Links

OPINIÃO


Wolfgang Tillmans no auditório de Serralves.


Wolfgang Tillmans, Freischwimmer 93, 2004


Vista da exposição PCR, galeria David Zwirner, Nova Iorque, 2015


Wolfgang Tillmans, arms and legs, 2014


Wolfgang Tillmans, central nervous system, 2013


Wolfgang Tillmans, watermelon still life, 2011

Outros artigos:

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS



CONSTANÇA BABO

2015-11-28




 


Quarta-feira, dia 4 de Novembro, às 14h, já se encontravam esgotados os bilhetes para ouvir o fotógrafo contemporâneo Wolfgang Tillmans em Serralves. Uma sessão de final de tarde, agendada para as 18h30, prometia ser um sucesso. Foi assim que inaugurou o Fórum do Futuro 2015.

O notável vereador da cultura da Câmara Municipal do Porto, Paulo Cunha e Silva (1962-2015), pretendeu com este festival desenvolver o pensamento contemporâneo e colocar a cidade numa posição central na discussão sobre o futuro. O seu objetivo foi cumprido, tendo o evento sido uma das suas várias reconhecidas iniciativas de sucesso. A questão escolhida para iniciar o fórum sempre foi e é, claramente, importante, nos tempos difíceis e conturbados que hoje se vivem e, por isso, pode e deve ser colocada: como se define a felicidade?

Wolfgang Tillmans, movido na sua produção artística precisamente pela busca do que o faz sentir feliz, foi a escolha acertada para a sessão inicial de pré-inauguração de todo o programa. No Auditório do Museu de Serralves, Suzanne Cotter, fez uma breve apresentação e falou sobre o objetivo de eliminar as barreiras que impedem de alcançar a felicidade. A diretora do Museu entende que a Arte Contemporânea pode e deve ser um meio de reflexão e de procura por um melhor futuro.

O fotógrafo alemão, com um curriculum extenso de exposições, detém um trabalho tanto orgânico e humano como, em contra partida, arquitectónico. Na sua obra, apresentada de forma muito própria, é visível que, como Cotter referiu “o seu uso de espaço e escala constitui um mundo”.

Quando Tillmans sobe ao palco e é o seu momento de falar, anuncia de imediato o interesse pessoal pela felicidade e o reconhecimento da sua importância. Mais adiante, ao mostrar algumas obras suas, projetando-as em grande plano, explica como pretende ampliar ideias mostrando esse mesmo sentimento presente nos outros. Através dos seus vários trabalhos, o artista tenta que parte desse estado de felicidade se reverta no espectador. Nas fotografias são representadas pessoas, muito frequentemente homossexuais, mostrando que o ser humano é feliz vivendo, amando, interagindo e fazendo o que deseja com o seu corpo, sem pudor ou vergonha. Como os cenários da noite são dos mais propícios a emergir essa mesma realidade, surgem com frequência nas fotografias de Tillmans e constituem um seu interesse desde os anos 80.

Considera, assim, que a fotografia contribui para alcançar o que pretende na medida em que a utiliza como um veículo de sentimentos e ideias, muitas vezes, políticas. Esta técnica é, tal como o artista explica, a que “fala” mais diretamente o que se pretende, a um nível mais elevado do que a pintura ou o desenho.

Apesar deste uso prioritário da fotografia, o artista explicou, logo de início, que o seu gosto pela prática não foi imediato. Começou por utilizar a fotocópia e a dinâmica das máquinas impressoras com as suas tintas, como mostrou numa projeção de um vídeo da sua autoria, em que o mecanismo a trabalhar em conjunto com a cor cria efeitos muito particulares.

Contudo, Wolfgang Tillmans sempre entendeu que, em comum, ambas as formas de produção são resultados de reações químicas e detêm uma certa magia e aura. Aderiu rapidamente à fotografia quando se apercebeu que esta lhe podia proporcionar pictures contemporâneas, do âmbito do real, com capacidade para criar fantasias ou até mesmo fazer uma fantasia parecer realidade.

O termo pictures é por si escolhido pois refere-se a uma fotografia enquanto objeto, ao contrário de images, que entende como informação imagética e imaterial. Esta distinção que Tillmans faz apresenta um quadro teórico que é imensamente trabalhado e constitui uma das grandes problemáticas da fotografia desde que esta entrou na era digital. O assunto já foi estudado por variadíssimos teóricos inclusivamente pelo grande crítico fotográfico americano, A.D.Coleman, que estabeleceu a distinção entre as fotografias que funcionam como imagens e as que surgem como objetos. Tillmans, por seu lado, dá claramente mais relevância às segundas, na medida em que é através delas que identifica a prática fotográfica. Reconhecendo que, nas exposições, há uma possibilidade da sua fotografia ser encarda apenas como elemento visual, tem um cuidado acrescido para que, ao invés, permaneça vista como objeto artístico.

Em 1995, o artista ensaiou a forma de mostrar a sua fotografia em livro, em oposição à tradicional forma de apresentação em moldura nas paredes dos espaços expositivos, inevitavelmente reportada e idêntica à pintura. Hoje, combina as duas estéticas de exposição, pois entende que as páginas do livro são plataformas onde a relação do espetador com a fotografia aumenta ao possibilitar-lhe que receba, para além da imagem, daquilo que visualmente se apresenta, o objeto fotográfico ele mesmo. As fotografias que o autor imprime em grande escala, característica que também o define, afixa-as nas paredes, soltas, livres de restrições materiais.

Essa sua forma de expor é, de facto, uma mais valia que A.D.Coleman em 1999 não tinha presente como possibilidade. Este teórico anunciou, nessa altura, que a escolha entre a “fotografia-imagem” e a “fotografia-objeto” teria de ser feita por todos os fotógrafos. Tillmans prova, hoje, que não. É possível o autor fazer da prática fotográfica digital a sua técnica sem desmaterializar a sua obra. De qualquer modo, uma das considerações de Coleman está de acordo com o trabalho deste artista é que o uso da fotografia como objeto é uma parte essencial da estratégia de comunicação.

Este ano, Tillmans apresentou parte do seu corpo de trabalho na exposição Your Body is Yours, no Museu Nacional de Arte Osaka, no Japão. A afirmação que constitui o título da exposição está claramente de acordo com a sua obra. O teu corpo é teu reclama a liberdade através de um conjunto de trabalhos que parece, em certa medida, a confissão de histórias, momentos pessoais, segredos do espaço íntimo e privado, trazidos ao olhar do mundo para serem admirados. O fotógrafo é, sem dúvida, um retratista emblemático da cultura que reivindica o direto e, acima de tudo, o autêntico. Precisamente por esse apreço pela autenticidade, coloca em segundo plano o valor monetário das obras, pois entende que é a proximidade à mentalidade artística que determina o valor da arte.
É assim que o autor assume que a sua preferência e objetivo é criar objetos de valor artístico, que se admirem visualmente, que tenham sempre um elemento de evidência, onde algo aconteceu, muito diferente do desenho ou da pintura. O artista explica que, no confronto com estas duas últimas formas de criação artística, o espectador vai, inevitavelmente, procurar onde a tinta passou e onde o pincel pousou, por vezes distraindo-se de olhar o objeto como um todo, a obra em si e o que realmente importa nela. A fotografia, principalmente a digital, usada pelo artista desde 2009, permite, pela sua qualidade, clareza e nitidez, que o olhar se concentre no que é realmente importante. Não utiliza os programas informáticos de manipulação das fotografias, mas tira partido deles para atingir maior qualidade de detalhe e pormenor para que as obras, quando impressas, se admirem, num todo, na sua máxima plenitude.

Apesar do resultado final apresentado ser, nitidamente, privilegiado no seu trabalho, o artista também atribui um lugar de destaque à superfície e ao que lhe segue. Explica como se deixa mover pela curiosidade do que está à superfície de quaisquer elementos, desde pessoas a objetos, numa descoberta das outras camadas que possam surgir.

Mesmo na fotografia de arquitetura, Tillmans não mostra apenas o exterior, a estrutura, o que o olhar capta de imediato. Analisando de forma mais profunda e atenta, compreende-se que, mais do que a forma como são construídos os edifícios, é retratada a vida que neles se desenrola. O fotógrafo pretende, acima de tudo, trazer à consciência pública as situações diárias que se criam em determinados espaços que estão aquém do ideal. Por isso, estas suas produções não apresentam as composições mais direitas, rigorosas e cuidadas mas sim provenientes de um olhar direto, não programado, livre, que encara a construção de frente, por aquilo que ela é para o homem.

Na verdade, ao olhar para todos os seus trabalhos, qualquer que seja a temática ou assunto, o espectador é confrontado com uma espécie de hiper-realismo onde nada é escondido e onde a experiência visual se torna quase vivencial na intensidade em que as imagens se apresentam. Tillmans tem interesse pela linguagem contida nas fotografias e isso nota-se quando estas apresentam varias camadas (layers) de leitura. Com uma clara mensagem incorporada, as obras denotam um carácter de instrumentalismo, significam algo e estão submetidas a mostrá-lo, existindo ao serviço do conceito. Na maioria dos casos os motivos são questões políticas, humanas ou sociais que refletem o contexto do seu autor.

O fotógrafo arrisca aos mais variados níveis nas suas produções, jogando com o que encontra, desafiando-se a si mesmo. Admite a tentativa de produzir imagens fotográficas sem câmara, o que torna clara a sua vontade em trazer ao limite o médium fotográfico e a sua coragem para estender o seu campo. O artista admira a fotografia como se esta fosse um milagre e encara-a como uma oportunidade para fazer experiências que têm como ponto de partida questões tais como “consigo fazer isto?” ou “é isto possível?”, numa interação e equilíbrio entre o acaso e o controlo.

Pretende, sobretudo, causar uma experiência visual através da sua própria experiência processual.

Wolfgang Tillmans já trabalhou e viveu em várias cidades que detém um papel central na cultura mundial como é o caso de Londres, Nova Iorque ou Berlim, tendo realizado exposições nos mais variados países, tanto na Europa como nos E.U.A e, mais recentemente, no Japão. Nesta sessão, Suzanne Cotter anunciou o regresso deste grande artista a Serralves, no próximo ano 2016, para a realização da sua primeira exposição em Portugal. Aguarda-se pois, impacientemente, a oportunidade de receber e contemplar a obra que tanto fascinou o público nesta apresentação. Obra que, vista de perto, deverá permitir sentir a felicidade de Tillmans.

 


Constança Babo

 


:::


Referência bibliográfica:

Coleman, A.D. (1999). “Object Makers No More: The End of Physical Photography?”, Technology Review 102:3, pp. 89-91