Links


MÚSICA


COUCOU CHLOÉ

RICARDO ESCARDUÇA

2018-01-28



 

As sensações de fascínio e terror características do imaginário científico andam estimuladas por estes dias.

Em 22 de Setembro passado, Coucou Chloé, cantora e produtora francesa que adoptou Londres e a sua cena musical underground e experimental como residência, lança a faixa “Stamina” e apresenta o seu segundo EP Erika Jane, sucessor de Halo, o EP de estreia do ano anterior.

Coucou Chloé desloca-nos no tempo para um futuro indeterminado. A sugestão é a de uma realidade futurista, sinistra e distópica. Chloé compõe e sobrepõe camadas assimétricas e assíncronas de sonoridades da club music que atravessam o techno, trance, experimental e industrial em que tudo é mecanizado e robotizado, e em que a presença humana é um vestígio longínquo. Estes traços fazem-se sentir acima de tudo nas harmonias dos sintetizadores e nos inúmeros efeitos sonoros que formam a base da sua produção, já que os beats de drum ou de snares são em larga medida abrandados e suavizados – a excepção é a faixa “Sylph” –, contudo criando um esvaziamento abstracto e incandescente que não só não aligeira os ambientes criados como agrava e enegrece a sombra do seu peso. A estética sonora é tortuosa e corrosiva, inspirando sensações asfixiantes de inquietação e tensão. Para esta atmosfera sombria e arrepiante que retém uma memória distante da essência humana contribui largamente a ampla distorção e deformação dos assustadores murmúrios vocalizados que pairam disformes e intimadores sobre a composição musical, ora em rap ora em canto. Porém, é precisamente a irresistível tentação pelo mistério e a atracção pelo adivinhar do desconhecido amarradas à música de Chloé que a tornam simultaneamente tão hipnotizante e absorvente. É a intrigante unicidade de todas as ambivalências e idiossincrasias que fazem destacar a produção de Coucou Chloé.

 

 

A sonoridade personalizada de Erika Jane assume-se como uma janela para esses tempo e espaços indeterminados da ficção científica. Não se percebe, no entanto, se esta futurista ascendência da máquina e dissolução do humano sugeridas por Erika Jane correspondem a uma denúncia ou a uma exortação.

A propósito. Passou há dias por Lisboa o Prof. Hiroshi Ishiguro, ilustre académico em Osaka e investigador em Robótica e Inteligência Artificial, dedicado ao estudo da interacção entre homem e máquina e convicto de que os robots hão-de, no futuro, ocupar postos e desempenhar tarefas tais como servir a bica no café da esquina ou fazer companhia aos idosos – os social robots. No documentário Mechanical Love, Ishiguro comenta “If we’re short on people, why not make some?”. Etapa indispensável: os robots têm que ser o mais humanos possível. De sua lavra na construção de robots, refere-se Erica, um android. Tem 23 anos, é bonita, usa maquilhagem e roupa da moda. Interage e dialoga até um certo grau de autonomia. Pestaneja. O destaque vai para um outro modelo, Geminoid: uma cópia exacta do seu criador, o seu “gémeo”. A limitação da autonomia é ultrapassada por uma alteração estratégica: Geminoid é operado à distância por Ishiguro ele-próprio através de uma ligação de internet. De entre outros atributos, tais como dezenas de motores comandados por um software de controlo de movimento que simula alguma da motricidade fina e lábios sincronizados com o operador remoto, tem pele macia de silicone e implantes de cabelo extraído de Ishiguro. É muito útil e conveniente: Ishiguro pode tomar um copo com amigos ou apresentar-se numa conferência no outro lado do mundo sem sair do laboratório; basta enfiar Geminoid nas três malas de transporte e despachar no porão do avião por correio aéreo. Com o título “The future of mankind”, da conferência de Ishiguro exalavam questões ontológicas de fundo sobre o que é um humano e o que é a presença humana, e sobre o que ambas serão no futuro que o próprio humano constrói para si mesmo.

 

 

Fascinante e aterrorizante. Dá que pensar, tal como a música futurista de Coucou Chloé.

 

Erika Jane tracklist

• Underdog
• Flip U (prod. by Sega Bodega)
• Stamina
• Sylph (prod. by Kablam & Coucou Cloé)
• GS
• The Letter


Halo tracklist
• Halo
• Skin like skin
• Touched feat. lala &ce

 




Outros artigos:

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS