Links

PERSPETIVA ATUAL


Francis Alÿs, The Collector, 1991-2006. Vista da instalação 
no MoMA.
 
Cortesia do artista.
 © 2011 Francis Alÿs. Fotografia: Jason Mandella.


Francis Alÿs, A Story of Deception, 2003–06.
 Vista da instalação 
no MoMA PS1. 
MoMA, Nova Iorque. 
© 2011 Francis Alÿs.
 Fotografia: Jason Mandella.


Francis Alÿs, Paradox of Praxis I (Sometimes doing something leads to nothing), 1997. Cortesia do artista e David Zwirner Gallery, Nova Iorque. © 2011 Francis Alÿs.


Francis Alÿs, Cuentos Patrióticos, 1997. Vídeo (p.b., som), 24:40 min. Instalação no MoMA. Cortesia do artista e David Zwirner Gallery, Nova Iorque. © Francis Alÿs. Fotografia: J. Mandella.


Francis Alÿs, Rehearsal I (Ensayo I), 1999-2001. Vídeo (cor, som), 29:30 min. The Museum of Modern Art, Nova Iorque. © 2011 Francis Alÿs.


Francis Alÿs, When Faith Moves Mountains, 2002. The Museum of Modern Art. © 2011 Francis Alÿs.


Francis Alÿs, Re-enactments, 2001. Vídeo (color, sound), 5:20 min. The Museum of Modern Art, Nova Iorque. © 2011 Francis Alÿs.


Francis Alÿs, The Modern Procession, 2002. Vídeo (cor, som), 12 min. The Museum of Modern Art, Nova Iorque. © 2011 Francis Alÿs.


Francis Alÿs, Tornado, 2000-2010. Vídeo (cor, som), 39 min. The Museum of Modern Art, Nova Iorque. © 2011 Francis Alÿs.


Francis Alÿs (em colaboração com Honoré D'O), Duett, 1999. Vídeo (cor, som), 6:48 min. Cortesia do artista. © 2011 Francis Alÿs.

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

FRANCIS ALŸS: A STORY OF DECEPTION



PATRÍCIA ROSAS

2011-07-28





FRANCIS ALŸS: A STORY OF DECEPTION

MoMA, 8 de Maio a 1 de Agosto 2011
MoMA PS1, 8 de Maio a 12 de Setembro 2011





A Story of Deception (2003-2006) é uma película de 16 mm, com cerca de 4 minutos, cor e sem som, que dá título à exposição retrospectiva do artista belga Francis Alÿs (n. 1959), dividida entre o MoMA e o MoMA PS1, em Nova Iorque, e comissariada por Klaus Biesenbach, director do PS1, e assistida por Cara Starke, curadora assistente no departamento de Arte Performativa e Media do MoMA.


Apresentada nas galerias do PS1, a peça A Story of Deception mostra uma estrada na paisagem árida da Patagónia, na Argentina, e no horizonte uma miragem. Ao contrário da maior parte dos trabalhos em vídeo e filme de Alÿs, em que o artista trabalha o som minuciosamente, esta obra não tem propositadamente som, vive de uma imagem fixa em loop.


Com esta ilusão longínqua, que serve de mote à exposição, estará Alÿs tão desesperançado que introduz o público neste espaço com uma “história de decepção” e confronta-o com a presença de um lugar (ou de um caminho) inalcançável?


Foi na cidade do México que Francis Alÿs começou a sua actividade artística. Sediado desde 1986 na capital mexicana com uma população de mais de 8 milhões de pessoas, e uma área metropolitana de 21 milhões, Alÿs sentiu um gigantesco choque cultural quando chegou ao México, vindo de Veneza onde exercia Arquitectura. Alÿs foi ocupando o seu espaço através da caminhada: uma forma de reconhecimento, que resultou num conhecimento profundo da cultura da América Latina tão presente nas suas performances e nos vídeos.


Inevitavelmente, o México é a cidade eleita para a crítica política e social basilares nos trabalhos do artista, patentes nesta retrospectiva.


Paradox of Praxis I (Sometimes doing something leads to nothing) e Cuentos Patrióticos, de 1997, são ambos vídeos sobre o México. Cuentos Patrióticos refere-se a um evento político ocorrido em 1968, que originou o protesto dos estudantes contra o governo mexicano na praça Zócalo, a quarta maior praça do mundo e o centro da identidade nacional do México. No filme de Alÿs, de 24 minutos, o plano está fixo sobre a praça vazia. O artista entra em cena com uma ovelha atrás dele, e caminha em redor do estandarte da bandeira que se encontra no centro da praça. Formando uma procissão, cada ovelha entra, uma a uma, individualmente na praça. A certa altura as ovelhas começam a sair da linha, ou seja, a sair de cena, e o filme acaba com a praça novamente vazia. A composição é magnífica, o preto e branco cria uma imagem harmoniosa, num absurdo de acção incapaz de se abandonar, numa mensagem que se relaciona eventualmente com a ideia de cortejo, de seguir as ideias ou os passos dos outros, ausência de uma identidade capaz e individualizada.


Em Paradox of Praxis I (Sometimes doing something leads to nothing), Francis Alÿs empurra uma pedra de gelo nas ruas da cidade do México, com as mãos, depois com o pé; à medida que o gelo é deslocado, vai derretendo, terminando o filme com o plano de uma pequena poça de água. Nesta performance de 9 horas, apenas vemos 5 minutos do esforço do artista que empurra o bloco de gelo, e que resulta em nada. Tal como em Rehearsal I (1999-2001), a referência ao Mito de Sísifo de Camus é evidente. O esforço de Sísifo que carrega a pedra até ao cimo da montanha é vão, porque ao chegar ao topo Sísifo vai ver a pedra rolar para baixo novamente. Personagem da mitologia grega, Sísifo foi utilizado por Camus para reforçar o absurdo da vida humana: os homens estão condenados a repetir continuamente a tarefa cansativa e inútil que lhes foi imposta, limitados por uma liberdade monótona e repetitiva. Rehearsal I apresenta um automóvel a subir e a descer uma colina na fronteira américo-mexicana. No vídeo ouve-se o som de uma banda: quando toca o carro sobe a colina, quando os músicos fazem uma pausa o carro pára, e quando os músicos estão a afinar os instrumentos o carro desce novamente a colina, nunca chegando ao outro lado da colina.


O humor é constante nos trabalhos de Francis Alÿs, mas também estão sempre presentes na sua obra o esforço e a persistência para mudar alguma coisa.


Alÿs não baixa os braços, como parecia querer fazer-nos acreditar em A Story of Deception.


When faith moves mountains (2002) comprova o verdadeiro sentido do título, da fé de facto fazer mover montanhas. Cerca de 500 participantes reunidos ao longo de uma linha movem areia de uma duna em Lima, Peru, alterando em alguns centímetros a localização da duna, e revelando um esforço colectivo imenso para um resultado tão pequeno. Este vídeo é acompanhado por um conjunto de desenhos, esboços, que apresentam o trabalho realizado a priori pelo artista, com instruções ou comentários a notícias, documentos, etc. Este tipo de documentação, mostrado em vitrinas, é constante ao longo da exposição, junto a filmes como Duett (realizado para a Bienal de Veneza, em 1999), Re-enactments (2001) ou The Modern Procession (2002).


São as histórias que enriquecem a obra de Francis Alÿs, mas é igualmente uma técnica impressionante no trabalho da imagem em movimento, sobretudo no que diz respeito ao som, ao rigor compositivo, aos ritmos de construção que completam o seu trabalho. E, neste sentido, Guards (2004-2005) ou Tornado (2000-2010) são excelentes exemplos. Guards, filmado em Londres, apresenta 64 Coldstream Guards, a tropa de infantaria da elite do exército britânico. Arquitecturalmente coreografada pelas ruas da cidade, a formatura em quadrado é fortemente marcada pelo bater das botas da Guarda, realçando assim o som dos passos.


Em Tornado, a construção do filme tem mais que ver com ritmos estruturais da composição (por isso demora dez anos a ser produzido) do que propriamente com uma estrutura narrativa. Magistralmente conseguido, acompanhamos a formação do tornado até Alÿs com a câmara na mão entrar no seu centro, aí permanecer e depois sair, numa persistência e resistência inesquecíveis. A violência reforçada pelo som do tornado é magnífica.


Francis Alÿs nunca desiste. A decepção não significa desistência. É preciso procurar mudar alguma coisa, por mais pequena que seja, ou mesmo que não leve a lado nenhum. Mas basta apenas relembrar Beckett, citado na entrada da exposição de Alÿs no MoMA:


Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Failed again. Fail better.



Patrícia Rosas