Links

OPINIÃO


Erik Gongrich (convidado do Oda Projesi), “Picnic”, 2001, por ocasião do projecto “A Day in the Room” (2000-02), Bairro Galata, Istambul.


Erik Gongrich (convidado do Oda Projesi), “Picnic”, 2001, por ocasião do projecto “A Day in the Room” (2000-02), Bairro Galata, Istambul.


Oda Projesi, “Riem Project”, 2003, por ocasião do projecto Kunstprojekte_Riem, na área residencial de Messestadt Riem, Munique.


Oda Projesi, “Riem Project”, 2003, por ocasião do projecto Kunstprojekte_Riem, na área residencial de Messestadt Riem, Munique.


Oda Projesi, “Riem Project”, 2003, por ocasião do projecto Kunstprojekte_Riem, na área residencial de Messestadt Riem, Munique.

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO



MARTA TRAQUINO

2009-03-04




A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO: O TRABALHO DO GRUPO ODA PROJESI *

O Oda Projesi é um projecto de três artistas: Özge Açikkol, Günes Savas e Seçil Yersel. Começaram a trabalhar juntas em 1997 partindo das possibilidades de relação entre espaços públicos da cidade turca onde nasceram e vivem, Istambul, e os workshops que realizavam com grupos de crianças (actividades que na altura não tinham lugar em nenhuma instituição cultural da cidade). Em 2000 adoptaram o nome Oda Projesi e iniciaram as suas actividades num apartamento de três quartos, alugado num prédio de um antigo bairro de Istambul, Galata, o mesmo local onde começaram por desenvolver os workshops em 1997.

Galata está localizado no centro de Istambul, próximo de uma zona de entretenimento, ao pé da famosa rua pedonal Istiklal. Possui um modo de vida cosmopolita e desde há séculos que acolhe minorias sociais. A arquitectura de Galata caracteriza-se por um estilo clássico urbano de século XIX, destinado, na altura da sua construção, a moradores ricos. Em consequência de mudanças políticas, os prédios viriam a ser abandonados. Desde os anos setenta os seus quarteirões são maioritariamente habitados por imigrantes de várias zonas rurais, mais tradicionais, da Turquia.

O apartamento do Oda Projesi, em Galata, funcionou como um lugar de encontro entre vizinhos e plataforma para projectos, dentro e fora das suas paredes, gerados em cooperação com as pessoas da zona e outras, e com artistas convidados. Diversos, os projectos podiam ser: exposições, conversas e debates, picnics, concertos, actividades com crianças, etc. Os moradores do bairro envolviam-se na sua maior parte, não apenas enquanto audiência mas também como participantes.

Segundo as artistas, o principal objectivo do Oda Projesi é multiplicar as possibilidades de fazer prestando atenção a modos de vida comuns. Ou seja, recuperar a vida quotidiana como um modo de fazer arte, entendida como uma escultura social formada pelas relações entre pessoas e espaços. Uma espécie de performance colectiva em processo contínuo. Para o Oda Projesi, as actividades que ocorrem num espaço específico determinam a sua existência e forma. Procura-se investigar como as pessoas se relacionam com os espaços e os utilizam, através de uma relação flexível entre acção e espaço. Daí, explorar a (re)criação de diferentes lugares passando pelas maneiras de usar situações espaciais e cultivar interacções, lugares esses que promovem relações alternativas entre o espaço privado e o espaço público. Quando as artistas perguntaram a uma rapariga de dezasseis anos, moradora do bairro, se o espaço do Oda Projesi era um espaço de exposição, ela respondeu que às vezes era e outras vezes não, dependendo daquilo que lá se colocava. Oda significa quarto/espaço e Projesi significa projecto.

A posição das artistas do Oda Projesi nada tem a ver com a de artistas convidados para trabalhar com uma comunidade. Trata-se de uma escolha voluntária, o que faz grande diferença, e as próprias artistas pertencem à comunidade, com o seu lugar no bairro. A relação entre o Oda Projesi e o bairro Galata desenvolve-se ao longo do tempo, sem limites pré-estabelecidos e sem pressa. O projecto não depende de apoios institucionais, por conseguinte, não se subordina a atingir expectativas definidas por outros distantes da comunidade. Só deste modo se cumpre o desejo das artistas de criar um monumento composto de gestos da vida quotidiana e de camadas de memórias da comunidade. Primeiro, avizinharam-se das pessoas pela informalidade do dia-a-dia e, depois, os projectos começaram naturalmente a desenvolver-se encadeados. Sem separação entre o “mundo da arte” e o “mundo real”. Há ainda um grande cuidado por parte das artistas em evitar em transformá-los em objectos vendáveis, como obras para serem expostas. Os projectos têm é uma documentação, como espécie de diário com interpretações personalizadas, registadas após a realização das actividades. Deles resulta também (e este é o aspecto mais importante) a memória das experiências nos seus participantes.

O Oda Projesi tem um método de trabalho que estabelece uma relação estreita com características específicas da própria cidade, adoptando o seu estilo de vida e modos de funcionamento. Mesmo antes de o começarem, as artistas já percorriam a cidade pelas suas diversas zonas, fotografando e filmando, reflectindo sobre como a arte nela se pode produzir e apresentar. Na sua opinião, Istambul é uma cidade de formações orgânicas criadas pelos seus habitantes independentemente do poder e das regras determinadas pelo governo local, o que a torna dinâmica continuamente. Utilizando uma metáfora curiosa, comparam Istambul com as cidades ocidentais: estas são como os museus tradicionais, enquanto que a primeira se aproxima mais de um museu de arte contemporânea relacional, flexível, orgânico, orientado pelo “processo”. A instabilidade económica e política de Istambul dá origem a espaços adaptáveis a diversas situações (por exemplo, uma casa para quatro pessoas que acolhe dez), não confinados à especialização e funcionalidade única dos espaços de países economicamente mais estáveis (onde uma escola é construída para apenas assim ser). Este aspecto é interpretado pelo seu lado positivo no trabalho do Oda Projesi, na medida em que se relaciona com a ideia de flexibilidade do espaço e permite a consciência, por parte das pessoas, do seu poder transformador do ambiente em que vivem, privado ou público.

Entre 2000 e 2002, o Oda Projesi convidou vários artistas a passar um dia num dos quartos do apartamento desenvolvendo uma actividade com moradores do bairro. Das várias realizadas no âmbito de “A Day in the Room” (Um Dia no Quarto) destacamos três. “Slide Show”, realizado no dia 30 de Agosto de 2000 pela artista Aydan Murtezaoglu, consistiu numa mostra de slides às crianças do bairro. O conjunto de slides era constituído por dois tipos de imagens: algumas do álbum de família da artista e outras tiradas por si e transformadas em obras de arte através de intervenções subtis. As imagens funcionavam como um ponto de partida para uma conversa com as crianças sobre o que leva um trabalho a ser considerado “arte”, uma vez que a fronteira entre os trabalhos da artista e a sua vida diária era quase imperceptível, sugerindo às crianças estabelecerem relações também com as suas próprias vidas.

No dia 9 de Setembro de 2000, a artista Özge Açikkol (do Oda Projesi) realizou “Bring Something From Your House” (Traz Algo da Tua Casa). Pedia-se às crianças do bairro que trouxessem algo das suas casas para o quarto central, vazio, do apartamento do Oda Projesi. Ao longo do dia as crianças foram colocando diversos objectos no quarto através da janela (que dá para o pátio do prédio), como se fosse uma espécie de armazém. Com os vários objectos organizaram um quarto, cheio de carpetes, almofadas, pequenas mesas com flores de plástico e brinquedos. Depois, ali passaram o resto do dia, a comer e a brincar. No final, cada um levou as suas coisas de novo para casa.

“Picnic” foi a actividade realizada pelo artista Erik Gongrich no dia 10 de Junho de 2001. Desta vez, o projecto acontecia no pátio do prédio, inspirado pela cidade de Istambul que é, aos olhos do artista, uma “cidade-picnic”. Gongrich constatou que bastava estender uma carpete no chão da rua para que o espaço público se tornasse privado. O chão do pátio foi coberto por diversas carpetes de plástico, como as usadas no espaço urbano de Istambul para diversos efeitos, e convidaram-se os habitantes do bairro. Todos levaram alguma comida. Também pelas suas características arquitectónicas, de repente o pátio transformava-se em espaço interior com o ambiente criado. As crianças tiravam os sapatos para brincar em cima das carpetes. Pessoas de fora também participaram. Na sua maior parte, as mães estavam no pátio, os pais participavam pelas janelas das casas.
“Picnic” durou até à noite. Quando escureceu, Gongrich fez uma sessão de slides com imagens de Istambul. Todas as pessoas tinha histórias pessoais ou de familiares a contar em relação com o que identificavam nas imagens. Decorreu um longo serão, animado pela partilha de experiências.

Em síntese, mais do que formulados isoladamente, a arte relacional do Oda Projesi implica uma rede de projectos num processo de continuidade inter-relacional. O seu método de trabalho assenta neste encadeamento de projectos anteriores que inspiram os seguintes, e derivando das relações diárias com os seus vizinhos, comungarem e viverem as diferenças entre as pessoas. As experiências em Galata são utilizadas como matriz para outros projectos noutros lugares, mas cuja base é sempre uma micro-situação, com situações muito pessoais. E desde que o grupo começou a receber convites para outros contextos, países, comunidades, promove uma cuidadosa reflexão de modo a preservar a coerência com os princípios do projecto, habitualmente sem dependência de instituições, organizações ou galerias. Por vezes, as próprias dificuldades económicas originam modos específicos de construir e gerir os projectos.

Em 2003, convidado pelo Kunstprojekte_Riem e pelo Kunstverein Munich, o grupo trabalhou durante um mês na Messestadt Riem, nova área residencial a Este de Munique, Alemanha, na qual vivem famílias de sessenta nacionalidades diferentes e diversas condições socio-económicas. O Kunstprojekte_Riem foi um projecto ambicioso, comissariado por Claudia Butter, de iniciativa da cidade de Munique para integrar trabalhos artísticos nessa área em desenvolvimento no terreno do velho aeroporto. Cederam ao Oda Projesi um espaço na zona residencial para funcionar como ponto de encontro, espaço para workshops e outros eventos de um dia, à semelhança de iniciativas anteriores. Este espaço ficava ao lado do local oficial de encontro entre os moradores, quase sempre deserto. Naturalmente, devido à afinidade da língua, a primeira aproximação deu-se com as famílias turcas e os contactos alargaram-se depois às restantes pessoas. Contaram com a ajuda de um casal turco, dono de uma pequena mercearia na zona, na qual se realizaram também vários encontros entre residentes, com mostras de vídeos realizados na área residencial.

A equipa do Oda Projesi manteve o seu espaço em Riem aberto vinte e quatro horas. Especialmente as mulheres da zona utilizaram-no para desenvolver actividades diárias. Aí podiam realizar-se cortes de cabelo, jantares ou apresentações de cultura turca aos outros moradores (e vice-versa). Enquanto “casa de arte” o espaço induzia à penetração da prática artística no quotidiano. Um dos principais locais que determinam as características desta zona residencial é o edifício de habitação social designado Galeriahaus, no qual habitam seiscentas famílias. Tem no interior um enorme pátio fechado, coberto por vidro, à semelhança de um hospital ou de uma prisão. Aqui o Oda Projesi organizou lanches, com música e dança. Rolos de papel de quarenta metros de comprimento foram colocados à volta do edifício para que todos deixassem um registo pessoal, criando uma espécie de suporte de memória comum. Os resultados davam origem a novas conversas.

Sobre este projecto, que se designou Riem Project (Projecto Riem) a crítica de arte Nina Montmann disse que o Oda Projesi criou “um ‘estar juntos’ temporário e um ponto de identificação. As relações e actividades resultantes poderiam continuar e permitir que fosse estabelecida a urgente necessidade de estruturas. Os encontros, conversas e acções colectivas em Riem correspondem ao que é descrito por Homi Bhabha num contexto pós-colonial: ‘Estes espaços-entre possibilitam o terreno para elaborar estratégias de ser – singular ou comunal – que iniciam novos sinais de identidade, inovando sítios de colaboração e contestação, no acto de definir a própria sociedade’ (Bhabha, 1994: 1-2). Os ‘espaços-entre’ sociais, produzidos pelo Oda Projesi vêem da ideia de possibilitar novos modelos para a identificação e para a colaboração, sem o conteúdo económico, que tornem próximo o contacto com o estrangeiro.” (1).

As práticas do Oda Projesi potenciam-se em estreita relação com o espaço público, sem dúvida o terreno mais fértil para a arte trabalhar com o Lugar. Despertariam, aliás, para uma longa análise em torno do que, ao longo das últimas décadas, tem vindo a caber dentro da definição de “arte pública”. Mas neste momento interessa atender ao que julgamos ser o essencial desse universo da “arte pública”: os modos de aproximação do artista em relação ao Outro, a recepção participante, nos quais se viabiliza o ponto de partida para desenvolver no espaço público contemporâneo a abordagem ao Lugar. A própria noção de Experiência incorporada na arte contemporânea estrutura-se nesse envolvimento do Outro na obra como seu factor constitutivo.

Numa sociedade de acentuada privatização (e veja-se, literalmente, o aumento do “fenómeno” dos condomínios fechados) e descontextualização com vidas e imaginários mais “descolados” dos lugares, a arte no espaço público pode desempenhar um papel relevante na mediação da relação entre as pessoas e os seus contextos. Será também um espaço ideal e pragmaticamente dialógico e cívico quanto mais se cultivarem aproximações, ultrapassando barreiras físicas, sociais, ideológicas e políticas.

Nas propostas do Oda Projesi a arte configura um espaço autónomo de comunicação em que se convidam as pessoas a questionarem-se sobre a representação das coisas, em alternativa à exposição mais passiva incutida pelos mass-media. As práticas destas artistas não apresentam imagens; antes enquadramentos para a viabilização de experiências, nomeadamente a do encontro face-a-face, o confronto directo com a diferença, a pluralidade de faces num mesmo bairro. Não se trata de meramente observar e interpretar. Interessa a possibilidade de ocorrência de diálogo, de modo a que se possa abraçar a pluralidade da sociedade contemporânea.

No contexto do espaço público, em sentido de espaço partilhado por esta vertente artística que previligia, assim, as capacidades de audição e interacção, há também consciência de que o Lugar já não se confina a uma área, a fronteiras limitadas de apenas uma história interna. Intersecta uma ampla constelação de relações sociais e simbólicas. Como define a geógrafa Doreen Massey (2), os lugares concretizam momentos articulados de redes de relações específicas e mais extensas. As suas ligações implicam a imbrincação local/global, e os artistas quando ajem no sentido de (re)construir lugares — ou heterotopias específicas, segundo um termo de Foucault — acabam sempre por se inscrever num duplo processo de translocalização e relocalização. Aí, e como proclama o crítico e comissário independente Hou Hanru, a sua missão associa-se mais à crença e defesa de que “o valor real ou o significado real da arte na sociedade não está no permitir alguns objectos ou experiências estéticas agradáveis, mas no criar espiritualmente, intelectualmente ou culturalmente determinados valores; permitir referências para a sociedade avaliar a sua própria existência. Para isto, o compromisso artístico é muito mais significativo do que simples experiências artísticas.” (3). Por isso, não são artistas no interior do paradigma da economia de mercado — do mercado da arte com a circulação física e financeira de obras. Essa missão é, em síntese, a de promover e requalificar a cidadania. Querem trabalhar para que haja menos…

“Homens que são como lugares mal situados
Homens que são como casas saqueadas
Que são como sítios fora dos mapas (…)
Homens agitados sem bússola onde repousem (…)
Que são como caminhos barricados (…)
(…) que são como danos irreparáveis (…)
Homens que são como sítios desviados
Do lugar” (4)


Marta Traquino
Artista Plástica e Investigadora em arte contemporânea.



NOTAS
* O presente texto é um fragmento da dissertação A Construção do Lugar pela Arte Contemporânea (Marta Traquino, ISCTE 2006).
(1) Möntmann, Nina, Mixing with the locals, in www.tenstakonsthall.se/?subDir=doc&id=252, Abril 2006.
(2) Massey, Doreen, Space, Place and Gender, Cambridge, Polity Press, 1994.
(3) Hanru, Hou in Pietromarchi, Bartolomeo, (ed.), The [un]common place: art, public space and aesthetics in Europe, Barcelona, Fondazione Adriano Olivetti and Actar, 2005, p.22.
(4) Excerto de um poema de Daniel Faria (1998) in Poesia, Famalicão, Quasi Edições, 2003, pp.144-145.