Links

OPINIÃO


El Greco, “Verónica”, 1576-79


Félix Nadar, “Charles Baudelaire”, 1860


Moses A. Dow com o espírito de "Mabel", fotografia de William H. Mumler, 1870


Lee Friedlander, N. Y. C. (Shadow on Fur Collar), 1966


Lee Friedlander, “New York City”, 1974


Lee Friedlander, “New York City”, 1963


Joel Meyerowitz, “New York City”, 1976


Joel Meyerowitz, “New York City, 5th Ave. and 57th St.”, 1975


Joel Meyerowitz, “New York City”, 1978


Joel Meyerowitz, “From the Car, the South”, 1967


Jens Astrup, “Mona Gregersen espera pelo carro”, Vårst, Himmerland, 11h05 (“Histoires d’un jour” – Maison du Danemark)


Christoffer Askman, “Sortie du cercueil de la chapelle”, igreja de Humlebæk, 11h41 (Histoires d’un jour – Maison du Danemark)


Linda Henriksen, “A Princesa herdeira Mary na inauguração de Amager”, Strandpark _13h45 (“Histoires d’un jour” – Maison du Danemark)


Guy Tillim, “Ntokozo e o seu irmão Vusi Tshabalala em Ntokozo”, Milton Court, Pritchard Street, Johannesburg, 2004 (“Autre monde” – BnF)


Guy Tillim, “Jo'burg, downtown”, 2004 (“Autre monde” – BnF)


Malik Nejmi, “Loudfi e Adil, meus primos, Rabat”, série “El Maghreb / Imagens de um regresso ao país”, 2001 (“Autre monde” – BnF)

Outros artigos:

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE



ANTÓNIO PRETO

2006-10-18




Mesmo depois de submetida, no domínio da criação artística, à avaliação crítica da sua aptidão eminentemente documental, a fotografia nunca deixou, desde o seu início, de se propor como um eficaz instrumento de medição do mundo, reclamando ainda um inquestionável valor testemunhal. As contingências físico-químicas da fotografia analógica afiançam a realidade presencial das coisas: asseguram que o que quer que figure na imagem fotográfica tenha forçosamente de ter estado diante da objectiva, garantem uma relação indicial da imagem (real) com os objectos (reais). A fotografia sustenta-se assim, isso mesmo o observam Rosalind Krauss e Susan Sontag, num compromisso inquebrantável com a realidade física, instância categórica que confere à imagem fotográfica veracidade material, objectividade crítica e factualidade histórica. Por mais representações pictóricas e documentos escritos que tenham sido produzidos sobre Cristo, a sua historicidade só seria irrefutavelmente provada – considerando este enquadramento teórico e apesar de toda a controvérsia – com o Sudário de Turim ou com o véu de Santa Verónica (do latim, “vero icon”, ou seja, “verdadeira imagem”), significativamente, padroeira dos fotógrafos.


Criticada por Baudelaire (e mais tarde por Benjamin) por não passar de uma técnica automática de reprodução mecânica da realidade, um “refúgio de todos os pintores frustrados”, menosprezada por Ingres (que, no entanto, utilizava daguerreótipos de Nadar para a execução dos seus retratos e confidenciava: “a fotografia é melhor do que o desenho, mas não é preciso dizê-lo”), reduzida à função de mero instrumento e à qualidade de produto industrial, a fotografia não conseguiria, no entanto, destacar-se inteiramente dos estereótipos pictóricos. Contrariando os receios iniciais de que a fotografia se impusesse em substituição das formas tradicionais de representação, os fotógrafos centrar-se-iam na exploração de novos recursos, principalmente químicos, e de novas técnicas de enquadramento e de iluminação, distanciando-se do realismo da fotografia primitiva, tida como “cópia do real”, para se deterem na opacidade da imagem, passando assim a privilegiar abordagens subjectivas, interpretativas e discursivas, mais ajustadas às pretensões autorais.


No sentido inverso, a fotografia participaria com a pintura (liberta das concepções académicas sobre a composição), na revolução do olhar: casual e ordinário, capaz de ver a realidade em fragmentos e de apreciar e decompor os gestos e os movimentos. Se, por um lado, a fotografia se cinge necessariamente a um referente ocular, por outro, consegue tornar visível o que escapa à visão humana. A fixação da imagem e a congelação do movimento possibilitam uma observação prolongada dos objectos, a gestão dos períodos de exposição permite a sobreposição de tempos e de imagens. A fidelidade ao referente, mas também a falha técnica, dão do mundo imagens novas e inesperadas: o poder de desocultação da fotografia revela a aura dos retratados e, nalguns casos, mesmo os fantasmas que os circundam: o mundo é um lugar de simultaneidade.


Implicada na passagem do Romantismo ao Realismo e, portanto, do “belo idealizado” ao “real objectivo”, a fotografia retrata a emergência da burguesia e do proletariado, grupos carecidos de uma imagem social, partilhando com a pintura e com a literatura o imperativo de dar visibilidade à comédia humana, ao quotidiano das classes trabalhadoras. Courbet abandona o colorismo romântico em favor do cinzentismo desassombrado da vulgaridade, Zola, naturalista, radicaliza a crueza narrativa de Balzac e legitima a veracidade objectiva de “Germinal” com a experiência de dois meses de trabalho mineiro na extracção de carvão. A fotografia, por seu turno, reveste-se, naquilo que a liga fatalmente ao existente, de uma aura de “arte total”, nas palavras de Baudelaire, “um Deus vingativo que realiza o desejo do povo”: a democratização da imagem, a participação na verdade das coisas, o direito ao reflexo.



Durante o próximo mês de Novembro decorrerá, em Paris, a 14ª edição do “Mês da fotografia”, organizada pela Maison Européenne de la Photographie. Antecipando o que será o programa do encontro, o Jeu de Paume apresenta, no espaço Concorde, a primeira grande retrospectiva do fotógrafo americano Lee Friedlander (comissariada por Peter Galassi para o MoMA de Nova Iorque) e ainda, uma exposição de Joel Meyerowitz, “Out of the Ordinary, photographies 1970-1980”, patente no Hôtel de Sully.


Repórteres do quotidiano, Friedlander e Meyerowitz retratam, embora de modos diferentes, a vida urbana na América dos anos 60 e 70, tendo, como seria de esperar, em vista uma crítica à sociedade de consumo, conduzida nos moldes mais usuais da Pop. Fortemente influenciados por “The Americans”, de Robert Frank, descobrem, nessa abordagem etnográfica, uma América heterogénea, descontínua e desarticulada, contrastante com as imagens de estabilidade produzidas por Walker Evans e Berenice Abbott nas duas décadas anteriores.


Lee Friedlander participa, em 1966, na exposição colectiva “American Social Landscape” (apresentada em Rochester) e, no ano seguinte, vê o seu trabalho integrado em “New Documents” (MoMA), exposição conjunta com Diane Arbus e Garry Winogrand que visava dar a ver uma geração de fotógrafos empenhados num olhar objectivo sobre a América. A partir desta experiência, a noção de paisagem social passará a definir a sua pesquisa fotográfica, centrada na dissolução da figura humana na complexidade do espaço urbano. A justaposição e sobreposição de reflexos, transparências e projecções origina uma multiplicação de pontos de vista e enquadramentos ao mesmo tempo que, neutralizando a profundidade de campo, conglutina indiferenciadamente no plano da imagem múltiplos fragmentos entrecortados (incluindo-se aí a presença do próprio fotógrafo) que se articulam dispersivamente, produzindo novos sentidos e reverberações, entre o anedótico e o acidental. A abordagem caleidoscópica da paisagem social é unificada num olhar reconciliador sobre a natureza e, particularmente, sobre as plantas (motivo central da fotografia mais recente de Friedlander): embora preservando a complexidade barroca do espaço urbano – agora transformada em puro formalismo – a paisagem americana, apresentada pelo autor num estado edénico, é o espaço moralizador, de todos os retornos, de toda a redenção.


Joel Meyerowitz assume, relativamente à fotografia, uma postura modernista, mais intuitiva e electiva, valorizando, à maneira de Henri Cartier-Bresson, o “instante decisivo” como epifania e síntese tanto do inesperado como do banal. O autor confessa-se atraído “pela ideia um pouco perversa de utilizar a máquina fotográfica, capaz de tudo representar, para representar quase nada”. Com Harry Callahan e William Eggleston, Meyerowitz será um dos primeiros a empreender uma pesquisa estética sistemática sobre a fotografia a cores. Contrariando a supremacia do preto e branco na fotografia artística até à década de 60, Meyerowitz interessa-se pela cor como acrescento de informação e parte integrante do que define como field photographs: amplos enquadramentos sobre a arquitectura e o espaço urbano que abrem o campo a acontecimentos múltiplos e simultâneos onde todos os pormenores são significativos.


O que liga Meyerowitz e Friedlander é o que percorre várias das exposições recentemente apresentadas em Paris, o que parece ser o denominador comum de muita da fotografia contemporânea. Na Maison du Danemark pôde ver-se, até 15 de Outubro último, a exposição “Histoires d’un jour”, selecção de 130 fotografias da Dinamarca captadas por 100 fotógrafos profissionais ao longo das 24 horas do dia 18 de Agosto de 2005. Pedia-se aos participantes da maratona-concurso que as fotografias, identificadas com a hora e o local de captação, fossem “espontâneos, sem mise en scène nem retoques” para, com essas histórias “quotidianas ou insólitas”, mas, em todo o caso, verdadeiras, obter um retrato “vivo” do dia-a-dia da Dinamarca. O resultado da experiência não passa da mera confirmação do que se entende, no norte da Europa, por um dia corrente: com a maior ligeireza possível, todos os acontecimentos registados – que vão, naturalmente, do nascimento à morte, passando pelo pequeno-almoço em família às 8 horas da manhã, o passeio à beira mar, a cerveja ao fim da tarde e o sexo à noite – são, indiferenciadamente, nivelados pelo largo crivo do quotidiano: tudo é igual a tudo e, sobretudo, igual ao que já se sabe. No sentido oposto, a exposição “Un autre monde”, selecção da 6ª edição dos encontros africanos de fotografia, Bamako 2005, patente na Bibliothèque nationale de France, pretende questionar, pelo pluralismo, assente na mudança de pontos de vista, as representações estereotipadas da africanidade. Reunindo o trabalho de quinze fotógrafos originários de nove países de África e do Oceano Índico, “representativos da criação contemporânea nesses territórios”, Simon Njami, comissário da exposição, sustenta que a alteridade não corresponde necessariamente ao que está longe, ao estrangeiro, mas ao que se esconde, no quotidiano, de um olhar menos atento. A fotografia, que deverá procurar abster-se de uma objectividade narrativa e da fixação de uma pretensa “realidade real”, incumbindo-lhe, pelo contrário, perspectivar um mundo outro, paralelo, seria pois um instrumento privilegiado para desvendar a excepcionalidade no quotidiano. O que se verifica, no entanto, é que a procura desse “outro mundo”, fatalmente pitoresco ou ocidentalizado, sucumbe aos padrões estéticos da fotografia contemporânea, reproduzindo, sem contemplações, todos os lugares-comuns do olhar do ocidente sobre África.


Apostada no conhecimento da vida, das existências comuns, e na figuração de um real tangível (sendo que todas as apelidações do real são ideológica e politicamente dirigistas, porque conclusivas), a fotografia veio ocupar o lugar da pintura de género: a celebração dos costumes – agora convertida em cientificidade documental, não isenta de uma pesada carga demagógica – apresenta-se como prova segura da historicidade do quotidiano. O quotidiano é, por definição, esse estado sem sobressalto em que nada acontece, paliativo para todas as inquietações, princípio paralisante dissuasor de todas as mudanças. É o quotidiano, e não o estado de excepção, que assegura a manutenção do poder. O olhar sobre o quotidiano é assim um olhar invariavelmente descomprometido, que se exterioriza sem problematizar: a guerra em determinados territórios, como a prosperidade noutros são, para esse olhar, evidências quase naturais. Não se confundam, porém, as imagens de uma banalidade institucionalizada com a banalização das imagens: se o mundo real não é a preto e branco nem a cores, qual será pois a verdadeira imagem do quotidiano? Não será essa imagem uma imagem impossível?
Conhecidos os problemas sociais da França contemporânea, que quotidiano se dá a ver hoje em Paris? Quais são as suas imagens?




Uma semana depois da “Nuit Blanche”, evento megalómano e populista organizado anualmente pela Câmara de Paris que pretende dar a ver (e impor), espalhando-se por todos os bairros da cidade (mesmo pelos mais desfavorecidos), a jovial arte contemporânea francesa, aproximando-a assim de um público generalizado, habitualmente afastado das práticas artísticas, a mesma Câmara de Paris pretende agora obrigar a encerrar, com força policial, a La Genérale, espaço de uma fábrica abandonada há anos no centro de Paris, ocupado como lugar de trabalho, há cerca de um ano, por mais de 100 artistas (ligados às artes plásticas, ao teatro, cinema, vídeo, etc.) que intervinham activamente, com mostras semanais, no quotidiano estético e político parisiense.
Está feito o retrato.