Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


SEGUNDO VOLUME DE OBRA ESCRITA DE ÁLVARO SIZA É APRESENTADO SEXTA-FEIRA NO PORTO

2018-05-15




A beleza, interpretada pelo arquiteto Álvaro Siza, "é a própria razão e garantia da funcionalidade, a mais eficaz, de resto", afirma Carlos Campos Morais, no prefácio do livro "02 Textos", de Álvaro Siza, que é apresentado na sexta-feira, no Porto.
O livro, publicado pela Parceria A.M. Pereira, sucede a "Textos 01", de 2009, e reúne 68 artigos selecionados pelo arquiteto, distinguido com o Prémio Pritzker, em 1992. O livro é apresentado na sexta-feira, às 18:00, na Casa da Prelada, no Porto.

Cronologicamente, os textos vão de 2001 a 2016. O mais recente é sobre o arquiteto José Carlos Nunes Oliveira, que trabalha no ateliê de Álvaro Siza, e que se destina a um outro "livro em publicação", segundo se lê na obra.

Em "02 Textos", que também inclui o discurso de Álvaro Siza, feito em finais de 2015, na atribuição do grau de Doutor Honoris Causa, pela Universidade de Évora, o arquiteto cita, entre outros, Alvar Aalto, Oscar Niemeyer, Aldo Rossi, Mies van der Rohe, Frank Gehry, Eduardo Souto de Moura, Nuno Portas e Le Corbusier.

O coordenador de "02 Textos", Campos Morais, afirma que, na obra de Álvaro Siza, se a beleza "é a própria razão e garantia da funcionalidade, a mais eficaz, de resto", "o sentido social da beleza e a própria saúde mental atestam, eloquentemente, a sua imprescindibilidade".

Todavia, no entender de Campos Morais, é "consensual render homenagem ao papel da luz como acessório (sempre proeminente, nada acessório) na arquitetura de Álvaro Siza", algo que o próprio arquiteto atesta, referindo "a importância que lhe concede em toda a arquitetura". A luz é referenciada em onze dos 68 textos selecionados.

Todos os artigos de "02 Textos" estão identificados com um número de catalogação, data, local e, sempre que conhecido, onde foi publicado. Cada texto está ainda identificado com a temática que aborda, uma palavra chave, e em cada um Carlos Campos Morais realça frases, destacando-as no final, em separado, do texto em itálico ou com um sublinhado.

São 12 as temáticas nas quais os textos do arquiteto Álvaro Siza estão catalogados, de arquitetos à revolução de 25 de Abril de 1974, que se combinam com outras quatro temáticas de arrumação: Discursos `Honoris Causa`, "Homenagens" prestadas, "Outros", que agrupa textos sobre pessoas ou prefácios que redigiu, "Textos livres", que incluem reflexões, apontamentos, memórias, e "Vária", que Campos Morais define como "arrumação fora da sistematização enunciada".

Campos Morais atesta que, "na sua obra, Siza irradia inteireza". "Na arquitetura, na escrita, no desenho, na escultura, noutras artes em que prolifera".

O acervo do arquiteto, que recebeu em 2012 o Leão de Ouro de Carreira na Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza, está disponível, desde fevereiro último, nas páginas da Internet das fundações de Serralves e Calouste Gulbenkian, e do Centro Canadiano de Arquitetura.

Nascido há 84 anos em Matosinhos, onde em agosto de 2009 o Governo português lhe entregou a Medalha de Mérito Cultural, Álvaro Siza Vieira estudou na Faculdade de Belas Artes do Porto, onde foi professor, e criou em Portugal obras emblemáticas como a Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira, a reconstrução da zona do Chiado, em Lisboa, após o incêndio de 1988, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, ou o Pavilhão de Portugal, com a sua emblemática pala, no Parque das Nações, no âmbito da Exposição Mundial de 1998, em Lisboa.

No estrangeiro, são da sua autoria o museu para a Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre, no Brasil, o Centro Meteorológico da Vila Olímpica, em Barcelona, e a reitoria da Universidade de Alicante, ambos em Espanha, entre outros projetos.

Doutor Honoris Causa de várias universidades, o trabalho de Álvaro Siza tem sido internacionalmente galardoado. Além do Pritzker, recebeu os prémios Mies van der Rohe, em 1988, o Wolf, em 2001, a Real Medalha de Ouro do Instituto Britânico de arquitetos, em 2009, a Medalha Alvar Aalto, do Museu de Arquitetura e da Associação Finlandesa de Arquitetos, em 1988, e a Medalha de Ouro da União Internacional dos Arquitetos, em 2011.

No passado dia 25 de abril, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou-o com a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, distinção que junta à de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant`Iago da Espada, recebida em 1992, e à Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal (1999).

Relativamente ao livro "01 Textos", que reúne 153 artigos, abrangendo o período de 1968 a junho de 2008, afirma Campos Morais que "razões de infortúnio editorial levaram a que esse volume, embora com edição quase esgotada em 2009, tenha dado origem, quanto aos escassos exemplares restantes, a uma deplorável clandestinidade", e anuncia que a sua reedição.

Fonte editorial adiantou à Lusa, que "deverá acontecer ainda este ano", estando também previsto pela Parceria A.M. Pereira, a publicação de "03 Textos", no próximo ano.


Fonte: RTP