Links

OPINIÃO


Dominique Gonzalez-Foerster,”Roman de Münster”.


Dominique Gonzalez-Foerster,”Roman de Münster”.


Bruce Nauman, “Square Depression”.


Clemens von Wedemeyer, “Von Gegenüber”.


Guy Ben-Ner, “I'd give it to you if I could, but I borrowed it”


Mike Kelley, “Petting Zoo” (Streichelzoo).


Martha Rosler, “Unsettling the fragments”.


Tue Greenfort, “Diffuse Einträge”


Susan Philipsz, “The Lost Reflection”.


Rosemarie Trockel, “Less sauvage than others”.

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

SKULPTUR PROJEKTE MÜNSTER 07



LÍGIA AFONSO

2007-09-04




O “skulptur projekte münster” é o mais democrático de todos os eventos artísticos de escala internacional. Fórum inclusivo, público, gratuito, festivo, lúdico e certeiramente realizado no centro da Europa, acontece no cenário idílico de Münster a cada dez anos desde 1977. Pioneiro na tradução expositiva das questões relacionadas com a cidade, o espaço urbano e a esfera pública, o seu desenvolvimento não segue um aparelho teórico determinante, contrariando a lógica conceptual da generalidade das mostras colectivas contemporâneas. A sua quarta edição promove uma necessária e pertinente reflexão sobre os desígnios da escultura enquanto disciplina equacionando, simultaneamente, o seu potencial transformador e a sua capacidade de intervenção crítica do e no espaço público.

Não é possível pensar Münster sem escultura ou escultura sem Münster. Estão indelével e historicamente interligados desde que a doação de George Rickey de uma obra sua à cidade provocou a indignação generalizada e a resistência dos residentes. O acontecimento motivou Klaus Bussmann, então curador do LWL – Landesmuseum für Kunst und Kulturgeschichte, a promover um debate alargado sobre arte moderna e contemporânea. Numa perspectiva pedagógica, organizou uma exposição histórica da escultura moderna no Museu e uma outra, paralela, no Schlossgarten. A polémica sobre a exposição, despoletada nos diversos media através da mobilização e participação popular, determinou-a de fulcral importância cultural para a cidade. A pacificação gradual do conflito e o entusiasmo crescente da comunidade permitiu a continuação do projecto em Münster (cidade alemã com um dos mais elevados níveis de qualidade de vida do mundo), onde assinala este ano trinta anos de existência.

No átrio do LWL, centro nefrálgico do projecto, é apresentada a primeira exposição retrospectiva do “skulptur projekte”. Comissariada por Brigitte Franzen, compila um arquivo de materiais preliminares à concepção das obras, sistematicamente reunidos e organizados por ano de realização. Desenhos originais, esboços, maquetas, modelos, correspondência, filmes, artigos de jornais ou comentários seleccionados, constituem o acervo documental do projecto em que participaram, ao longo de três décadas, cerca de 175 artistas. A exposição faz história da própria história da escultura reflectindo, a cada dez anos, as condições da sua produção e da sua inserção e recepção no espaço urbano. A não edição do catálogo desta exposição paralela é uma oportunidade perdida para a confirmação e validação da consistência programática do projecto.

Já ao catálogo da exposição “skulptur projekte münster 07” assiste uma qualidade estrutural irrepreensível, com destaque para o valiosíssimo glossário de conceitos e expressões teóricas relacionadas com o projecto e para a bibliografia alargada, ilustrada e comentada. Os projectos desta edição, justamente apresentados no catálogo, reflectem sobre a história do projecto e da própria cidade, contém referências mais ou menos directas a obras anteriores e dialogam abertamente com as trinta e nove esculturas permanentemente fixadas em Münster. É o caso de “Roman de Münster” obra em que Dominique Gonzalez-Foerster maquetiza, numa escala de 1:4, os trabalhos por ela seleccionados segundo uma perspectiva pessoal e biográfica como os mais relevantes de todas as edições do “skulptur projekte”, reunindo trinta e nove réplicas de obras de Ilya Kabakov, Tomas Schütte, Keith Haring ou Donald Judd, entre outras de autores históricos fundamentais. É também o exemplo de “Square Depression” de Bruce Nauman, uma monumental e performática pirâmide invertida, projectada para a exposição de 1977 mas apenas materializada em 2007. É, finalmente, a situação de “Münster Installation (Caravan)” de Michael Asher, uma caravana vintage que se move pelas ruas e habita, sempre que possível, os mesmos locais desde há trinta anos e se celebrizou como ícone do projecto expositivo.

Os três autores fazem parte do conjunto trinta e seis artistas internacionais (dos quais treze de nacionalidade alemã) que a tripla equipa curatorial (Kasper Köning + Brigitte Franzen + Carina Plath) convidou a fazer a exploração plástica da esfera pública da cidade nos seus mais variados aspectos, a partir dos tópicos Saúde, Recreação, Mundos Substitutos e Natureza. Apresentam trinta e quatro trabalhos que, sem surpresa, assinalam um radical redireccionamento dos suportes. A escultura dá agora lugar ao filme, ao vídeo ou à performance, que assumem total protagonismo nesta edição. A “ideia de escultura” é considerada pela equipa curatorial como fundamento conceptual dos trabalhos reunidos, mas a questão fundamental é saber se a “ideia” será ainda suficientemente reconhecível para lhe determinar a existência.

Os trabalhos respondem ao contexto urbano e apelam a participação pública activa, interagem com o ambiente, com as condições presentes em cada um dos lugares escolhidos, com a arquitectura e com a comunidade. Abrem-se à performatividade espontânea que o sentido não institucional de uma exposição isenta do peso constrangedor do museu (enquanto edifício e fenómeno cultural), deve promover. O percurso, pedestre ou de bicicleta, individualmente programado ou intuído, facilita a própria relação com a cidade e a sua apropriação pessoal. Muitas obras procuram uma localização não convencional, dispersas dentro do círculo definido pela promenade ou em extensão para fora do centro, entrando na natureza a partir das margens do lago Aa. A grande maioria dos trabalhos assume uma qualidade imaterial, uma crítica subtil e um sentido inesperado, transformando o “skulptur projekte münster 07” numa exposição de detalhes que arrisca, em última análise, a subversão da sua própria disciplina.

“Zone” de Mark Wallinger assume um protagonismo paradoxal à sua condição de invisibilidade. O trabalho determina uma espectacular circunferência de cerca de cinco mil metros, desenhada a linha de pesca no céu da cidade. A monumentalidade desta omnipresente escultura de céu impede o seu reconhecimento formal integral. O cruzamento do espectador com a obra é permanente mas fragmentário, também na medida em que o seu desenho é sistematicamente interrompido pelos edifícios onde se encontra suspensa. Encontrá-la não depende da capacidade de interpretação de um mapa-chave da exposição/cidade, mas da capacidade de transcendência para além do óbvio e do imediato. A obra demarca, simultaneamente, separação e unificação, exclusão e inclusão, lugar e não-lugar, matéria e anti-matéria, e resulta incontornável no contexto do projecto.

Gustav Metzger apresenta “Aequivalenz – Shattered Stones” (www.aequivalenz.com), uma acção transitória de registo não produtivo. Diariamente, um homem conduz uma grua até ao Westfällischer Kunstverein onde introduz uma palavra passe num computador cujo programa o informa da localização aleatória para onde deverá transportar um igualmente aleatório número de peças. A acção é fotografada e posteriormente colocada on-line, estabelecendo um paralelo documental com a obra “The Beggar´s Opera” (www.thebeggarsopera.org) de Dora García que, tal como a anterior, não tem lugar no mapa e contraria a tendência estaticizante de ocupação territorial característica das obras escultóricas. Aqui é um actor, um performer, um dândi, um novo cidadão-obra que deambula pela cidade como um mendigo que encontra em detrimento de se deixar encontrar, jogando com a lógica instituída de percurso dirigindo-se, ela própria, ao espectador.

Os filmes “Münsterlands” de Valérie Jouve e “From the Opposite Side” de Clemens von Wedemeyer documentam e ficcionam, em simultâneo, os percursos de habitabilidade permanente dos residentes e temporários dos visitantes da cidade. Se o primeiro é projectado numa inesperada sala de cinema improvisada numa passagem pedestre subterrânea, o segundo é exibido em loop contínuo no Metropolis, cinema histórico da cidade desactivado há oito anos, sem bancos (porque entretanto vendidos) e com a tela de projecção já queimada.

É ainda sobre o percurso artístico na cidade que o videofilme “I´d Give it to You if I Could, but I Borrowed it” de Guy Ben-Ner, filmado no LWL e apresentado numa instalação composta por três bicicletas de ginásio num gabinete de impostos, parodia. Num ecrã colocado entre o guiador de cada uma das bicicletas é exibido o filme cujo desenvolvimento é controlável pelo o espectador, consoante a velocidade e a direcção que imprimir ao pedal. Ben-Ner faz o relato lúdico, cómico e por vezes quase disparatado de uma ida familiar ao museu, na qual o artista e os seus filhos compilam os fragmentos de ready-mades de Picasso, Duchamp, Beuys e Tinguely para criar uma bicicleta que é posteriormente utilizada para percorrerem, em conjunto, a cidade de Münster. Ainda mais desconcertante, “Petting Zoo” de Mike Kelley põe em cena o episódio bíblico em que Lot abandona Sodoma e Gomorra. A sua mulher, transformada numa coluna de sal, determina o eixo central de uma tenda de zoo habitada por dez animais (póneis, cabras, galinhas, burros) que a lambem sistematicamente. A construção, em que se encontram ainda suspensos três ecrãs onde são projectadas imagens de formações rochosas, integra um parque temático com a caravana do tratador, um celeiro e uma discoteca, nas quais o visitante pode intervir alimentando e interagindo com os seus peculiares residentes.

Profundamente democratizadora, a obra “WC – Anlage am Domplatz” de Hans-Peter Feldmann propõe a transformação decorativa do WC público da Domplatz. Construído na década de 50 e renovado em 1987 aquando da visita do Papa à cidade, assistia-lhe o monocromatismo padrão e o mau-cheiro específico destes lugares públicos. Feldmann reformou as suas canalizações, colocou-lhes cerâmicas coloridas de alta qualidade, duas pinturas de grande formato e um luxuoso candelabro elevando, desta forma, a qualidade da sua utilização, sem sacrificar a sua condição de gratuitidade. De registo marcadamente histórico, “Unsettling the fragments” de Martha Rosler recompõe a memória da violência na cidade num jogo de duplicação de símbolos arquitectónicos reconhecíveis. Do conjunto das três instalações apresentadas destaca-se a realizada a partir de reproduções das jaulas de ferro originalmente colocadas (e ainda suspensas) na Igreja St. Lambert, onde em 1536 foram exibidos os corpos dos líderes Anabaptistas após a sua tortura e execução pública.

Nas margens do Lago Aa, “Diffuse Entries” de Tue Greenfort reflecte uma preocupação com o eminente colapso ecológico da cidade. Um tractor prateado dispara um jacto de água do próprio lago (artificial e poluído pela agronomia circundante) a grande pressão, cujo mau cheiro é intensificado com uma solução de cloreto de ferro. Sob a Torminbrücke, uma das pontes que atravessa o mesmo lago, Susan Philipsz apresenta “The Lost Reflection”, uma instalação sonora na qual a artista canta “Lovely night, oh night of love, smile upon our joys!” de “Tales of Hoffman” de Offenbach. A artista reencena a história da cortesã Julieta sem alterar o espaço mas apenas as condições da sua percepção, conduzindo o espectador à inevitável procura do seu reflexo contemplativo na água. Igualmente poética, “Less Sauvage Than Others” de Rosemarie Trockel é a grande aquisição do projecto para a cidade. Na mesma margem e no seguimento da obra de Philipsz, a sua construção courbet-duchampiana, realizada a partir de dois blocos de arbustos colocados lado a lado, recorta uma passagem que introduz o espectador à espectacularidade da paisagem que a obra define, põe em causa, modifica e reclama para dentro de si.

Com um extenso programa paralelo de mais de quarenta eventos entre filmes, debates, conversas com artistas e um complexo projecto educativo que inclui visitas de autocarro, de bicicleta e percursos pedonais, o “skulptur projekte münster” atinge uma participação activa muito significativa. Provocadora das audiências, presta-se a ser ela própria provocada pela intervenção crítica directa dos seus espectadores, tendo-se tornado mediático o desaparecimento não esclarecido da caravana de Asher durante dois dias.

Ao alargamento formal do projecto assiste o perigo de começar a ver obras onde estas não existem. As ténues fronteiras das obras com simples marcações de território urbano, não podem eclipsar o resultado e o sentido da criação artística. A eminência do perigo é, este ano, controlada pela elevada qualidade da generalidade dos trabalhos apresentados e pela selecção estratégica das suas localizações. Imaginar o desenvolvimento conceptual das obras a apresentar na próxima edição é, dada a inflexão tipológica das práticas de trabalho e o esgotamento progressivo dos espaços disponíveis, praticamente impossível. Münster pode reagir ao fenómeno com o acréscimo do seu enfoque teórico, beneficiando do período reflexivo dos dez anos que lhe restam. O debate assume absoluta pertinência na contemporaneidade artística e cultural. Afinal, o que é a escultura hoje?


Lígia Afonso


skulptur projekte münster 07
17 Junho – 30 Setembro