Links

OPINIÃO


Fig. 1 – Tanto Mar. Portugueses Fora de Portugal. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 2 – Vista da mesa da recolha material do projecto, nomeadamente da correspondência electrónica. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 3 – Vista geral dos módulos de apresentação dos projectos. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 4 – Vista do mapa de localização dos projectos. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 5 – Vista geral da exposição. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 6 – Vista da vitrine de referências. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

TANTO MAR - ARQUITECTURA EM DERIVAÇÃO | PARTE 1



FILIPA COIMBRA

2014-04-15




(...)
Ah seja como for, seja por onde for, partir!
Largar por aí fora, pelas ondas, pelo perigo, pelo mar.
Ir para Longe, ir para Fora, para a Distância Abstrata,
Indefinidamente, pelas noites misteriosas e fundas,
Levado, como a poeira, plos ventos, plos vendavais!
Ir, ir, ir, ir de vez!
(...)

Álvaro de Campos, Ode Marítima.[1]


A História não se repete, ainda bem, no entanto, a nossa, a dos portugueses, está repleta de partidas, facto que não parece espantoso num país já com tantos séculos onde, portanto, a palavra «repleta» cabe em tantas outras coisas. Ainda assim, não terá sido à toa que tenhamos sentido a necessidade de encontrar um vocábulo que exprimisse um sentimento tão enraizado quanto a saudade.
No que respeita às motivações que promovem estas partidas, a heterogeneidade é grande mas, deixemos de lado descobridores, colonizadores, colonos, «o salto», a guerra colonial, uma vez que no horizonte de Tanto Mar estão partidas mais recentes e é a começar nelas que nasce a necessidade e o interesse de – tal como nas outras – receber notícias.[Fig. 1]
Estes nossos correspondentes são agora os arquitectos portugueses que estão lá fora. Na realidade, a correspondência é mesmo o veículo que põe em marcha este projecto, daí que lhe tenha sido reservado um lugar de destaque na exposição, não apenas por ser um importante registo documental, mas atendendo também à sua vertente humana e relacional, particularmente importante neste projecto.[Fig. 2] Tanto Mar é o resultado do desafio lançado pelo ateliermob, através de um open call, aos arquitectos Portugueses Fora de Portugal comprometidos com projectos de envolvimento social, que a partir da selecção das muitas candidaturas espontâneas, seleccionou 33 projectos que estão a ser agora apresentados na Garagem Sul, no CCB, parceiro do projecto, a decorrer até dia 20 de Julho.[Fig. 3]

O título, Tanto Mar, desde logo sugere uma certa ideia de errância, de fluxo, de deriva e, simultaneamente, uma pulsão de liberdade e de oportunidade. Olhando a sinalética da exposição – nas linhas em zigue-zague do chão que delimitam e organizam os projectos por temas – somos tentados a conferir-lhes um certo sentido estético próximo ao movimento e à cadência das ondas. Ao fundo e em grandes dimensões, um mapa azul representativo dos projectos consoante a sua localização geográfica, denuncia também uma certa familiaridade com a cartografia marítima que foi outrora explorada e reescrita pelos portugueses.[Fig. 4] Aqui, também os arquitectos procuram aliar os seus «mapas» – um projecto planificado totalizado e baseado na experiência técnica e disciplinar – aos «itinerários» – a operatividade discursiva baseada na experiência – que a comunidade tem do espaço, um espaço vivido.[2]

Compreendendo que o espaço afecta as relações sociais e que é vivido de forma diferenciada pelos seus actores, torna-se claro que o espaço construído terá de resultar de um aprofundamento e envolvimento destas mesmas relações entre arquitectos e comunidades, e de noções como co-participação, cooperação ou correlação. Estamos, pois, perante uma abordagem da arquitectura redefinida, derivada, a partir do prefixo “CO-”.[3]
No sentido linguístico, derivação, significa sempre acréscimo, junção; no sentido matemático, está intimamente relacionada com a taxa de variação instantânea de uma função; a nível semântico, derivação, pode ainda ser entendida como desvio quando falamos de uma embarcação no mar; ou como mediação entre dois pontos de um circuito eléctrico fechado, se nos ativermos aos procedimentos eléctricos.
Uma arquitectura de derivação em prefixo “CO-”, à semelhança do que ocorre nos processos linguísticos, é sempre uma transformação, neste caso, da realidade concreta, social e disciplinar da arquitectura, porque um “CO-” é sempre mais do que era isolado – até porque, linguisticamente este morfema não existe na sua forma isolada – e dessa junção e ligação forma-se uma outra palavra, um outro entendimento. Derivada e projectada a partir da outra, parece agora mais amparada, mais sustentada.

Até há bem pouco tempo, a prefixação na gramática portuguesa foi um processo de formação de palavras complexo devido às pequenas variações e excepções das suas regras, questão que o Segundo Protocolo Modificativo ao Acordo Ortográfico procurou simplificar e normalizar. Desdobrados, aglutinados, justapostos com hífen, justapostos sem hífen: a diversidade é grande e dessa diversidade resultam, conceptualmente, diferentes níveis de significação. Sem queremos entrar demasiado no domínio das questões linguísticas que não são, de facto, o nosso enfoque, concentremo-nos apenas na sua aparência, na visualidade inerente destas articulações para com elas fazermos um paralelismo com a heterogeneidade dos projectos aqui apresentados.
Por exemplo, visualmente, a prefixação com hífen parece indicar-nos uma ligação de alguma autonomia (por exemplo: co-projecto), que já será encurtada na simples justaposição (por exemplo: colaboração). Já a aglutinação converte-se numa fusão mais misturada (por-exemplo: coabitar) e o desdobramento assume-se mais como uma extensão-ligação que resulta de uma espécie de mediação (por exemplo: cooperação, ou correspondência). Aquilo que queremos aqui dizer é que um “Co-“ caracteriza-se também por essa elasticidade, por essa plasticidade e adaptabilidade, da mesma forma que estes projectos de arquitectura co-participada.

Falamos, pois, de um território híbrido e móvel cuja mistura, mais ou menos, fluída produz vários cambiantes num mesmo projecto, mediante a combinatória das suas várias fases, dos seus agentes e ritmos de entrosamento. [Fig. 5] Sem cair nos exageros de uma opressiva categorização – contraditória com a capacidade de transmutação onde recai a criatividade e vitalidade destas práticas – é possível ver, por exemplo, um “CO- com hífen” no projecto de José Osório Lobato, Transvaal (Holanda) num bairro onde se procura integrar a construção de novos edifícios habitacionais com a reabilitação dos existentes, partindo de uma articulação próxima com a associação de moradores. Inventar(iar) as Roças em São Tomé e Príncipe (Duarte Pape e Rodrigo Rebelo de Andrade) consiste em projectos multidisciplinares que visam revitalizar as roças de cacau e o seu património arquitectónico, promovendo, para tal, a investigação e a sensibilização junto das comunidades. Em ambos os projectos é peremptório o chamamento à participação de todos, ao mesmo tempo que as partes conservam uma certa autonomia no desenrolar dos projectos.
Quanto a um “CO-” aglutinado, podemos vê-lo no projecto A Pequena Califórnia (Quénia) coordenado pela Arq. Joana Cameira, através do Conselho de Refugiados Norueguês. A fusão e imbricação acompanha todas as fases do projecto de construção de uma das secções criadas num dos maiores campos de refugiados do mundo, que vai desde o desenho participado das unidades habitacionais; ao recrutamento e formação técnica; à criação das condições necessárias ao fabrico dos materiais; ao fabrico dos materiais pela comunidade; à construção participada, até à mediação de conflitos.
Temos um “CO-“ que se desdobra no projecto Incremental Housing (Índia) que conta com a participação do Arq. Filipe Balestra, que a partir da consulta popular cria 3 protótipos habitacionais modulares que irão promover a autonomia e evolução construtiva do bairro no futuro, assim como contribuir para a organização e ordenação da envolvente.
No projecto Complexo do Alemão no Brasil (Nuno André Patrício e Linda Cerdeira) podemos intuir uma justaposição de um prefixo “CO-“. Este é um projecto que procura melhorar e resolver algumas dificuldades técnicas e organizacionais dos projectos de espontaneidade da favela, estando os técnicos, para tal, fortemente empenhados em apreender os reais problemas de quem habita a favela, procurando responder tecnicamente às suas propostas, num quadro de entendimento próximo ao que já havia sido defendido pelo arquitecto inglês, John Turner.[4] A referência a este último é uma das tantas possíveis no enquadramento destas práticas.
Aliás, como é, justamente, referido pelos curadores, numa perspectiva da própria História da Arquitectura, a etiqueta «arquitectura social» não é uma invenção dos nossos tempos conturbados mas, a verdade é que ela ganha maior visibilidade em tempos de emergência, de ruptura e de mudança. Podemos olhar também para outros protagonistas e recuar até à agitação da década de 1960 e ao legado inspirador e agitador do Direito à Cidade de Henri Lefebvre; à afirmação política da prática da arquitectura pelo envolvimento colectivo, discutida por Giancarlo de Carlo; a “architecture without architects” e os espaços construído sem pedigreed de Bernard Rudofsky; a favela enquanto investimento social de Carlos Nelson Santos em Brás de Pina; ou as operações e intenções do S.A.A.L (Serviço Ambulatório de Apoio Local) em Portugal. A verdade é que encontramos pontos de contacto entre alguns desses caminhos trilhados e estes, mais recentes, aqui apresentados.

É, então, chegada a altura de recorrer a mais um prefixo: o “RE-”. A evolução da humanidade é feita destes «re»pensar, «re»formular, deste «re»avaliar, «re»elaborar e «re-humanizar». Não são revivalismos de uma visão circular da História, é o seu «rebusco» – essa metáfora aplicada pelo arquitecto Joaquim Moreno a respeito dos desafios que a disciplina enfrenta terminada a época de abundância.[5] O prefixo “RE-” que não significa invariavelmente uma repetição, um decalque. Paradoxalmente, podemos ver na sua dinâmica de movimento, um apuramento ou aperfeiçoamento, uma modelação que derivam da experiência, como tal, torna-se «re»novador e «re»configurante.[6]

Mas os projectos aqui em foco, diferentes dos movimentos sociais em arquitectura dos finais da década de 1960, assumem-se enquanto movimentos descentralizados, heterogéneos e, nalguns casos, espontâneos. Accionados pelo «cosmopolitismo vernacular» que caracteriza a época actual, estes arquitectos desembaraçam-se de alguns formalismos e protocolos, agindo muito mais directamente. Portanto, não se tratará tanto de uma mobilização pelo engajamento político, como no passado, mas de plataformas e reagenciamentos de afinidades de vários tipos, gerados num quadro comunitário de informalidade.
É uma arquitectura que age sem fazer alarde, uma vez que, gerada na era do networking, pratica-o de forma quase inata, adaptada, sem que disso se aperceba. Articulando-se directamente com os intermediários, é nessa auto-suficiência e desburocratização que reside parte da sua leveza e da sua força.



[Esta é a primeira parte do artigo Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção sobre a exposição Tanto Mar. Portugueses Fora de Portugal, patente na Garagem Sul do CCB, Lisboa. A segunda parte será publicada no próximo mês]


::::

Filipa Coimbra
é licenciada em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e mestre em Crítica de Arte e Arquitectura pelo Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.


::::

NOTAS

[1] CAMPOS Álvaro de, Ode Marítima (1959), Relógio D\'Água, Lisboa, 2013.
[2] Ver CERTEAU Michel de, The Practice of Everyday Life, University of California Press, Berkeley/ Los Angeles, 1984, p. 119.
[3] Uma derivação que consiste na junção de um prefixo a um radical, ou seja, à palavra primitiva é anteposto um morfema que irá modificar, ou reforçar o sentido da palavra.
[4] Indo um pouco de encontro às considerações desenvolvidas pelo arquitecto inglês, John Turner, que em meados da década de 1950, a partir da experiência de desenvolvimento de um projecto urbanístico comunitário no Peru, passou a defender que a experiência dos que habitam os espaços é fundamental para o trabalho do arquitecto, passando este a ter um papel de intervenção mínimo, apenas para regular formas e na resolução de problemas técnicos. A participação da comunidade é vital para que as cidades funcionem e muito pode ser aprendido com os processos de auto-construção. A experiência e know-how da comunidade são valorizados, reinvertendo a tendência dominante da preponderância do conhecimento técnico e disciplinar sobre um outro de natureza mais espontânea.
[5] Ver MORENO Joaquim, Sobre-qualificação e Rebusco, Artecapital, 2013-01-08. URL: http://www.artecapital.net/arq_des-92-sobre-qualificacao-e-rebusco
[6] O prefixo “RE-“ pode geralmente, ter três entendimentos possíveis, no sentido de repetição, reforço, e de recuo até ao ponto de partida.


::::


[a autora escreve de acordo com a antiga ortografia]