Links

PERSPETIVA ATUAL


Manuel Borja-Villel

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

A ÚLTIMA OPORTUNIDADE



MANUEL BORJA-VILLEL

2011-02-18




Num texto publicado no El País, de 10 de Fevereiro de 2011, Manuel Borja-Villel, director do Reina Sofia, analisa a história e a posição da Arco no contexto internacional e no panorama cultural espanhol. A sua opinião intitula-se: A Última Oportunidade.



Durante quase um par de décadas, a Arco gozou de um inesperado protagonismo no panorama artístico espanhol. Mais que uma feira propriamente dita, a Arco foi um referente cultural. Gerações inteiras de estudantes habituaram-se a ver arte contemporânea nos seus pavilhões, e foram assumindo que as novidades da feira representavam o que acontecia no mundo. Mas, como acontecimento artístico, a Arco estabeleceu o seu próprio cânone, que logicamente tem mais a ver com os valores do mercado do que com os da criação e do conhecimento.

As feiras são lugares de intercâmbio por antonomásia e costumam surgir em contextos nos quais o coleccionismo e as galerias são muito potentes. A Arco, pelo contrário, foi fundada no início da década de oitenta, numa Espanha em que o mercado de arte era, como muito, incipiente. Edificou-se a estrutura com a esperança de que esta gerasse o conteúdo. Não surpreende a ambiguidade estrutural em que Arco assentou desde o seu início, nem que, ao longo do tempo, fosse causa de grandes debates entre directores, galeristas, críticos e artistas. Por um lado, insistia-se em que a feira deveria reduzir o número de stands, melhorar a qualidade da sua oferta e centrar-se nos profissionais do sector. Por outro lado, as actividades paralelas tiveram sempre uma importância capital e nela analisaram-se frequentemente, com uma desigual afluência de público, temas que tinham pouco que ver com a feria ou eram directamente contraditórios com o que aí se mostrava.

A Arco teve sempre um grande êxito mediático e de público. Ano após ano a imprensa e a televisão cobriram as suas iniciativas até ao mais mínimo pormenor, o número de visitantes cresceu exponencialmente e os representantes políticos não cessaram de assistir pontualmente aos seus actos. Contudo, a euforia e o prestígio social da Arco não garantiram a sua relevância artística.

Sabia-se que a Arco não iria ser Art Basel, mas existia a esperança de que chegasse a ter uma certa centralidade no que diz respeito à nova criação e de que fosse a grande ponte com a América Latina. Pouco a pouco impôs-se o princípio de realidade e comprovámos como estes mercados foram ocupados por outras feiras que demonstraram gozar de um maior dinamismo. A Frieze, em Londres, começou a mostrar o trabalho de artistas mais jovens e Miami Art Basel atraiu os grandes coleccionadores latino-americanos. Apesar da reiteração com que expuseram as diversas manifestações da arte digital e o interesse pelo denominado “Cutting edge”, também se entendeu que, na sociedade actual, estavam a gerar-se outros dispositivos de exposição e distribuição, e que estes já não podiam ficar reduzidos ao âmbito da galeria tradicional.

A Arco é hoje um sintoma dos problemas que o sistema artístico espanhol enfrenta: falta de visibilidade, carência de um relato próprio e certas doses de afectação. Enganámo-nos quando pensávamos que as infra-estruturas forjariam por si um discurso e tecido cultural, porque o resultado foi a dissolução do espaço público no domínio da publicidade e a absorção do artístico pelo social. Fomentou-se o espectáculo, pensando que os números eram tudo, mas logo que os recursos económicos começaram a diminuir, a realidade de um mercado muito precário e de um debate de pouco calado, tornou-se cruamente visível.

É inegável que os modelos em que a nossa engrenagem cultural se baseou deixaram de ser válidos e que é necessário desenvolver novos paradigmas. Também não resta dúvidas de que a ansiedade por sermos reconhecidos (o que não deixa de ser uma forma perversa de reforçar uma hegemonia na qual parece que estamos condenados a permanecer numa posição subalterna) foi uma constante na nossa história recente. Temos que estar conscientes da excepcionalidade da nossa história e da precariedade da nossa modernidade. Talvez tenha chegado a hora de deixarmos de nos olhar através de estruturas estabelecidas e procurar uma posição própria no mundo que se transforma muito rapidamente. Se a Arco quer desempenhar um papel relevante neste contexto, temos de entender que o importante não é potenciar uma política de vendas a curto prazo, nem refugiar-se nos benefícios proporcionados pelo aluguer dos stands ou na repercussão mediática. As épocas de crise são também períodos de transformações profundas. A Arco, encontra-se possivelmente perante a sua última oportunidade, e chegou o momento de propor uma feira que se converta num autêntico lugar de intercâmbio e negociação. Um lugar no qual tenham espaço os novos modos de produção e de uso que caracterizam o mundo global em que vivemos, e no qual a realidade ibero-americana seja um dos eixos vertebrais.



NOTA
A versão original do texto está disponível em: www.tinyurl.com/475f86b