Links

OPINIÃO


Pedro Portugal, OS 3 BOTÕES DA ARTE, 2012

Outros artigos:

CONSTANÇA BABO

2018-11-17
CHRISTIAN BOLTANSKI NO FÓRUM DO FUTURO

KATY STEWART

2018-10-16
ENTRE A MEMÓRIA E O SEU APAGAMENTO: O GRANDE KILAPY DE ZÉZÉ GAMBOA E O LEGADO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

HELENA OSÓRIO

2018-09-13
JORGE LIMA BARRETO: CRIADOR DO CONCEITO DE MÚSICA MINIMALISTA REPETITIVA

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

MARIA VLACHOU

2018-01-25
CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS



PEDRO PORTUGAL

2012-09-07




Avant-propos: Este artigo foi pensado originalmente para ser dois. Um sobre a inexorável maledicência entre artistas: “PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS”. Um segundo como puro exercício encomiástico: “L’AFFAIRE VASCONCELOS”.

O primeiro artigo consistia numa elaboração sobre como os artistas ao longo da história disseram mal uns dos outros e ainda na transcrição de opiniões de artistas vivos sobre Joana Vasconcelos.

Depois de apreciado pelos meus advogados foi-me aconselhado não enviar para o editor a totalidade do artigo. A justificação para este óbice encontra-se no facto do teor de algumas opiniões registadas ser de tal forma acintoso, que a sua reprodução, mesmo com manutenção do anonimato, poder ser mal entendida, imputada ao autor do artigo e constituir móbil para uma ação judicial. Fica assim um só artigo em duas partes, sem a compilação das opiniões de artistas sobre outro artista que recolhi ao longo de 2 anos:



PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS [1]


A história da arte está repleta de registos comprovando que os artistas sempre disseram mal uns dos outros. Zeuxis e Parrásio detestavam-se e faziam terríveis batalhas de naturezas mortas. Caravaggio foi a tribunal acusado de ter escrito poemas vexatórios sobre as pinturas de Baglione — enfrentou a acusação negando a autoria mas afirmando, no entanto, que quem os escreveu sabia de pintura. Foi condenado a duas semanas de prisão. Courbet era odiado por todos. Van Gogh era contundente com Toulouse Lautrec e dizia que o anão só conseguia levantá-lo com “petites filles”. Manet disse a Monet sobre Renoir: “Esse rapaz não tem talento. Como tu és amigo dele tens que lhe dizer para desistir da pintura”. Picabia escreveu numa carta a uma namorada que lamentava que Picasso tivesse vendido o coração ao capital…


A propósito de duas pinturas do artista X (ainda vivo) de mérito nacional e que todos conhecem, irem a leilão, o artista Y comentava com o artista Z (os três amigos e da mesma geração): “Epá, há duas pinturas do X que vão a leilão... Epá, é que estas são das boas! Alguém se devia chegar à frente para as comprar... É que o gajo fez muita merda e aproveita-se mesmo muito pouco.”


Entre artistas, sabemos muito bem quem são os bons e quem são os maus artistas. Sabemos distinguir, com quase unanimidade, qual é a arte boa e a arte má que fazem os bons e os maus artistas — apreciação que diverge substancialmente do que pensa a “opinião pública”. O que não existe é a coragem suficiente para entre artistas dizer frontalmente: “Eh pá, tu não és bom artista. Desiste já antes de continuares!”. Como ninguém consegue dizer uma coisa destas e como o produto da atividade artística está num plano semi-aberto de avaliação, por ser supostamente uma expressão livre e pessoal da criatividade, algumas mediocridades passaram intactas para o tecido histórico [2].


O grande explicadista Marcel Duchamp afirmava que há milhões de artistas que criam «mas só alguns milhares são discutidos ou aceites pelo espectador e muitos menos são consagrados pela posteridade.» «Penso que a arte pode ser má, boa ou indiferente, mas, qualquer que seja o adjetivo usado, temos que chamá-la arte, e a arte má é arte da mesma maneira que uma má emoção continua a ser uma emoção.» (DUCHAMP, 1957: 28)


Não pretendo desmontar o epifenómeno que parece resultar de uma prematura industrialização de uma maneira de fazer arte, mas, sinto-me na obrigação profissional de partilhar com os outros artistas e público interessado, o registo de opiniões e comentários que colecionei sobre Joana Vasconcelos. São opiniões recolhidas entre artistas, na maioria de uma maldade chocante, outras cruéis, outras denunciando inveja pura e outras revelando perversa lucidez.

Estes testemunhos, necessariamente anónimos, são uma prova saudável de que os artistas vão continuar a dizer mal uns dos outros até ao fim da civilização:

“…”

(…)



L’AFFAIRE VASCONCELOS


Embora Platão e Aristóteles tenham desprezado os artistas seus contemporâneos, preferindo coisas com menos 500 anos, houve na história períodos em que o poder e a cultura estiveram de acordo com o que os artistas queriam fazer — que é substancialmente diferente do que os artistas têm de fazer. Os quatro amigos de Florença que fizeram o Renascimento tiveram liberdade total oferecida pelos Medicci, os artistas bolcheviques celebraram bravamente a revolução com Lenine e os artistas portugueses, pela mão de Ferro, festejaram o fascismo (que na altura não devia parecer uma coisa tão má).


Para a artista Joana Vasconcelos é óptimo poder trabalhar para o príncipe que é o Estado português e beneficiar de um pleno de encantamento e unidade entre política e arte. É seu o mérito de ter realizado uma operação de pedagogia sem precedentes nas últimas décadas: ter feito compreender (aparentemente) a todo o aparelho de Estado, decisores artísticos e “culturatis” nacionais o que é essa quimera chamada “arte contemporânea” — que afinal dá para perceber e até gostar. Ou seja, transformou os objetos artísticos em super-discurso: o discurso que só é discurso e por isso de inteligibilidade máxima. É assim compreensível o entusiasmo nesta aliança e a cooperação sem hesitações ou constrangimentos de agentes culturais, imprensa, televisão e políticos profissionais no financiamento e difusão desta linhagem de objetos.


A arte de Joana “faz todo o sentido!” — como se diz viralmente para assentir uma decisão. A partir de agora não mais coisas pretas informes, não mais texto sobre texto, não mais introspecções incompreensíveis, abaixo o corpo, fim do sexo teorizado, fim dos pensamentos indiferenciados e outras coisas más e sujas. O efeito obtido parece ser de grande pacificação, forte alívio da angústia perante a obra de arte e redução da pequena fúria por não se perceber o que é que o artista quer dizer. Para potenciação destes índices, toda a estética das elaborações formais de Vasconcelos apelam e ajustam-se ainda à tímida (?) reaparição da ideia da portugalidade e a tremenda possibilidade de portugalização do mundo [3].


Ora, se a paixão sobre o trabalho de Joana é plenamente justificável, a sua expressão não se manifesta abertamente ou sem alguma reserva maldosa, sobretudo no meio artístico — por snobeira, despeito ou inveja.


Se Vasconcelos superou a popularidade de Maluda, fê-lo no género mais difícil de todos que é o Estilo Duchamp. Operou uma fusão nunca experimentada e por isso surpreendentemente eficaz, até no exterior. Um método que reconcilia o folclore com a indústria e o artesanato com o popismo. Não só é um caso de popularidade entre os autarcas de província (onde se fabricam os governantes), como também agrada à nova estirpe de grandes colecionadores internacionais que sabem aprender depressa o que é que interessa na arte do seu tempo. Mais, Joana ao contrário de outros artistas, já não precisa de disfarçar a sua nacionalidade em pastiches de estilos da europa central ou americanadas. Joana pensa em grande. Versalhes é nosso! Veneza é nossa! Quem sabe se amanhã a Cidade Proibida ou o Vaticano farão parte do nosso V Império cultural?


Existe a fé, não escondida por políticos mas escamoteada pelos pares artistas, de que Joana Vasconcelos continue a fazer maior e melhor. Talvez o próprio país esteja a caminho de ser uma sua obra-prima, transacionável e valorizada nos melhores leilões do mundo.


Olhando para o fenómeno de outro ponto de vista, este momento pode ser habilmente transformado numa oportunidade histórica para todos os outros artistas, comissários e ajudantes de arte. O frenesim patriótico à volta de Joana é o “kairos” de que todos os artistas (novos e velhos) estavam à espera para invocarem abandono, condição de proscitos e esmagamento dos arautos da vanguarda que vai ser infamemente ignorada nas próximas décadas. Um-País-Um-Artista num Estado democrático ocidental não é uma fórmula aceitável e tem que ser combatida, de preferência na clandestinidade, em nome de todos os manifestos artísticos e da liberdade intelectual.


Mas há ainda outra razão para levarmos muito a sério Joana Vasconcelos e os objetos produzidos no seu atelier: Joana e a sua arte são heroínas entre os estudantes de arte. As escolas de arte em Portugal estão repletas de ensaios para-artísticos replicantes das experiências de Joana: coisas feitas de outras coisas, coisas grandes feitas em pequeno e coisas grandes feitas de coisas pequenas. Os professores de arte têm de saber responder com sabedoria à pergunta: “o que é que o professor acha da Joana Vasconcelos?” E explicar com humildade que Joana é a grande mestre na manipulação da Máquina dos 3 Botões Para Fazer Obras de Arte: a máquina que dá para rodar a gosto os botões da ESCALA, da MATÉRIA e da INVERSÃO [4].


A perdurar esta influência, serão obtidas dentro de poucos anos séries formais com consistência e massa suficiente para garantir uma tipologia de arte que permitirá o reconhecimento internacional de um género artístico único — como aconteceu brilhantemente com a arquitetura e o cinema pensado e feito por portugueses em Portugal [5].



NOTAS


[1] Afirmo que sempre fui um grande defensor de Joana Vasconcelos. Há alguns anos propus a aquisição da obra A Noiva quando exercia funções de consultadoria artística numa coleção institucional e, como comissário, convidei-a para participar numa exposição de representação do Estado português no reino da Noruega.

[2] Eduardo Lourenço ipse-dixit (pôr “artistas” antes de portugueses ou português): “Os Portugueses não convivem entre si, como uma lenda tenaz o proclama, espiam-se, controlam-se uns aos outros: não dialogam, disputam-se, e a convivência é uma osmose do mesmo ao mesmo, sem enriquecimento mútuo, que nunca um português confessará que aprendeu alguma coisa de um outro, a menos que seja pai ou mãe…” (LOURENÇO, 2001: 77)

[3] Somos o país (+ o Brasil) que tem o mundo no centro da bandeira. Também temos uma marca de supermercados chamada Continente. De resto a mitologia Portuguesa tem ver com a ideia da viagem de conquista do mundo e a história das dificuldades que “surmontam”.

[4] A Grande Máquina dos 6 Botões Para Fazer Obras de Arte (6BTMWA) já está em testes muito avançados. A sua tecnologia iterativa-expandida incluirá os importantes botões da DENSIDADE, PROFUNDIDADE e AMBIGUIDADE.

[5] Num futuro próximo não haverá discussão sobre que artista significa “PORTUGAL” se for necessário enviar uma amostra representativa da arte portuguesa para o primeiro contacto com uma civilização extraterrestre.


BIBLIOGRAFIA CITADA

DUCHAMP, Marcel. “The Creactive Act”. In: Art News, 56, nº 4 (Verão 1957).

LOURENÇO, Eduardo. (2001) O Labirinto da Saudade. Lisboa: Gradiva.
Pharmacy propecia canada buy free cialis over viagra the uk counter where to buy vardenafil, cialis buy walmart suppliers uk viagra.
Cost walmart levitra generic buy cialis costco prices propecia at viagra sildenafil citrate online, levitra 20 dosage mg generic levitra safety.
100 sildenafil tablets mg pills viagra online canada viagra without presc http://www.socgeografialisboa.pt/cialis-for-women/ super cialis cheap, cialis mg tadalafil 20 mg tadalafil 10 tablets.
Buy australia cheap cialis online price tablet tadalafil http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra reviews cialis is the effects side what of http://www.saludos.com/award.htm online erectile dysfunction pills, viagra paypal buy price india gel in viagra.
Viagra online order free vs levitra vs doses viagra cialis ed pills buy sildenafil citrate online cheap, pharmacy cheap online propecia buy propecia walmart.
Viagra camara cialis best vs levitra cialis vs viagra which is better cialis vs viagra pills generic buy online propecia popular ed drugs cheap ed pills, sales tadalafil sildenafil cheapest online citrate.
Tadalafil softsules tuf-20 tabletten sildenafil canada viagra buy http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-cheap/ viagra 100mg online buy, online buy finasteride 1mg cialis pills viagra vs.
Brand buy propecia name generic online tadalafil price cialis best http://www.socgeografialisboa.pt/propecia-in-uk/ where to get a prescription for propecia, viagra in buy bulk from is safe viagra to order it canada.
Pakistan online cialis levitra great britain amex levitra india buy levitra 20 mg, generic cialis brands india cialis heartburn.