Links


MÚSICA


LOMA – “LOMA”

RICARDO ESCARDUÇA

2018-06-24



 

 

 

Não se adivinharia o que a digressão de 2016 da banda veterana de indie-rock Shearwater viria a gerar. Em 16 de Fevereiro passado, o projecto colaborativo Loma apresentou o seu primeiro álbum, homónimo do projecto. O trio é composto por Jonathan Meiburg, compositor e vocalista da banda, que se encantou com a música da vocalista Emily Cross e do multi-instrumentalista Dan Duszynski, o duo Cross Record que abria o palco e aquecia o ambiente. O ano de 2017 foi o período de incubação num laboratório experimental em direcção a nenhum pressuposto artístico que, ao mesmo tempo, desvendava progressivamente o valor da combinação dos seus compostos.

 

 

Em “Loma”, a mistura das pegadas digitais das duas fontes referenciais é tão evidente quão surpreendente. Os arranjos musicais indie de Meiburg, tendencialmente dinâmicos oscilando entre o macio e melancólico e o expressivo e vigoroso, emparelham com o post-rock espectral e sinistro da voz fluida e etérea de Cross e o minimalismo melódico e ambiental de Duszynski. Loma não se limita a amplificar os méritos das suas partes – e fá-lo. Num contexto – artístico e não só – que impõe algo a que se vai chamando instinto como condição necessária e obrigatória à criação, cultivando a obsessão que acaba por armadilhar o valor da esfera da criatividade, vai mais longe e esquiva-se com mestria aos riscos possíveis, em tantas ocasiões inevitados, da banalidade.

 

 

Se o carácter da música, aquilo que ela é e como ela é, encontra as suas propriedades na desconstrução analítica do que, no seu conjunto, resulta na melodia, no valor de verdade inerente ao que é transmitido ou implícito ao que é induzido, no estímulo de sensações e emoções que a sua experiência sensorial despoleta, “Loma” revela-se distinto na sua individualidade por oferecer o estimulante mistério do transitório, do liminar, do ambivalente. De facto, “Loma” viaja e faz viajar por entre os antagonismos que opõem contemplação, suspensão, flutuação e tensão, angústia e ansiedade. Nesta multidisciplinaridade que atravessa os domínos entre o tóxico e o puro, “Loma”, e Loma, revelam-se habilmente coerentes e distintos.

 

 

E se a indecifrabilidade destes contrastes dos arranjos musicais são oferecidos pelo percurso das dez faixas do álbum – veja-se a quietude introspectiva, mitigante e amortecida de “Who Is Speaking” e o cinematismo enérgico, perturbador e instável de “Relay Runner” –, este mesmo carácter Janusiano, que assinala as transformações de um algo em origem de outro algo, das transições onde se encontram o passado e o futuro, é não menos encontrado em outras faixas que, individualmente, aglomeram em si mesmas as duas faces de Loma – veja-se “White Glass”, “Dark Oscillations” ou a instrumental “Jornada”. Como adenda que agrega caracterização a esta peculiaridade, repare-se que o trio alberga dois vocalistas que têm por hábito cantar as letras que criam – Meiburg e Cross –; mas, agora, Meiburg escreve e não canta, Cross não escreve e canta.

 

 

E, ainda, se algum carácter que não artístico pode ser inferido de “Loma, carácter esse que, pelo menos nos seus signos artísticos, ele aparenta não almejar mas aqui sugere-se sugerido, é precisamente este de marco de transformação – de porta Janusiana – de quem se encontra num ponto focal para onde converge o que foi e de onde diverge o que será e que, nessa turbulência, tal como de uma janela um servo cativo capta e aprecia a imensidão da paisagem sem querer apoderar-se dela – de uma janela Kantiana –, perscruta o intrínseco e extrínseco a si mesmo e perspectiva o que foi, é e será em consciência de si e do seu redor.

Entre continuidades e rupturas tonais e rítmicas, texturas melódicas espessas e minimalistas, e as temáticas líricas – de que se refere, como exemplo entre tantos e logo a abrir o álbum, os versos “What does the night / Have to do with the day? / I should not ask / What / … / What does the day / Have to do with the night?” de “Who Is Speaking”, Loma afirma-se musicalmente e conceptualmente como um pêndulo entre a contracção e a expansão. No tão vasto universo do pop-rock, em que é fácil sofrer dos malefícios da quantidade em prejuízo do memorável, “Loma” é um daqueles trabalhos, não absolutamente raros mas cada vez mais escassos, que funde inúmeras e diversas energias que convidam e empurram para uma viagem emocional sem vulgaridade, que se adivinha prolongar-se-á muito além de si mesmo, e ao qual repetidos regressos não diminuem.

 


“Loma” tracklist

1. Who Is Speaking
2. Dark Oscillations
3. Joy
4. I Don’t Want Children
5. Relay Runner
6. White Glass
7. Sundogs
8. Jornada
9. Shadow Relief
10. Black Willow

 




Outros artigos:

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS