Links

OPINIÃO


Zaum Projects


Mónica de Miranda. Plataforma Revólver


“Revolução cinética”. Museu do Chiado


Victor Palla. P4Photography


Vasco Araújo. Galeria Filomena Soares


João Pombeiro. Galeria Paulo Amaro


João Serra. Vera Cortês


Lygia Pape. Galeria Graça Brandão


Alexandre Estrela. Chiado 8


Rita GT. Galeria Baginski


Christian Andersson. Galeria Cristina Guerra


Miguel Santos. Galeria Pente 10

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

LISBOA – CULTURE FOR LIFE



PEDRO DOS REIS

2008-06-18




Apesar do clima de crise, que diria quase crónico, que se vive no país, o certo é que se sentem mudanças e para melhor - até uma nova energia no ar. Ainda que a gerir o “jet-lag” e algum cansaço acumulado na preparação das breves férias, foi com alguma satisfação que voltei a caminhar pela “minha” cidade e apreciar os jacarandás em flor, para além dos lugares que habitam normalmente a minha memória. As duas semanas que passei em Lisboa foram assim dedicadas à família e aos amigos e também a visitas a museus, galerias e outros espaços dedicados à arte. Contudo, tal como os amigos, também alguns espaços ficaram de fora, para muita pena minha.

A maior crítica que faço é que existe uma enorme dispersão destes espaços (tal como os amigos) pela cidade. Nova Iorque, para além da sua estrutura ortogonal tem também a vantagem da concentração. Alguns poderão discordar desta forma segregada, ou especializada de organização urbana em volta de uma actividade, mas o certo é que facilita a vida a quem procura um certo tipo de informação ou vivência. O número de espaços visitados em Lisboa durante duas semanas, foi assim menor do que os que posso ver numa tarde em Chelsea. Ainda assim, a qualidade da “oferta”, que tive oportunidade de ver não lhe fica atrás.Outra diferença notável foi a afluência do número de pessoas a estes espaços – nula ou quase inexistente: outra grande diferença para a realidade com a qual convivo habitualmente em Nova Iorque.

Logo no primeiro dia e porque tinha recebido informação acerca da inauguração visitei a Zaum Projects. Esta nova galeria perto de Nova Campolide tem a particularidade de apostar em novos artistas, com uma forte predominância de artistas estrangeiros. A exposição presente é um “showcase” dos artistas com que a galeria se propõe trabalhar e existem algumas propostas interessantes a acompanhar. O espaço amplo e luminoso, para além da selecção de artistas expostos, reflecte uma nova energia que esta galeria quer trazer à cidade. De seguida, e embora possa parecer um pouco tendencioso visitei o espaço Transboavista. O edifício que alberga a Plataforma Revólver, Rock Gallery e VPF Cream apresenta três exposições em simultâneo: Mónica de Miranda expõe “Novas Geografias”, na Plataforma Revólver; Nádia Duvall mostra um trabalho onde se sente a performatividade do acto de produção artística, na Rock Gallery; e Frederico Ferreira exibe umas interessantes esculturas (com reminiscências da Era Espacial) que se cruzam com uma exploração acústica (Tecnognose), na VPFCream Art.

No dia seguinte, foi a vez de ver “Revolução Cinética”, no Museu do Chiado – uma boa forma de tentar vencer o “jet-lag”. A exposição focada na OpArt apresenta vários trabalhos relevantes desse período artístico, que curiosamente me lembraram a exposição de Olafur Eliasson, que pude visitar recentemente no MoMA e no PS1. Porém, existem certas diferenças relativas à monumentalidade destas exposições (como tive a oportunidade de referir na crítica que escrevi recentemente). Ainda assim, não foram as diferenças ao nível da produção da exposição do Museu do Chiado que mais me surpreenderam, mas sim o fraco número de visitantes. Um problema que não passa claramente pela qualidade das obras expostas, mas sim por falta de público – também contrastada pelo número de pessoas na esplanada da Brasileira, que era notavelmente maior. Acidentalmente e porque na maioria das vezes estive a caminhar pela cidade, acabei por “descobrir” um local não esperado (na Rua Nova de São Mamede), onde se encontrava uma exposição de fotografia de Luiz Carvalho. As fotografias retratavam vários momentos captados por este fotógrafo – umas vezes a cores, outras a preto e branco. Um sinal de que a fotografia de cariz mais fotojornalista continua viva e tem também uma importância documental considerável.

Ainda no “modo fotográfico” tive a oportunidade de visitar a galeria P4Photography onde pude ver a exposição de Inês Gonçalves e o trabalho de Victor Palla – que se preparava para ser vendido em leilão. Este artista surpreendeu-me pela capacidade criativa e técnica com que desenvolveu os seus trabalhos, ainda que na altura não tivesse à sua disposição os meios de hoje em dia. Outro factor surpreendente é a abrangência do seu trabalho: desenho, pintura, fotografia e design gráfico. Que a notariedade que o leilão parece ter atingido ajude a divulgar melhor o trabalho deste autor.

A Oriente, mais exactamente na zona de Xabregas, pode ver-se um vídeo maravilhoso, de Vasco Araújo. “Ex Ovo Omnia” está presente na Galeria Filomena Soares e, para além dele, encontram-se também outros trabalhos do mesmo artista. Não muito longe, na galeria Paulo Amaro, João Pombeiro apresenta “Meaningless”. A palavra é a base de trabalho deste artista, que a manipula com uma certa ironia. A exposição compreende pintura e instalação, onde recorre também a novas tecnologias.

No lado oposto da cidade, acabei por ter apenas tempo para visitar o piso inferior do CCB. A exposição “Utopias”, comissariada por Paul Wombell no âmbito da PHotoEspaña, reúne vários trabalhos fotográficos onde é feita uma reflexão sobre as esperanças no futuro, que outrora foram trazidas pela arquitectura modernista. Retrata-se a sua situação actual, onde impera a decadência e a marginalidade, com registos sobre a imagem do subúrbio marginal (ou marginalizado) retratada em filmes, como “La Haine”. Um contraste claro com as ambições dos seus projectistas. Ainda que com pouca gente, notou-se uma certa animosidade no espaço do CCB, com a presença de escolas e alguns “turistas” (sendo que eu também era um deles).

Na direcção do centro, a Agência Vera Cortês apresenta uma exposição de fotografia de João Serra (ver crítica de Miguel Caissotti, acerca da mesma). A caminho do Bairro Alto, paro no Voyeur Project View. Espreitando pelo óculo, vejo o trabalho de Pedro Saraiva. Entretanto, uma das portas está aberta e resolvo entrar. Do outro lado encontra-se uma peça de vídeo a “descobrir” de António Nuno Júnior, um trabalho que recorre a várias técnicas de apresentação, mas com uma estética muito própria. Demoro-me um pouco à conversa com o responsável do projecto – Rodrigo Vilhena. Um projecto que talvez seja dos mais “alternativos” que pude visitar e que aconselho vivamente. Continuando para cima, vou até à ZDB. Está fechada. Uns dias antes tinha reparado nisso, mas nesee dia era suposto estar aberta. Para muita pena minha não pude lá voltar. Entretanto, na Rua dos Caetanos pude visitar a exposição de Lygia Pape, “But I fly” – talvez das exposições mais bonitas que pude visitar. O espaço da galeria (Graça Brandão) foge a certas regras do “white cube”, que neste caso são devidamente aproveitadas para a reconstrução das enormes esculturas-teia desta artista (já falecida, mas realizadas sob orientação dos seus herdeiros e preservadores da sua obra). No piso inferior existe também um vídeo muito bonito e no acervo poderão ser vistos desenhos da artista. À noite há tempo para a inauguração de “Analema ou o Tempo Traduzido”, num pavilhão do Hospital Júlio de Matos. O “peso” das memórias das paredes criou certos desafios ao projecto curatorial de Raquel Guerra, que foram ultrapassados de forma inteligente, pelos artistas participantes.

Entretanto, o calor voltou a Lisboa. Já em contagem decrescente, aproveitei para me refrescar nos jardins da Gulbenkian. Não foi possivel ver “Tilt”, a exposição de Pedro Cabral Santo, por falta de tempo e para muita pena minha. Pude, no entando, visitar a exposição dos participantes no Programa Criatividade. Apesar de muitos destes participantes já terem algum percurso no mercado da arte foi com alguma surpresa que notei uma certa “escolaridade” na forma como apresentaram os seus trabalhos; mas talvez essa fosse a intenção do dito programa. Ficou no ar. Contudo, algumas das propostas eram verdadeiramente interessantes e apenas perderam por aparecerem dentro daquele contexto limitativo.

Os dias seguintes foram uma maratona, para tentar ver o máximo número de galerias e espaços que podia. Apesar de passar muitas vezes em frente ao espaço do Chiado 8, apenas passados uns dias o pude fazer. Alexandre Estrela é o artista convidado por Ricardo Nicolau a “ocupar” o espaço e que o faz de forma brilhante, com três trabalhos: “Um homem entre quatro paredes”, “The overt statuette” e “O cancro esconde-se nos cantos”. Por sorte, tanto o comissário, como o artista estavam presentes e tive o privilégio de uma visita guiada.

Perto do Cais do Sodré, a galeria Quadrado Azul apresenta Brasil, de José de Guimarães. Já na Rua de S. Paulo, a galeria Fernando Santos expõe “Seis” de João Tengarrinha. Na Rua da Imprensa Nacional, a galeria Baginski mostra “Uma exposição em tres tempos” onde Rita GT, Ramiro Guerreiro e Erika Erickson & Mathias Benfield expõem as suas propostas. Sobressai claramente a instalação de Rita GT, com a sua instalação, em que se destaca uma performance registada em vídeo e exposta em cima de uma pilha de jornais.

Na Estrela, a galeria Cristina Guerra mostra o trabalho de Christian Andersson com três propostas interessantes. Infelizmente o tempo não sobeja e tenho de sair. Por outro lado, sente-se no ar o trabalho que esta galeria está realizar fora de portas – provavelmente a acompanhar João Onofre, em Basel.

Em plena Avenida da Liberdade, mais um espaço alternativo – ou melhor, de experimentação artística – Espaço Avenida. O primeiro andar encontra-se ocupado por uma exposição colectiva, de onde destaco o vídeo de Beatrice Cantazaro e os desenhos de Catarina Patrício. Nos restantes andares acima encontram-se estúdios de alguns artistas – entre eles Pedro Barateiro, segundo me informaram. No rés-do-chão, Gonçalo Pena encontra-se a trabalhar no seu atelier. Tira-nos uma fotografia para a sua colecção. Já perto do Jardim das Amoreiras demoro-me num novo espaço – Galeria Pente 10. O espaço vai-se descobrindo e é uma completa surpresa, assim como as fotografias de Miguel Santos em “Love forbids us to Love”.

O ritmo apressado em que ocorreram estas visitas impede-me de tecer comentários mais analíticos e/ou profundos do que os que foram sendo referidos ao longo do texto. Porém, o sentimento é positivo. Sente-se um trabalho de fundo e com qualidade, por parte de todos os intervenientes, que só não é correspondido pela falta de interesse do público. Talvez seja preciso mais “Culture for Life”.


Lisboa, Junho de 2008