Links

PERSPETIVA ATUAL


John From (2015)


John From (2015)


A Espada e Rosa (2010)


Recordações da casa amarela (1989)


Recordações da casa amarela (1989)


Vai e Vem (2003)

Outros artigos:

2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

CONVERSAÇÕES NA ESPLANADA COM JOÃO NICOLAU – PARTE 2



ALBERTO MORENO

2016-10-20




 


Entretém sobre o divino e o humano, o político, e como não podia deixar de ser, o cinematográfico, na Praça 2 de Maio com o cineasta João Nicolau, o último vencedor do festival Filmadrid para o melhor filme em competição e a melhor longa metragem para o júri jovem.


Uma manhã de domingo, depois das memórias da festa que os rapazes do Filmadrid nos propuseram na noite anterior – quem escreve desfaleceu. Bonita manhã, boa gente, bom ambiente no terraço do 2D na esquina da rua Velarde com a rua de San Andrés em Madrid. Terraços cheios, bons vinhos, conversas com o pessoal do local. Um encontro muito gratificante com uma antiga conhecida e umas quantas cervejas sem problemas de tempo. Espero na minha quietude hedonista a chegada de João Nicolau, cineasta “terrível, por impedimento ético”, parafraseando o já desaparecido Bernard da Costa sobre a figura de João César Monteiro, pai espiritual desta maravilhosa camada de cineastas de Portugal.


E ali nos sentámos, vendo passar a vida... as crianças a jogar à bola, uns músicos a tocar, os casais a beijarem-se, a gente conversando e... uma menina passa em bicicleta diante de nós. João pede uma Coca Cola, eu continuo com as minhas cervejas e umas azeitonas a acompanhar. Enrolo um cigarro, ele fuma outro e esperamos ver passar as nuvens.





>>>


 




AM: Falemos de “John From” (2015) e essa viagem que fizeste dentro da psicologia feminina adolescente.


JN: Acho que resultou bastante bem a minha relação com as raparigas, já que nunca as tratei como estúpidas. Parecem-me mais inteligentes, oferecem-te um mundo mais amplo e permitem-te trabalhar juntos. Isto é para mim o socialismos [– um pequeno sorriso surge da justa apreciação].


AM: Acho que as mulheres convertem-nos em sociedade, a sua inteligência emocional leva-nos a fazer comunidade. Abrem-nos mundos de relação mais ricos. Constroem paraísos porque nos interrelacionam. São brilhantes humanamente. Há excepções, mas abrem um mundo de inteligências que nós talvez escondamos. Bom, se calhar exagero... E agora voltam os paraísos. Falemos dos paraísos imaginários e reais. Em “A Espada e a Rosa” (2010) crias um paraíso.


JN: Bom, aí é mais evidente do que aqui o barco ser uma possibilidade de paraíso, com essa substância que lhes permitia destruir as leis da realidade – se se tem que roubar, rouba-se; pode-se viver das artes, da música, da ciência. Mas em “A Espada e a Rosa” mostra-se que a natureza humana é má (o filme termina com a traição).


AM: Tu conseguiste dois paraísos: um paraíso de evasão em “A Espada e a Rosa”, e em “John From” um paraíso de amor...


JN: Sim, o paraíso é viver bem consigo mesmo neste mundo, que é o mais difícil, poderíamos dizer. No entanto, acredito mais na posição da Rita, que tenta isso com essa paixão para seu próprio proveito e faz o bem como side effect. Se não tens prazer, não podes dar prazer. Porque este tipo, Filipe, está disponível para que lhe aconteça isto. Ela não é uma Lolita, não é nociva, e ele também não. No Filmadrid falámos sobre isso. O facto do fotógrafo ser mais velho não é o tema do filme, isso parece-me ser uma consequência que surge no filme, que não está fundado numa coisa de disfunção psicológica ou de preconceitos sociais que a televisão e o cinema nos fazem acreditar agora. Isso não ser um tema faz-me muito bem. Não me disseram “Olha, é uma pessoa madura com uma adolescente, vê lá onde te metes”. Isto é devido a uma contenção do actor, que trabalhou um olhar sem intenção. Isso, creio, é o melhor mérito que se pode atribuir a um actor. Já o conhecia, é um bom profissional, faz de tudo: teatro, cinema, televisão... É o reflexo da bondade. Rita (Júlia Palha) é uma adolescente muito bela. No final essa beleza – não a beleza física, mas o que passou para o filme dessa beleza nas suas expressões – e a disponibilidade de Filipe ao que se passa, é o mais interessante. Por exemplo, Filipe não reage mal quando vem a névoa, que é um problema para todos os vizinhos. Ele está sempre disponível, essencialmente porque está resolvido consigo mesmo e isso fá-lo estar preparado. Agora, acho que se há algo de mensagem isso não me interessava muito. É que o verdadeiro interesse da paixão amorosa, que é egoísmo por si mesma, é aquilo que faz estar disponível ao outro.


AM: E a bondade...


JN: Claro. E isso a mim faz-me considerar caminhos. Há coisas que já não filmaria, como coisas que ocorreram em “A Espada e a Rosa”, e há outras que sim.


AM: Vais voltar em breve às intimidades das relações?


JN: Eu nunca tinha pensado no passado que ia filmar uma paixão adolescente. Por exemplo, como quando Rita chora no momento em que o pai reage. Não sei se continuarei a filmar coisas como “John From”.


AM: Tens um caminho aberto à volta da bondade no campo do amor.


JN: Sim. Agora que tive um filho, há coisas que me mudaram, em que antes não pensava, na verdade. São coisas muito orgânicas, muito práticas. Estás a passear com o teu filho pela rua e dás-te conta da empatia que há no mundo por ter um filho.


AM: O mundo precisa sempre de amor, de ver uma ponta de inocência. As crianças tiram-nos as defesas e aplicamos nelas essa necessidade.


JN: É um momento em que te abandonas, porque às 7h30 estás acordado e tens que ir para a rua com ele brincar. Já não tens cinco horas para fazer o que queres quando chegas a casa. Vives em função dele... [acende um cigarro]


AM: Ensinam-te muito.


JN: Sim... acontecem imensas coisas novas.


AM: Pareceu-me muito interessante o que comentavas na livraria 8 ½, sobre o facto da profundidade de campo ser capitalista. Esses retratos sem profundidade à Straubs.


JN: Bom, nunca fui um cinéfilo. Dessa lista de nomes que citaste [ver www.artecapital.net/perspetiva-188-alberto-moreno-conversacoes-na-esplanada-com-joao-nicolau-parte-1">Parte 1 da entrevista] eu sou o que nunca estudou cinema. Todos fizeram a escola ou vêm da crítica, mas a mim aconteceu-me. Eu estudei antropologia e comecei a montar documentários. Agora chamam-me menos para editar... Parvoíces... porque acham que sou realizador e já não quero editar. Eu com o cineasta belga Alejandro Comodín trabalhei como montador e apoiamo-nos.


AM: Onde é que estudaste edição?


JN: Não, não estudei edição, fui fazendo. Trabalhei para o Sandro [Aguilar], também na última curta do Miguel [Gomes] antes de “As mil e uma noites”. E preciso trabalhar como montador, gosto muito, dá-me muito prazer trabalhar para outros, mais até do que para mim.


Como o Kaurismäki. Não sou um cinéfilo e nesse aspecto se não posso filmar, não tenho grande ansiedade, não vou morrer.


AM: Mas em ti vejo esse parar das personagens no plano, esse olhar a câmara, essa frontalidade. Também em “John From”.


JN: Isso vem-me do antropológico. Eu comecei com o cinema observacional, onde as coisas têm um tempo. Trabalho dessa maneira, mais do que com a ficção. Eu tenho necessidade de fazer isso. Estar com a câmara à espera ali, com ela (Rita). É verão e não se passa nada. Há que contemplar as coisas quando não acontece nada.


AM: Os tempos mortos da vida, tão cheios afinal...


JN: É que isso também é parte da vida, aí ocorrem muitas coisas importantes. Para mim o aborrecimento não existe, é para quem não sabe olhar o que não tem interior. Nunca fui um cinéfilo, mas reconheço que os filmes de que gosto são os que podemos classificar dentro da cinefilia. Quando era adolescente era o maior fã do João César Monteiro. Tinha uma t-shirt com a sua cara, como se fosse uma estrela rock.


AM: Que força vos deu “Recordações da Casa Amarela”?


JN: Bem... eu vi aquilo e interroguei-me “Mas isto pode fazer-se?”, “Que é isto?” Para toda a gente da minha geração, para Miguel e Sandro, ele era o único realizador que nos dizia algo. O único que tinha uma centelha punk. O César Monteiro sempre foi um cineasta muito jovem.


Gosto muito do Aki Kaurismäki. Por exemplo, essa cena em que filma os telemóveis. Acontecem coisas importantes numa mensagem de texto, porque não vou filmar isso então? Há colegas meus que ideologicamente não filmariam. Para mim é tão importante como filmar o ecrã do Google, o Metro... como ir ao hipermercado. É aí onde ocorrem as coisas. É parte da nossa vida.


AM: Como despedida, queria dizer-te que foi um prazer estar contigo, a pessoa que montou “Vai e Vem” (2003). Esse plano eterno no Jardim do Príncipe Real com João César Monteiro, João Vuvu, sentado com a sua bengala e chapéu, vendo passar a vida, a beleza dessa menina montada na bicicleta que passa uma e duas e três vezes. Restavam-lhe poucas horas ao mestre, mas ele continua a perseguir a beleza. Com essa música... ““Donde vas con mantón de manila…” Saí emocionado quando o vi pela primeira vez na Filmoteca lá por 2004.


JN: “La verbena de la Paloma”… Sim, estás a dizer-me isso e eriçam-se-me os pêlos só de recordar. Descobriu-se isso na montagem. Tínhamos já essa música, mas não encontrávamos nada para esse momento até que a pusemos aí e funcionou. Se não te armavas em engraçado – já sabes como ele era – e trabalhavas, ele permitia-te fazer coisas. Estivemos à procura, olhando e acertámos.


AM: Que beleza, de verdade João, que beleza... Quanta beleza tinha esse homem na cabeça.


JN: É incrível, isso foi incrível... Na verdade incrível.


AM: Vem da teatralização da “La verbena de la Paloma” em casa de João Vuvu, com esta rapariga...


JN: Rita Durão?


AM: Sim, Rita Durão.


JN: Uma das raparigas que passa pela casa. Bom, passa muito rápido. É minha companheira. Conhecemo-nos aí, o que é a vida!


AM: E depois esse autocarro, e César Monteiro a olhar para todos os sítios, para um lado, para o outro, para trás, a ver se lhe vai acontecer algo de bonito na vida. Em busca de um mito... Quem era o ser mitológico que estava na árvore? Não me vem agora o nome...


JN: Dafne.


AM: Que maravilha. Em busca de Dafne num autocarro metropolitano, a dar voltas pelo Bairro Alto.


JN: Sim, é cinema de bairro.


[Terminamos a conversação com uma gargalhada]


 




[Segunda parte da entrevista de Alberto Moreno ao realizador João Nicolau - a primeira parte foi publicada nesta secção a 7 de Outubro de 2016 e pode ser lida www.artecapital.net/perspetiva-188-alberto-moreno-conversacoes-na-esplanada-com-joao-nicolau-parte-1">aqui]


 


:::


 


João Nicolau (1975), realizador, começou o seu percurso com Rapace (2006), recebendo o prémio de melhor curta metragem no festival de Vila do Conde. Realizou “A Espada e a Rosa” (2010) e “John From” (2015), este último prémio de melhor longa metragem no festival Filmadrid.