Links

OPINIÃO


Dziga Vertov, O Homem da Câmara de Filmar, 1929.

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE



SOFIA NUNES

2011-04-18




Jacques Rancière é actualmente um fenómeno de popularidade consensual e indiscutível em todo o mundo ocidental e em Portugal também. As duas últimas conferências proferidas em Lisboa de sala cheia, a primeira na Fundação Calouste Gulbenkian, em Novembro de 2010 no âmbito do ciclo A República por vir e a segunda na Culturgest, intitulada a Autonomia das imagens, realizada em Março passado e sob a organização da editora Dafne, são disso aliás indícios claros, a par das recentes traduções portuguesas de alguns dos seus livros, entre eles O Ódio à Democracia (ed. Mariantes, 2006), O Espectador Emancipado (ed. Orfeu Negro, 2010) e Estética e Política. A Partilha do Sensível (ed. Dafne, 2010).

Este não deixa de ser um dado curioso, sobretudo se atendermos ao facto do seu pensamento se inscrever num quadro de profunda dissensão e ruptura. Porém não se trata aqui de o questionarmos, sob pena de nos determos em problemas menores quando comparados com a complexidade e riqueza da sua reflexão, imprescindível para pensarmos hoje os domínios do político e da arte e suas afinidades.

Não sendo Rancière um historiador de arte, como o próprio aliás faz questão de salientar, é porventura um dos filósofos contemporâneos mais atentos e conhecedores da produção artística do seu tempo, pelo que as problematizações desenvolvidas por si, sobretudo a partir de 2000, ano em que publica a primeira edição de Le Partage du Sensible, Esthétique et Politique (La fabrique ed.), têm respondido criticamente a muitas questões da história da arte, devolvendo-lhes novas possibilidades. Uma delas, que deu título à conferência da Culturgest, é a noção de autonomia da arte que o autor reabilita contra a própria ideia de autonomia celebrada pela visão modernista de Clement Greenberg e alargada por Michael Fried, ao mesmo tempo que recusa as leituras do pós-modernismo.

Para então entendermos o sentido conferido por Jacques Rancière a esta noção tão familiar aos discursos da arte é necessário inscrevê-la num regime específico de arte a que o autor chamou de regime estético, por oposição a dois outros grandes regimes de pensamento das práticas artísticas que marcaram a tradição ocidental – o regime ético e o poético/representativo – e que se configuraram de forma profundamente prescritiva. Vejamos.

O regime ético apenas diz respeito às imagens e às artes que se constituem numa relação formadora com o ethos, com a comunidade e o modo de ser dos seus elementos, pelo que não devolve à arte uma esfera individualizada. As imagens são portanto aqui tomadas em função da sua verdade intrínseca, por um lado e, por outro, em função dos seus usos e dos efeitos que produzem sobre a maneira de ser dos indivíduos e da colectividade, cumprindo assim um destino social e político. A este regime ético, o autor associa, por exemplo, as imagens da divindade ou da lei, mas também a distinção platónica entre as artes verdadeiras, entenda-se maneiras de fazer ou saberes organizados pela imitação de modelos com fins determinados, e os simulacros que imitam as aparências e instalam a desorganização na polis.

Contrariamente, no regime poético/representativo as artes individualizam-se num campo próprio – as belas artes – dependendo de uma classificação das maneiras de fazer, ver e julgar que, por sua vez, possibilita a sua identificação e apreciação através de um princípio representativo, a mimesis. Ora a função da mimesis é tão pragmática, na medida em que identifica quais as artes que em particular produzem as imitações, como simultaneamente normativa, pois faz corresponder as imitações a géneros específicos, enquanto promove a sua avaliação através das suas boas ou más qualidades, preservando sempre uma concordância aristotélica entre as regras da produção das artes (poiesis) e as leis da sensibilidade humana (aisthesis) (1). À semelhança do regime ético, também este define uma certa configuração do sensível, levando Rancière a introduzir uma analogia reversível entre o discurso representativo das artes e a visão hierárquica social, dando como exemplo a hierarquia dos géneros constituída em função da dignidade dos seus sujeitos (2).

A estes dois regimes de arte, o autor contrapõe então um terceiro – o regime estético – que identifica a arte ao singular, interrompendo quer a lógica ética da apropriação das formas de arte não autónomas pelas formas de ser de uma comunidade, quer a lógica representativa, garantida pelo par concordante poiesis/aisthesis. Este é portanto um regime que afasta a arte de qualquer sentido comunitário determinado e concomitantemente de qualquer pressuposição artística, “de toda a regra específica, de toda a hierarquia dos sujeitos, dos géneros e das artes” (3), não deixando porém de lhe reconhecer uma esfera específica de experiência. Com este regime, a arte liberta-se assim da sua condição de artes e de belas-artes para se definir por si própria.

No entanto, a ideia de autonomia que organiza esta reflexão em nada se aproxima àquela que procurou associar a produção artística “a uma revolução anti-mimética e à conquista da forma pura” (...) em que “cada arte afirmaria então a pura potência da arte explorando os poderes próprios do seu medium específico” e a modernidade pictórica, se definiria pelo “pigmento de cor e superfície bidimensional” (4). Reconhecemos desde logo nestas suas palavras a referência implícita a Clement Greenberg e o modo como este definiu ontológica e disciplinarmente o objecto artístico, em particular a pintura abstracta, através das suas propriedades internas e da sua estrita separação face a outros media. Pois bem, para Rancière a autonomia da arte explica-se antes por uma desidentificação generalizada que desactiva os princípios de diferenciação entre as artes, mas também entre os domínios da arte e da não-arte.

Neste sentido, a sua crítica parece dirigir-se de igual modo à noção de teatralidade que Michael Fried introduziu, expandindo a ideia greenbergiana de autonomia das formas de arte. Em Art and Objecthood, 1967, um texto de resposta directa aos minimalistas ou “literalistas” como Fried lhes chamou, a qual acabou por se alargar às práticas da performance e da instalação (5), o autor argumentava que “a ligação literalista à materialidade nada mais acrescenta do que um novo género de teatro; e teatro é agora a negação da arte” (6). O termo teatro integra aqui, como sabemos, não apenas as qualidades fenomenológicas dos trabalhos minimalistas e sua recepção junto do espectador, mas tudo aquilo que “não sendo parte do objecto é parte da situação na qual a sua materialidade se estabelece e da qual a sua materialidade parcialmente depende” (7). Para Fried tratava-se pois de assegurar o essencialismo de Greenberg, separando a arte de toda e qualquer situação, ou seja, de contextos não-estéticos exteriores à arte.

A saída de Rancière a esta clausura rejeita contudo a leitura do pós-modernismo e a sua tentativa de ruptura histórica assente na colagem da modernidade aos discursos modernistas da arte. A sua saída faz-se então por outra via que recua à estética moderna de Friedrich Schiller, concretamente às noções de “livre aparência” e de “jogo livre”, reclamando para a arte um sentido de autonomia muito singular. Para Rancière ambas as noções schillerianas devolvem à obra de arte essa possibilidade de se afirmar através de um paradoxo constitutivo que suspende todas as separações e contrários: “a arte é arte desde que ela seja também não-arte, outra coisa que arte” (8). Ora o próprio da arte, ou aquilo que é específico seu, a sua autonomia traz também, de acordo com o autor, uma promessa de emancipação e essa promessa não é senão o seu impróprio, ou seja, a supressão da arte como realidade separada e sua implicação na constituição de formas de vida.

Se este sensível heterogéneo da arte coloca-a na sua estrita relação com a vida colectiva, esta mesma relação realiza-se porém sem tarefa ou destino definidos, de forma absolutamente indeterminada que resiste, para parafrasear Rancière, aos cálculos e tipificações do pensamento e da arte. Tal é o exemplo do filme O Homem da Câmara de Filmar, 1929, de Dziga Vertov, citado na conferência da Culturgest, onde o processo de montagem utilizado parece igualar a vida ao movimento mecânico da sociedade moderna russa, mas onde também esta equivalência é subitamente interrompida por um rosto, um sorriso ou um gesto de que não se espera e que instaura dentro da imagem conflitos de formas, temporalidades e espaços.



Sofia Nunes


NOTAS
(1) cf. Rancière, Jacques – “Politique de l’indétermination” in Politique de l’esthétique. Paris: éditions des archives contemporaines, 2009, p. 158.
(2) cf. Rancière, Jacques – Le partage du sensible: esthétique et politique. Paris: La fabrique éditions, 2000, p.31.
(3) idem, p.33.
(4) idem, p. 38.
(5) cf. de Duve, Thierry – Kant after Duchamp. Cambridge Massachusets: The MIT Press, 1997 (1996), p. 241.
(6) in Harrison, Charles; Wood, Paul (ed.) – Art in Theory 1900-2000. An Anthology of Changing Ideas. London: Blackwell Publishing, 2003 (1992), p. 838.
(7) idem, 839.
(8) Rancière, Jacques – Malaise dans l’esthétique. Paris: Éditions Galilée, 2004, p. 53.