Links

share |

MÚSICA


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION

RUI MIGUEL ABREU

2011-03-29



 

São as imagens que normalmente nos assombram e teimam ficar gravadas na memória, quando acordamos repentinamente de um pesadelo. Nessas ocasiões é raro recordarmos um som, menos ainda uma melodia ou um ritmo. E no entanto, na delicada economia do arrepio, a música, como tão bem compreendiam Alfred Hitchcock e Bernnard Herrmann, é um recurso absolutamente fundamental que amplifica emoções, coloca sentidos em alerta e descreve sem necessidade de qualquer palavra sentimentos como o desespero, a ansiedade e o medo.
 

 

No último ano surgiram na imprensa especializada diversos artigos que davam conta da emergência (palavra que pode e deve ser lida nos seus dois sentidos, neste caso) de um novo género musical. Sob a designação de Witch House – ou Drag – agruparam-se uma série de projectos que pareciam sobretudo interessados em explorar essa dimensão emocional e psíquica da música, reorganizando algumas coordenadas subterrâneas do hip hop de recente memória, sobretudo a escola de DJ Screw, mestre da cena screwed & chopped. Screw morreu em 2000, vítima do abuso de xarope para a tosse. Os opiáceos presentes nessa substância ajudam, provavelmente, a justificar a técnica de produção que Screw aprimorou no Texas, criando uma cena particular: beats lentos e arrastados, vozes com o pitch desacelerado, atmosfera alucinatória…

 

 

Uma década depois do desaparecimento de Screw, uma nova geração adopta essa mesma vertigem pelos beats de progressão lenta, encharcando a música que cria em autênticos oceanos de reverb e eco, forçando a descolagem da realidade através de um total desrespeito pelas regras da fidelidade sonora – esta música é suja, carregada de ruído, distorcida. Não é nada fácil encontrar esta música cujos métodos de distribuição desafiam as ortodoxias da indústria, mesmo a mais alternativa: vídeos estranhos no YouTube com colagens efectuadas a partir de títulos obscuros da dimensão já esquecida do VHS, cassetes de circulação absurdamente limitada, nomes impossíveis de googlar – alguns recorrendo a símbolos impronunciáveis. Como um culto, parece que esta «cena» se quer manter secreta.

 

Os Salem de King Night são a mais óbvia referência desta cena que na idade da internet não possui um foco geográfico definido. O álbum de estreia deste projecto, lançado na recta final de 2010, condensava as pistas do som screwed & chopped, um certo fascínio pelo R&B de brilho mais digital e acrescentava-lhes oceanos de sintetizadores sempre à beira da distorção, criando, em câmara lenta, sequências de poderosíssima carga emocional. O som de pesadelos saturados com milhões de frames retirados ao assalto constante de que somos alvo – na rua, na tv, nos ecrãs dos nossos computadores e smartphones.
Na verdade, a «cena» Witch House surge num momento particular da história e liga-se a uma série de outros subgéneros e artistas e editoras – como a hauntologia ou as incríveis e densas viagens nas margens do dubstep e do techno conduzidas pelos Demdike Stare ou pelos Raime da Blackest Ever Black ou ainda pelo mergulho nos drones conduzido por projectos assombrados como Black Mountain Transmitter. Se juntarmos ainda a este quadro a influência mais visível do que nunca das marcas aurais exploradas por John Carpenter nas bandas sonoras dos seus filmes ou pelos italianos Goblin nos «slash flicks» de Dario Argento – influência essa reclamada por gente como Steve Moore dos Zombi (cujo projecto paralelo Gianni Rossi cria bandas sonoras para filmes imaginários) ou pelos Ensemble Economique da Not Not Fun (editora cuja visão particular de psicadelismo é também informada pelas experiências de desaceleração da realidade enunciadas por DJ Screw) – começa-se a obter uma imagem da electrónica contemporânea carregada de negro.

www.youtube.com/watch
www.youtube.com/watch
www.youtube.com/watch
 

Será esta a banda sonora de um planeta à beira do colapso político, económico, ecológico, religioso e moral? A cena Witch House e as edições podem funcionar numa escala microscópica, mas a verdade é que toda esta música parece traduzir um momento menos luminoso da história da humanidade. E talvez em nenhum desses projectos, a negritude e as sombras sejam tão densas como nos misteriosos Mater Suspiria Vision. A Wire de Janeiro descrevia-os como um colectivo norte-americano com «uma predilecção especial pelo cinemático»: «Enquanto as faixas arrastadas e desaceleradas dos MSV trincam no queijo bolorento das últimas três décadas, os seus vídeos colocados no VIMEO rebolam nos arrepios decadentes do horror dos anos 60 e 70», escrevia Joseph Stannard num artigo em que a Wire reconhecia o horror como uma das forças criativas da música em 2010. 
 
Os Mater Suspiria Vision têm editado muita da sua música em cassetes, CD-Rs e dvds de circulação extremamente limitada, muitas vezes com poucas dezenas disponíveis. E na mesma semana em que se anuncia o lançamento de apenas 300 exemplares de Crack Witch em LP («upgrade» de uma edição originalmente disponibilizada em cassete efectuado pela label Living Tapes operada por um dos membros do grupo de black metal Yoga!), a europeia Boomkat disponibiliza o single «Exorcism of the Hippies» (de idêntica tiragem) (http://boomkat.com/vinyl/392827-mater-suspiria-vision-exorcism-of-the-hippies) e os próprios MSV anunciam na sua página oficial o lançamento de mais 300 cópias de Inverted Triangle, um outro LP disponível também numa reduzida tiragem de 50 exemplares que incluem, entre outros artefactos, uma Polaroid da aura do «grupo»… (http://mater-suspiria-vision.blogspot.com/2011/03/mater-suspiria-vision-inverted-triangle.html). 

vimeo.com/21357425

Com o lado dois de Crack Witch ocupado inteiramente por um épico de 24 minutos de título «TRip 2012», os Mater Suspiria Vision investem a sua música de uma qualidade cinemática pronunciada e de camadas pesadas de sintetizadores que escorrem pelo tema como lava na encosta de um vulcão. Sem estruturas definidas, esta música consegue ser livre, inventiva, profundamente criativa e traduzir de forma plena o tempo que a vê nascer. É música de agora, mesmo se parte das suas referências remetem para uma determinada memória cinematográfica. Esta música importa porque desafia convenções, porque encerra mistério e desconforto, porque nos obriga a fechar os olhos e imaginar outras realidades, porque mexe com as nossas entranhas, porque nos assusta e nos obriga a reflectir. Poderemos dizer isso de toda a música que nos rodeia?

 

vimeo.com/20757981




Outros artigos:

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS