Links

share |

MÚSICA


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE

RICARDO ESCARDUÇA

2017-04-17



 

Tal como uma obra literária ou visual, também o som e, neste caso, a música – a qual, mais a mais, contém em si mesma nas mais das vezes a vertente sonora e a vertente verbal – activa uma relação entre o sensorial e o cerebral que despoleta emoções e reflexões. “Dialectic of Ignorance”, o mais relevante e mais recente trabalho dos irmãos Carney – Van, Jennings e Lain – que, desde 2005, quando agarrados à guitarra e vocais no caso de Van, ao baixo e teclas no caso de Jennings, e à bateria no caso de Lain, formam o trio fraternal Pontiak, coloca-nos neste território bilateral por via das representações mentais para as quais nos conduz.

O oitavo longa-duração do trio, aos quais acresce uma mão cheia de EP’s, chega-nos como o envelope sugestivo de uma mensagem. As palavras de Van assim o confirmam “It’s not a political album. The message we want to get across is the importance of being present in the moment. Maybe everything is fucked. But you can do something about that.”. Desta capacidade sugestiva, um dos grandes valores do álbum enquanto gatilho da consciência crítica, surge-nos, de uma forma automaticamente instintiva, enquanto “Dialectic of Ignorance” salta de faixa em faixa, não só a representação metafórica da ordem estabelecida, como as dúvidas quanto à fragilidade dessa mesma ordem. Basta o título do álbum para nos fazer pensar “eh pá, espera aí”. Surge-nos a representação mental de uma panela de pressão que não só aparenta não estar dotada da singularidade de uma válvula de escape pela qual possa fazer aliviar a pressão acumulada como parece padecer da pluralidade de variados e dispersos pontos de pressão prestes a estoirar se uma mínima fagulha não for cautelosamente ou afortunadamente contida. É esta violência, a violência da fragilidade da estabilidade que sentimos, ou julgamos sentir no passar do dia-a-dia que vai indo, que “Dialetic of Ignorance” nos evoca.

 

 

Colocado no mercado pela norte-americana Thrill Jockey Records em 24 de Março último, mais do que cravar uma lança impetuosa sonora na superfície dos sentidos, o ambiente criado por “Dialectic of Ignorance”, e toda a sua carga musical sugestiva, infiltra-se através deles quase como que clandestinamente para atingir o seu espaço-alvo na mente. O conjunto das oito faixas – apenas as três faixas aqui apresentadas estão por enquanto disponibilizadas nos canais usuais, mas o Spotify oferece a visita, que recomendamos, às faixas “Hidden Prettiness”, “Youth and Age”, “Dirtbags” e “We’ve Fucked This Up”; no fundo, à totalidade do álbum – forma uma unidade rock sólida que, sem beliscar a sua coerência, agrega elementos psych, progressive e indie. Esta intensidade clandestina mas coerente podia ter sido o resultado eruptivo de uma qualquer sessão nocturna de intensa produção artística. Não é o caso. Trata-se do oposto, trata-se de uma produção amadurecida e fermentada com o tempo, ao longo de 2016, o que em nada diminui essa mesma intensidade. É-nos fácil imaginar os três irmãos bem encostados em cadeirões enquanto contemplam um copo da cerveja que produzem com as próprias mãos, escutando, avaliando e meditando sobre as experiências musicais do dia anterior, que provam e aprimoram até ao resultado final de “Dialectic of Ignorance”. Apesar do músculo mais vigoroso das duas últimas faixas, a estrutura musical sente-se unificada ao longo de todo o álbum e equilibra-se de faixa em faixa em combustão lenta no peso melódico cavernoso e ecoante do reverb da guitarra eléctrica, na robustez encorpada e incandescente da secção rítmica de baixo e bateria, e no torpor espacial e psicótico das harmonias vocais. O ambiente criado é notável, tão amplo quão profundo.

Velhos conhecidos de Portugal, depois de várias passagens por palcos de norte a sul para além dos álbuns anteriores, é em 2004 na cena musical de Baltimore que os três irmãos, descendentes de um ambiente familiar em que tocar e cantar são actividade diária e partilhada, começam a dar passos concretos em concertos, na edição da sua discografia produzindo trabalho sucessivo a um ritmo anual e em frequentes digressões.

 

 

“Dialectic of Ignorance” revela um mérito adicional. Será porventura o álbum mais sofisticado de Pontiak,. O garage-rock mais unidimensional e imediato, bruto e cru dos trabalhos anteriores, de que “Innocence”, de 2014, é um exemplo, é agora substituído por estas camadas melódicas mais amaciadas face ao histórico dos álbuns anteriores. Por seu lado, a voz de Van abandona a textura e o corpo terrenos anteriores e dilui-se agora em camadas mais graciosas e misteriosas, reforçando o carácter sugestivo do álbum. O mérito adicional resulta do facto deste polimento mais sofisticado em nada diminuir a intensidade sonora característica do trio. Muito pelo contrário, ao conteúdo musical, acrescenta-se agora uma carga sugestiva e interpretativa com impacto mais significativo do que em trabalhos anteriores. A intensidade mantém-se, mas chega-nos agora mais serena, mais clandestina, não só no primeiro contacto com as oito faixas do álbum mas, principalmente, nas raízes que fixa após ser escutadas mais vezes.

O redireccionamento artístico para este carácter mais introspectivo e expansivo de “Dialetics of Ignorance” será porventura reflexo da evolução pessoal dos Carney após uma década de digressões sem poiso fixo e produção quase contínua. O regresso à amplidão e tranquilidade da sua Virgínia natal, estabelecidos numa pequena comunidade rural onde, em 2015, se lançam a produzir cerveja, oferece-lhes a oportunidade de abrandar o ritmo e colocar o seu percurso em retrospectiva. Será a convergência destes factores que justifica o intervalo de tempo mais alongado que o habitual entre este álbum e os anteriores, deixando no ar a sugestão de que trabalhos futuros, quando chegarem, darão seguimento a esta nova etapa pessoal e artística que “Dialetics of Ignorance” parece simbolizar. Será, também, este carácter introspectivo e pessoal que imprime ao álbum o seu potencial sugestivo.

Em “Dialectic of Ignorance”, Pontiak inquestionavelmente dão um passo em frente. O processo criativo revela-se mais cuidado e trabalhado, e o resultado, inquestionavelmente, coloca-se em territórios que Pontiak ainda não haviam pisado. Não é apenas a experiência musical, mas também a viagem interpretativa e mental, que coloca o fiel da balança no equilíbrio certo. Agora sim, o psych-rock de Pontiak torna-se realmente tóxico e hipnótico em tudo o de bom que essa experiência proporciona. Para apreciar com o volume bem alto, em doses repetidas para deixar que o passageiro clandestino atinja o seu destino, enquanto esperamos por nova visita a palcos portugueses.

 

 

 

Tracklist “Dialetic of Ignorance”

1. Easy Does It
2. Ignorance Makes Me High
3. Tomorrow Is Forgetting
4. Hidden Prettiness
5. Youth and Age
6. Dirtbags
7. Herb is My Next Door Neighbour
8. We’ve Fucked This Up




Outros artigos:

2017-05-17


EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS