren Will integra o grupo Rathborne, também em NY. Em Los Angeles, Simon Oscroft é o guitarrista da banda No. Penn Badgley tem solidificado a sua carreira de mais de 10 anos como actor com papéis de destaque na série televisiva Gossip Girl e no longa metragem “Greetings From Tim Buckley” em que interpreta o filho Jeff. Mas a música já produzida é suficiente para podermos destinar um lugar de crescente destaque a Mothxr.

Penn e Jimmy, vizinhos e amigos de longa data em Brooklyn, foram procurando ao longo dos anos uma sonoridade que surgisse sem planos prévios e os empurrasse para dar início a algo que eles próprios não poderiam definir antecipadamente. Darren Will andava sempre por perto, o parceiro natural quando a oportunidade chegasse. No final de 2013, com o primeiro verso e a primeira nota por escrever, decidem juntar-se em LA, sem expetativas de qualquer resultado. Um acaso fá-los cruzar Simon Oscroft e, quando não haviam ainda pensado em tal, este junta-se à guitarra. Sem dar por isso, criam cinco faixas em cinco dias e nasce Mothxr.

Esperamos o lançamento do EP de estreia com expectativa, em data e editora por anunciar. Até lá, desfrutamos das publicações on-line dos sucessivos singles, invejando os afortunados que se encontram na rota geográfica de actuações ao vivo nos EUA, Reino Unido e França que se multiplicam numa agenda cada vez mais preenchida.
 




Outros artigos:

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS