Links

PERSPETIVA ATUAL


A Morte Lenta, 1945, de Emile Henry. Editorial Ibérica. Fotografia: Teresa Tojo


Vista da exposição BIRDS (2016), Christine Henry. Fotografia: Teresa Tojo


Vista da exposição BIRDS (2016), Christine Henry. Fotografia: Teresa Tojo


Vista da exposição BIRDS (2016), Christine Henry. Fotografia: Teresa Tojo


Vista da exposição BIRDS (2016), Christine Henry. Fotografia: Teresa Tojo


Vista da exposição BIRDS (2016), Christine Henry. Fotografia: Teresa Tojo


Vista da exposição BIRDS (2016), Christine Henry. Fotografia: Teresa Tojo

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

OS PÁSSAROS DE BUCHENWALD



NATÁLIA VILARINHO

2016-08-29




 




"Depois de quatro anos de ausência voltei a Portugal. Se se tratasse de uma simples viagem para meu recreio, seria supérfluo escrever um livro, mas é que dêstes quatro anos, perto de dois vivi-os num dos maiores campos alemães de concentração: o de Buchenwald.”

Emile Henry in “A Morte Lenta”. Editorial Ibérica. 1945


“Devo eu descrever o tempo, descrever os pássaros, os cheiros, as flores, os insectos? Nesta terra da Turíngia, nesta floresta de faias, aquela onde Goethe se vinha refugiar, como mostrar o que não pode ser representado sob a superfície da imagem?”

Christine Henry, folha de sala da exposição “BIRDS”. 2016


 




Emile Henry foi capturado perto da fronteira entre França e Espanha quanto tentava regressar a Portugal para junto dos pais. Tinha 20 anos quando a farda francesa que usava por estar a cumprir serviço militar lhe valeu a ida para Buchenwald, um dos maiores e mais aterrorizadores campos de concentração alemães da 2ª Guerra Mundial, de onde só saiu no fim da guerra. Christine Henry, sua filha, visitou Buchenwald em Maio de 2012. O resultado da visita é BIRDS, exposição inaugurada em Agosto deste ano no seu atelier, em Loulé. Como abordar uma questão histórica que é, ao mesmo tempo, tão pessoal?


Conta-se que os pássaros desapareceram por completo da floresta de Buchenwald enquanto o forno crematório do campo de concentração se manteve activo e só voltaram quando o campo fechou e as pessoas começaram lentamente a perceber o que afinal se passava na Alemanha em pleno século XX. Christine Henry parte da associação entre pássaros e liberdade para criar um conjunto de peças cuja mensagem nos é difícil de digerir. É difícil digerir a realidade e aceitar que o horror, como diz a artista na folha de sala, “é uma tragédia inventada pelos homens”.


À entrada, uma grande instalação evoca aquilo que seria a praça da chamada, onde os prisioneiros eram deixados horas ao frio e à chuva, apenas para deleite nazi. Nela, estão vinte e cinco aves, pássaros que representam a vida humana e a grande variedade de culturas afectadas nesse tempo. São todos diferentes. Em cada um, uma identidade. Em cada um, alguém que está virado de frente para a floresta de Buchenwald, representada na parede em três fotografias a preto e branco. Estas pequenas peças, de tamanhos variáveis, construídas com recurso a madeira, crochet e outros materiais, despertam emoções díspares. São figuras desoladas, mas também destruídas e assustadoras. No meio delas, tábuas de madeira que evocam beliches. No meio das tábuas, peças soltas, esqueletos numa vala comum, representam o que ficou para trás.


Ao lado desta instalação, um carrinho de mão com uma grande cabeça de pássaro e outras, mais pequenas, entrelaçadas em arame farpado. O horror feito objecto. Num pequeno canto, separado da zona de entrada, somos assaltados por uma bancada de madeira com dez barras de sabão feito a partir de cinzas e sebo. Ao lado, uma imagem do forno crematório de Buchenwald. O horror feito arma. É-nos disparado um número de prisioneiro, cravado num quadro com um pássaro que habita este pequeno canto.


É percorrendo esta exposição de Christine Henry que o horror nos vai invadindo, a pouco e pouco. A passagem da grande instalação à entrada para o pequeno canto das barras de sabão desenha já em nós um desconforto crescente. E é quando entramos no último espaço que o horror se torna documento, que percebemos que o histórico é pessoal. É aqui que o cruzamento entre a história de Emile e a obra de Christine culmina.


Estamos numa sala com um amontoado de pássaros no chão. São corpos empilhados. Nestas pequenas peças de madeira, que a artista usa para construir os pássaros que estão na sala, estão corpos empilhados. As várias cabeças de pássaros são intercaladas nas vitrines com vários exemplares de “A Morte Lenta”, obra que Emile Henry escreveu depois de sair de Buchenwald. Há páginas abertas, a história está à frente de todos. Por baixo, estão mantas dobradas. Numa parede, seis telas com membros de pássaros, em fundos negros. Os pássaros que fugiram de Buchenwald e voltaram, um dia, quando o ambiente se tornou respirável.


Christine Henry esteve por várias vezes prestes a visitar Buchenwald. Por uma razão ou por outra, quando visitou o campo, já Emile falecera. Habitaria BIRDS um espaço diferente se tivessem um dia falado sobre a sua visita? Sobre as suas percepções acerca do espaço? Acerca daquilo que se estende para lá do espaço?


Para quem visita, BIRDS é tocante pelo registo pessoal, mas é sobretudo um testemunho fortíssimo, que nos abala por completo na sua mensagem social, política e humana. Está aqui Emile, mas como o próprio escreveu em “A Morte Lenta”, está muito mais: “muitos amigos me têm pedido que escreva o que vi e vivi, e se o faço agora alguns meses depois da minha libertação, é objectivamente, limitando-me apenas a descrever os factos sem os comentar, ou fazendo-o o menos possível, pedindo ao leitor que não veja nestas linhas a minha história pessoal mas a de milhares e milhares de crianças, de jovens, de homens feitos, de velhos e de mulheres, pessoas de tôdas as condições sociais, de tôdas as religiões e de todas as raças, que suportaram, pelas suas ideias, sofrimentos que a história moderna nunca registou”.


 


Natália Vilarinho


 


:::


A exposição BIRDS pode ser visitada no atelier da artista, em Loulé, entre 5 de Agosto e 30 de Setembro de 2016.