Links

OPINIÃO




Outros artigos:

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

PAISAGENS CRÍTICAS



UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12




A relação do artista Robert Smithson com a ciência e a indústria é tema de novo livro do filósofo e pesquisador Nelson Brissac. Em “Paisagens Críticas: Robert Smithson: Arte, Ciência e Indústria” o autor segue três vectores, paralelos e entrelaçados: analisa a obra de Robert Smithson na sua relação com a geofísica e a indústria mineira; o desenvolvimento, a partir dos anos 60, das investigações científicas dos sistemas dinâmicos e dos processos de auto-organização da matéria; e a geofilosofia de Deleuze, que articula uma reconstituição desses processos morfogénicos a uma interpretação da ciência, do trabalho industrial e da criação artística.

Para Brissac, analisar a obra de Smithson através da filosofia e da teoria da complexidade permite perceber as questões e abordagens antecipatórias do artista, assim como compreender a radicalidade inovadora dos seus projectos.

Leia a seguir alguns trechos do livro, que foi publicado pela Educ e a editora do Senac.

As relações da arte com a ciência ganharam, nos últimos anos, novas e instigantes variáveis. Embora a arte, com a modernidade, sempre tenha interagido com o conhecimento científico, eventos recentes acrescentaram outras dimensões a esse quadro.

Uma verdadeira revolução científica ocorreu, a partir dos anos 70, com o desenvolvimento das teorias dos sistemas dinâmicos e complexos. Iniciada na física -na termodinâmica-, ela implicou uma radical alteração no modo como compreendemos a matéria, agora reconhecida como capaz de auto-organização, de gerar suas próprias formas e configurações. Descobriu-se que é nos estados distantes do equilíbrio que os sistemas materiais se constituem e evoluem.

A instauração dos processos em desequilíbrio, antes relegados à categoria de desvios desprezíveis, no centro das preocupações científicas teria profundo impacto cultural, inclusive na produção artística. Fenômenos físicos críticos -como a turbulência, as avalanches e os terremotos- passaram a ser intensamente estudados, originando diferentes modelos para explicar o comportamento instável desses sistemas.

O recurso a procedimentos inovadores na matemática e na geometria, além da utilização da então nascente tecnologia de computação, permitiu reconstituir a estrutura invisível desses fenômenos turbulentos. Os atratores estranhos são o princípio organizador de sistemas em desequilíbrio crítico, à beira do caos. O atrator de Lorenz não é apenas uma das mais potentes imagens jamais produzidas pela ciência: depois da descoberta da complexidade, da introdução da topologia e da geometria variável, a criação artística se faria a partir de novas bases.

De que modo esses processos impactam a arte contemporânea? Como os novos princípios científicos e os fenômenos materiais por eles analisados foram absorvidos pela prática artística? Como, inversamente, as questões e os procedimentos desenvolvidos pela arte se revelaram sintonizados com as novas abordagens que se faziam no campo da ciência?

Diferentes frentes de criação artística têm se aberto, recentemente, na interface com a investigação científica, como a bio-arte, a realidade virtual, a inteligência artificial (projetos de robótica) e arte generativa (a partir de sistemas autorreguláveis e autômatos celulares). Mas é na física que o desenvolvimento recente de novas abordagens teóricas e experimentais tem relação direta com as práticas artísticas que queremos destacar aqui.

A reflexão sobre as relações da arte com a ciência tem, historicamente, referencias paradigmáticas. Dentre elas, a obra de Robert Smithson. A teoria da complexidade, em particular a noção de auto-organização da matéria, que engendra intrinsecamente novas configurações, se estabeleceu no exato momento em que Smithson realizava suas obras mais importantes -as “earthworks” (como “Spiral Jetty”), mas sobretudo seus projetos de recuperação de áreas mineradas.

Ainda estão para serem avaliadas as potenciais correlações -para além das óbvias associações iconográficas, como as provocadas pelas formas em espiral dos atratores estranhos- entre o trabalho de Smithson e os sistemas dinâmicos. Pois é evidente a sintonia entre as questões que se colocava o artista -a formação dos cristais e dos estratos geológicos, a erosão aluvial e as formações sedimentares, a função transformadora de fenômenos catastróficos como os vulcões e terremotos- e aquelas que, em meados da década de 70, em torno dos mecanismos da turbulência, se tornariam o foco principal da física, no que seriam conhecidas como as teorias do caos e da complexidade.

Smithson partiu da noção clássica de entropia, entendida como perda de energia, para evoluir no sentido da exploração de processos geomorfológicos (erosão, glaciares, movimentos tectônicos) em grande escala, no mesmo momento que Prigogine iniciava uma completa reformulação da termodinâmica, apontando o papel criativo da entropia nos sistemas dissipativos.

A mudança de perspectiva consistiu em mostrar que a leitura então corrente do segundo princípio da termodinâmica –a entropia de um sistema tende a aumentar com o tempo, aproximando-se de um valor máximo– só era válida para sistemas fechados, onde a quantidade total de energia é sempre conservada. Ao se observarem situações em que intensos fluxos de energia e matéria percorrem um sistema –quando este é levado para “distante do equilíbrio”–, surgirão formas complexas de estabilidade, resultantes precisamente do comportamento dinâmico, instável, do sistema.

Para a termodinâmica do século XIX –que Smithson chama de ciência do “universo supostamente estável da material”–, a única evolução possível era para o equilíbrio, a desorganização progressiva, a queda na imobilidade. Mas nos sistemas em que se produzem constantemente intercâmbios de energia e matéria com o meio, o equilíbrio não é possível, pois ocorrem processos dissipativos que continuamente produzem entropia (Prigogine, 1983, p. 88). O que demanda uma nova descrição da natureza, em que ordem é gerada a partir de condições de não equilíbrio. Abre-se um novo campo na física: o estudo da estabilidade dos sistemas distantes do equilíbrio.

Já nos primeiros trabalhos, Smithson incorporou o princípio do crescimento dos cristais -em particular, a “teoria da deslocação da rosca”, então desenvolvida pelas pesquisas científicas- e da dinâmica da formação dos estratos geológicos. Depois, a questão da contenção -de como circunscrever sítios geológicos desordenados, sem limites- implicaria a integração de elementos heterogêneos, a articulação do dentro com o fora. Uma problemática que seria central na ciência e na matemática daquele período, exigindo o desenvolvimento de uma ferramenta fundamental para a análise dos sistemas dinâmicos: a teoria dos sistemas dinâmicos e a topologia.

Da mesma maneira, a abordagem de Smithson dos sistemas dinâmicos fluviais, sobretudo os meandros, remete aos fractais. A geometria que descreve os padrões irregulares da natureza e a capacidade que têm essas formações de ocupar o espaço, redefinindo a questão do limite. Por fim, um dos mais instigantes desdobramentos, prenunciados por Smithson nos seus projetos para as lagoas e pilhas de rejeitos da mineração, seriam os estudos dos sistemas físicos que encontram seu estado de equilíbrio em pontos críticos de instabilidade -desenvolvidos pela teoria da criticalidade auto-organizada.

O ponto de partida de Smithson são os processos elementares de formação da matéria. Os cristais são elementos de concentração de matéria que sofrem transformações qualitativas, o espaço interior deles não permanecendo indefinidamente igual. A cristalização implica uma mutação estrutural da matéria. O cristal está constantemente mudando devido às rupturas e aos desenvolvimentos estruturais, mas externamente é mantido por um sistema ordenador. Essa questão – da estruturação, da consistência, dos limites– atravessaria toda a obra de Smithson.

O deslocamento é um fenômeno que se dá na superfície do cristal. É um processo de limite. É o que levou à teoria da deslocação em espiral (\"screw dislocations\"), que então começava a ser difundida. Existem dois tipos básicos de deslocações, em que as moléculas são adicionadas à superfície de um cristal de um modo que resulta na criação de bordas (saliências) ou hélices, fazendo com que o crescimento do cristal possa continuar.

Todas as obras de Smithson que retomam a figura da espiral –todos os seus projetos que trabalham o princípio da deposição– remetem ao deslocamento de rosca. O artista usaria esse processo de formação da espiral em cristais, por ruptura do equilíbrio estrutural, para induzir a constituição das configurações em espiral de suas “earthworks”. O modo de crescimento dos cristais por deslocamento já permite formular, portanto, os princípios topológicos que configurariam suas futuras estratégias construtivas.

Esse processo de deslocamento, a criação de uma curva, pelo qual cresce o cristal, é entendido por Michel Serres como o próprio processo de constituição da matéria. Uma ligeira inclinação, um ângulo mínimo, provoca uma turbulência no escoamento laminar. Engendra um movimento rotacional, de que nasce a espiral (Serres, 1997, p. 17). As coisas constituem-se por essa diferença em relação ao equilíbrio. Passa-se da mecânica dos sólidos para a hidráulica, para a mecânica dos fluidos, para outra concepção dos processos de organização da matéria, baseada em estados distantes do equilíbrio. Toda a geofísica de Smithson está fundada nesse princípio do desvio, um desequilíbrio que gera a figura da espiral.

A série de obras iniciais com espelhos empilhados -como “Mirrored Ziggurat” (1966) e “Glass Stratum” (1967)- remete diretamente ao crescimento cristalino por deposição, além do processo de estratificação. Já “Gyrostasis” (1968), feita em aço, é composta por sólidos triangulares que progridem em série decrescente para formar uma espiral. Também remete ao ordenamento cristalino, em que o tempo é congelado numa estrutura regular de movimento ascendente em espiral. “Giroestática” refere-se a um ramo da física que trata de corpos rotativos e sua tendência a manter o equilíbrio. Essas primeiras formas espiraladas já são associadas a um modo de extensão dos cristais, o crescimento a partir de uma ruptura, a deslocação de rosca.

Na abordagem de Smithson, os processos geológicos de estratificação são contrapostos por acontecimentos que impedem a acomodação ordenada e estável da matéria. Para ele, os estratos são desordenados, desestruturados, feitos de afloramentos assimétricos. Diante desse tumulto, desmoronam as tentativas de estabelecer distinções. O geólogo, nas suas prospecções, só encontra um caos de matéria.

A estratégia de Smithson para abordar as formações geológicas é decisiva em sua obra. O ponto de partida, dada a noção da crosta terrestre como constituída por matéria em estado indiferenciado e fragmentado, são os estratos convulsionados. Ele visa configurações resultantes de movimentações geológicas ou da exploração industrial. Sítios, geralmente minas ou pedreiras abandonadas, que evidenciam grandes perturbações topográficas. Formações já profundamente afetadas por dinâmicas geomorfológicas de muito longo prazo e por escavações mais recentes. Movimentos –naturais ou industriais– de perturbação e desequilíbrio. Enchentes, deslizamentos, vulcões, glaciações, pedreiras, minas. Espaços heterogêneos e descontínuos.

Smithson escolhe sítios configurados por massificações geológicas na forma de acumulações provocadas por glaciares, fluxos vulcânicos ou espraiamentos. Processos geomorfológicos que ocorrem durante longos períodos de tempo: fluxos e inundações de erosão aluvial (provocados por água) e coluvial (provocados por gravidade). A referência a esses processos geomorfológicos instáveis determina os princípios e o modus operandi dos seus projetos. Ele fazia estudos da mineralogia dos locais, determinando sua composição e recolhendo amostras. Os levantamentos realizados nos lugares (sites) são então apresentados em exposições –feitas com material recolhido, desenhos, cartografia, fotos, textos–, o não-lugar (“nonsites”).

Aqui, o recipiente é um dispositivo para apresentar processos de contenção de materiais não consolidados. Como um corte num terreno sedimentar. Os caixotes são vazados, compostos por lâminas horizontais que se assemelham aos estratos sobrepostos nesse tipo de formação geológica. Eles escoram o material disperso, sem, no entanto, suprimir o caráter fragmentado da massa ali depositada. No “nonsite”, o recipiente assegura –de modo conceitual, estético– a estabilização do sítio, ele próprio transformado num caos de materiais revolvidos por operações industriais.