Links

share |

MÚSICA


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES

RICARDO ESCARDUÇA

2017-03-13



 

 

 

A hiper-mobilidade e a tecnologia têm destas coisas. As duas faces da moeda da globalização das últimas décadas dissolvem identidades, fronteiras e distâncias nas dimensões mais abrangentes e, inquestionavelmente, inabordáveis na sua plenitude em escassas palavras.

Uma face da moeda é cunhada pelos actuais sistemas de poder económico predadores e ímpios que, sem hesitar, cospem sem hipótese de resgate para um abismo profundo os banidos, expulsos do sistema por não lhe serem mais úteis. A outra face da moeda desta hiper-mobilidade de pessoas, informação e conteúdos, aproximados por 0’s e 1’s tecnológicos, gera uma nova identidade. Na identidade cosmopolita e global, princípios de tolerância e curiosidade mútuos geram aceitação e validade do todo composto por cada um apenas devido ao que cada um é. É esta outra face da moeda que reúne Narumi, Maik e Jakob.

 

 

A japonesa Narumi Omori pousa as mãos num piano pela primeira vez aos três anos de idade, para não mais o largar. Bandas de punk-rock, post-punk e gothic-rock, moda e cinema Nouvelle Vague compõem o seu vocabulário diário até 1994, ano em que decide mudar-se para Paris. Entre vários projectos musicais avulsos em que participa, cruza-se com o londrino de origem jamaicana Michael Griffs, aka Maik. Por seu lado, ainda em Londres durante a década de ‘90, Maik vai andando como letrista hip-hop ao mesmo tempo que admira Leonard Cohen. Um anúncio na NME leva-o até ao microfone da banda de trip-hop Earthling que deixa memória durante os anos ‘90 enquanto seu vocalista. Outros projectos musicais e algumas rasteiras da vida deixam-no sem rumo em Londres, momento em que se muda para Paris. Completando o trio, o sueco Jakob Leo Helden larga o stick de hóquei no gelo aos dezoito anos para pegar na guitarra. Entre 1998 e 2002, acompanha Jay-Jay Johanson e, no caminho para Londres onde pensava estabelecer-se, desvia-se para Paris, onde vai participando em alguns projectos enquanto estuda na universidade.

Earthling, que Maik integra ainda em Londres adoptando o nome de Mau, merece entretanto um parêntesis de memória bem alargado. Em 1995, “Radar”, o primeiro trabalho da banda, comparado a “Maxinquaye” de que qualquer apresentação parece desnecessária, encontra justificado reconhecimento como um dos mais marcantes álbuns de trip-hop da década. É bem empregue o tempo a recordar “Radar”, de tal forma que não nos coibimos de deixar algumas das suas faixas, nas quais a impressão digital do Portishead-er Geoff Barrow dá nas vistas logo aos primeiros acordes.

 

 

É necessário avançar até 2009 para que os três cosmopolitas se cruzem e decidam formar Tristesse Contemporaine. A unidade é notoriamente maior que a soma das suas partes, resultado da outra face da moeda globalizada. Naturalmente, Namuri encarrega-se dos teclados e sintetizadores, Maik da voz e Jakob da guitarra. As experiências musicais e cumplicidades pessoais evoluem ao ritmo da diversidade de culturas e personalidades que o trio aglomera, enquanto o nome da banda surge por inspiração de um livro homónimo do séc. XIX de autoria do escritor, filósofo e crítico Hippolyte Fierens Gevaert encontrado num alfarrabista sobre movimentos intelectuais dessa era.

 

 

Em 20 de Janeiro último surge o terceiro LP da banda “Stop and Start” com o selo da Record Makers, editora parisiense que também alberga Sébastien Tellier ou Kavinsky.

As dez faixas formam um conjunto coerente que nunca desilude porque não ilude. Em passo enérgico mas nunca demasiadamente acelerado, cada uma delas não traz altos e baixos, não quebra abruptamente ou sobe aos píncaros de algum clímax. Em alternativa, a mistura é cuidadosamente contida na personalidade da fusão da voz e da instrumentação. A heterogeneidade das referências da cultura musical britânica partilhada pelo trio é bem latente. De “Stop and Start” exalam essências electro-pop e electro-rock características da new-wave post-punk dos anos ’80. Mas a fusão não escorrega para exageros descontrolados. Pelo contrário, com composições rigorosas e precisas, Tristesse Contemporaine evitam habilmente essa rasteira com melodias minimalistas, lo-fi e hipnóticas, umas vezes cativantes e encorpadas, outras vezes mecanizadas e descarnadas. A sonoridade simplificada e reduzida não belisca a sua personalidade, que rapidamente revela a carga nostálgica, contida e frígida do tom vocal de Maik sobre os arranjos maioritariamente obscuros de sintetizadores, bateria, guitarra e efeitos manipulados de densidade crescente pela sobreposição sequencial e progressiva de camadas sobre camadas.

 

 

“Stop and Start” deixa no ar a sugestão de uma possível fase de transição, ou de encontro, no caminho que o trio tem percorrido desde 2009 e que já passou por Portugal em 2015, ele próprio marcado por algumas derivas experimentais, sem deixar de produzir música merecedora de referência. Efectivamente, se encontramos alguma familiaridade sonora entre o trabalho de 2017 e o álbum de estreia “Tristesse Contemporaine”, lançado em 2012, embora o ambiente electro-rock deste primeiro não seja tão sombrio quanto Stop and Start”, é em “Stay Golden”, o álbum de 2013, que se nota maior desvio ao aliviar a carga soturna para um carácter pop com mais cor que os outros dois trabalhos.

 

 

Se a raiz da música de Tristesse Contemporaine nos anos ’80 é evidente, não é menos evidente que o conjunto dos três álbuns do trio agrega algo mais que uma mera repetição ausente de personalidade. Seja nas versões mais pop ou nas versões mais sombrias, o minimalismo elegante da sua sonoridade revela uma qualidade musical elevada acima dos padrões normais que não só deixam justificada a referência à banda como a expectativa de que não demorem demasiado a pisar novamente os palcos portugueses.

 

Tracklist “Stop and Start”

1. Let’s Go
2. Dem Roc
3. Girls
4. Know My Name
5. Get What You Want
6. Everyday
7. It Doesn’t Matter
8. Stop and Start
9. No Hope
10. Ceremony


Tracklist “Stay Golden”

1. Fire
2. Stay Golden
3. Waiting
4. Going Out
5. I Do What I Want
6. Can’t Resist
7. Burning
8. Pretend
9. Most Times

 

Tracklist “Tristesse Contemporaine”

1. Empty Hearts
2. In The Wake
3. Hell Is Other People
4. I Didn’t Know
5. Hierarchies
6. Daytime Nightime
7. 51 Ways To Leave Your Lover
8. America




Outros artigos:

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS