Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


CURSO: INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA ARTE MODERNA BRASILEIRA - EM VIVO CONTATO

2018-02-08




O intuito deste curso introdutório ministrado pela curadora Cristiana Tejo é apresentar uma história da arte moderna brasileira a partir da análise de obras que se encontram em exposição em Lisboa com a coleção Edson Queiroz, no Museu Coleção Berardo, com curadoria de Regina Teixeira de Barros. A mostra agrega trabalhos de 42 artistas que são nomes incontornáveis da arte da primeira metade do século XX, no Brasil, pertencentes a uma das principais coleções privadas brasileiras. Trata-se, portanto, de uma grande oportunidade de estudarmos história da arte em vivo contato1 com as obras. No primeiro dia do curso, que ocorre no Espaço Espelho D’Água, serão contextualizados o momento sócio-político-cultural do meio artístico brasileiro entre 1910 e 1960 e as trajetórias e experimentações formais dos artistas incluídos na exposição. No segundo dia, iniciaremos visitando a mostra no Centro Cultural Belém e seguiremos para o Espaço Espelho D’Água para discutirmos as questões levantadas na visita e consolidar a experiência.

Quando: Dias 10 e 11 de fevereiro, das 15h às 18h.

Onde: Espaço Espelho D’Água – Avenida de Brasília (ao lado do Padrão dos Descobrimentos)

Público-alvo: estudantes, artistas, colecionadores, profissionais de várias áreas afins e interessados em arte.

Carga horária: 6h/a

Informações e inscrições: info@espacoespelhodeagua.com

Valor: 50 euros (incluindo comidas e bebidas do Espelho D’Água)



Professora

Cristiana Tejo é curadora independente e doutora em Sociologia (UFPE). É membro integrada do grupo de Estudos em Arte Contemporânea do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Foi diretora do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Recife) e curadora de Arte Contemporânea da Fundação Joaquim Nabuco. Vive e trabalha entre Recife e Lisboa.

1Em Vivo Contato foi uma frase usada no texto de abertura do catálogo da I Bienal de São Paulo (1951), por Lourival Gomes Machado, e que virou título da 28a edição da bienal (2008), curada por Ivo Mesquita e Ana Paula Cohen.