Links

OPINIÃO


Fig. 1 Anthony McCall. Line Describing A Cone, 1973. Instalação, Película de 16mm. Cortesia Sean Kelly Gallery.


Fig. 2 Ursula Mayer’, Gonda. 29 minutos. Película de 16mm transferida para HD vídeo.


Fig. 3 Laure Prouvost. The Wanderer. 2011. Vídeo HD. 82 minutos.


Fig. 4 Elizabeth Price. West Hinder. HD Video. 22m.

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.



JOSÉ RAPOSO

2015-02-02




Numa mesa-redonda promovida pelo MIRAJ: Moving Image Review & Art Journal [1] a propósito do ciclo de programação da Tate Britain dedicado à recente produção fílmica no âmbito das artes plásticas britânicas, A Survey of Recent Artists’ Film and Video in Britain (2008–2013), um dos temas mais comentados refere-se ao contexto de exibição específico do museu e da galeria. A democratização dos sistemas de projecção de vídeo, cujas especificações técnicas têm evoluído significativamente desde os anos 1990, coloca alguns desafios à política curatorial desenvolvida em torno da imagem em movimento, com consequências quer ao nível da exibição, quer do visionamento. Assembly reuniu trabalhos de cerca de 90 artistas, com enfâse em obras de ecrã único, próximos de uma ideia clássica da experiência cinemática. Esta secundarização da instalação vídeo num ciclo marcante, quer pela centralidade da instituição em causa, quer pela sua dimensão e metodologia de selecção [2], é indicativa de algumas das transformações que têm vindo a ocorrer no campo dos filmes de artista no Reino Unido. Qual o contexto ideal de exibição e qual a sua relação com o próprio objecto artístico? A sala de cinema e o espectador imóvel, ou o espaço da galeria e um regime de atenção disperso? George Clark, curador assistente da Tate Film e um dos curadores do ciclo, defendeu a exibição do programa no auditório da Tate Britain como uma forma de legitimação da vertente cinemática das obras do programa [3]. É uma questão que permanece em aberto, mas que não deixa de trazer para primeiro plano uma certa primazia da política curatorial perante questões relacionadas com a própria prática artística.

Ora, a legitimação de um modelo de recepção cinemático traz consigo algumas questões específicas relativas aos filmes de artista no domínio das artes plásticas britânicas, sobretudo aquelas relacionadas com a relação entre a experiência da sala de cinema e uma abordagem à imagem em movimento ancorada na narrativa. Para Elizabeth Price, uma das artistas presentes no ciclo, a projecção em sala é justamente um veículo privilegiado na relação entre espectador e narrativa.

A atenção que tem sido prestada ao campo da narrativa, seja através da abordagem aos modelos do cinema narrativo ou ao próprio regime televisivo, parece aliás indicar a emergência de rupturas num paradigma crítico, outrora assente em práticas auto reflexivas. Para além de algumas razões estruturais que contribuem para essa transformação, é também imperativa a consideração do alcance das alterações provocadas pela absorção dos mecanismos de produção nas estruturas próprias da cultura digital. Ed Atkins, um dos artistas que mais tem trabalhado sobre questões relacionadas com essa interseção, desenvolve a questão em termos bastante expressivos: “ainda que o cinema estruturalista me seja muito importante, há certos elementos no meu trabalho que são decisivamente digitais, na medida em que dizem respeito à mediação do cinema e da televisão. O modelo de trabalho de fazer tudo com uma câmara e um computador portátil é central nesta discussão; o meu trabalho não é capaz de expor os mecanismos da sua própria produção porque eu não sei como programar o software e a linguagem de programação que lhe está inerente” [4]. Uma das obras canónicas do estruturalismo cinematográfico, Line Describing A Cone (1973) [Fig. 1], de Anthony McCall, mantém assim um forte diálogo com o nosso momento contemporâneo, na medida em que expõe de forma absolutamente transparente algumas das implicações das alterações no regime de produção da imagem em movimento. Mesmo no exemplo particular da obra de McCall, não se pode deixar de sublinhar a importância que a recepção da sua obra no contexto institucional do white cube teve para uma renovada leitura crítica da sua obra, nomeadamente após ter sido exibida na importantíssima exposição retrospectiva Into the Light: The Projected Image in American Art 1964-1977 (2001), com curadoria de Chrissie Iles [5].

Nesse sentido poderemos mesmo admitir que um dos modelos mais estruturantes da mobilização da imagem em movimento para o espaço do museu, no caso dos filmes de artista britânicos, tem sido animado nos tempos mais recentes por uma dialética diametralmente oposta: não se trata tanto de contribuir para a leitura crítica dessas obras à luz dos parâmetros enunciados por autores como Brian O’Doherty, mas sim o de procurar encorajar um relacionamento entre público e obra modelado a partir da experiência da sala de cinema.

Um exemplo dessa tendência está patente no desenvolvimento do Film London Jarman Award, uma iniciativa criada em 2008 pela FLAMIN (Film London Artists’ Moving Image Network) destinada a ‘celebrar o espírito de experimentação, imaginação e inspiração no trabalho de artistas britânicos’, e que tem como figura tutelar o realizador Derek Jarman e o seu legado artístico.

A edição deste ano, que incluiu um programa itinerante por diversas cidades do país com obras dos 10 artistas nomeados, teve a cerimónia final na Whitechapel Gallery em Londres no passado mês de Dezembro. As dez mil libras que cabem ao vencedor serão seguramente um contributo marcante para o desenvolvimento da carreira do premiado, mas um dos aspectos mais relevantes são as comissões conjuntas com o Channel 4, que para além do vencedor contempla ainda mais 4 artistas. Random Acts, o segmento da programação criado em 2011 dedicado à transmissão de curtas-metragens comissionadas pelo próprio canal, em conjunto com outros parceiros estratégicos [6], tem um papel meritório na difusão destas obras, tendo já exibido filmes de artistas como Mark Aerial Waller, Emily Wardil, Duncan Campbell, ou Steven Claydon; é uma política de programação exemplar pela forma como coloca a televisão ao serviço da difusão cultural (é um canal público, ainda que receba financiamento privado, recorde-se).

Ursula Mayer foi a vencedora desta última edição [7]. Os seus trabalhos abordam temas relacionados com a identidade de género e a sua relação com o consumismo contemporâneo, estabelecendo por vezes um diálogo com obras de artistas como ponto de partida para o seu próprio universo estético e conceptual. Em Gonda (2012) [Fig. 2], aborda o legado da escritora Ayn Rand apresentando uma leitura crítica de uma peça de teatro escrita por Rand, Play; Medea (2013), propõe uma leitura contemporânea da crítica à sociedade de consumo elaborada por Piero Paolo Pasolini no filme com o mesmo título - uma magnífica herdeira do legado de Derek Jarman!

A FLAMIN tem ainda um papel determinante no financiamento de filmes de artista para além do Prémio Jarman, particularmente no que diz respeito a produções com mais de vinte minutos de duração e de ecrã único, aspecto da maior relevância face ao que tem vindo aqui a ser exposto [8]. Este incentivo à produção tem como propósito financiar uma obra que contribua para um avanço decisivo na carreira do artista e desde a sua fundação já contou com cinco ciclos de produção, financiando obras importantes de artistas como Laure Prouvost ou Elizabeth Price. No primeiro caso contribuiu de forma decisiva para o impulsionamento da sua carreira produzindo a sua primeira longa-metragem, The Wanderer (2012) [Fig. 3], uma obra que adapta um guião do artista Roy McBeth (que não sabe ler alemão), baseado numa tradução de A Metamorfose de Franz Kafka; no segundo caso, a produção financiada pelo FLAMIN contribui directamente para a atribuição do Turner Prize a Elizabeth Price com West Hinder (2012) [Fig. 4], uma das obras da exposição no Baltic Centre For Contemporary Art pela qual foi nomeada, e que parte de um incidente real (o naufrágio, em 2002, de um navio de carga com carros de luxo a bordo) para se aproximar dos territórios da ficção científica – West Hinder seria o local do naufrágio onde os carros se encontravam afundados, e que na obra de Price figura uma outra dimensão, fora do nosso tempo e espaço; consequência dos sistemas de navegação inteligentes que possuem, os luxuosos veículos adquirem uma forma de consciência que lhes permite narrar as circunstâncias do acidente.

Esta sustentada tendência para a produção de obras fascinadas com poder da narrativa no contexto britânico dos filmes de artista, é uma oportunidade para contemplar a dimensão das transformações ocorridas no campo da imagem em movimento. Poderemos colocar em perspectiva alguns dos recentes desenvolvimentos a partir de duas grandes linhas orientadoras, que acabam por esboçar dois trajectos cruzados.

Em primeiro lugar, o financiamento especificamente destinado aos filmes de artista contribuiu de forma assinalável para a vitalidade das práticas que têm surgido nesse campo. Mas se é evidente que essa política possibilitou a emergência de uma nova geração de artistas dedicados à imagem em movimento no campo da arte contemporânea, o que é também sintomático é o facto de haver um crescente número de cineastas outrora associados aos circuitos de produção e distribuição de cinema experimental e de vanguarda a trabalhar sob a alçada do sistema de galerias. Seja resultado de apoios directos à produção, seja através da produção de edições (artificialmente) limitadas que passam a circular no mercado da arte contemporânea, muito do trabalho que há pouco mais de dez anos estaria a lutar por espectadores nas salas de cinema, está hoje a ser exibido no cubo branco: Tacita Dean (Frith Street Gallery), Stan Douglas (David Zwirner), ou Mathew Buckingham (Murray Guy), são exemplos emblemáticos desta nova configuração.

Por outro lado, a constatação de que nos últimos anos, artistas britânicos oriundos da arte contemporânea tenham alcançado assinalável sucesso comercial em Hollywood: Steve McQueen será o caso mais exemplar desta situação, e Sam Taylor-Wood está prestes a estrear 50 Shades of Grey, a sua segunda longa-metragem. Talvez não seja surpreendente a atenção prestada aos trabalhos de ecrã único, considerando os exemplos de McQueen e Taylor-Wood.

Trata-se, enfim, de uma estratégia estruturante do sector cultural da parte de organismos públicos que tem dado frutos.

 

 

José Raposo

 


:::

Notas finais

[1] O debate reúne curadores, profissionais da área, artistas e críticos, numa discussão sobre as questões levantadas pelo ciclo inserida numa reflexão sobre práticas artísticas contemporâneas. George Clark, programador da Tate Film e co-curador do Assembly; Elizabeth Price, uma das artistas selecionadas; Gil Leung, programador da LUX, uma agência dedicada à distribuição de filmes de artista; Gil Leung, programador da agência e distribuidora de filmes de artista LUX; Andrew Vallance e Simon Payne co- curadores do ciclo; e David Curtis, curador que entre 1997 e 2000 trabalhou no Arts Council, um organismo público dedicado ao financiamento no sector cultural, foram os intervenientes.

[2] O processo curatorial passou pelo estabelecimento de um grupo alargado de especialistas na área, fossem eles curadores, críticos ou artistas. O grupo de 34 curadores seleccionou 10 obras cada; o programa final contou com 210 obras de 90 artistas (houve propostas repetidas das 340 iniciais).

[3] “It is about trying to say the cinematic experience of work is the exhibition of that work, and a valid one. One of the ambitions of this programme is to try and re-energize the auditorium as an exhibition space, and to have work that is shown there over a three-month exhibition of contemporary artists’ film video.”
George Clark et all. 2014. Roundtable discussion: ‘Assembly:A Survey of Recent Artists’ Film and Video in Britain, 2008–2013’. In MIRAJ: Moving Image Review & Art Journal Volume 3 Issue 1; pp. 105-12.
Fazer equivaler a dimensão cinemática do trabalho ao seu sentido puro ou verdadeiro é um projecto que deveria ser encarado com a maior das reservas, ainda que neste ciclo concreto a política tenha sido a de mostrar obras de ecrã único.

[4] O comentário surge na edição de Outubro de 2011 da Frieze, no âmbito de uma discussão que aborda algumas das questões que têm aqui vindo a ser levantadas; tradução minha. http://www.frieze.com/issue/article/more-than-a-feeling/

[5] A exposição constitui um momento importante na renovação do interesse crítico perante práticas artísticas com recurso à imagem em movimento, tendo apresentado um conjunto de obras até então primordialmente associadas ao campo do cinema experimental num novo contexto institucional. No caso da obra de McCall, note-se o contributo que a sua exibição no espaço do museu oferece à sua obra, que sempre foi marcada por uma atitude reflexiva perante o aparato cinematográfico. A recepção da sua obra em contexto museológico permite realçar algumas características da sua obra, porventura não tão pronunciados quando projectada no circuito de cinema underground e independente, o seu principal meio de circulação ao longo dos anos 1970. Line Describing A Cone faz parte de uma linha de trabalho de McCall onde o realizador aborda a natureza do próprio aparato cinematográfico, consistindo na projecção de um raio de luz que gradualmente e ao longo de 30 minutos descreve um círculo na superfície projectada.
Erika Balsom desenvolve algumas questões relacionadas com a recepção da obra de McCall no cubo branco em Blasom, Erika. 2012. Brakhage’s sour grapes, or notes on experimental cinema in the art word. In Moving Image Review & Art Journal · Volume 1 · Number 1; pp. 13-25.

[6] Para além da Film London, a Tate Media e a FACT – Foundation for Art and Creative Technology, são algumas da entidades que têm colaborado com o regime de comissões. Os trabalhos podem ser vistos online: http://randomacts.channel4.com

[7] Ursula Mayer foi a vencedora, e as restantes comissões foram atribuídas aos artistas Sebastian Buerkner, Marvin Gaye Chetwynd, e Iain Forsyth & Jane Pollard. http://filmlondon.org.uk/funding/artists-film-fund/jarman_award

[8] Ao contrário do Prémio Jarman Award que tem uma dimensão nacional, estes incentivos à produção são apenas de âmbito regional, para artistas que trabalhem em Londres. O financiamento menciona especificamente critérios formais: ecrã único e mínimo de vinte minutos de duração. http://flamin.filmlondon.org.uk/resources/production_funding