Links

PERSPETIVA ATUAL


Portugal no seu melhor (2013-2014), António Barros _ Uma Elegia a Jorge Lima Barreto, Coleção do Museu da Fundação Bienal de Arte de Cerveira.

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



O ESTADO DA CRÍTICA DE ARTE EM PORTUGAL NUM JORNALISMO SEM ESPAÇO PARA A CULTURA



HELENA OSÓRIO

2017-11-12




 

Podemos afirmar que nem a crítica de arte nem o jornalismo cultural estão bem estudados em Portugal, havendo uma enorme falta de conhecimentos e dados sobre estes temas interligados (ou não).

Sobre a teoria e a crítica de arte, existem trabalhos policopiados, artigos e livros publicados mais debruçados sobre o passado do que sobre a atualidade, abarcando o final do século XIX e o século XX, em especial as décadas de 1920, 1940, 1960, 1970 e 1980. Alguns deles foram defendidos em universidades portuguesas, encontrando-se disponíveis ora nos repositórios científicos, ora no mercado livreiro.

Diretamente ligados ao tema, consultamos artigos e dissertações de mestrado, assinados por autores brasileiros, já datados da primeira década do século XXI. Focam a realidade no Brasil que, embora diferente da portuguesa, pode ter alguns pontos de ligação. Isto porque, os jornalistas dos anos 80 e 90 do século XX, em Portugal, foram “basicamente formados” pelos brasileiros da Editora Abril e TV Globo que se fundiram no atual Grupo Impresa e estavam, então, mais à frente na comunicação social.

Na opinião de Gleber da Silva, o jornalismo é um dos espaços mais adequados ao exercício da crítica. O especialista brasileiro, mestre pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, defende a ideia de uma crítica e de um jornalismo cultural que sustentem a independência e autonomia em relação a poderes manipuladores contrários à responsabilidade social.

Aquando do debate sobre a crítica de arte, no I Congresso de Jornalismo, realizado em São Paulo pela Revista Cult, Ana Maria Tavares foca a crítica como um dispositivo da arte – um atributo não só de críticos, mas também de artistas. A artista, professora do Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, lembra que a crítica em arte tem vindo a ser reconfigurada desde o seu surgimento no século XIX – o que ocorre como consequência de um reposicionamento de artistas que instauram a crítica como campo dialógico, onde o discurso já não se coloca de fora para dentro. Os artistas passam a atuar como agentes potencializadores dos debates críticos e adotam práticas de auto-crítica.

À época, do outro lado do oceano, já a revista de artes Bombart (2008-2010), editada pelo Projecto – então também editor da Bienal Internacional de Arte de Cerveira –, contava com uma rubrica onde os artistas plásticos escreviam na primeira pessoa, fazendo a auto-crítica. Era um lugar à arte e à crítica, com a assinatura de artistas e académicos, que morreu por falta de apoios.

 

Know-how

À parte a crítica de arte, ressalvamos especificamente sobre o jornalismo cultural, o artigo intitulado Evolução Portuguesa do Jornalismo Cultural (2006), publicado no anuário JANUS. Nele, Teresa Maia e Carmo, jornalista e docente na Universidade Autónoma de Lisboa, constata a enorme falta de estudos em Portugal. A investigadora começa por salientar a ambiguidade da própria definição de “jornalismo cultural”, discutida em colóquios restritos sem conclusões consensuais.

Em Portugal, a primeira referência a uma revista de carácter cultural surge no Porto onde é editada, em 1761, a Gazeta Literária ou Notícias Exactas dos Principais Escritos Modernos. Os seguintes séculos XIX e XX são abundantes em revistas de cultura e pensamento.

Ainda segundo Teresa Maia e Carmo, nos intranquilos anos pós-revolução 25 de abril, muitos são os títulos nascidos e / ou desaparecidos, como o República, Jornal Novo, A Luta, O Tempo, O Jornal. Observa-se uma tendência de segmentação e especialização cada vez maiores – o que leva, na década de 80, ao aparecimento de jornais e revistas dedicados à cultura. São desta altura os dois únicos semanários exclusivamente dedicados à área da cultura e espectáculos: o Se7e (1977) e o Blitz (1984).

A crise crucificou as artes, a cultura e as publicações da especialidade. Atualmente, os principais diários têm suplementos de natureza cultural com periodicidade semanal. O Jornal de Letras, Artes e Ideias resiste desde 1981 como único jornal temático dedicado à cultura.

Embora Teresa Maia e Carmo aborde o panorama do jornalismo cultural até aos primeiros anos do século XXI, tudo o que se refere a estudos aprofundados, depois da década de 80 do século XX, apresenta-se disperso e basicamente sem reflexões sobre a atualidade, não obstante os Encontros com Críticos de Arte promovidos pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL) e iniciativas da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA), sediada em Paris, que publica o Anuário da Crítica 2014.

No âmbito dos Encontros, Alexandre Pomar diz em entrevista à Artecapital (2008) que,“(...) provavelmente fui o último que na área das artes plásticas trabalhou num jornal como crítico e como jornalista com contrato. Hoje isso terminou. Passou a existir um regime só de colaboradores (...)”. Sandra Vieira Jürgens, a própria crítica, historiadora de arte e editora que o entrevista, publica artigos noutras revistas que vão encerrando, no limiar do século XXI, como a Artes & Leilões e L+Arte, tão importantes na divulgação do panorama artístico e cultural português.

 

Recessão

O espaço dado à cultura na imprensa escrita tem vindo a esgotar, a arte e os críticos passam a ter menor visibilidade. Com a ameaça do desaparecimento da imprensa escrita que assola o mundo inteiro, encerram-se vários periódicos em Portugal, sendo notória a instabilidade tanto na permanência como na qualidade de conteúdos. A cultura ganha um plano secundário, renegando as tendências jornalísticas dos anos 80 e 90 do século XX (e já antes com os esforços de alfabetização do século XIX) que promovem a educação das massas (e não o contrário, como assistimos hoje nos media).

A preocupação vai para a dinamização de subscrições on-line, reduzindo custos. O ano de 2005 fica na história como o pior registo dos últimos 15 anos com a perda de 26 mil leitores, a afectar sobretudo os jornais generalistas em papel. Em 2017, as tendências passam por repensar as políticas desses anos e criar alternativas, sendo que o retorno ao jornalismo da velha guarda é já uma realidade pela seriedade da investigação e conteúdos. (Até o papel tem retomado adeptos, assim como coabitam as grafias do antes e pós Acordo Ortográfico que se reconhece com erros.)

Mesmo que o estudo da História da Imprensa em Portugal confirme que, entre nós, não existe a tradição do jornalismo cultural, as novas tendências abrem uma brecha de luz com publicações de grande qualidade a seguir como a Colóquio / Letras, a Umbigo Magazine e a Contemporânea. Por outro lado, é a publicidade que viabiliza os periódicos, não os leitores! Lentamente retoma-se a aposta em anúncios apelativos, idealizados por designers (e outros especialistas), e em angariadores experientes que foram descurados, tal como os jornalistas consagrados que ensinavam os jovens. A idade não pesa e, sim, o know-how e a carteira de clientes (ou de fontes fidedignas). Portugal carece de um jornalismo sério e com menos fantochada, desgraça e pornografia, cuja repetição desmotiva os leitores e os próprios profissionais do ramo. As fontes noticiosas enchem as redações de novidades culturais que são descuradas a cada instante. Há que abrir o leque.

Em Reflexões sobre o Jornalismo Cultural Contemporâneo (2007), Herom Vargas defende que atualmente a cultura é um grande negócio. Portugal parece ainda não ter essa consciência, mais continuando a publicar o que as assessorias divulgam (muitas vezes sem alterar uma vírgula). Como o mestre brasileiro e doutor em Comunicação e Semiótica (PUC-SP), conclui: “Afinal, o que faz um bom jornalismo cultural não são somente as técnicas, as fontes ou os processos de produção. Tudo isso sempre existiu (…) o que faz um bom jornalismo cultural são, simplesmente, bons profissionais, bons textos (...), bons conhecimentos e boa inteligência”.

Esperamos assim o regresso de muitas publicações culturais que marcaram as gerações do século XX e que os artistas, os críticos de arte e os jornalistas ditos culturais ganhem espaço para exprimirem os seus juízos de valor que fazem falta no panorama artístico e jornalístico português. Como esperamos que estes jornais e revistas recomecem a ser viabilizados pelos grandes senhores da publicidade que foram “arrumados nas gavetas” e que, antes, “financiavam” o jornalismo (e os editores), possibilitando-o.

Pouco há de novo, já tudo foi pensado, é uma questão de se fazerem estudos aprofundados dos melhores exemplos e de voltar a colocá-los em prática.

 


Helena Osório
Nascida em Benguela, Angola, é jornalista cultural, editora e escritora doutorada em Estudos sobre a História da Arte e da Música pela Universidade de Santiago de Compostela, com reconhecimento da Universidade do Porto. Investigadora como membro integrado do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (i2ADS / FBAUP).

Toronto buy cialis buy sildenafil generic vardenafil viagra vs levitra online australia, cheap sildenafil uk canada pharmacy levitra cheap.
Online buy propecia canada pharmacy tablets to viagra buy where cialis vs viagra vs levitra cost at walmart cialis vs viagra italiano viagra pills 3 free order ed pills buy ed pills, sildenafil mg citrate 50 online prescription buy propecia.
Amazon viagra india online levitra mg 20 cost levitra line buy cheap cialis uk generic, online 40 cialis mg from india order viagra generic.
Cheap india viagra online indian viagra gel cialis http://www.socgeografialisboa.pt/sildenafil-citrate-soft-tabs-100mg/ sildenafil citrate gel india, discount uk viagra online over canada counter viagra the.
Faz cialis em quanto tempo efeito sandoz online tadalafil cialis vs viagra price comparison viagra vs viagra generic india in viagra alternative cheap ed drugs best drugs for ed, generic buy levitra online buy viagra.
Cialis generic cheapest cialis buy online prescription with http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra vs levitra side effects prices lowest for cialis http://www.saludos.com/award.htm purchase ed pills otc, finasteride cheap 20mg generic tadalafil.
Cialis or tadalafil mg 40 india tadalafil http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra which better buy cheap no propecia prescription http://www.saludos.com/award.htm ed pills online, 100mg sildenafil price levitra france.
Counter uk over sildenafil the without propecia prescription sildenafil generic canada http://www.socgeografialisboa.pt/cheap-tadalafil-pills/ tadalafil 20mg, generic cialis professional effectiveness cialis viagra vs.