Links

OPINIÃO


The Pixelated Revolution, Rabih Mroué, Auditório do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Fotografia: Silvana Torrinha


The Pixelated Revolution, Rabih Mroué, Auditório do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Fotografia: Silvana Torrinha


The Pixelated Revolution, de Rabih Mroué. Staatstheater, Kassel, Documenta 13, 2012.


The Pixelated Revolution, de Rabih Mroué. Staatstheater, Kassel, Documenta 13, 2012.


The Pixelated Revolution, de Rabih Mroué. Staatstheater, Kassel, Documenta 13, 2012.


The Pixelated Revolution, de Rabih Mroué. Staatstheater, Kassel, Documenta 13, 2012.


The Pixelated Revolution, de Rabih Mroué, Art Exchange, University of Essex, 2013.


Smooth Criminal, de Nadia Kaabi-Linke, vista da exposição, CAM. Fotografia: Paulo Costa


Tunisian Americans e Snipers, de Nadia Kaabi-Linke, vista da exposição, CAM. Fotografia: Paulo Costa

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

O AGORA QUE É LÁ



RITA XAVIER MONTEIRO

2014-02-25




É de longe, de muito longe que acompanhamos os nublosos conflitos do Médio Oriente. De longe, tão longe que o conhecimento mediado pelas imagens televisivas e os vídeos das redes sociais surgem casa dentro em situação quase ficcionada, quase inacessível. Como se os média perdessem precisamente essa justeza que é estar no meio. Entre a circunstância e o espetador.
É de perto que o artista libanês Rabih Mroué acompanha a realidade da vizinha Síria. Mas é sobre a utilização, a narrativa e o poder dos instrumentos virtuais de comunicação que decide falar.
A conferência-performance Pixelated Revolution [1] que apresentou em Serralves, exibe ao mesmo tempo que pensa os registos de acontecimentos em curso: a revolução Síria, os sírios, a morte.


“Os Sírios estão a filmar a própria morte”

Pixelated Revolution é uma palestra não-académica que estreou no P.S. 122 em Nova Iorque em 2012 e passou como projeto de instalação pela dOCUMENTA (13) de Kassel.
Em Portugal, Mroué vem apresentando os seus trabalhos individuais e em dupla com Lina Saneh, desde Biokhraphia (2002), Who’s afraid of representation (2004), How Nancy wished that everything was an April Fool’s joke (2007), tendo também colaborado, em Yesterday’s Man (2007) [2], com Tiago Rodrigues para a companhia Mundo Perfeito. Todos se enquadram numa pesquisa sobre a representação do corpo-pátria libanês ou do corpo-estrangeiro em território de circunstâncias políticas problemáticas. A sua criação baseia-se na recolha de documentos e imagens pré-existentes, veiculadas pelos dispositivos de comunicação no espaço público. Talvez por isso tenha escolhido o discurso como modo eficaz de relatar essa experiência de reflexão.

Mesa, cadeira, computador Apple MacBook, pequeno candeeiro, copo de água, folhas de papel impressas. Rabih Mroué entra de expressão séria no corpo descontraído. Senta-se na cadeira e inicia a leitura enquanto manipula as imagens e os vídeos projetados numa tela que ocupa todo o palco do auditório. Não deixa de ser curiosa esta desproporção entre a figura do intérprete-conferencista, ao canto, e a enorme tela que configura importância às ideias, imagens e vídeos comentados.
E como se torna paradoxal que dos vídeos amadores que vai mostrando não restem senão caras pixelizadas, cuja identidade é diluída. Não identificada. A sangue-frio e com certa [e necessária] distanciação, o artista analisa o Facebook dos grupos revolucionários, incluindo vários vídeos amadores, tremidos e sem foque.
É sobretudo “Double Shooting”, colocado online no Youtube, que nos obriga a ver. Frame a frame. Da habitual visualização rápida das plataformas sociais à análise exaustiva. Trata-se de um registo através da câmara de telemóvel de um homem que é atingido por um atirador quando percebe que está a ser filmado. Decerto não vemos o homem por detrás da câmara, embora possamos ouvir a sua voz. Anónimo. O olho da sua câmara viu o que depois se torna acessível à escala global na world wide web. O olho somos nós. Também não definimos os traços do assassino, ainda que todo o seu rosto – no frame super ampliado – se espalhe na tela gigantesca do auditório. Anónimo.

No olho do furacão da civilização da imagem, estes vídeos destacam-se pelos seus elementos chocantes, perversos ou imprevisíveis. Muitas vezes tornam-se virais. Mroué quer tentar perceber, chegar à meta-narrativa. Portanto, recorre à metodologia dos cineastas dinamarqueses Vinterberg e von Trier que redigiram o Manifesto Dogma 95, colocando-o em paralelo com os modelos de filmagem dos revolucionários sírios: como filmar uma manifestação?
Nesta guerra da imagem, ou guerra contra imagens, as câmaras móveis funcionam como armas de arremesso. Ainda que trémulas, permitem denunciar ao mundo fragmentos da violência praticada. Correm, errantes, são bípedes. Os homens e mulheres que as seguram testemunham a própria morte sem, no entanto, serem mártires. Sem que saibamos se o corpo-humano que está do lado invisível do corpo-máquina [implantado como prótese óptica, o telemóvel], sobrevive. Sabendo que alguém fez o upload daquele registo do corpo-máquina. Do outro lado, a estabilidade traduz-se nos tripés e nos aparelhos de alta resolução, símbolos da firmeza revestida do regime.

Com momentos de uma lucidez crua, quanto incrivelmente irónicos [até cómicos, não fosse tudo tão trágico] a performance instiga mais do que esclarece. Aponta-se dos factos: a morte de mais de 130 mil sírios e milhões de refugiados, mantendo-se a guerra civil que mistura revolucionários com islâmicos fundamentalistas, iranianos, curdos, libaneses do Partido Hezbollah,…contra a milícia e o regime de Bashar al-Assad.
Do olho da vítima ao olho da câmara, do olho do assassino ao olho da sniper há uma bala disparada. Faz um ricochete. Aponta-se diretamente ao espetador.


“É muito provável que atrás desta janela estivesse sentado um snipper”

Este agora de lá também se torna mais perto pelo que traz a exposição Preso por Fios [3] da artista tunisina Nadia Kaabi-Linke, com curadoria de Isabel Carlos e em exposição no CAM-Gulbenkian.
Comovente e sofisticada na execução dos diversos suportes e materiais e na exploração do seu potencial teórico, a artista evoca perturbações do traçado histórico entre povos e culturas. Falando da simbologia dos israelitas e judeus escondida no belíssimo ready-made Smooth Criminal, do deslocamento imagético da instalação de vídeo Non e do apagamento da memória em Tunisian Americans.
Neste contexto há uma obra recente que me prende a atenção. Snipers (2014) mostra a impressão de uma parede de Berlim – cidade onde a artista atualmente vive e trabalha. Marcada de balas, alude ao passado da II Guerra Mundial e simultaneamente enuncia a história recente da Tunísia. Na sinopse também exposta lemos: “(…) No dia em que o ex-presidente Ben-Ali abandonou o país houve uma escalada de combates de rua entre as forças policiais e os civis, e snipers começaram a atirar sobre pessoas a partir de telhados de edifícios. Imediatamente foram colocados no Facebook vários vídeos feitos com telemóveis para mostrar e registar a presença de snipers.”

Será interessante pensarmos esta obra específica de Kaabi-Linke em analogia com a performance de Rabih Mroué. É verdade que, em ambos os trabalhos, se revela a vontade de testemunho de situações flagrantes que as notícias muitas vezes obliteram. Escolhe-se acompanhar o trajeto da bala. Tanto no vídeo exibido pela performance como no trabalho plástico, o espetador envolve-se com o lado de cá da vítima, sobre o lado de lá do assassino. Frente à câmara, a mira. Detrás da janela, o sniper.

*

Hoje, a utilização pessoal e profissional das redes Facebook, Youtube, Twitter manifesta-se como uma necessidade quase básica, quase imprescindível de conexão social. Podemos sentir que mal existimos se não correspondermos a essa identidade virtual registada numa qualquer janela virtual. Ainda que os excessos e perigos do seu uso cause preocupação, há vantagens: um acesso ao mundo sem filtros, onde a informação que prolifera é tão suspeita quanto democrática.
Entre protestos e resistência – do Médio Oriente a Portugal - o tempo é de desespero. Traduzido e partilhado.
Pixelated Revolution (2012) e Snipers (2014) constituem modos singulares de inscrever o discurso do medo e o discurso da coragem. Para assim nos relacionarmos mais perto.

[Rita Xavier Monteiro escreve de acordo com a nova ortografia]



The Pixelated Revolution
Rabih Mroué
Auditório do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves
Programação: Cristina Grande
8 de Fevereiro, 2014

:::

Preso por Fios
Nadia Kaabi-Linke
CAM - Fundação Calouste Gulbenkian
13 de Fevereiro a 25 de Maio, 2014


>>>>>>

Notas

[1] Para mais informação ver: http://www.serralves.pt/pt/actividades/the-pixelated-revolution-de-rabih-mroue/
[2] Para mais informação ver: http://www.mundoperfeito.pt/yesterdays-man-ev.php
[3] Para mais informação ver: http://www.cam.gulbenkian.pt/index.php?article=71888&visual=2&langId=1