Links

share |

MÚSICA


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S

Ricardo Escarduça

2015-02-02




A vantagem do mundo se tornar aparentemente mais pequeno é que ele se torna maior. O mundo cresce num processo de expansão auto-sustentada em resultado da troca e consumo de sons, cheiros, cores e sabores, de ideias, pensamentos e convicções, um sem-número de conteúdos disponibilizados por meios incessantemente mais rápidos e acessíveis que aproximam tudo e todos mas que, ao mesmo tempo, são o estímulo e fonte de criatividade que alargam os seus horizontes. TĀLĀ é sinónimo de viagem, de uma viagem à volta do mundo que funde em si mesma inúmeros ambientes em que mergulhamos ao ouvir a sua música sem contudo sairmos do mesmo lugar.


Mesmo que ainda sem um LP editado, bastam o EP “Alchemy”, lançado em 17 de Novembro de 2014 e apresentado pela faixa “Black Scorpio” na segunda posição da tracklist, e o antecessor EP de estreia “The Duchess”, lançado em 02 de Junho anterior, ambos pela editora londrina Aesop, para nos deixar entusiasmados com mais um nome a seguir atentamente.


TĀLĀ é farsi e significa ouro ou dourado, atributo que lhe equivale por completo e que entendeu escolher como nome artístico. TĀLĀ é intensa, empolgante, tentadora, acolhedora, e ao mesmo tempo sólida, crua, incisiva e obscura. Isola-se no seu estúdio no Soho onde se escapa para um mundo apenas seu e divaga num processo de criatividade sem restrições inspirada pelas ideias e sensações mais diversas e ecléticas com que se depara espontaneamente no cosmopolitismo do seu dia-a-dia ou que busca activamemte de forma quase obsessiva, que permite que a invadam e influenciem e a partir das quais extrapola as suas criações, sem deixar de regressar ao porto seguro da casa dos pais nos calmos arredores de Londres onde cresceu e absorveu durante anos um ambiente cultural e musical variado, rodeada de inúmeros instrumentos musicais do pai iraniano, músico clássico de profissão, da mãe e irmão ingleses amantes de música pop, R&B e hip-hop americana que cresceu a ouvir, da formação clássica de piano que iniciou cedo e da inevitável cena electrónica londrina que a desviou para iniciar os seus projectos experimentais de sonoridades computadorizadas.


O seu arrojado electro-pop alternativo é uma sobreposição de inúmeras e distintas camadas e reflecte as várias culturas musicais que recolhe da sua vida e do mundo inteiro, fundidas numa produção electrónica maciça e maximizada, repleta de ritmos acutilantes e penetrantes dos sintetizadores robustos e dos baixos e beats pesados sob os quais se nota a presença dos enigmáticos traços sonoros folk das suas raízes iranianas, com nuances de clássico e melódico R&B e hip-hop áspero e marginal, a par do distinto e amplo desempenho vocal que ocupa lugar central e deixa uma marca de relevo no seu trabalho e que, de igual forma, assume ele próprio várias identidades alternando entre secções harmoniosas e arrebatadoras efectivamente cantadas e outras em que os vocais samplados e mixados são transformados em mais um dominador instrumento musical que se junta à restante produção musical.


“Black Scorpio” é viciante desde o seu início. Aprisiona-nos com a secção de abertura de intensa produção electrónica e vocal progressiva, dramática, quase apocalítica, como um comboio que nos abalroa em velocidade descontrolada, interrompida por uma curta pausa que quase não nos permite inspirar, para de imediato nos voltar a arrebatar numa transição em crescendo que mistura electrizantes sintetizadores e vocais samplados e nos faz pensar que nos aproximamos de um refrão que não existe pois a irreverência e criatividade de TĀLĀ não são compatíveis com estruturas enformadas e afinal nos encaminha para uma passagem instrumental de timbre metálico, outra vez interrompida e que nos conduz a um outro segmento vocal mais harmonizado, após o que o ciclo estonteante recomeça. No final brusco e decrescente, TĀLĀ finalmente nos permite inspirar depois dos vertiginosos três minutos antecedentes.


“Black Scorpio” é a imagem de marca de TĀLĀ. É feito de tanto ao mesmo tempo e aparentemente contraditório em si mesmo, mas possui um elemento comum rítmico que é o ligante de tantos componentes e torna o todo coerente e personalizado.

 


Depois da intensidade extrema de ”Black Scorpio”, “Everybody’s Free”, também integrada em “Alchemy” na sequência da tracklist e nos traz ainda mais facetas de TĀLĀ, é o peso que repõe algum equilíbrio na balança por via da impressão vocal mais melódica e aberta que marca a sua parcela inicial, ainda que voltemos a encontrar a mesma força rítmica avassaladora dos sintetizadores e dos beats das drum machines mais à frente e também outras identidades vocais. TĀLĀ continua a revelar a sua singularidade, ainda que heterogénea em si mesma. “Everybody’s Free” poderia ter caído no erro de se transformar em apenas mais uma faixa electro-pop, com um carácter apenas demasiado pop ou apenas demasiado R&B, que faria com que se perdesse e passasse despercebida na multidão de produtores de música que se aventuram nos canais de música on-line. Porém, a transformação e manipulação rítmica, melódica e vocal de TĀLĀ produzem o efeito absolutamente oposto. Apesar de menos abstracta que “Black Scorpio” e com uma personalidade mais melódica, TĀLĀ explora as suas capacidades vocais abrangentes em “Everybody’s Free” através de constantes mutações corais que tanto visitam um ambiente algo eclesiástico e gospel, como atravessam territórios hip-hop, são marcados no refrão pela sua natureza original R&B, e ainda atravessam tonalidades conceptuais e experimentais, acompanhadas de diferentes intensidades instrumentais e rítmicas ao longo da faixa e que a tornam singular, revelando uma bem mais profunda complexidade musical e um carácter mais único e distinto do que a sua fundação original R&B poderiam levar a crer, mantendo-nos em constante expectativa ao longo de toda a faixa.

 


“Alchemy”, primeira faixa na tracklist do EP homónimo, aparenta ser mais tangível. Os versos efectivamente cantados da abertura da faixa levam-nos a crer que estamos perante uma faixa de hip-hop, e agora sim, uma faixa que se aproxima do normal e corrente hip-hop. Basta, porém, aguardarmos um pouco para sermos surpreendidos com uma transição vocal de carácter absolutamente folk em referência às suas raízes iranianas que transformam a faixa em absoluto em mais uma obra individualizada em si mesma, ao que acresce a significativa produção musical subjacente ao desempenho vocal ao longo de toda a faixa na qual, se expurgada dele e escutada por si mesma como se tal fosse possível, voltamos a encontrar a assinatura de TĀLĀ.

 

 


O EP de estreia “The Duchess” aberto pela faixa “Serbia” à qual prossegue a faixa “In My Own Hua Hin” já revela a natureza aglomeradora e exploradora de TĀLĀ, numa labiríntica, inconvencional, aventureira e original mescla de expressivas batidas rítmicas sampladas, volumosas melodias sintetizadas, pungentes e vocais e mais ímplictas ou mais explícitas referências culturais étnicas.

 

 

 

Dias antes da estreia de “The Duchess”, TĀLĀ disponibilizou a fantástica mixtape “Other People’s Poetry”. Ao longo de 45 minutos preenchidos por Drake, Shlohmo & Jeremih, Aaliyah, Cashmere Cat, MIA ou Janet Jackson, entre ela própria e outros, TĀLĀ acrescenta novas dimensões às faixas originais agora misturadas, revelando a sua personalidade e inventividade musicais, e renova as suas influências radicadas no médio-oriente misturadas com as sonoridades ocidentais electrónicas, pop e hip-hop, comprovando estar destinada a um lugar de sucesso. Enquanto que “Other People’s Poetry” foi lançada antes da estreia do primeiro EP, em 21 de Novembro, dias após o segundo EP, surge a mixtape “24 Carat”, não só como mais uma confirmação do trabalho editado anteriormente mas também aumentando mais ainda a expectativa quanto às actuações ao vivo que estão a ser preparadas para 2015.

Enquanto muitos podem vislumbrar um aparente conflito no confronto dos vários géneros musicais em que TĀLĀ fundeia o seu trabalho e revelar-se incapazes na sua integração, o brilhante instinto criativo por que é movida em inúmeras direcções distintas traz-lhe invariavelmente o elemento unificador que torna coerente a fusão de todos estes retalhos contrastantes, criando inovadora e relevante música que se distingue e não passa despercebida e simultaneamente se mantém acessível e apetecível, transportando-nos em instantes pelas ruas de Los Angeles, do médio oriente e de Londres.




Outros artigos:

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS