Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


NEGOCIANTE DE ARTE ESPANHOL AFIRMA TER ENCONTRADO UMA PINTURA PERDIDA DE FRIDA KAHLO

2020-07-06




Desaparecida por seis décadas, o “La Mesa Herida” (A Mesa Ferida) pode estar num armazém em Londres, mas especialistas dizem que o trabalho provavelmente é falso.

Um negociante de arte espanhol chamado Cristian López afirma que localizou o "holy grail" da obra de Frida Kahlo, uma pintura há muito perdida, “La Mesa Herida” (A Mesa Ferida), de 1940, que desapareceu há cerca de 65 anos. A pintura está atualmente num armazém em Londres e segundo López o proprietário anónimo está a solicitar cerca de US $ 45 milhões pela obra, enquanto especialistas questionam a autenticidade da pintura.

A historiadora de arte Helga Prignitz-Poda diz que as fotografias da obra original mostram diferenças claras entre a pintura perdida e a que López oferece para venda, o que traz "maiores semelhanças com réplicas imprecisas da obra, segundo a Associated Press (AP)”.

Este óleo sobre madeira - em que Kahlo descreve a sua angústia após a separação do marido, o muralista Diego Rivera - foi exibido pela primeira vez na Cidade do México na Exposição Internacional de Surrealismo em 1940. Kahlo doou a pintura à antiga União Soviética em 1945, que organizava uma sala que não chegou a ser realizada dedicada a artistas mexicanos no Museu de Arte Ocidental de Moscovo. Num ensaio de 2018 para o International Foundation for Art Research Journal (Ifar), Prignitz-Poda e a curadora independente Katarina Lopatkina descobriram que Kahlo (comunista militante) enviou o trabalho para Moscovo como "um presente de amizade", mas documentos mostram que as autoridades soviéticas consideraram este um exemplo de "arte formalista burguesa decadente" e inadequado para exibição pública. Quando o projeto foi cancelado, a pintura foi armazenada.

O trabalho foi visto e fotografado pela última vez em Varsóvia em 1955, e foi na altura emprestado para uma exposição de obras de artistas mexicanos na Galeria Nacional de Arte de Zacheta; mais tarde viajou pelo Bloco Oriental e pela China. A fotografia tirada na exposição de Varsóvia é, no entanto, o último registo do paradeiro da pintura, e ainda não se sabe se o trabalho foi devolvido a Moscovo, se foi comprado ou danificado.

Nas últimas seis décadas, estudiosos do trabalho de Kahlo tentaram, sem sucesso, encontrar a pintura. Na grande maioria, estes estão convencidos que a pintura que López afirma estar a vender não é autêntica. Outra historiadora de arte, Susana Pliego, que trabalhou com o arquivo de Kahlo ao longo de vários anos, também concorda que a pintura é falsa e culpa a “Fridamania” do mercado de arte pelas falsificações descontroladas da obra do artista, visto que Kahlo apenas produziu cerca de 200 pinturas até à sua morte em 1954.

Hans-Jérgen Gehrke, colecionador de arte e diretor de um museu dedicado às obras de Kahlo no sudoeste da Alemanha, considera "implausível, se não absolutamente ridículo", que um empresário desconhecido de 22 anos que administra um site numa cidade no noroeste da Espanha seja o guardião da única pintura que falta da obra completa de Frida Khalo. "Existem milhares de falsificações de Frida Kahlo", disse Gehrke à AP. "Ela é possivelmente a artista que pintou mais depois de morta do que enquanto estava viva."

No entanto, López, que diz representar o proprietário anónimo da pintura, mantém-se firme em defender a autenticidade e afirma que "o tempo nos dirá a verdade", sugerindo que a pintura foi autenticada por vários especialistas, que ele não citou. Em 2018, Raúl Cano Monroy, um investigador que organizou uma exposição no Museu de Estudos Domésticos da Cidade do México em 2017, afirmou ter descoberto novas pistas sobre a pintura enquanto trabalhava com o arquivo da Frente Nacional de Artes Plásticas. Monroy disse que não poderia partilhar mais detalhes sobre a sua investigação mas afirmou: "Acho que dentro de cinco anos a minha investigação dará finalmente frutos".






FONTE: The Art Newspaper