Links

PERSPETIVA ATUAL


Interplanetary Revolution, 1924. Zenon Komisarenko, Youry Merkulov e Nikolai Khodataev.


Interplanetary Revolution, 1924. Zenon Komisarenko, Youry Merkulov e Nikolai Khodataev.


We´ll Keep Our Eyes Peeled, 1927, Nikolai Khodataev Group


Samoyed Boy, 1928. Valentina & Zinaida Brumberg, Nikolai Khodataev & Olga Khodatayeva


Soviet Toys, 1924. Dziga Vertov


Results of a XII Party Congress (of Cooperation), 1925. Anónimo


AELITA QUEEN OF MARS, 1924. Yakov Protazanov


AELITA QUEEN OF MARS, 1924. Yakov Protazanov

Outros artigos:

2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

RREVOLUÇÃO! - PARTE 3: AGITKI! IMAGENS (E SONS) PARA UMA REVOLUÇÃO



ANA RITO

2017-07-17




A Artecapital publica aqui o terceiro de um conjunto de três textos a propósito do projecto Rrevolução!, uma proposta do Colégio das Artes que inaugurou a 24 de Junho, com a curadoria de António Olaio, Alice Geirinhas, Pedro Pousada e Ana Rito, e que pretende reflectir sobre a relação do Modernismo com a Revolução Russa.


Por ocasião da celebração em 2017 dos 100 anos da Revolução de Outubro, o Colégio das Artes da Universidade de Coimbra organiza uma programação, que teve início no mês de Junho, onde se incluem exposições, conferências, concertos e publicações, incluindo um livro que reproduz os cartazes criados, editado pela Stolen Books em parceria com o Colégio das Artes e com design gráfico de José Maria Cunha.


Este terceiro texto contextualiza a exposição “AGITKI! Imagens (e sons) para uma Revolução”, que tem a curadoria de Ana Rito e integra nomes fundamentais da cinematografia soviética como Eisenstein, Vertov, Kuleshov, Dovzhenko, Protazanov, Komissarenko entre outros.  


 


>>>


 


 

Of all the arts… cinema is for us the most important.


Lenine, 1920.


 


O período revolucionário: 1918 – 1929


No início da década de 1920, aquando da instituição da “New Economic Policy – NEP”, regimentada por Lenine, Lunacharsky reorganiza toda a indústria cinematográfica, criando novas salas de cinema (onde são exibidas produções estrangeiras, nomeadamente norte-americanas) e levando a experiência fílmica ao interior do país [1].


Esta é uma era em que o cinema assume toda uma nova dimensão propagandística e pedagógica, no caminho para a edificação e estabelecimento dos valores da Revolução de 1917.


É, efectivamente, durante este período (1918-1929), que surgem as obras mais significativas e inovadoras de cineastas como Sergei Eisenstein (1898 – 1948), V. I. Pudovkin (1893 – 1953), Alexander Dovzhenko (1894 – 1956), ou Dziga Vertov (1896 – 1954) e em que Nadezhda Krupskaia cria o “The Cinema Committee”.


Studying American films, Kuleshov explored the use of expressive movement to render emotion; to this end, he relied on real persons rather than schools … Kuleshov realised the possibility of creating space [through editing] … He thus determined that the content of a frame changes its meaning depending on its context. [2]


No entanto, é em 1919 (ano em que surge “The State Film Institute”, Moscovo) que se inicia grande parte da reestruturação a nível da “forma do filme”, com Lev Kuleshov (1899 – 1970), para quem o processo de edição deveria “desmantelar” o estilo clássico/teatral do cinema pré-revolucionário ("Kuleshov Workshop" [3]).


A montagem cinematográfica deveria assim acompanhar toda a lógica, e a dinâmica, proposta pelo construtivismo e suprematismo.



Neste contexto, podemos estabelecer dois eixos que operam em simultâneo: o eixo horizontal, que compreende elementos narrativos e descritivos (traduzido pela obra de Pudovkin ou de Boris Barnet (1902 – 1965), e o eixo vertical (próprio de cineastas como Eisenstein), caracterizado por exercícios em torno do ritmo, do tom, da óptica e do enquadramento do gesto.


Ora, a forma cinematográfica de Eisenstein, na rejeição daquilo que designa de “estrutura horizontal”, compreende uma estrutura poética ou “vertical”, aquela que não subjuga o filme à linearidade composicional e interpretativa.


Na composição de uma ficção ou de uma narrativa (em termos cinematográficos) o tempo é contraído com vista à construção de uma sequência lógica e consequente, (continuidade) de modo a absorver o espetador (abstraindo-o do contexto circundante) e a possibilitar uma identificação mais direta com a trama e as personagens representadas.


Por sua vez, Eisenstein (Battleship Potemkin, 1925) adopta uma posição estruturalista na relação com o processo constitutivo do filme, focando-se (e manipulando) em elementos técnicos e próprios da linguagem cinematográfica.


A experiência da duração e da passagem do tempo acontece na descontinuidade e na não-linearidade inerentes às propostas ditas “experimentais”.


As vanguardas históricas das décadas de 1910 e 1920 inauguram este desejo corrosivo de desmantelamento ou desvelamento: da materialidade do suporte fotoquímico, do processo de montagem e da própria plasticidade da imagem movente.


O cinema de vanguarda subverte as convenções cinematográficas, ao explorar o medium nas suas especificidades e propriedades, criando através deste procedimento, a “sua história”, distinta do cinema clássico (ou narrativo/ficcional).


Os elementos que configuram a “corporalidade/fisicidade” do filme, como a película, a câmara, o projetor ou o ecrã, são explorados segundo parâmetros espaciais e temporais específicos.



O tempo na imagem (em movimento) reporta-se à captação, à edição e à pós-produção. A esta equação acrescentamos outras parcelas: o tempo diegético (ou cinematográfico), o tempo de duração e a imagem-tempo, numa relação continuada (e complexa) entre tempo real e tempo representado.


Assim, o tempo real é conjuntamente o passado, o presente e o futuro, ou seja, a transtemporalidade (tempos múltiplos, individuais e colectivos) e o instante em simultâneo. Ao criar uma imagem movente, o tempo representado é efectivado através de formas específicas de construção da narrativa visual.


O real, o representado e o ficcional são trabalhados segundo uma perspectiva não coincidente, dilatando associações e leituras plurais. O tempo diegético existe na temporalidade representada e na relação (sequencial ou não) entre fotogramas (ou nos hiatos entre imagem, texto, som): sequência de planos, duração de cada plano e intervalo entre estes.


Falamos pois do tempo de duração: do tempo como componente da linguagem cinematográfica que atravessa todas as decisões a nível de captação da imagem e da sua plasticidade a nível da edição. 

Deste modo, o plano não regista o movimento mas antes o tempo que o revela, tornando o tempo visível, perceptível, na medida em que se torna o alicerce (fundamento) da imagem.


Também Dovzhenko (VUFKU Studio), com a trilogia Zvenigora (1928), Arsenal (1929) e Zemlya (1930), traduz uma espécie de “montagem elíptica”, apostado na desconstrução do tempo e do espaço.


Já o conceito de “Kino-eye/Kino-Glaz” (kino-apparatom), desenvolvido por Vertov, especificamente em Man with a Movie Camera, de 1929, entende a montagem como garante de uma experiência perceptiva ancorada na poética dos intervalos, na simultaneadade das imagens, na materialidade do som (Enthusiasm: The Symphony of Donbass, 1931).


Paralelamente a um cinema de cariz mais experimental e de vanguarda, assiste-se ao despontar de um território híbrido e provido de um potencial propagandístico evidente: a animação.


Se Aleksander Shiryayev e Ladislas Starevich experimentam a técnica do stop-motion entre 1906 e 1910, é, em 1924, e pelas mãos de Vertov que surge o primeiro filme animado, Soviet Toys, uma sátira aos malefícios do Capitalismo.


Nesse mesmo ano, o cineasta Protazanov trabalha um género que cedo se populariza, a ficção científica.


Falamos de Aelita - Queen of Mars, uma obra que evidencia um estilo teatral, futurista e construtivista, na promoção do ideal bolchevique.


Este terá como referência Interplanetary Revolution (1924), animação realizada por Zenon Komisarenko, Youry Merkulov e Nikolai Khodataev, e que narra a existência de uma comunidade interplanetária, na qual o projecto da Revolução se manifesta de forma absoluta.


 


Ana Rito


 




:::


AGITKI!

Cineastas/artistas:


Yakov Protazanov

Dziga Vertov

Zenon Komisarenko

Youry Merkulov

Nikolai Khodataev

Valentina & Zinaida Brumberg

Nikolai Khodataev & Olga Khodatayeva

N. Khodataev Group




:::




Notas


[1] Assiste-se à proliferação dos filmes agitki: filmes de propaganda, cujo intuito seria a “agitação” da sociedade com vista a uma “nova era”.

[2] Jamie Miller, Soviet Cinema: Politics and Persuasion under Stalin. I.B. Taurus, London, 2010, p. 45

[3] Alexander Dovzhenk, Alexander Dovzhenko: The Poet as Filmmaker. Edição e Tradução de Marco Carynnyk. MA: MIT Press, Cambridge, 1973.