Links

OPINIÃO


Cildo Meireles. Exposição “Fare Mondi”. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


John Baldessari, “Ocean and Sky (with Two Palm Trees)”, 2009. Cortesia do artista. Exposição “Fare Mondi”. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Bruce Nauman, “The True Artist Helps the World by Revealing Mystic Truths (Window or Wall Sign)”, (cópia de exibição), 1967. Colecção do Philadelphia Museum of Art


Claude Lévêque, “Le Grand Soir”, 2009. Pavilhão da França. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Liam Gillick, “Untitled” (imagens de pesquisa), 2009. Pavilhão da Alemanha. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


“The Collectors”. Pavilhão Dinamarquês e dos Países Nórdicos. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Lamya Gargash, “Familial Spaces”, 2009. Fotografia: © Lamya Gargash. Pavilhão dos Emirados Árabes Unidos. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Ming Wong, “Imitation of life”, 2005. Pavilhão de Singapura. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Kristina Norman, “Kinetics of Power”, 2009. Pavilhão da Estónia. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


André Cadere, “Six barres de bois rond”, 1975. Collection musée national d'Art moderne - Centre Georges Pompidou, Paris. © Foto: CNAC/MNAM, Dist. RMN © Philippe Migeat. Permission by SIAE, 2009


Tobias Rehberger, “Rendering”, 2009. Cortesia: Fondazione La Biennale di Venezia. Bar Caffetteria. Palazzo delle Esposizioni. Giardini, Veneza


Aleksandra Mir, “VENEZIA (all places contain all others)”, 2009. Foto: Medioimages, Photodisc Getty Images. Exposição “Fare Mondi”. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Tomas Saraceno, “Galaxy forming along filaments, like droplets along the strands of a spider´s web”, 2008. Local: Tanya Bonakdar Gallery, Nova Iorque


Paul Chan, “Sade for Sade's Sake” (detalhe), 2008-2009. Exposição “Fare Mondi”. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Hans Peter Feldman, “Schattenspiel (Shadow Play)”. Exposição “Fare Mondi”. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009


Paolo W. Tamburella, “Djahazi”, 2009. Pavllhão da União das Comores. 53ª Exposição Internacional de Arte, La Biennale di Venezia, 2009

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?



LÍGIA AFONSO

2009-08-03





“Would you say yes to Venice?”


A primeiríssima de todas as bienais de arte abriu em Veneza no início de Julho, com a pompa habitual a contrariar as reservas economicistas, dirigida, em primeira instância – o que é o mesmo que dizer um histérico fim-de-semana de filas, jantares e festas mais ou menos glamorosas – a um séquito de milhares de profissionais do meio entre os quais se contabilizaram cerca de quatro mil jornalistas credenciados. Apesar da sua historicidade, suposta importância e escala incontornável, Veneza revelou-se praticamente invisível na imprensa portuguesa. Relevante seria que a razão desse silêncio se prendesse com a sistemática omissão de interesse dos curadores protagonistas destes grandes eventos na integração de obras de artistas portugueses, e que esse manifesto estimulasse um debate consciente e conducente à definição de uma estratégia política de actuação internacional. Mas não. São os viciosos desamores internos que explicam, alimentam e agigantam os vazios que gradualmente adensam o buraco negro. E se este aprisiona o som, o que será feito da voz?



Bienal de Veneza ou “Things and people deserving a kick” segundo Marinetti


É verdade que há pouco de bom (ou de novo, ou de sério, ou de a sério) para dizer. Mas raramente há. E pelas estatísticas de quem passa e vai ouvindo lá e cá, há menos a cada dois anos que passam. Está velha e cansada a bienal (o que é perfeitamente compreensível aos cento e catorze anos) e leva de arrasto, com a sua proposta curatorial, os exercícios expositivos dos setenta e sete países participantes com pavilhões nacionais. Ou será que são, pelo contrário, as múltiplas exposições, com múltiplas escalas, formatos e discursos, sofregamente dispersas em números que a sanidade, física e intelectual, de um humano médio recusa, que contribuem para a fragmentação e esvaziamento do modelo? São territórios subestimados, os das ilhas, e Veneza expande-se, constante e invisivelmente. Doutra forma, como justificar as dezenas de quilómetros calcorreados para chegar ao fim de uma semana e perceber que ainda faltavam quinze pavilhões nacionais, trinta eventos colaterais e mais um número indefinido de exposições, supostamente imperdíveis (assinaladas por cartazes que não param de aparecer com protagonistas de meter inveja) para visitar? Curiosamente, os fungos também se desenvolvem e multiplicam em locais quentes e húmidos.



O meu país é melhor que o teu *


A competição é feroz. A popularidade de um país (e toda a gente sabe isto) mede-se pela preponderância do design de sacos de pano impressos utilizados, ora ao ombro ora a tiracolo, pelo visitante, cromaticamente conjugados com a indumentária de autor eleita para o dia. E todos os artistas deixam de se importar que o seu nome se substitua ao do seu país, se for para ser o melhor, receber mais prémios e estrelinhas do júri. Todos esperam que o público lhes dedique mais do que cinco minutos de atenção. E alguns merecem-no, evidentemente, não fosse a prostração artística decorrente da farta miscelânea tornar esse desejo em arrogância (estou certa que tudo seria diferente se deliberassem democrático o usufruto funcional dos iates e do submarino por ali aportados). Com a luta de classes e as dores na cabeça não conseguimos deixar de ir, ano após ano, na expectativa de nos surpreender e começamos, como se de um jogo de geopolítica estratégica se tratasse, a coleccionar países.



Grandes homens, Grandes nações


Os Estados Unidos de Bruce Nauman, o Reino Unido de Steve McQueen, a Alemanha emprestada a Liam Gillick e a França de Claude Lévêque são os protagonistas por direito e superintendência política no Giardini. Nauman, o grande, veio para ganhar (e ganhou o Leão de Ouro) com “Topological Gardens”, uma retrospectiva museológica dos seus quarenta anos de carreira com eixo naquele pavilhão e ramificada em dois outros palácios da cidade. Muito dinheiro para uma incontornável implantação topográfica na ilha. McQueen, o controlador, o hiperbólico ou o clássico, apresenta “Giardini”, um filme de dupla projecção espacialmente ensimesmado. Misterioso, intenso, silencioso, não narrativo, com admissão a cada trinta minutos para permanência obrigatória. Reifica uma astuta seriedade anti-veneza. Lévêque, o revolucionário tanatológico, resolve o pavilhão através da sua própria subversão, assinalando-lhe, com bandeiras negras esvoaçantes, o luto institucional. Gillick, o moderno, o pós-nacionalista ou o apátrida, domestica o pavilhão da Germânia nazi com uma cozinha Ikea e humaniza-a com a presença de um gato fofinho. Para além da incontornabilidade das superpotências destacam-se ainda, no cerco do Giardini, o humor negro dos premiados Emlgreen & Dragset, a representar o bairro transnacional da Dinamarca e Países Nórdicos com uma encenação curatorial satírico-gay do mercado falido da arte contemporânea; o naturalismo de Roman Ondák que encorajou a flora autóctone a invadir e habitar o pavilhão da Eslováquia; e o oportunismo político de Zoran Todorovic’s que colocou tapetes cortados a partir de aglomerado de cabelo humano, militar e civil, à venda no pavilhão sérvio por uma quantia democrática de euros.



“It’s not you, It’s me”


Ao contrário do pavilhão da América Latina, que faz ali tanto sentido quanto faria um na China chamado Europa (exactamente o mesmo que fez com que o fashionable Pavilhão África na última bienal não tenha conseguido criar raízes sequer a Angola, a sua vedeta principal, cuja não fixação se deveu, provavelmente, ao facto de se tratar de um país pobre), os estreantes Emirados Árabes Unidos surpreenderam positivamente. Mas não é óbvio e chega a ser confuso pela existência, ali perto e à distância de um barquinho, de um segundo pavilhão, ao qual chamaram plataforma (provavelmente para sugerir almejar maior autoridade intelectual) e sobre este, inexplicavelmente, não temos nada a dizer, a não ser que é comissariado por Catherine David e que se dedica, em exclusivo e para quem está interessado, ao emirado de Abu Dhabi e às suas problemáticas endógenas. O pavilhão de todos os emirados foi conceptualizado por Tirdad Zolghadr (comissário não menos influente que a anterior, já que se move entre a Frieze, a Cabinet, a Bidoun, a Parkett e outros meios mais académicos) que lhe determinou o título “It’s not you, It’s me”, reflexivo da inteligência crítica e consubstanciação teórica da possibilidade, significado e contextualização política, económica e cultural, da presença daquela federação num evento histórico como a Bienal de Veneza. Indispensável a utilização desconstrutiva do aúdio-guia e a leitura do catálogo. Surpresas maiores com “After War” da Estónia de Kristina Norman, documentário político sobre a retirada do monumento da libertação de Tatlin da sua praça principal e as violentas consequências civis ao acto autoritário; com o muito bem premiado “A Life of Imitation” da Singapura cinéfila de Ming Wong; e com a crueza forense e politicamente implicada de “What Else Could We Talk About?” do México (e da sua fronteira americana) de Teresa Margolles. Verdadeira e insuportavelmente dramáticas são, e só para referir algumas a evitar a todo o custo, as prestações de Israel, Bélgica, Irão, Tailândia, Nova Zelândia, Japão, Uruguai, Grécia, Veneza ou Itália.



Fare Mondi


Fazer mundos é a proposta curatorial, solidária e universal, de Daniel Birbaum apoiada em obras fundamentais de Lygia Pape, Yoko Ono e John Baldessari (todos premiados nesta edição da bienal), ou ainda de Cildo Meireles e (ainda que à revelia post-mortem da sua conduta artística) de André Cadere. O discurso contém uma espécie de mensagem apaziguadora e de esperança que se desdobra expositivamente entre um palácio (de princesas?) e um arsenal (naval e de armamento). É politicamente correcta, optimista e amiga de todos. Considera que o processo criativo é uma forma de criar outros mundos que, por o transcenderem, dão imenso jeito para fugir a este. Sugere, ainda que rodeada por ambiciosas manifestações de poder político e económico, que a arte é autónoma a estes factores, através de uma proposta facilitista e de concretização literal que se apoia na aparência construtiva das propostas artísticas seleccionadas. Ou seja, que fazemos mundos quando empilhamos muitas coisas, enformando-as em arquitecturas mais ou menos informais, e lhes damos um nome bonito. As obras vencedoras em exposição são assim, grandes, espectaculares, coloridas e interactivas: um bar cinético (Leão de Ouro para Tobias Rehberger) e um jardim grotesco (Leão de Prata para Nathalie Djuberg). Das obras dos noventa artistas em exposição destacam-se particularmente os postais ficcionais da Veneza de Aleksandra Mir; a instalação cósmico-filosófica de Tomas Sarraceno; a animação vídeo projectada “Sade for Sade’s Sake” de Paul Chan; o imaginário encantado do bric-a-brac de Hans-Peter Feldmann e a biblioteca pública desenhada por Rirkrit Tiravanija.



A Guerra dos Mundos


O Padiglione Internet de Miltos Manetas; a Keyword School de Xu Tan; a Palestina na Giudecca; a República do Gabão e a União das Comores; a Catalunha; Gales, Irlanda, Escócia, Cumbria e o subúrbio londrino de Peckam; o principado do Mónaco e o Montenegro; o Pavilhão da Manifesta de Múrcia ou o Palácio Grassi da colecção Pinault são os admiráveis mundos novos que concorrem no panorama esgotado da Bienal de Veneza.




Lígia Afonso


NOTA

* Sobre a exposição “Experiments and observations on different types of air” de João Maria Gusmão e Pedro Paiva no Pavilhão de Portugal ver artigo crítico de Joana Lucas em www.artecapital.net/criticas.php?critica=243