Links

share |

MÚSICA


SILK RHODES - VIAGEM NO TEMPO

Ricardo Escarduça

2014-12-30



 

 

Silk Rhodes não se resume a uma ou a duas faixas. Em Silk Rhodes há um pouco de tudo. A sua sonoridade impregnada de soul leva-nos numa viagem ao passado e às origens dessa atmosfera musical e traz-nos de regresso ao presente para espreitarmos a sua original e musicalmente significativa reinvenção da sonoridade dos anos 60 e início de 70 plena de contemporaneidade. A música de Silk Rhodes ouve-se, simplesmente. Não se atinge nenhum climax, o que, neste caso, representa valor acrescentado. Pelo contrário, degusta-se apenas de um ambiente calmo, macio e informal, com tudo o que há de bom num variado vocabulário musical que aglomera e mescla em canções bem estruturadas, elegantes e algo contidas o classic soul, o funk, o R&B, o disco soul, o electro-funk, entre várias outras sonoridades, que não cai nos erros de perder a coerência e de querer ser mais do que é e que, ao mesmo tempo, derruba sem inibições os conceitos estabelecidos do que a soul music é e poderá ser, abrindo e explorando o seu futuro. Silk Rhodes é, simplesmente, pleno de puro e intenso soul e groove.

O álbum de estreia, que recebeu o mesmo nome da banda, foi lançado no passado dia 2 de Dezembro pela editora Stones Throw Records de Los Angeles, da qual se pode esperar sempre música de qualidade no universo do soul, funk e hip-hop, como atestam as contínuas e sucessivas descoberta e produção de artistas como Mayer Hawthorne, Aloe Blacc, Madlib/Qasimoto e Dam-Funk, entre outros. Silk Rhodes promete seguir-lhes os passos.

O produtor Michael Collins, originário de Boston, e o nova-iorquino vocalista com formação em ópera Sasha Desree conheceram-se quando ambos, em digressão com os seus projectos individuais, se cruzaram ocasionalmente e começaram a desenvolver experiências minimalistas de classic soul reciclado com recurso a gravações de voz e sons captados directamente num gravador instalado no carro posteriormente processadas aos quais adicionavam loop’s e sonoridades low-fi. O crescimento das suas colaborações e da sua amizade levou-os, também ocasionalmente, a mudar-se para uma casa em Baltimore no final das suas digressões onde viveram juntos por algum tempo.

Collins já desde há alguns anos que revisitava os géneros classificativos musicais bem delineados do passado através dos bem-sucedidos projectos Run-DMT e Salvia Plath em processos de exploração, desconstrução e deformação desses limites, compondo e produzindo música que abordava sonoridades murmurantes de new-age ambiente music que mais tarde evoluíram e se aproximaram do universo pop, folk e psicadélico dos anos 60. Desree, pelo seu lado, é um apaixonado confesso do soul e funk clássicos de The Delfonics, Stevie Wonder, Al Green ou Sly & The Family Stone e das fases mais iniciais da carreira do mais recente Prince.

Ao longo da sua estadia de 2 anos em Baltimore, necessário período de incubação do álbum devido ao método casuístico e experimentalista empregue, o duo continua as suas viagens exploratórias e de destino aleatório. Estando um pouco sem saber que rumo tomar, a solução foi libertarem-se dessa pressão e, simplesmente, descontrair e improvisar tendo como ponto de partida a junção das influências e preferências de ambos. O método de experimentação e improvisação foi levado ao extremo: o carro transformado em estúdio de gravação de som continuou a ser usado para captar sons aleatórios na sua vida diária em Baltimore ou em viagens pelo país que eram de imediato espontaneamente reproduzidos em loops enquanto circulavam pelas ruas atraindo a atenção devido à potência de emissão sonora instalada no carro, ao mesmo tempo que comentavam e gravavam em rima ou de qualquer outra forma inusitada o que observavam e convidavam desconhecidos e amigos com a dose de loucura necessária para contribuir com vocais e beats. As reacções favoráveis e entusiasmadas que obtinham rapidamente os fez concluir que esta recolha sonora não planeada seria a matéria-prima a que se juntariam grooves melódicos e orquestrados, as linhas rítmicas de baixos e beats sintetizados produzidos por Collins e o emocional lirismo vocal de Desree, resultando nas 12 faixas que compõem o álbum numa homenagem aos clássicos funk e soul mas que, dotado de um carácter próprio, distinto e individual, não se limita a ser uma mera cópia evocativa deles mesmos e abre caminhos novos para essas sonoridades devido a um processo de composição bizarro e excêntrico que gera surpreendente e inovadora música.

A faixa “Pains”, na segunda posição da tracklist e eleita como single de apresentação do álbum (está disponível um vídeo para o mesmo no YouTube que aconselhamos também a visualizar, mas optamos pela versão no perfil soundcloud uma vez que, por motivos que nos ultrapassam, a versão em vídeo foi cortada na introdução da faixa em aprox. 40 segundos), é um espelho completo do processo criativo de Silk Rhodes. É musicalmente sustentada em toda a sua duração apenas por um lento e lamuriante sample de guitarra composto por 5 acordes em loop. O pano de fundo é preenchido por linhas discretas e embalantes de órgão e cordas e por um beat suave, enquanto algumas frases soltas e trémulas de guitarra fazem a transposição entre estrofes e refrão, resumindo uma estrutura musical simples mas plena de identidade que deixa disponível todo o espaço para que a voz em falsetto de Desree evolua em amplos vórtices decrescentes. Mais do que renovados, trata-se de mestres como Marvin Gaye ou Curtis Mayfield reinventados.

Após uma faixa de introdução, “Pains” antecipa-nos o que vamos encontrar ao longo de todo o álbum e é um exemplo claro de como menos é mais. Cada uma das doze faixas que integram Silk Rhodes resultam de uma composição inteligente e inconvencional que sintetiza produção electrónica e o soul mais melódico em músicas leves, simples e limpas, distintas entre si e com uma identidade própria, que saltam musicalmente de conceito em conceito, num trabalho que vale tanto pela singularidade de cada faixa como pelo conjunto delas. Ao contrário de adensar e compactar várias camadas e ideias em cada composição, Collins e Desree optam por uma produção minimalista, contida e sem grandes adornos, expurgada do supérfluo e desnecessário e onde o soul e o groove são reis, explorando individualmente em cada faixa as diferentes áreas musicais para onde o seu processo criativo autónomo e intuitivo os encaminha que, por esse motivo, não julgamos como meras cópias ou similares aos nomes ancestrais do soul, e em que os vocais de Desree e a produção de Collins se equilibram sem sobreposições e se complementam mutuamente.

 

 

Igualmente ilustrativa da natureza do trabalho de Collins e Desree é a mixtape “Lip Service”, disponibilizada alguns dias após o lançamento do álbum (tal como Source Material Mixxx) com o propósito de partilhar e alguns dos artistas e sonoridades onde fundam a sua inspiração e expressar uma vez mais através da experimentação e da espontaneidade a fusão das duas distintas personalidades musicais.

Igualmente ilustrativa da natureza do trabalho de Collins e Desree é a mixtape “Lip Service”, disponibilizada alguns dias após o lançamento do álbum (tal como Source Material Mixxx) com o propósito de partilhar e alguns dos artistas e sonoridades onde fundam a sua inspiração e expressar uma vez mais através da experimentação e da espontaneidade a fusão das duas distintas personalidades musicais.

 

 

Em “Realtime”, quinta faixa do álbum, encontramos uma vez mais a simplicidade de Silk Rhodes. Collins limita-se a produzir um beat uniforme e contínuo ao longo de toda a faixa, apontamentos esparsos e discretos de baixo e frases de órgão que enquadram e parecem estar em diálogo com a voz de Desree que nunca se eleva e apenas flutua em tons médios de velocidade lenta e recebemos um viciante groove sedutor pleno de soul que não é uma balada tão calma quanto “Pains” e a que poderíamos escutar durante muito mais tempo que os seus 2:30 minutos de duração.

 

 

“Face 2 Face” interrompe a tendência que marca grande parte do trabalho de Silk Rhodes que se dedicam nesta faixa a criar um ambiente mais dancável com uma identidade disco e funk que quase se aproxima do boogie, assentando também numa estrutura musical simples desconstruída.

Os viajantes no tempo Collins e Desree convidam-nos a acompanhá-los no seu percurso musical da curta quase meia-hora de duração das 12 faixas do seu álbum de estreia num variado conjunto que não só homenageia o património musical do passado como o reinterpreta e inova assegurando que a sua música não se esgota numa repetição do que já foi feito anteriormente e que temos diante de nós o futuro da soul music. Aguardamos atentos a disponibilização nos canais generalizados das restantes faixas do álbum que, por enquanto, estão disponíveis apenas no site da editora ou através da aquisição do LP.

 

 

:::

[o autor escreve de acordo com a antiga ortografia]




Outros artigos:

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS