Links

PERSPETIVA ATUAL


Raqs Media Colective, “Escapement [Escape]”


Sandra Gamarra, “Pág. 13”, · 2010 · da série: “Catálogo October 18, 1977”


Cildo Meireles, “Inserções em circuitos ideológicos: Projeto Cédula”


Artur Barrio, “Des . compressão”


Flávio de Carvalho, “Experiência N.2”


Harun Farocki, “Serious Games III: Immersion”


Mario Garcia Torres, “Las variables dimensiones del arte”


Pixação SP, “SURRA rudá > SEM MEDO juca > COMA wil”. Fotografia: Choque Photos


Roberto Jacoby, “El alma nunca piensa sin imagen [A alma nunca pensa sem imagem]”


Wilfredo Prieto, ”Apolitico [Apolítico]”

Outros artigos:

2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

HORROR VACUI - 29ª BIENAL DE SÃO PAULO



BRUNO LEITÃO

2010-12-21




A vigésima nona edição da Bienal de São Paulo terminou no passado dia 12 de Dezembro.
Esta foi a edição do “regresso da Bienal”. Regresso porque a edição deste ano surge como sucessora da Bienal do Vazio. A pressão para que esta fosse a reinstituição da Bienal, depois da edição tão autoral de Ivo Mesquita, que colocou em causa a própria continuação do certame, sentiu-se ao “viajar” pelos quatro pisos de uma Bienal repleta de obras de 161 artistas e colectivos. Se a edição anterior foi a Bienal do Vazio... esta é Barroca...


Dois Curadores, Muitos Curadores

Aos dois curadores chefes, juntaram-se Sarat Maharaj, Rina Carvajal, Fernando Alvim, Yukio Hasegawa e Chus Martínez. Em versão oficial, os últimos três foram correspondentes. Para uma selecção tão vasta de artistas e peças de vários pontos do Globo, de muito devem ter servido os vários curadores convidados que, parecem ter sido mais assessores ou conselheiros do que curadores, mesmo num sentido mais abrangente da palavra. Não foi possível observar núcleos distintos que se imagine terem sido idealizados por diferentes curadores, nem restam indicações de que tal tenha ocorrido. Nem mesmo percorrendo o Portolano (guia de bolso da exposição) se encontra referência aos diferentes núcleos, colaborações ou autorias partilhadas. Sem a informação no website não seria possível ao visitante dar-se conta da existência de uma equipa curatorial para além dos dois elementos principais: Agnaldo Farias e Moacir dos Anjos.


Título e Conteúdo

A Bienal teve por título “Há sempre um copo de mar para um homem navegar” – verso do poeta Jorge de Lima tirado de Invenção de Orfeu (1952). O título não teve paralelo com a exposição, não por ser demasiado poético, e por conseguinte algo inalcançável em termos práticos, mas porque a própria mostra era um imenso espaço de peças com pouca ligação entre si e que entre si pouco comunicam. Quando se entrava na exposição propriamente dita, o visitante deambulava de peça em peça como se de ilhas se tratassem. Não parecia haver uma ligação entre elas que permitisse que o todo fosse mais do que a soma das partes. Talvez por serem demasiadas peças as ligações possíveis eram tantas que se tornaram invisíveis ou irrelevantes.

Um dos conjuntos em que as peças comunicavam entre si, e entravam num diálogo construtivo, era o conjunto formado por Hélio Oiticica, Sandra Gamarra, Cildo Meireles e Artur Barrio que eram antecedidos por Flávio de Carvalho: a melancolia de Flávio de Carvalho é transformada em raiva política por Hélio Oiticica e silenciada pelas imagens de recortes de imprensa sobre os Baader-Meinhof, que no fundo são pinturas das pinturas que Gerhard Richter fez a partir de recortes que retratam o período de clausura, suicídio (homicídio?) e funeral do grupo.

Apesar de os núcleos não terem consequência efectiva na compreensão da exposição, a Bienal tinha muitas obras excelentes: o trabalho (título e descrição) de Harun Farocki instalado em vários LCDs num canto, que era um dos raros lugares da bienal em que a cacofonia não se impunha. Harun Farocki, para além da Bienal de São Paulo, mereceu uma retrospectiva em simultâneo no Cinusp (Cinema da Universidade de São Paulo) e na Cinemateca.

A lista de obras interessantes é demasiado longa para enumerar neste texto, mas são inúmeras as obras a merecerem menção. “Las variables dimensiones del arte” de Mario Garcia Torres, é uma instalação na qual o artista cartografa um roubo ocorrido na exposição “Cien años de pintura francesa”, realizada no início da década de 60 no México e na Venezuela, o roubo cometido por elementos da guerrilha desta forma cartografado através de registos fotográficos e desenhos hipotéticos feitos pela polícia em que o artista se apoia para continuar a história. Este é também um trabalho encomendado pela Bienal. São vários os trabalhos encomendados pela Bienal para esta edição, o que constitui um risco acrescido, mas que torna a mesma por diversas vezes imperdível.


O Brasil

Houve um trabalho com as referências históricas da Arte Brasileira, cerca de um terço dos artistas desta edição eram brasileiros, sendo que são uns mais conhecidos que outros. Naquela que é referida muitas vezes pela comunicação social como a “vitrine da arte brasileira para o mundo”, há um resgatar da própria história da arte do país do desconhecimento, não só por parte de um público alargado e internacional mas, também, porque segundo os curadores há ainda um trabalho a fazer sobre uma parte da produção brasileira de uma época em que a arte no Brasil tinha um pendor político muito forte.


Som e serviço educativo

Numa Bienal em que 40% das obras eram vídeos, o som das mesmas raramente podia ser escutado sem interferência de outras peças no mesmo meio, ou por uma turma de estudantes que permanente inundava (pelo menos sonoramente) o edifício da Bienal. Como diria um dos curadores “a Bienal deste ano está no seu limite para ser visitada”. Entre o número claramente excessivo de obras, a interferência contínua que algumas causavam sobre outras ou uma das dezenas (centenas?) de turmas que visitavam diariamente o espaço, o visitante acabava por se ver num conflito entre a vontade de completar a exposição e o mal-estar provocado pelo constante ruído, num edifício com demasiado eco e que não foi idealizado para acolher exposições de arte contemporânea.
O ruído inescapável de um Serviço Educativo omnipresente com vários milhares de monitores colocou um enorme desafio ao funcionamento de uma Bienal que obviamente se desejou aberta e abrangente no que toca a públicos. 30.000 pessoas receberam formação para trabalharem com o Serviço Educativo numa acção que se estendeu muito para além das portas do edifício da Bienal no Parque Ibirapuera, permitindo pensar que o número de visitantes da Bienal possa ter ido muito além do número final de visitantes. Segundo relatórios finais este número situou-se nos 553 mil visitantes, para um período de três meses de portas abertas, durante os sete dias da semana e em que não se cobrava entrada.


Presente e futuro

Ainda, antes da prestação de contas, o presidente da Fundação Bienal foi reeleito, com o intuito da selecção célere do curador da edição seguinte, de forma que o mesmo possa trabalhar atempadamente. Coloca-se pela, primeira vez, a hipótese de convidar um curador estrangeiro. Entre os nomes avançados surge à cabeça Hans Ulrich Obrist, que como único impedimento terá a agenda demasiado preenchida, de resto o mesmo já se encontra a comissariar juntamente com Paulo Herkenhof uma exposição sobre arte brasileira que supostamente será exibida paralelamente à próxima Bienal de São Paulo e que tem o apoio de Heitor Martins. Para além de Obrist são dados como hipóteses Luis Pérez-Oramas (curador da exposição “Tangled Alphabets: León Ferrari and Mira Schendel”), Agustín Pérez Rubio (actualmente director do MUSAC en León). Além destes nomes os brasileiros Rodrigo Moura (que já foi curador do Instituto Inhotim) e Suely Rolnik (psicanalista, critica cultural, investigadora e professora na Universidade Católica de São Paulo e no MACBA (PEI), co-autora com Félix Guattari de Micropolítica: Cartografias do desejo (Vozes, 1986) e reeditado como Molecular Revolution in Brazil (MIT, 2007)).


Arte e Política

Em suma, a Bienal poderá ter sido demasiado grande. Um dos curadores afirma que voltando atrás retiraria 30% das obras, não por não acreditar nas suas mensagens e qualidade mas porque considera que o espaço está demasiado preenchido; perderam-se ligações e quaisquer subtilezas que pudessem tornar o percurso entre cada obra em algo mais do uma curta fuga. A leitura de algumas obras ficou atrofiada pelo contágio excessivo com outras e num espaço (como anteriormente referido) em que o som do primeiro piso parece chegar ao terceiro, é difícil fazer leituras mais recolhidas e reflexivas, o ritmo torna-se obrigatoriamente o de um zapping.

Os curadores afirmavam esperar de antemão controvérsias e contrariedades que se tornaram habituais ao longo da história da Bienal, no entanto, nesta edição parece ter-se fugido a confrontos directos talvez por pressões relacionadas com a anterior edição. Um dos exemplos é a participação sob a forma de documentação de Pixação SP, o colectivo que em 2008 invadiu o espaço vazio com o seu próprio contributo. Os dois comissários principais justificam este convite sob a forma de documentação como uma forma de manter a integridade do trabalho dos mesmo vistos que a “pixação” dentro do espaço da Bienal seria uma “domesticação” daquilo que fazem na rua. Afirmaram ainda que convidá-los era uma medida necessária numa Bienal com Arte e Política na sua agenda de discussão. É impossível não pensar que este foi um acordo de cavalheiros com o intuito de não perturbar o funcionamento da Bienal.

A peça de Roberto Jacoby que lançou a maior polémica e que mereceu uma carta aberta por parte do artista que se sentiu lesado na autonomia artística e à qual os curadores responderam do mesmo modo invocando um artigo da lei que proíbe a: “veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, fixação de placas, estandartes, faixas e assemelhados em bens cujo uso dependa do Poder Públicos — a exposição acontecerá no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque Ibirapuera, local que se enquadraria na classificação.” Esta é essencialmente uma lei eleitoral neste caso aplicada em tempo de campanha eleitoral porque a peça fazia referência e supostamente apoiava a então candidata Dilma Rousseff.

Polémicas à parte é insólito que uma obra de arte seja analisada à luz do seu conteúdo e referências em relação à vida politica do país onde a obra é mostrada. Se o tema estava relacionado com Arte e Política, por principio estas questões teriam que já estar acauteladas. Será que uma obra de arte só se pode referir a Politica nas suas formas abstractas e ideológicas? Fosse ou não interessante a obra foi removida não como uma opção curatorial, mas por uma opção política e legal.

A mostra padece de alguns problemas que sofrem habitualmente exposições desta natureza, mas no seu todo foi uma óptima oportunidade para ver inúmeras peças de elevado interesse debaixo do mesmo tecto, levando ao excesso uma concepção de exposição demasiado convencional para um tema que talvez não seja bem abordado numa tipologia de exposição tão ortodoxa: “Arte e política”.


Bruno Leitão